conecte-se conosco


Camisa 10

Mike Tyson x Roy Jones Jr. aposta em fórmula milionária e nostalgia para lucrar; veja números

Publicado

Em agosto de 2017, o boxe foi impactado pela chamada “luta do século”. O astro americano Floyd Mayweather Jr. subiu ao ringue e se tornou o atleta mais bem pago do mundo ao vencer o então detentor de dois cinturões simultâneos do UFC, Conor McGregor, em um encontro marcado mais pelo apelo publicitário do que esportivo. O duelo criou uma fórmula de sucesso, que será repetida hoje na “superluta” entre Mike Tyson e Roy Jones Jr. — a TV Globo exibe após a transmissão ao vivo no canal Combate, à partir de 21h30 (de Brasília).

A estratégia já foi adaptada em diversos esportes: um grande astro que retorna após longa aposentadoria ou que carrega invencibilidade é desafiado por outro que acumula grandes resultados recentes ou ganhou fama por ser provocador. Roy Jones Jr., de 51 anos, é o desafiante de hoje, mas sabe que o apelo gira em torno de Mike Tyson, hoje com 54 anos, um dos maiores nomes do esporte e que dominou os ringues nos anos 80.

A plataforma Triller, dona dos direitos da luta, espera arrecadar US$ 50 milhões (cerca de R$ 260 milhões na cotação atual) só com a venda de pay-per-view — nos Estados Unidos, o público terá de pagar US$ 50 (cerca de R$ 287) para ver o combate, que estava previsto para 12 de setembro e, segundo veículos americanos, foi adiado intencionalmente para ganhar espaço no noticiário. Também houve a aposta por público presente no Staples Center, em Los Angeles, mas a pandemia da Covid-19 não permitiu.

Segundo o jornalista americano Kevin Iole, Tyson deve receber mais que o triplo de Roy Jones pela luta: quase R$ 50,5 milhões; Roy Jones Jr. ganhará cerca de R$ 16 milhões. Estima-se que os ex-pugilistas ganhem R$ 6 milhões por minuto no ringue. Valores impensáveis no cenário atual.

— Pega-se dois ídolos passados, nesse caso Tyson e Roy Jones, e num momento em que todos estão carentes de eventos esportivos devido a pandemia abre-se janelas para eventos como esse. Apesar de não ter um valor esportivo alto, é uma luta que tende a movimentar muito dinheiro em casas de aposta e também a criar um valor sentimental por ter dois lutadores que em suas épocas foram esplendorosos e as gerações que os assistiram hoje podem pagar para reviver esse momento — comenta Fernando Fleury, especialista em marketing esportivo. 

Neste caso, o carisma e o retorno de Tyson são os motivadores de uma luta que pouco aposta na rivalidade — Roy Jones Jr. foi chamado de o “Lutador da Década” nos anos 1990, mas não há uma rivalidade direta. Antes de aceitar o combate, Tyson recusou quase R$ 90 milhões para encarar o brasileiro Wanderlei Silva, e também foi desafiado pelo astro do UFC, Jon Jones. Ou seja, até mesmo o adversário escolhido para hoje passou por um crivo de marketing.

Para Tyson, a luta significa o retorno triunfal após um término de carreira em baixa. Em 2005, o desconhecido irlandês Kevin McBride conseguiu uma vitória surpreendente sobre o ex-campeão mundial dos pesos-pesados. Na época, foram três derrotas nas últimas quatro lutas, que o levaram a decidir pela aposentadoria. Mesmo parado, o ex-pugilista colecionou polêmicas: em 2005, foi detido no Brasil após a agressão a um cinegrafista, e em 2014, ofendeu um jornalista de um programa canadense que mencionou a sua condenação por estupro.

— Mike Tyson fundou uma liga e pretende fazer algumas lutas com boxeadores aposentados, a Legends Only League. A maior atração é poder rever ídolos do passado em cima do ringue novamente, como aconteceu recentemente com Julio César Chavez e Jorge Arce, que fizeram algumas exibições no México — opina Daniel Fucs, comentarista de boxe da Globo.

Tyson é considerado um dos maiores boxeadores da história e acumula recordes como o de 37 vitórias em 37 confrontos. Ele perdeu mais de 40 quilos para a luta, após 15 anos afastado dos ringues. Roy Jones Jr acumula oito títulos mundiais em quatro categorias diferentes: pesado, meio-pesado, médio e super-médio. O ex-boxeador ficou ativo de 1989 a 2018.

— A ausência de novos ídolos no boxe capazes de causar mobilização mundial como faziam Muhamed Ali, Tyson e outros, abrindo espaço para que esses mesmos nomes, agora ex-atletas despertem esse interesse e além disso a consolidação do conceito de “Sportainment”, uma mistura de esporte e entretenimento onde que o vale é entreter, mesmo que não exista a componente competitiva — analise Ivan Martinho, especialista em marketing esportivo da ESPM.

Regras diferentes

O retorno de Mike Tyson aos ringues terá algumas particularidades. Uma delas é que não haverá controle antidoping contra maconha — além de ser um usuário assumido, o norte-americano é conhecido por ter lucros de quase R$ 3 milhões no mercado de cannabis. Os boxeadores não vão usar capacete, vestirão luvas de 12 onças — maiores do que as de 10 onças tradicionais — e os rounds terão duração de dois minutos, em vez do padrão de três. Serão oito assaltos.

As trocas têm a ver com a preocupação com a saúde dos atletas. Mike Tyson tem 54 anos, e Roy Jones Jr., 51. A força dos golpes e a idade preocupam médicos e especialistas, que afirmam que um soco pode atingir um impacto de 450 kg no rosto de um dos lutadores. Na categoria dos pesos-pesados o impacto pode ser maior ainda, devido à força dos boxeadores.

— As regras são diferentes porque é uma exibição com ex-boxeadores com mais de 50 anos. O que pode alterar a dinâmica é como eles se coportarão — afirma Fucs.

Tyson também aposta na nostalgia para ver a audiência do evento crescer. Mesmo no Brasil, seus fãs lembram de suas lutas passadas e o compara a Ayrton Senna.

— A família se juntava para ver as lutas. Era uma pena que duravam tão pouco. Eram duas tradições quando era mais novo: churrasco para ver as corridas do Senna e as lutas do Tyson — conta Ronaldo Persiano, de 38 anos, que vive situação semelhante a de Paulo Cézar Filho, outro fã de Tyson:

— Eu via as lutas dele na década de 1990. Eram um acontecimento — declarou.

Mais seis lutas estão previstas: Jake Paul x Nate Robinson (cruzadores), Badou Jack x Blake McKernan (meio-pesados), Viddal Riley x Rashad Coulter (cruzadores), Jamaine Ortiz x Nahir Albright (leves), Irvin Gonzalez Jr. x Edward Vasquez (penas) e Juiseppe Cusumano x Nick Jones (pesados).

Leia mais:  Cristiano aceita corte salarial e doa respiradores a hospital na Madeira
publicidade

Camisa 10

Italo Ferreira bate Gabriel Medina e é o novo líder do Circuito Mundial

Publicado

Em decisão dramática, potiguar supera o paulista por 14.94 a 13.27 e assume a lycra amarela, deixando o compatriota com a vice-liderança. Próxima etapa começa na quinta em Narrabeen

O Brasil está de volta ao topo do Circuito Mundial de surfe. E com direito a dobradinha nas duas primeiras posições. Nesta sexta, Italo Ferreira e Gabriel Medina fizeram a decisão em Newcastle num confronto direto pelo posto de número 1 do mundo. Ao final dos 40 minutos de bateria, quem sorriu foi Italo, que desbancou o compatriota por 14.94 a 13.27, sacramentando o título da etapa. O potiguar lidera o ranking com 16.085 pontos. Medina está em segundo com 15.600.

A próxima etapa será em Narrabeen, também na Austrália. A janela se inicia na próxima quinta-feira, manhã de sexta no fuso horário local.

– Treinei bastante para isso. Agora temos mais eventos em sequência aqui na Austrália, temos que descansar para nos recuperar para as próximas etapas. Estou muito feliz e aproveito para agradecer a todos que ficaram acordados nessa madrugada no Brasil torcendo por mim – disse Italo Ferreira.

Gabriel Medina foi superado por Italo Ferreira na final — Foto: Matt Dunbar/World Surf League

Gabriel Medina foi superado por Italo Ferreira na final

Final com muitas viradas

A decisão brasileira teve um início eletrizante. Gabriel largou na frente com um 3.50. Italo respondeu num 2.83. Aos nove minutos, o potiguar pegou uma onda de 6.33. O paulista não deixou por menos, retomando a liderança após um 8.60, melhor nota da bateria. Italo virou na sequência com uma onda de 7.17. Aproveitando o bom momento, o potiguar trocou de nota com um 7.77 minutos depois.

Precisando de 6.34 para virar, Gabriel viu o tempo passar e a maré foi enchendo. Marcando bem o rival, Italo perdeu a prioridade a cinco minutos do fim ao entrar em uma onda que quebrou. Medina, por sua vez, também desperdiçou a sua prioridade numa onda imperfeita a dois minutos do término. Melhor para Italo, que segurou o resultado, garantindo o título.

Medina brilha na semi

Gabriel Medina chegou à final ao derrotar o local Morgan Cibilic, sensação da etapa. O brasileiro saiu na frente com um 5.23. Empurrado pela torcida, o australiano respondeu com um 7.00. O brasileiro não se abateu, voltando a retomar a liderança após um 6.07. Aos 10 minutos, veio o ápice do dia. Em um lindo aéreo, com direito a uma rodada espetacular no ar, Gabriel levou 9.70, levantando o público. Precisando de 8.78 para virar, Cibilic achou um tubo a 11 minutos do fim, recebendo 7.07. A partir de então, os dois surfistas foram reduzindo o ímpeto, e a vitória ficou mesmo com Medina.

Italo elimina Filipe Toledo

Italo Ferreira, por sua vez, teve como adversário Filipe Toledo. Filipinho abriu a bateria com uma onda de 6.50. Já Italo iniciou sua pontuação com ondas de 3.17 e 1.83, totalizando 5.00 de somatório. A 19 minutos do fim, Filipe conseguiu sua segunda nota, um 4.83. Três minutos depois, Italo surfou para um 7.60, ficando a um 3.97 da virada. Aos 12 do término, Italo achou um 5.60, assumindo a liderança. Três minutos depois, o potiguar pegou uma linda onda de 8.50, encaminhando a vitória. Precisando de 9.60 para virar, Filipe Toledo acabou eliminado por 16.10 a 15.77.

Resultados da semifinal

1. Gabriel Medina (BRA) 15.77 x 14.07 Morgan Cibilic (AUS)
2. Italo Ferreira (BRA) 16.10 x 11.57 Filipe Toledo (BRA)

Resultado da final

1. Gabriel Medina (BRA) 13.23 x 14.94 Italo Ferreira (BRA)

Leia mais:  Cristiano aceita corte salarial e doa respiradores a hospital na Madeira
Continue lendo

Camisa 10

Real e Barcelona se enfrentam no provável último clássico de Messi

Publicado

Equipe blaugrana está há 19 partidas sem perder no Campeonato Espanhol, mas os últimos clássicos têm sido favoráveis ao rival

Este sábado é dia do mundo parar para assistir o jogo entre Real Madrid e Barcelona, às 16h (horário de Brasília), no Estádio Alfredo Di Stéfano, pelo Campeonato Espanhol. As duas equipes vivem um ótimo momento na temporada e sonham com a conquista do título da La Liga. Messi, em seu provável último clássico, já que ele deve deixar o Barça no final da temporada, é, claro, o principal comandante da equipe blaugrana, enquanto os merengues contam com Vini Jr em ótima fase e o duelo promete muitas emoções.

Valverde marcou e Real venceu último clássicoFala, Koeman
“O resultado não é decisivo, pois ainda faltarão muitas partidas, mas a equipe que vencer, ganhará uma moral importante para a sequência. Um clássico é um jogo diferente dos outros. Estamos lutando para ganhar a La Liga e o Real é o Real. Temos que nos concentrar no nosso trabalho. Eu espero o melhor Messi e o melhor Barça”, avaliou o técnico do Barcelona.

Fala, Zidane
“O Atlético está em vantagem e é líder. É um campeonato muito disputado e todos podem ganhar, não saberemos até o final. Estamos trabalhando a cada dia, vivemos um bom momento e vamos dar tudo. Sabemos quem é Messi e sabemos que jogamos contra o Barcelona. São todos bons, mas vamos tentar neutralizar suas forças e esperamos uma boa partida”, disse o comandante merengue.

Momento
O Barcelona vive uma grande fase no Campeonato Espanhol: são 19 partidas invictas, sendo 16 vitórias e apenas três empates. No entanto, o Real Madrid não perde um El Clásico desde 2019, tendo conquistado duas vitórias nos últimos dois encontros entre as equipes. A equipe de Zidane está há nove jogos sem saber o que é ser derrotado, tendo triunfado em sete oportunidades, a última delas contra o Liverpool, na Champions League.

FICHA TÉCNICA:
Real Madrid x Barcelona

Data e horário: 10/4/2021, às 186h (de Brasília)
Local: Estádio Alfredo Di Stéfano, em Madri (ESP)
REAL MADRID (Técnico: Zidane): Courtois; Vazquez, Militao, Nacho e Mendy; Modric, Casemiro e Kroos; Asensio, Benzema e Vinícius Júnior
Desfalques: Hazard, Carvajal e Sergio Ramos (machucados). Varane (Covid-19)
BARCELONA (Técnico: Ronald Koeman): Ter Stegen; Mingueza, De Jong e Lenglet; Dest, Pedri, Busquets e Alba; Griezmann, Messi e Dembélé
Desfalques: Coutinho e Ansu Fati (machucados)

Leia mais:  Goiás endurece e exige R$ 50 milhões do Corinthians por Michael: "Não tem Black Friday"
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana