conecte-se conosco


Política Nacional

Ministro afirma que governo estuda pagar diárias extras para policiais no ES

Publicado

A afirmação foi feita nesta sexta-feira (19) durante visita à sede da 4ª Companha da Polícia Militar no bairro Nova Rosa da Penha, em Cariacica

O Ministro da Justiça e Segurança Pública, André Mendonça, afirmou que o governo federal estuda pagar diárias extras para os policiais locais para que as ações de enfrentamento à criminalidade sejam fortalecidas no Espírito Santo. A afirmação foi feita nesta sexta-feira (19) durante uma visita a sede da 4º Companhia da Polícia Militar, no bairro Nova Rosa da Penha, em Cariacica.

O ministro avaliou o pagamento das diárias como positivo. “A minha análise é que com essas diárias saímos ganhando porque o policial conhece a realidade do bairro, a cidade, os problemas locais e a estrutura administrativa. Vamos ter melhores resultados no estado”, disse.

Questionado sobre a permanência dos agentes da Força Nacional de Segurança em Cariacica, o ministro afirmou que avaliação é positiva, no entanto, a ação precisa de alguns ajustes. “A Força Nacional vai permanecer enquanto houver necessidade. Enquanto não implantarmos um novo modelo e e ele estiver estruturado, a Força Nacional continuará aqui. A avaliação é positiva, mas precisa de ajustes. Tivemos uma redução dos roubos, mas não tivemos redução nos homicídios”, analisou.

De acordo com Mendonça, a visita ao estado busca estreitar as parcerias com as autoridades de segurança pública e fortalecer os órgãos policiais. “Vamos ter reuniões no sentido de ver os projetos que temos em andamento. Como podemos inserir e ajudar o estado na melhor execução dos recursos repassados. A minha expectativa é que em 2021, nós tenhamos as maiores entregas na área da segurança pública no Espírito Santo”, afirmou.

O secretário de Estado da Segurança Pública, Alexandre Ramalho, também fez parte da visita e destacou a importância da participação de todos na composição o programa Estado Presente. “Essa é a nossa essência no Estado Presente. Integração entre todos os níveis federativos, desde o município, com suas guardas municipais, agentes de posturas e fiscais, até o Governo Federal, que vem nos ajudando muito com a presença dos militares da Força Nacional, desde 2019. A integração está acontecendo e cada dia buscamos melhorar a sensação de segurança dos capixabas”, afirmou Ramalho.

Leia mais:  Alcolumbre deve rejeitar ministério de Bolsonaro para ser vice no Senado
publicidade

Política Nacional

Presidente Bolsonaro quer mudar Lei de Improbidade Administrativa

Publicado

Um dos pontos debatidos pela Câmara é a permissão do nepotismo, a contratação de parentes pelo gestor público

O presidente Jair Bolsonaro reforçou o coro pela mudança na lei que pune práticas de improbidade administrativa cometidas por gestores públicos. Em conversa com apoiadores em frente ao Palácio da Alvorada, terça-feira (23), o presidente disse que a legislação atual “engessa o prefeito” e afirmou já ter conversado com o presidente da Câmara, Arthur Lira (Progressistas-AL), sobre mudança nas regras.

“É muita burocracia. Tem muita lei do passado que realmente é para combater a corrupção e etc., mas engessa o prefeito. Muitos aí respondem por 20 anos de improbidade administrativa. Alguma coisa vai ser mudada, pode deixar”, afirmou Bolsonaro a um apoiador que reclamou de medidas tomadas pelo prefeito de Chapecó (SC), João Rodrigues (PSD).

A mudança na lei é discutida na Câmara dos Deputados. Um dos pontos, conforme o Estadão revelou ontem, é aproveitar o debate para permitir o nepotismo, que consiste na contratação de parentes – o presidente não falou especificamente sobre essa articulação.

Um dos trechos em discussão é o que permite responsabilizar prefeitos por prestar contas fora do prazo. Segundo o entendimento dos que defendem a mudança na legislação, é preciso haver algum tipo de dolo (intenção de cometer uma irregularidade) para que haja punições como cassação ou perda de direitos políticos.

No caso do nepotismo, a prática é punida pelo artigo 11 da mesma lei. O dispositivo define como improbidade atos que violem os “deveres de honestidade, imparcialidade, legalidade e lealdade às instituições”. Como mostrou o Estadão, o líder do governo na Câmara, deputado Ricardo Barros (Progressistas-PR), defende a exclusão do artigo 11, para que a prática deixe de ser punida. “O poder público poderia estar mais bem servido, eventualmente, com um parente qualificado do que com um não parente desqualificado”, defendeu Barros.

Clã

Na conversa com apoiadores, Bolsonaro disse que tem atuado para que a mudança na Lei de Improbidade seja aprovada. “Tenho conversado com o Arthur Lira para a gente mudar alguma coisa para dar liberdade ao prefeito”, afirmou o presidente. Questionado, o Palácio do Planalto não respondeu se Bolsonaro também é a favor da exclusão do artigo 11.

Quando era deputado, Bolsonaro nomeou 13 parentes em gabinetes da família. Além disso, o clã Bolsonaro empregou 102 pessoas com laços familiares, segundo levantamento feito pelo jornal O Globo.

No primeiro ano como presidente, em 2019, Bolsonaro chamou de “hipocrisia” as críticas de que seria “nepotismo” a indicação de seu filho, o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), para o cargo de embaixador nos Estados Unidos. O presidente chegou a criticar a decisão do STF (Supremo Tribunal Federal) que proibiu contratações de parentes na administração pública.

Leia mais:  Senado tem maioria para adiar eleição, mas Câmara está dividida
Continue lendo

Política Nacional

Chefe da Petrobras ganha R$ 50 mil por semana em casa, diz Bolsonaro

Publicado

Presidente negou interferência, cobra ‘transparência’ e questiona salários na Petrobras. Castello Branco está em casa “há 11 meses” para receber mais de R$ 50 mil por semana, disse.

Ao negar mais uma vez a tentativa de interferência na política de preços da Petrobras, o presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta segunda-feira (22), em conversa com apoiadores na saída do Palácio da Alvorada, que exige apenas “transparência e previsibilidade” da companhia. Bolsonaro destacou o prazo do contrato com Roberto Castello Branco à frente da Petrobras e questionou o salário do mandatário para “trabalhar de forma remota”.

O chefe do executivo federal ressaltou que o contrato de Castello Branco como presidente da estatal acaba no dia 20 de março e avisou: “É direito meu reconduzi-lo ou não. Ele não será reconduzido, qual o problema?”

Ele ainda disse que Castello Branco “está há 11 meses em casa, sem trabalhar, trabalha de forma remota”.

“O chefe tem que estar na frente, bem como os seus diretores. Então, isso para mim é inadmissível. Descobri isso há poucas semanas. Imagine eu, presidente, no meio da covid-19, ficando em casa. Não justifica isso aí”, pregou, ao reafirmar que ninguém vai interferir na política de preços da Petrobras. 

De acordo com Bolsonaro, o presidente da estatal ganha mais de R$ 50 mil por semana. “Respeito a empresa, mas queremos saber de tudo o que acontece lá, inclusive a política salarial do presidente e seus diretores. Alguém sabe quanto ganha o presidente da Petrobras? R$ 50 mil por semana? É mais do que isso por semana”, argumentou.

Em seguida, enfatizou que “tem coisa que não está certo” dentro da petroleira. “Não quero que ganhe R$ 10 mil por mês, não, tem que ser uma pessoa qualificada. Mas não ter esse tipo de política salarial lá dentro e para ficar em casa, para mim, não justifica essa ausência da empresa”, encerrou.

Bolsonaro também questionou o aumento do preço do diesel, anunciado pela Petrobras na semana passada. “Eu não consigo entender um reajuste de 15% no preço do diesel em duas semanas. Não foi essa a variação do dólar aqui dentro e nem do preço do barril lá fora. Tem coisa que precisa ser explicada. Eu não peço, eu exijo transparência de quem é subordinado meu”, ressaltou.

Leia mais:  Onyx deve anunciar programa de proteção aos idosos até dia 29
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana