conecte-se conosco


Política Nacional

MDB, DEM e PSDB dominam comando das capitais após 2º turno

Publicado

Além de cinco capitais, o MDB lidera lista de partidos que mais elegeram prefeitos, vice-prefeitos e vereadores, com 8.714 eleitos, 13% do total

Os partidos MDB, DEM e PSDB dominaram o comando das capitais brasileiras depois de definidos todos os prefeitos com os resultados do 2º turno das eleições municipais 2020 do último domingo (29).

Agora, as 25 capitais têm os chefes do executivo municipal escolhidos, com excecão de Brasília, onde não há eleição para prefeito, e Macapá (AP), que teve o pleito adiado por causa de problemas no fornecimento de energia elétrica – a votação será nos dias 6 e 20 de dezembro.

O MBD foi o partido que mais elegeu prefeitos nas capitais, vencendo em cinco delas. Em segundo lugar, aparecem o DEM e o PSDB, com quatro capitas cada um.

Na sequência, o PDT, o PP, o PSB e o PSD venceram em duas capitais cada. Já Avante, Podemos, PSOL e Republicanos ficaram com uma capital cada.

Pela primeira vez, o PT terminou as eleições sem comandar uma capital, após derrota de Marília Arraes no Recife (PE) e de João Coser em Vitória (ES). A primeira vitória, em Fortaleza (CE), com Maria Luiza Fontenele, havia sido em 1985.

Veja os candidatos e partidos eleitos nas capitais

MBD (5 capitais)

– Arthur Henrique, em Boa Vista
– Emanuel Pinheiro, em Cuiabá
– Maguito Vilela, em Goiânia
– Sebastião Melo, em Porto Alegre
– Doutor Pessoa, em Teresina

DEM (4 capitais)

– Rafael Greca, em Curitiba
– Gean Loureiro, em Florianópolis
– Bruno Reis, em Salvador
– Eduardo Paes, no Rio de Janeiro

PSDB (4 capitais)

– Alvaro Dias, em Natal
– Cinthia Ribeiro, em Palmas
– Hildon Chaves, em Porto Velho
– Bruno Covas, em São Paulo

PDT (2 capitais)

– Edvaldo Nogueira, em Aracaju
– Sarto Nogueira, em Fortaleza

PP (2 capitais)

– Cícero Lucena, em João Pessoa
– Tião Bocalom, em Rio Branco

PSB (2 capitais)

– João Henrique Caldas, em Maceió
– João Campos, em Recife

PSD (2 capitais)

– Alexandre Kalil, em Belo Horizonte
– Marquinhos Trad, em Campo Grande

AVANTE (1 capital)

– David Almeida, em Manaus

PODEMOS (1 capital)

– Eduardo Braide, em São Luís

PSOL (1 capital)

– Edmilson Rodrigues, em Belém

REPUBLICANOS (1 capital)

– Delegado Pazolini, em Vitória

Todas as cidades

O MDB também lidera como o partido que mais elegeu no geral, como prefeitos, vice-prefeitos e vereadores, segundo dados estatísticos disponíveis no Portal do TSE (Tribunal Superior Eleitoral). A Justiça Eleitoral recebeu mais de 557 mil pedidos de registros de candidatos para disputar cerca de 68 mil cargos eletivos em 5.567 municípios brasileiros. 

O MDB lidera o ranking, com 8.714 eleitos (12,76%), sendo 777 prefeitos, 660 vice-prefeitos e 7.277 vereadores. O PP ficou em segundo lugar, com 7.523 eleitos (11,02%), sendo 680 prefeitos, 551 vice-prefeitos e 6.292 vereadores.

Em seguida, estão o Partido Social Democrático (PSD), que elegeu 6.783 candidatos (9,93%), sendo 651 para o cargo de prefeitos, 508 para vice-prefeito e 5.624 para vereador; o Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), com 5.268 eleitos (7,71%), sendo 516 prefeitos, 416 vice-prefeitos e 4.336 vereadores; e o Democratas (DEM), que conquistou 5.199 vagas (7,62%), sendo 459 para prefeituras, 442 para vice-prefeituras e 4.298 para câmaras municipais.

A lista das 10 legendas que mais elegeram candidatos para todos os cargos disputados no dia 15 de novembro inclui o Partido Liberal (PL), com 4.147 eleitos (6,08%), sendo 345 prefeitos, 364 vice-prefeitos e 3.438 vereadores; o Partido Democrático Trabalhista (PDT), com 4.038 eleitos (5,91%), sendo 313 prefeitos, 316 vice-prefeitos e 3.409 vereadores; o Partido Socialista Brasileiro (PSB), que elegeu 3.500 candidatos (5,12%), sendo 252 prefeitos, 265 vice-prefeitos e 2.983 vereadores; o Partido dos Trabalhadores (PT), que conquistou 3.072 vagas (4,50%), sendo 179 em prefeituras, 258 em vice-prefeituras e 2.635 em câmaras municipais; e o Republicanos, que registrou 3.009 eleitos (4,41%), sendo 209 prefeitos, 228 vice-prefeitos e 2.572 vereadores.

Leia mais:  Governo quer ampliar Bolsa Família e destinar verba a jovens e crianças
publicidade

Política Nacional

Há 5 dias de deixar presidência da Câmara, futuro incerto aguarda Maia

Publicado

Presidente da Câmara caminha para a oposição sem respaldo de boa parte de seu partido, o Democratas, que prepara traição histórica no processo eleitoral interno. Arthur Lira, do PP, se fortalece na reta final

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM/RJ), desembarca do cargo na segunda-feira, dia 1, data prevista para a eleição para o comando das duas casas legislativas, sem projeto político pessoal claro. A escalada de seu discurso oposicionista ao Planalto, com ataques diretos ao presidente Bolsonaro e ministros, distanciam o parlamentar da possibilidade de liderar o próprio partido, o Democratas, que tem pouca vocação oposicionista. De volta à planície, em caso de derrota de seu candidato, o emedebista Baleia Rossi, Maia estará exposto às mágoas do processo eleitoral, do baixo clero e de insatisfeitos com sua gestão, marcada por posições firmes e por estilo personalista.

Na reta final da disputa, faltando cinco dias para a definição de sua sucessão, o democrata acaba de amargar a traição de pelo menos 11 deputados de seu próprio partido, atraídos pelas ofertas do adversário Arthur Lira, do PP, que, tudo indica, chegará ao plenário, no dia primeiro de fevereiro, como favorito. Como há 9 candidatos em disputa, a expectativa é que haja alguma pulverização dos votos. A depender das negociações dos próximos dias, a eleição pode ser levada para uma decisão em segundo turno.

O presidente do Democratas, ACM Neto, silenciou diante da acusação feita por Maia, de que o DEM estaria se transformando no “partido da boquinha”, isto é, aderido abertamente ao fisiologismo. Entre eleger o emedebista Baleira Rossi na Câmara e um democrata para presidir o Senado, a óbvia escolha da cúpula do DEM é pelo senador Rodrigo Pacheco, que a esta altura lidera a corrida, com as bênçãos de Alcolumbre. O senador do Amapá, hoje desafeto de Maia, tem chances concretas de fazer seu sucessor – cenário que também colabora para o isolamento de Rodrigo Maia. Os próximos aliados do deputado carioca podem estar entre os oposicionistas que antagonizam com Bolsonaro, entre eles, o governador de São Paulo, João Doria.

Leia mais:  Homens ligados ao MBL são presos em ação contra lavagem de dinheiro
Continue lendo

Política Nacional

Em vez de auxílio, Guedes sugere congelar salários do funcionalismo

Publicado

Ministro declarou nesta terça (26) que ‘se ocorrer a segunda onda da covid-19’, governo vai focar na redução de gastos

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta terça-feira (26) que o governo federal pode adotar o “protocolo da crise” caso aumente o número de mortes de covid-19 no país. A medida, esclareceu, representaria a proibição temporária de aumento de salários aos servidores públicos.

“Temos o protocolo da crise aperfeiçoado agora. Se você disser que a pandemia está realmente assolando o Brasil de novo, você vai declarar o estado de guerra, e isso é o seguinte: não tem aumento de salário durante dois anos do funcionalismo, os pisos estão todos bloqueados e acabou esse negócio do piso subir automaticamente.” 

“É a cláusula de calamidade fiscal, um caso agudo de emergência fiscal”, explicou. “Mas tem que pensar dez vezes, é igual apertar o botão nuclear, apertou paga o preço. Não tem só que pegar o dinheiro e sair correndo.”

O titular da Economia observou, no entanto, que não vê motivos para alarde em relação ao avanço das mortes. “Se houver uma segunda onda, o que é preciso ser bastante analisado, é necessária muita responsabilidade da classe política para não apertar o botão vermelho.”

Além da redução nos gastos com o funcionalismo, Guedes disse que não seriam possíveis gastos extras também com outras áreas, como educação e segurança.

Guedes explicou em uma videoconferência do Credid Suisse, da qual participou ao lado do presidente Jair Bolsonaro, que se for necessário o governo pode acelerar as regras defendidas no pacto federativo, que previam o que ele chama sempre de 3D: desindexar, desvincular e desobrigar as despesas, “Nós íamos fazer uma transferencia gradual ao longo de oito anos recuperando o controle dos gastos públicos”, acrescentou.

O ministro usou seu discurso também para afirmar que as críticas a Bolsonaro e os pedidos de impeachmento contra o chefe do Executivo partem de pessoas que não aceitaram a derrota eleitoral em 2018.

Pouco antes ele citou que Rodrigo Maia (DEM-RJ), atual presidente da Câmara, travou as pautas reformistas do governo federal por uma questão ideológica, por ser um representando da centro-esquerda. 

Leia mais:  Filha de Fernandinho Beira-Mar toma posse como vereadora no Rio
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana