conecte-se conosco


Mundo Cristão

“Marca da besta” está relacionada ao comércio, diz evangelista ao falar de microchip

Publicado

Um dos temas mais controversos do mundo cristão diz respeito à “marca da besta”, algo que apesar de haver referência bíblica, ainda é cercado de dúvidas e mistérios devido às diferentes interpretações sobre profecias bíblicas e, consequentemente, os últimos acontecimentos que antecederão a segunda vinda de Jesus Cristo à Terra.

O debate sobre a marca da besta tem ganhado força nos últimos anos, conforme a tecnologia avança, criando mecanismos como microchips capazes de serem usados em seres humanos, o que muitos acreditam estar relacionado ao futuro governo do anticristo.

O uso de microchips implantados sob à pele, especificamente sobre o dorso de uma das mãos, já é uma realidade no mundo. A empresa polonesa Walletmor, por exemplo, foi a primeira a comercializar esse tipo de produto para a população em geral, em 2021.

O principal argumento para o uso de um microchip sob à pele é o da facilidade na hora de realizar compras e adquirir determinados serviços, visto que o dispositivo pode armazenar dados pessoas como crédito bancário e cartão de vacinação.

“O implante pode ser usado para pagar uma bebida na praia do Rio, um café em Nova York, um corte de cabelo em Paris – ou no supermercado local”, disse o fundador e executivo-chefe da Walletmor, Wojtek Paprota, segundo a CBN News. “Ele pode ser usado onde quer que pagamentos sem contato sejam aceitos.”

Leia mais:  Neurocientistas criam experimento para provar que “Deus está no cérebro”

Marca da besta?

O evangelista Ray Comfort fez uma gravação recente, analisando a rápida evolução e adesão do público aos microchips implantáveis. A sua análise se baseou na famosa passagem de Apocalipse 13:16-17, onde está escrito:

“Ele faz com que todos, pequenos e grandes, ricos e pobres, livres e escravos, recebam um sinal na mão direita ou na testa, e que ninguém possa comprar ou vender, exceto aquele que tiver o sinal ou o nome do besta, ou o número do seu nome.”

Comfort argumenta que o texto bíblico indica que a marca da besta será algo capaz de afetar o comércio global, mas em nível individual, envolvendo cada cidadão, de modo a condicionar o poder de compra da população ao seu uso.

“A escritura nos dá a razão da marca, é para o comércio. Aqueles que não têm a marca não poderão comprar ou vender”, disse Comfort, explicando que, por esse motivo, ele não acredita que a marca da besta será um vírus ou vacina, por exemplo, mas talvez uma tecnologia como a dos microchips.

Leia mais:  “A cada leitura me sentia mais próxima de Deus”, diz idosa que leu a Bíblia 89 vezes

A suspeita quanto a isso reside no fato de que a virtualização dos dados pessoais e também do dinheiro (moeda virtual), exigirá a execução de mecanismos de controle, os quais estarão nas mãos de grupos ou governos.

Neste sentido, Nada Kakabadse, professor de política, governança e ética da Henley Business School da Reading University, questiona: “Quem é o dono dos dados? Quem tem acesso aos dados? E é ético colocar chip em pessoas como fazemos com animais de estimação?”

“Existe um lado sombrio da tecnologia que tem potencial para abuso”, disse Nada à BBC, explicando que o implante de microchips poderá servir para outras finalidades. “Para aqueles que não amam a liberdade individual, abre novas e sedutoras perspectivas de controle, manipulação e opressão.”

publicidade

Mundo Cristão

Após ser atacada, Bruna Karla fala a multidão: “Não abra mão de viver o Evangelho”

Publicado

A cantara gospel Bruna Karla virou alvo dos holofotes da grande mídia nas últimas semanas, após declarar em uma entrevista que se recusou a cantar em um “casamento homossexual” a convite de um amigo. Como resultado, diversos famosos atacaram a artista, com parte da imprensa lhe chamando de “homobófica”.

Bruna Karla, contudo, não se mostrou abalada pela intolerância religiosa contra a sua fé. Em vez disso, ela reafirmou para uma multidão de pessoas que foram prestigiar o evento  Louvorsão 93, realizado na Praça da Apoteose no sábado do dia 2, os seus princípios cristãos.

“Como é bom e maravilhoso a Igreja estar reunida adorando Aquele que vive e reina para todo o sempre. E esse amor que a gente sente um pelo outro, que transborda, vem de Deus. É esse amor que nos sustenta, que nos mantêm de pé”, disse a cantora.

Ao ouvir a multidão de pessoas lhe manifestando apoio, com dizeres como “Bruna, eu te amo”, a cantora gospel se emocionou e brincou com o público. “Vocês vão me fazer chorar aqui?”, disse ela.

Leia mais:  Jovem cristão preso por engano é solto: “Deus me usou na prisão”

Bruna Karla fez o encerramento do evento, que contou com a presença de personalidades do mundo político, como o presidente da República, Jair Messias Bolsonaro. A cantora argumentou que os cristãos não devem abrir mão na defesa dos seus princípios e valores.

“Este é o tempo em que a Igreja se coloca de pé. Este é o tempo em que a Igreja não depende do que estão falando aí fora. A Igreja depende do Deus vivo. Não abra mão de viver o Evangelho. Não abra mão de ser quem Deus te chamou para ser”, disse Bruna.

O presidente da República, por sua vez, falou sobre a defesa moral que o seu governo faz da família e agradeceu o apoio dos evangélicos. “Agradeço a Deus pela minha segunda vida, a ele também a missão de estar na frente do Executivo Federal”, disse ele.

“E se essa for a vontade dele continuaremos juntos por muito tempo, modificando o nosso Brasil. A todos vocês meu muito obrigado, agradeço o apoio de cada um e termino com aquela [a frase] projetada lá atrás por Silas Malafaia, que com toda certeza será eternizada: ‘Brasil acima de tudo, Deus acima de todos’”, concluiu o presidente.

Leia mais:  Priscilla Alcantara anuncia música pro carnaval e despreza críticas de cristãos

Continue lendo

Mundo Cristão

Renomado cientista admite que a ciência não preenche “o vazio em nosso coração”

Publicado

Para quem se dedica a conhecer um pouco do mundo científico atual, não é mais novidade o fato de que a ciência, por si mesma, não traz respostas aos maiores dilemas da vida humana. Essa realidade também foi constatada pelo renomado cientista aeroespacial romeno, Dragos Bratasanu.

O “Dr. Dragos”, como é mais conhecido, já foi nomeado para o prêmio MIT Innovators Under 35 como uma das “mentes mais brilhantes da Europa”. O seu sucesso no mundo científico, contudo, não foi suficiente para preencher “o vazio” em sua vida.

Mesmo sendo um destaque na National Geografic por sua pesquisa junto à NASA (Administração Nacional da Aeronáutica e Espaço), o cientista se viu mergulhado em uma depressão que lhe fez rever todos os seus conceitos sobre o sentido da vida.

“A dor era tão intensa que peguei meu travesseiro e clamei a Deus do fundo do meu coração: Se você é real, eu preciso de você agora”, disse ele em uma entrevista à CBN News.

Leia mais:  Trump investe US$ 50 milhões para promover o combate à perseguição religiosa

Busca por sentido

A necessidade de sentido em sua vida, fez com que o Dr. Dragos buscasse respostas em várias crenças religiosas. Ele ainda não tinha noção de que a fé em Jesus Cristo não é mais “uma” entre muitas, mas sim a revelação da própria verdade acerca de Deus.

Entre idas e vindas em religiões asiáticas e espíritas, ele só veio a ter os primeiros contatos com algo mais sólido do cristianismo quando leu um livro de Katheryn Kuhlman, uma pregadora cristã dos Estados Unidos, a qual faz uma série de relatos de milagres em sua obra.

“Você simplesmente não pode negar as evidências. Eu li que as piores e mais horríveis doenças foram curadas. E entendo que o papel da ciência não é definir o que é possível e o que não é possível, ou dizer o que podemos ou não fazer. O papel da ciência nada mais é do que observar, explicar e entender. É isso”, disse o cientista.

O Dr. Dragos, então, posteriormente foi chamado a entregar a sua vida para Cristo. Como um cientista acostumado a lidar com evidências, ele uniu o seu conhecimento empírico aos fatos ligados à fé, e acabou se convertendo ao Evangelho.

Leia mais:  Jovem cristão preso por engano é solto: “Deus me usou na prisão”

Com isso, a sua conclusão agora é de que “a ciência e a tecnologia transformaram nosso mundo de maneiras belas e surpreendentes, mas não são suficientes para preencher o vazio em nosso coração.”

“Precisamos sentir o fluir do Espírito de Deus dentro de nós para termos uma vida significativa e com propósito”, diz ele. “Quando você vai até Jesus com o coração aberto, não à igreja, não à religião, mas para uma dimensão mais profunda, sentindo o amor e o poder de Deus, então o céu se abre.”

Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana