conecte-se conosco


Últimas Noticias

Ministério investiga caso suspeito de coronavírus em MG e pede que viagens à China sejam evitadas

Paciente é uma estudante que viajou para Wuhan, na China. Segundo o ministro da Saúde, ela está em um hospital e passa bem.

Publicado

O Ministério da Saúde investiga um caso suspeito de coronavírus em Minas Gerais. Nesta terça-feira (28), o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, informou que a pasta investiga uma paciente que apresentou sintomas compatíveis com os da doença. Além disso, agora o ministério orienta que brasileiros evitem viajar à China ou embarquem somente em casos de extrema necessidade.

  • Viagem à China só deve ocorrer em caso de ‘extrema necessidade’, diz ministério após surto de coronavírus

A paciente cujo caso está sob investigação médica é uma estudante de 22 anos que viajou para Wuhan, na China. Ela chegou em território brasileiro no dia 24 de janeiro. Segundo o ministro, a estudante está em um hospital de alta organização na área de infectologia. Todas as 14 pessoas que tiveram contato com a estudante também estão sendo monitoradas.

Agora, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) está levantando os outros viajantes que estavam no voo que viajou da China até o Brasil – escalas foram feitas em Paris e Guarulhos.

Paciente passa bem

De acordo com Mandetta, a paciente monitorada relata não ter ido ao mercado de peixes da cidade, não ter tido contato com nenhuma pessoa doente e não ter procurado nenhum serviço de saúde enquanto estava na cidade. Segundo a Secretaria de Estado da Saúde de Minas Gerais, a jovem passa bem.

Ciclo do novo coronavírus - transmissão e sintomas — Foto: Aparecido Gonçalves/Arte G1Ciclo do novo coronavírus - transmissão e sintomas — Foto: Aparecido Gonçalves/Arte G1

Ciclo do novo coronavírus – transmissão e sintomas — Foto: Aparecido Gonçalves/Arte G1

O surto de coronavírus provocou 106 mortes na China, onde o número de infectados passa de 4,5 mil. De todas as mortes até o momento, 100 foram registrada na província de Hubei, onde fica a cidade de Wuhan, epicentro da contaminação. Ao menos 15 países em 4 continentes já confirmaram casos importados da doença.

Nesta terça, representantes do Ministério da Saúde vão participar de uma reunião com a Organização Mundial da Saúde (OMS) sobre o tema. Mandetta disse que o Instituto Butantã participará de um “esforço internacional” para a produção de uma vacina contra o coronavírus.

‘Perigo iminente’

O Ministério da Saúde elevou a classificação de risco do Brasil para o nível 2, que significa “perigo iminente” – até segunda-feira (27) o país estava em nível 1 de alerta. A mudança de patamar faz parte de um protocolo envolvendo a escala, que vai de 1 a 3 – o nível mais elevado só é ativado quando são confirmados casos transmitidos em solo nacional.

Leia mais:  Uninter oferece programa de descontos de até 40% para cursos de graduação a distância; matrículas devem ser feitas entre 31 de janeiro e 01 de fevereiro
  • Nivel 1- alerta
  • Nível 2 – perigo iminente
  • Nível 3 – emergência em saúde publica

O Ministério diz ter recebido, desde o início do surto de coronavírus na China, “mais de 7 mil rumores” de infecção, segundo Mandetta. Desse total, 127 exigiram verificação do órgão e apenas um se confirmou como suspeita.

O ministro da Saúde afirmou que o governo federal “está preparado” para detectar o vírus. “Não é um sistema que está sendo preparado agora. Temos o plano de contingência e o que vamos fazer é atualizar.”

Mandetta destacou que a Organização Mundial da Saúde (OMS) passou a classificar como “elevado” o risco internacional de contaminação pelo novo coronavírus – antes, considerado “moderado”. Segundo o ministro, com o novo status, o Brasil amplia o monitoramento dos casos. Ele explica que antes, o governo monitorava pessoas que passaram pela província de Wuhan, onde estão concentrados os casos na China.

“Agora, nós vamos [considerar suspeitas] em toda a China, não importa em qual província. E vale de hoje para frente. Muito provavelmente, vai haver uma sensação de que estamos aumentando os casos suspeitos” – ministro da Saúde

Brasileiros na China

Nesta manhã, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que conversaria com Mandetta para se informar sobre os riscos que envolvem brasileiros dentro e fora do país. Na ocasião, o presidente afirmou que não recomendaria a retirada das famílias brasileiras da China.

Ao ser questionado sobre o pronunciamento do presidente, Mandetta afirmou que já conversou com Bolsonaro, explicando a classificação da OMS e a necessidade de ampliação da vigilância no país. Já sobre a retirada de brasileiros da China, afirmou que compartilha do mesmo posicionamento do chefe do Executivo.

“Quando temos uma situação como essa, recomendamos que a pessoa tem que está onde ela está. Não é orientado remoção, até porque você não tem um tratamento específico para essa doença. Primeiro se esclareça o caso para depois fazer qualquer tipo de movimentação”, defendeu.

O ministro se referiu à família brasileira que está nas Filipinas, mas que passou por Wuhan, na China. Trata-se de um casal e um filho de 10 anos. A criança está com suspeita de contaminação e foi colocado em isolamento. Os pais da menina também estão isolados por precaução.

Ministério ‘desaconselha’ viagem para a China

Mandetta foi questionado sobre o posicionamento do Ministério da Saúde, em “desaconselhar” viagens à China. Ao comentar, o ministro negou que haja “proibição”.

“Nós estamos desaconselhando, não estamos proibindo. Faça viagem só se for estritamente necessário. Você não sabe qual é a característica do vírus”, disse.

Segundo o ministro, a orientação visa proteger o próprio cidadão e outros brasileiros em território nacional. “Não é recomendável que a pessoa se exponha e depois retorne ao Brasil e exponha mais pessoas”, disse.

“Quando temos uma situação como essa, recomendamos que a pessoa tem que está onde ela está. Não é orientado remoção, até porque você não tem um tratamento específico para essa doença. Primeiro se esclareça o caso para depois fazer qualquer tipo de movimentação”, defendeu.

O ministro se referiu à família brasileira que está nas Filipinas, mas que passou por Wuhan, na China. Trata-se de um casal e um filho de 10 anos. A criança está com suspeita de contaminação e foi colocado em isolamento. Os pais da menina também estão isolados por precaução.

Ministério ‘desaconselha’ viagem para a China

Mandetta foi questionado sobre o posicionamento do Ministério da Saúde, em “desaconselhar” viagens à China. Ao comentar, o ministro negou que haja “proibição”.

“Nós estamos desaconselhando, não estamos proibindo. Faça viagem só se for estritamente necessário. Você não sabe qual é a característica do vírus”, disse.

Segundo o ministro, a orientação visa proteger o próprio cidadão e outros brasileiros em território nacional. “Não é recomendável que a pessoa se exponha e depois retorne ao Brasil e exponha mais pessoas”, disse.

Leia mais:  Videoaulas ficam disponíveis no site do Programa EscoLAR

publicidade

Últimas Noticias

Mãe reencontra filho após mais de 10 anos em hospital de Cachoeiro

Publicado

Silvano Ote Aguiar está internado na Santa Casa há cerca de 100 dias, após sofrer um acidente de trânsito. Hospital conseguiu localizar a mãe, que mora em MG

Um momento de emoção e esperança. Após ficar 100 dias internado sem identificação na Santa Casa de Misericórdia de Cachoeiro de Itapemirim, no sul do estado, um paciente conseguiu reencontrar a mãe. O momento foi proporcionado após o hospital localizar a família. A mãe não tinha notícias do filho há mais de 10 anos.

O paciente Silvano Ote Aguiar deu entrada no hospital no dia 4 de janeiro, após sofrer um acidente de trânsito. Ele foi encontrado no município de Vargem Alta, também no sul do estado, sem documento e sem conseguir se comunicar.

Trabalho de busca

Antes da emoção, veio o trabalho duro. A enfermeira Gisele Queiroz foi a responsável pela busca dos familiares de Silvano. Ela conta que entrou em contato com as prefeituras depois que o paciente conseguiu informar o nome e sobrenome. A partir daí, as buscas foram direcionadas a municípios vizinhos e, depois de quase 60 dias, a mãe do paciente foi localizada.

“Eu não aceitava ele sair daqui sem ter a família por perto. Isso me motivou a iniciar a procura, junto com o Serviço Social, para devolver a identidade dele e entregá-lo para a família. Agora estou muito realizada e feliz”, contou a enfermeira.

A mãe do paciente, Marly Ote, mora em Minas Gerais e há mais de 10 anos não tinha notícias do filho. Após viajar mais de 9 horas de carro, o reencontro foi só emoção. Após ver o filho depois de tanto tempo, Marly contou que nem conseguiu dormir no dia anterior, de tanta ansiedade.

“Valeu a pena esperar e fazer essa viagem para encontrá-lo. Deus deu uma segunda chance para ele viver e agora vou levá-lo para casa, cuidar com muito amor e carinho”, disse.

Assim que saiu do hospital, a mãe de Silvano agradeceu o empenho de toda a equipe e o cuidado que tiveram com seu filho durante o período em que ficou internado.

“Lá na minha cidade já tinham dito que esse hospital é maravilhoso e que ele estava sendo muito bem cuidado aqui. O que quero é agradecer por tudo e desejar muita saúde para todos vocês”, afirmou.

Fonte: Folha Vitória.

Leia mais:  Videoaulas ficam disponíveis no site do Programa EscoLAR
Continue lendo

Cidades

Vira-lata salva avó e neto de ataque de pitbull em Guarapari e acaba ferido

Publicado

Chamado de Covid, por aparecer no bairro durante a pandemia, o cachorro ficou muito machucado e ficará com sequelas; avó e neto saíram ilesos

A máxima que fala que o “cachorro é o melhor amigo do homem” foi colocada a prova no bairro de Meaípe, em Guarapari, no mês de agosto. O vira lata Covid, nome adotado por ele ter aparecido no bairro durante a pandemia, enfrentou um pitbull para defender uma senhora e o neto que moram no local.

Covid é querido por todos e recebe cuidados dos moradores. “Ele foi abandonado na nossa rua, estava todo maltratado e tinha muito medo das pessoas. Meu esposo, Juarez Fernandes, passou a cuidar dele dando comida, atenção e carinho. Logo começou a se identificar com as pessoas da vizinhança”, contou Cleide Fernandes.

Há cerca de um mês, a vizinha de Cleide, Elida Nascimento, foi passear com o neto e o vira lata foi atrás. “Eles estavam indo pescar na lagoa, no caminho um pitbull da vizinhança fugiu e foi em direção deles para atacar. Por sorte Covid estava perto e não aconteceu uma tragédia. Ele foi para cima do cachorro e defendeu os dois até que um homem que passava ajudou a separar a briga e tocou o pitbull para longe”.

Após o ato heroico, Covid ficou muito machucado. O vira lata foi atacado no pescoço e na pata com mais intensidade. “Ele ficou com sequelas, o tendão foi atingido. Já levamos no veterinário e todo possível foi feito. Está bem, mas ficará mancando daqui para frente”

“Ele foi incrível, o que seria de mim e do meu neto, que é uma criança, se Covid não estivesse lá? Esse cachorro salvou nossas vidas, graças a Deus”, agradeceu Elida.

Leia mais:  Uninter oferece programa de descontos de até 40% para cursos de graduação a distância; matrículas devem ser feitas entre 31 de janeiro e 01 de fevereiro
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana