conecte-se conosco


Camisa 10

Maya Gabeira bate o próprio recorde mundial após onda de 22,4m

Publicado

Ondão surfado durante competição da WSL, em 11 de fevereiro, em Nazaré, supera antiga marca de 20,72m

Quase sete meses depois de pegar uma das maiores ondas surfadas este ano em Nazaré, Portugal, Maya Gabeira teve nesta quinta-feira a confirmação que tanto esperava. A Liga Mundial de Surfe (WSL) anunciou que a brasileira bateu o próprio recorde de maior onda já surfada por uma mulher na história com a nova marca avaliada em 73,5 pés (22,4 metros). A carioca, de quebra, ainda ganhou a premiação do XXL Awards na categoria feminina de Maior Onda. A onda foi surfada em 11 de fevereiro, em Nazaré (confira nas imagens da WSL abaixo).

Maya superou sua antiga marca de 68 pés (20,72 metros), que foi o primeiro recorde feminino de maior onda homologado pelo Guinnes World Records, com uma “bomba” também surfada em Nazaré, em janeiro de 2018.

– É um pouco surreal na verdade. Tá ainda caindo a ficha. Eu sabia que a onda era muito grande, tinha uma convicção que a onda era maior do que o meu recorde de 2018. Tava com uma competição bem acirrada com a Justine (Dupont), francesa, que também tinha surfado uma onda muito grande no mesmo dia – disse Maya, que surfou a onda do recorde durante um evento de tow-in organizado pela WSL.

Maya bateu o recorde durante um evento de tow-in em Nazaré, em fevereiro desse ano — Foto: WSL / Damien Poullenot

O detalhe é que foi a Maya a grande responsável por demandar a medição da onda, feita por cientistas do Scripps Institution of Oceanography, em San Diego, na Califórnia (EUA), e pelos criadores do projeto da piscina de ondas artificiais de Kelly Slater.

– Pela primeira vez a onda foi medida fora da Liga. Eu consegui que eles levassem essas ondas para serem medidas com uma nova técnica elaborada pelos cientistas que criaram a onda do Kelly Slater e os cientistas do Scripps, o Instituto de Oceanografia de San Diego – explicou a carioca.

O recorde de maior onda da história pertence ao também brasileiro Rodrigo Koxa, que conquistou esse feito também em Nazaré, com uma bomba avaliada em 80 pés (24,4 metros).

Leia mais:  Nadadora paulista de 14 anos morre por complicações da covid-19
publicidade

Camisa 10

Após ameaça de boicote, Catar libera uso de biquínis em etapa do Circuito Mundial de vôlei de praia

Publicado

Doha receberá disputa entre mulheres pela primeira vez. no dia 8 de março. Melhor dupla da Alemanha, porém, havia ameaçado não participar caso houvesse restrição

O Catar voltou atrás e não vai impor nenhuma restrição contra o uso de biquínis durante etapa do Circuito Mundial de vôlei de praia. Doha, capital do país, receberá a disputa pela primeira vez a partir do dia 8 de março. O possível veto às peças, porém, gerou uma ameaça de boicote pela principal dupla da Alemanha, Karla Borger e Julia Sude. A etapa vale pontos no ranking olímpico.

O órgão regulador do esporte no Catar, porém, afirmou que não haverá restrições ao uso da vestimenta. Em nota, a FIVB disse que consultou a Associação de Voleibol do Catar antes da mudança da definição local.

– Após novas discussões, o QVA confirmou que não há restrições para jogadoras vestindo uniformes padrão durante o evento em Doha, se assim o desejarem – afirmou.

A FIVB, que rege as normas do vôlei, disse ter consultado as jogadoras em janeiro, antes de definir a disputa do evento em Doha. As atletas, porém, lembraram do forte calor da capital do Catar para exigir o uso de biquínis.

– A FIVB acredita firmemente que o vôlei de praia feminino, como todo esporte, deve ser julgado pelo desempenho e esforço, e não pelo uniforme. Portanto, durante a competição em Doha, caso os jogadores solicitem o uso do uniforme padrão, eles estarão livres para fazê-lo. A FIVB e o QVA estão unidos no compromisso de sediar um evento acolhedor, seguro e inclusivo que permita aos atletas competir em o seu melhor.

Leia mais:  Internacional e Flamengo ponto a ponto: veja as contas para o título
Continue lendo

Camisa 10

Pai dos goleiros Alisson e Muriel morre após mergulho em barragem

Publicado

José Becker, de 57 anos, teve corpo localizado na noite desta quarta, em Lavras do Sul

O pai dos goleiros Alisson e Muriel morreu após mergulhar em uma barragem em Lavras do Sul, município que fica a 320 km de Porto Alegre. José Agostinho Becker, de 57 anos, tomava banho em uma propriedade da família quando aconteceu o incidente. O corpo chegou a ficar desaparecido desde o período da tarde e foi localizado na noite desta quarta-feira.

A informação foi confirmada pelo Corpo de Bombeiros de Caçapava do Sul, que foi acionado pela Polícia Civil de Lavras do Sul diante da ocorrência.

A assessoria do Alisson diz que a família dos jogadores pediu privacidade no momento. Nas redes sociais, já há muitos comentários nos perfis de Alisson e Muriel manifestando apoio.

O fato ocorreu por volta das 17h. Segundo o Corpo de Bombeiros, uma equipe foi ao local para demarcar exatamente onde José Becker mergulhou. A ideia era avançar nas buscas quando amanhecesse, mas o corpo do pai dos goleiros foi encontrado.

Leia mais:  Por que brasileiros estão vendendo a tocha olímpica
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana