conecte-se conosco


Mundo Cristão

Missionária rebate o feminismo e diz que mulheres tiveram a “identidade adulterada”

Publicado

É possível dizer que há uma propósito e identidade para a mulher estabelecidos pelo próprio Deus? Muito embora a Bíblia apresente orientações claras quanto a isso, o feminismo tem sido uma ideologia capaz de deturpar o entendimento de algumas pessoas, motivo pelo qual a missionária Fabíola Fialho se dedica a combater esse mal.

Em um artigo escrito recentemente, Fialho, servidora pública formada em Direito que se descreve nas mídias sociais como palestrante e escritora, fez uma crítica à ideia de que mulheres cristãs devam se curvar à cultura feminista.

“A grandeza da feminilidade só será compreendida se abrirmos nossas mentes e corações para a mensagem que Deus deseja que entendamos e vivamos. É preciso enxergar a maneira sobrenatural como Deus criou a mulher, ao formá-la não do pó da terra, mas da costela do homem e dar-lhe atributos específicos para fazê-la mãe da humanidade, Deus revelou Seu projeto divino para o sexo feminino”, escreveu a missionária.

Feminismo em essência

Parte do que o público feminino compreende como feminismo ainda é fruto de uma concepção básica, e justificada, acerca de direitos civis e deveres domésticos no contexto da pós-modernidade.

Leia mais:  Crianças são usadas como ‘experimento’ em transição de gênero, alerta psiquiatra

Todavia, a concepção atual da ideologia feminista, oriunda de várias ‘ondas’ culturais, nada tem a ver com a noção de valor da mulher enquanto criatura feita, igualmente, à imagem e semelhança de Deus.

Para Fialho, por exemplo, a maternidade é um atributo exclusivo da espécie feminina que o feminismo vem tentando desconstruir ao longo das décadas, algo que não se confunde com a impossibilidade de gravidar, mas sim com a rejeição deliberada pela possiblidade de ser mãe.

“Lamentavelmente, as mulheres cristãs pós-modernas aderiram a cultura contraceptiva, sem se darem conta, que a maternidade é o ápice da feminilidade. Rejeitar a maternidade é também, rejeitar a identidade feminina recebida de Deus. E identidade adulterada, não cumpre propósito”, disse ela em um texto publicado pelo JM Notícias.

“A feminilidade ressalta as diferenças entre homens e mulheres, lembrando que ­­ ser diferente não é ser inferior (…). Feminilidade diz sobre o modo especial como formos criadas. Nossos desejos e interesses estão intrinsecamente ligados ao lado humano de perceber a vida”, conclui a missionária.

Leia mais:  Marcha para Jesus 2020 terá mega carreata para arrecadar alimentos

publicidade

Mundo Cristão

Malafaia defende Magno Malta e critica ministros do STF

Publicado

Pastor desafiou os ministros do STF a moverem algum processo contra ele

O pastor Silas Malafaia, da Assembleia de Deus Vitória em Cristo (ADVEC), criticou os ministros Luís Roberto Barroso e Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), devido ao processo movido contra o ex-senador Magno Malta.

Magno Malta acusou o ministro Barroso de bater em mulher durante um evento, o que levou a apresentação de uma queixa-crime na Corte contra o ex-senador, que afirmou ter provas de que o ministro do Supremo praticou o crime.

“Magno Malta quando era senador, no plenário do Senado, abriu a boca dizendo que para Barroso ser ministro do STF, o processo de acusação de que ele bateu em mulher foi arquivado em tempo recorde”, lembrou o pastor Silas Malafaia.

De acordo com Malafaia, naquela época Barroso não fez nada contra o então senador, mas agora o ministro decidiu ingressar contra ele no Supremo, mesmo que Malta não tenha foro privilegiado, o que demonstra desrespeito ao processo legal, na visão do pastor.

Leia mais:  Segundo lockdown pode gerar danos piores que o próprio vírus, diz pastor britânico

“Barroso não moveu nada contra Magno Malta [naquela época]. Passaram-se anos [e] agora, numa palestra, Magno Malta repete a história”, disse.  “Sabe o que Barroso faz? [Ele] encaminha uma queixa-crime para o ditador-mor da toga, [ministro] Alexandre de Mores”, continuou.

O pastor questiona a ação, lembrando que o ministro deveria ter ingressado então na primeira instância. Malafaia disse que o processo é uma “aberração” e que Malta deveria denunciar os ministros a Comissão Interamericana de Direitos Humanos.

“Isso é uma aberração, isso é uma afronta. Se eu sou Magno malta, eu não respondia nada, eu entrava na Comissão Interamericana de Direitos Humanos e fazia uma denúncia. O devido processo legal jogado no lixo”, disse.

“Barroso, você é um cínico, cretino e covarde. Eu queria que alguém encaminhasse uma notícia contra mim pra ver se eu dava resposta. Ia ter que me prender pra ter uma balbúrdia nesse país pra esses caras caírem”, continuou.

Assista:

Continue lendo

Mundo Cristão

Ao sair do coma e ficar sem memória, mulher relata: ‘Deus falou comigo claramente’

Publicado

O testemunho de Marcy Gregg é uma lição do quanto o cristão precisa aprender a confiar em Deus, mesmo nas circunstâncias onde falta compreensão sobre o motivo das coisas. Ela relatou a sua experiência pessoal com Deus após ter saído de um coma e perdido boa parte das suas memórias.

Marcy Gregg vive no Texas, Estados Unidos. Cristã, ela teve uma vida normal, estudando e se casando logo após a sua formação na universidade, até que engravidou e teve filhos. Foi durante a terceira gestação, porém, que a sua vida teve uma mudança radical.

“Quando fui ao hospital para ter nosso terceiro bebê, contraí meningite espinhal bacteriana pneumocócica. Eu tive o bebê e, 36 horas depois, fiquei muito doente e entrei em coma”, disse ela.

Em coma e com a doença não respondendo ao tratamento, os médicos chegaram a ligar para o esposo de Marcy, esperando o pior. “Mas nosso pastor estava vindo para a cidade e Deus falou com ele, e lhe disse para ir orar por mim para que eu não morresse”, contou ela.

De fato, após duas semanas em coma, Marcy acordou. Ela disse que “até os médicos – que não eram crentes – disseram que era um milagre” o que havia acontecido, pois eles não acreditaram na sua recuperação, dado à gravidade do seu estado.

Sem memórias

Apesar de ter saído do coma, Marcy notou que não havia reconhecido ninguém e que não se lembrava de nada do que havia acontecido após os seus 17 anos de idade. Na época, no hospital, ela estava com 30 anos.

Leia mais:  Segundo lockdown pode gerar danos piores que o próprio vírus, diz pastor britânico

“[Os médicos] realmente acreditavam que tudo voltaria quando o inchaço no meu cérebro diminuísse. Eles ficavam dizendo: ‘Suas memórias vão voltar. Vai ficar tudo bem’”, disse ela.

Contudo, as memórias de Marcy não retornaram. Nem mesmo dos filhos ela se lembrava. Apenas seu esposo, que havia conhecido aos 17 anos, ela sabia quem era, apesar da aparência diferente.

“Fingi que me lembrava para sair do hospital e voltei para casa para uma vida que não conhecia. Foram sete anos muito difíceis e sombrios. Não processei bem e fiquei muito zangada com Deus. Ele me curou fisicamente, mas mentalmente, meu cérebro não estava certo e eu sabia disso.”

Visão de Deus

Devido à tristeza pela falta das memórias, Marcy passou a ingerir álcool com frequência, até se tornar alcoólatra. Ela disse que buscava esquecer a sua incapacidade de recordar os momentos vividos após os 17 anos.

Apesar da sua revolta contra Deus, Marcy contou que o Senhor agiu sobrenaturalmente em sua vida, mais uma vez. “O primeiro milagre aconteceu em um quarto de hospital; o segundo milagre aconteceu no meu quintal”, disse ela.

Leia mais:  Conselho de igrejas evangélicas expressa ‘máxima repulsa’ ao STF e TSE

“Estávamos assistindo TV em família e eu peguei nosso cachorro para passear. Enquanto eu estava voltando para a garagem, tropecei e caí quando ele se lançou atrás de um coelho”, conta.

“Quando me levantei, tive uma visão perfeita da minha casa. E lá estava minha família, bem onde eu estava sentada – meu marido estava segurando minha filha, e os meninos estavam todos ao redor nos sofás… Deus falou comigo direta e claramente”, lembra Marcy.

“Ele [Deus] disse: ‘Foi para isso que eu te salvei: o futuro, não o passado. E por mais que aquele pai ame seus filhos, eu amo você. E assim como aquele pai está segurando sua filha, eu estou segurando você, mas você deve confiar em mim”, diz a mulher.

Marcy, então, entendeu que Deus estava lhe dando uma lição de dependência e confiança. A partir daí, ela largou a dependência do álcool e passou a aceitar tudo o que estava acontecendo.

“Fui para o quintal e caí de joelhos. E disse: ‘Senhor, eu desisto. Não vou mais lutar com você. E eu entreguei minha vida… eu soube naquele momento que o plano dele para mim, mesmo sem minhas memórias, era melhor do que o meu plano para mim”, conclui ela, segundo o Premier Christian News.

Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana