conecte-se conosco


Medicina e Saúde

Máscaras duplas ou apertadas reforçam proteção, diz estudo

Publicado

Sobreposição bloqueia até 92,3% dos aerossóis expelidos pela tosse de uma pessoa contaminada com covid-19

Usar duas máscaras sobrepostas ou uma máscara cirúrgica justa oferece proteção aprimorada contra a propagação do coronavírus pelo ar, de acordo com um estudo das autoridades de saúde dos EUA publicado na quarta-feira (10).

A máscara reduz significativamente a exalação de pequenas gotículas por pessoas infectadas e reduz a exposição a essas partículas para pessoas não contaminadas, lembra o Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC) neste estudo. Mas as de pano e as máscaras cirúrgicas tendem a ficar mais soltas do que a KN95 (ou FFP2), aumentando o risco de escape de ar pelas laterais.

Em janeiro, o CDC realizou simulações de laboratório para testar a redução de vazamentos com uma máscara de tecido sobreposta a uma máscara cirúrgica e, em seguida, uma máscara cirúrgica com elásticos amarrados perto das bordas que se dobravam para dentro.

Enquanto a máscara sem nós e a máscara de tecido bloquearam apenas 42% e 44,3%, respectivamente dos aerossóis expelidos pela tosse, a combinação de ambas aumentou a proporção para 92,5%.

Em outro experimento, verificou-se que a exposição a uma pessoa infectada que não usa máscara é reduzida em 83% com uma máscara dupla e em 64,5% com uma máscara facial ou de plástico, ou com um protetor de nylon sobre uma máscara cirúrgica.

“Isso significa que essas máscaras funcionam e que funcionam melhor quando são ajustadas e usadas corretamente”, afirmou Rochelle Walensky, diretora do CDC, durante uma coletiva de imprensa.

O CDC atualizará suas informações públicas sobre máscaras com essas novas opções.

Em um momento em que novas variantes mais contagiosas do coronavírus estão se espalhando pelos Estados Unidos, esses experimentos vêm para apoiar estudos anteriores sobre a necessidade de usar máscaras de melhor qualidade ou sobrepostas, respeitando padrões mais rígidos.

A comunidade científica concorda que o vírus se espalha principalmente pelo ar e há evidências crescentes de que quando alguém fala ou respira, eles projetam gotículas muito finas que podem viajar até vários metros.

Leia mais:  Covid-19 pode deixar sequelas como fadiga crônica e embolia pulmonar
publicidade

Medicina e Saúde

Pesquisa aponta presença do Sars-CoV-2 no ES em 2019

Publicado

Um grupo de pessoas apresentou anticorpos para o vírus da Covid-19 em pesquisa realizada pelo Lacen junto a pacientes suspeitos de dengue e chikungunya

Pesquisa desenvolvida pelo Laboratório Central de Saúde Pública do Espírito Santo (Lacen/ES) revela que o vírus Sars-CoV-2, causador da Covid-19, já circulava no estado em dezembro de 2019. De acordo com o coordenador-geral do Lacen, médico e pesquisador Rodrigo Ribeiro Rodrigues, um estudo com 7.370 amostras de pacientes com suspeita de dengue e chikungunya indicou que um grupo apresentou anticorpos para a Covid. O assunto foi tema na reunião virtual da Comissão de Saúde nesta terça-feira (23). O primeiro caso oficial de Covid-19 no Espírito Santo, confirmado pelo Ministério da Saúde, data de 5 de março de 2020. 

Conforme Rodrigues, a iniciativa da pesquisa partiu do interesse de compreender melhor o comportamento do novo coronavírus no território capixaba e no Brasil. Os estudos foram iniciados em junho de 2020, com as primeiras discussões sobre as possíveis relações entre a Covid-19 e doenças endêmicas causadas por arboviroses, isto é, pelos chamados arbovírus, que incluem os da dengue, zika, febre chikungunya e febre amarela. Há evidências de que a primeira amostra positiva para IgG anti-Sars-CoV-2 no Espírito Santo data de 18 de dezembro de 2019.

“Vários casos de Covid-19 passaram despercebidos por estarem ocorrendo concomitantemente com outras endemias. Sintomas da fase aguda da dengue e da chikungunya podem se confundir facilmente com os sintomas da Covid-19. No Espírito Santo o primeiro caso comprovado pelo PCR foi em 29 de fevereiro de 2020. Isso nos levantou a suspeita de que outros casos poderiam já estar ocorrendo em território capixaba”, destacou o coordenador do Lacen.

Das 7.370 amostras analisadas, 210 foram positivas para presença de anticorpos IgG, específicos para Sars-CoV-2. Desses, 16 pacientes tiveram coleta de sangue anterior ao dia 26 de fevereiro, data do primeiro caso identificado pela metodologia RT-PCR no Brasil. 

A pesquisa contou com o apoio do Núcleo de Doenças Infecciosas, da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) e do Instituto de Higiene e Medicina Tropical, da Universidade de Nova Lisboa (Portugal).

“Este é o primeiro estudo a demonstrar com um tamanho amostral robusto, e usando um método altamente específico, que surtos concomitantes de dengue ou chikungunya podem dificultar o diagnóstico do Sars-CoV-2. Além disso, casos não diagnosticados precocemente podem ter contribuído para a rápida expansão da Covid-19 no Brasil. Vale ressaltar que para esses pacientes não é indicado o isolamento social, dessa forma ficam suscetíveis para a propagação do novo coronavírus”, destacou Rodrigo Rodrigues. 

Segundo o coordenador, essas informações trazem contribuições importantes ao Sistema Único de Saúde (SUS), uma vez que independentemente da existência do diagnóstico positivo para as arboviroses, deve-se considerar também a infecção pelo novo coronavírus, já que as doenças citadas apresentam sinais e sintomas semelhantes.  

Por determinação da Portaria 153-R, o Lacen/ES passou a realizar as testagens dos soros, com finalização das análises em setembro de 2020. No mês seguinte, a direção submeteu a publicação da pesquisa à revista científica americana PLOS ONE, com aprovação realizada em janeiro de 2021.

“Nosso trabalho foi submetido por uma revista americana de circulação mundial. Tivemos mais de 2 mil downloads em 15 dias. A relevância do assunto motivou o interesse das pessoas em nossa pesquisa”, comemorou o coordenador.

Ao final da reunião, o deputado Dr. Emílio Mameri (PSDB), vice-presidente do colegiado, perguntou ao coordenador se é possível apresentar um prazo provável e quando os capixabas estarão totalmente imunizados contra o novo coronavírus. 

“Se não tivermos uma política severa e um foco bem concentrado, ainda vamos levar um tempo longo para imunizar a população”, lamentou Rodrigues. 

Leia mais:  Covid-19: recomendações aos pacientes em isolamento domiciliar e aos cuidadores
Continue lendo

Medicina e Saúde

Passageiro será avisado por SMS se viajou com infectado por covid-19 no ES, diz secretário

Publicado

O total de infectados, desde o início da pandemia, chegou a 317.739 e 6.276 pessoas já morreram no estado

Em entrevista coletiva, realizada na manhã desta segunda-feira (22), o secretário de Estado da Saúde, Nésio Fernandes, e o subsecretário em Vigilância de Saúde, Luis Carlos Reblin, falaram sobre o novo serviço de monitoramento a ser implantado no Espírito Santo. Em breve, quem viajar de avião ou de ônibus para outros estados será monitorado. Caso este seja testado positivo para a covid-19 após a viagem, todos os passageiros que estavam com ele serão comunicados.

De acordo com o secretário, a portaria que vai implantar a estratégia será publicada ainda nesta semana e valerá para o transporte aéreo e para o transporte terrestre intermunicipal e interestadual. “Nós iremos, a partir desse cruzamento de dados, poder identificar passageiros que tiverem resultado positivo para a covid-19 e comunicar, por meio de SMS, aos outros passageiros que viajaram com ele. Nosso objetivo é evitar que as pessoas se contaminem e fazer um diagnóstico oportuno”, disse.

Nésio Fernandes ainda reforçou que a medida vai permitir que o combate à covid-19 esteja presente no cotidiano. Para ele, ainda não é o momento de esquecer que estamos diante de uma pandemia. “Temos relatos de trabalhadores da saúde que se vacinaram e que pegaram a covid-19 poucos dias depois. É preciso aguardar a segunda dose e ainda mais uns dias para que haja efeito. É necessário garantir todas as medidas de segurança e reforçar nossa capacidade de enfrentar a pandemia”, afirmou.

Todas as empresas que operam serviços de transporte de passageiros no Espírito Santo já foram comunicados sobre a medida. Após a publicação da portaria, elas terão um prazo de uma semana a 10 dias, para implantar o sistema e dar início ao acompanhamento. “O Espírito Santo deve ser o primeiro estado do Brasil a implantar um acompanhamento inteligente dos passageiros”, comentou o secret´´ario

O subsecretário Reblin explicou e deu mais detalhes sobre o monitoramento. “Se algum passageiro der positivo, vamos alertar os outros passageiros para que haja a interrupção da transmissão da doença. Não importa de onde o passageiro veio e nem qual a cepa que ele está identificado. Queremos monitorar os passageiros que estavam no mesmo voo. O monitoramento da nossa parte, especialmente, de quem vem de outros estados ou de outro país, é para controlar essa lógica de transmissão de pandemia. Se conseguirmos controlar, vamos reduzir a transmissão da doença até transformar, com nossa força e com as vacinas, numa endemia”, esclareceu Reblin.

Desaceleração

Nésio Fernandes informou que há uma desaceleração de casos no estado. “Há uma desaceleração da queda de casos, internações e óbitos no Espírito Santo. É possível um cenário de nova estabilização nas próximas semanas, num limite superior ao que estabilizou a doença no ano passado. No entanto, diante de qualquer sintoma, por menor que seja, procure o serviço de saúde e faça o teste”, disse.

Reblin destacou que é preciso aguardar as próximas semanas para verificar se, de fato, haverá a estabilização. Ele reforçou que os cuidados devem ser mantidos, mesmo para quem já foi vacinado. “A vacina leva um tempo para produzir seus efeitos e, mesmo assim, é preciso manter os cuidados. A máscara deve ser bem utilizada, cobrindo boca e nariz. Para quem tomou a vacina ou ainda vai tomar, precisa permanecer os mesmos cuidados de sempre”, disse.

Nésio Fernandes falou sobre um novo tipo de teste que se iniciará no estado. “O Espírito Santo recebe, nesta segunda-feira, 62.400 testes rápidos de antígeno, que permite que o resultado possa ocorrer em até 30 minutos da coleta do Swab nasal. Vamos iniciar o treinamento nos municípios. Essa testagem vai permitir que toda dúvida tenha um diagnóstico rápido e oportuno. Essa testagem se inicia nesta semana. Vamos, ainda, licitar 250 mil testes para reforçar a atenção primária”, disse.

Himaba

Nésio falou sobre a intervenção do Hospital Estadual Infantil e Maternidade Alzir Bernardino Alves (Himaba). “A Organização Social Gnosis, contratada para gerir o hospital, passou a incumprir com cláusulas contratuais. Foi identificada a ausência de direção geral neste mês e nosso monitoramento identificou a falta de materiais, como luvas, alguns medicamentos e a instabilidade do serviço obrigou o Espírito Santo a tomar medida de força e intervir no contrato”, disse.

Segundo a portaria, publicada na noite deste domingo (21), fica nomeada como interventora a diretora-geral do Hospital Estadual Infantil Nossa Senhora da Glória, Thais Regado, que passará a acumular a função de diretora geral do Himaba.

Segundo Fernandes, o contrato com a se encerra no dia 2 de março. O processo para escolher uma nova organização já está finalizando, mas será preciso de uns 20 dias de transição. Neste período, o local será administrado diretamente pela rede pública de Saúde.

Sobre o modelo de Organizações Sociais, como a que estava responsável pelo Himaba, o secretário disse que há a necessidade de uma atualização na legislação estadual sobre o tema. “Nós entendemos que o modelo de gestão sobre as Organizações Sociais no Brasil enfrenta uma grave crise há muitos anos. O Espírito Santo trabalhará para atualizar a legislação do modelo. Estamos avaliando atualizações da lei estadual, pois, de fato, com o atual merco legal e a forma como se opera os contartos pelas organizações sociais, implica um alto risco para o Estado e para as OSs”, afirmou.

Nésio também destacou que mais hospitais serão incorporados ao sistema público de Saúde do Estado. “Estaremos implementando a migração dos hospitais do estado para a Fundação Inova, que já administra o Hospital Central, que era administrado por uma OS. Ao longo deste ano, mais sete hospitais serão migrados para a fundação Inova. Outras unidades não irão migrar para a fundação”, afirmou o secretário de Saúde.

Vacinas

Reblin afirma que novas doses da vacina contra a covid-19 serão entregues ao Espírito Santo ainda neste mês ou no início de março. A quantidade ainda não foi divulgada. Ele também reforçou que os imunizantes necessários para aplicação da segunda dose já estão separados e garantidos. “Aguardamos a orientação do Ministério da Saúde para que todas as doses entregues sejam utilizadas para a aplicação da primeira dose. Dependemos dessa informação para ampliar o público-alvo e inserir novos grupos”, disse.

O secretário comentou, ainda, sobre a inclusão das vacinas Covaxin e Sputinik V na lista prevista para aquisição no Brasil, pelo Ministério da Saúde. “Essas vacinas vão reforçar a imunização da população. Temos interesse na compra e a União poderá reforçar o contato com o laboratório. A decisão no ministério foi acertada. O país tem pressa e precisamos imunizar a população o mais rápido possível. A decisão de incorporar essas vacinas foi acertado e é o mesmo procedimento que deveria ter sido realizado no ano passado”, disse.

Novas variantes

Nésio Fernandes: “Todos os casos identificados no Espírito Santo são isolados. Não há confirmação de transmissão comunitária no Espírito Santo. Acreditamos que, em breve, vamos confirmar que a P-1 tem a transmissão confirmada no estado, o que não tem nada a ver com o recebimento de pacientes de Manaus no estado. Todos eles foram isolados e foram submetidos a exames e todos os trabalhadores que tiveram contato com eles também foram testados.

O secretário ainda afirmou que o Espírito Santo fará, ainda, o sequenciamento genético. Segundo ele, já foi autorizado a aquisição de equimapentos necessários e deve haver um prazo de 120 dias para a instalação.

Números no Espírito Santo

O Espírito Santo contabilizou, em 24 horas, aproximadamente 1.200 novos casos de coronavírus. Segundo informações mais recentes do Painel Covid-19, da Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), atualizadas na tarde deste domingo (21), foram 1.175 novos registros. Com isso, o total de infectados, desde o início da pandemia, chegou a 317.739 em todo o estado.

Além disso, mais sete mortes em decorrência da doença foram registradas entre esta sábado e domingo, elevando o total de óbitos por covid-19 para 6.276 no Espírito Santo. Por outro lado, 299.664 pessoas já se recuperaram da covid-19 no estado.

Leia mais:  Ivermectina só pode ser vendido com receita médica, decide Anvisa
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana