conecte-se conosco


Internacional

Mistério: mulher descobre que não é a mãe biológica de seus próprios filhos

Publicado

Lydia Fairchild precisou solicitar assistência para ajudá-la a sustentar a si mesma e a seus filhos no estado de Washington, nos EUA, em 2002. Como parte da inscrição, ela e os filhos foram testados, a fim de provar que eram todos parentes.

Pouco tempo depois, o Departamento de Serviços Sociais chamou Lydia ao escritório para discutir seu caso e acabou descobrindo que, de acordo com os testes, os filhos que ela havia dado à luz e posteriormente criado não eram biologicamente dela.

“Quando me sentei, eles vieram e fecharam a porta, e eles simplesmente voltaram e começaram a me perfurar com perguntas como, ‘Quem é você?’”, disse ela à ABC News na época. No que diz respeito aos Serviços Sociais, não haviam dúvidas. “Não”, disseram-lhe quando ela tentou questionar se tinha havido um erro. “O DNA é 100% infalível e não mente.”

Mas, seu namorado, Jamie Townsend, o pai das crianças, foi confirmado como parente deles. Foi apenas Lydia, que se lembra de ter dado à luz a eles, que não era mãe de seus próprios filhos. Além de isso a desqualificar para receber assistência financeira, ela se tornou suspeita de fraude na previdência e corria o risco de ter seus filhos tirados dela.

Embora os testes de DNA não sejam infalíveis, neste caso, estava correto. Um segundo teste voltou com o mesmo resultado estranho, e outros depois daqueles também. A situação começou a parecer muito sombria para Lydia, pois o estado entrou com um processo contra ela por fraude.

Mas seu caso não era o único. Em 2002, Karen Keegan, de 52 anos, sofreu insuficiência renal e precisou de um transplante de rim. Quando ela se voltou para sua família, ela também descobriu que dois dos três filhos que ela deu à luz e criou eram filhos biológicos de seu marido, mas não dela. A investigação da causa disso ajudaria Lydia a ganhar seu caso contra o governo.

Amostras foram retiradas de Keegan, que eles suspeitaram de ter quimerismo tetragamético. O quimerismo tetragamético ocorre quando dois óvulos separados são fertilizados por dois espermatozoides diferentes e, então, um dos embriões absorve o outro durante os estágios iniciais de desenvolvimento. Pessoas com esse tipo de quimerismo podem ter dois tipos de sangue, cores de olhos diferentes ou outros sinais físicos, como marcas de nascença.

O quimerismo é raro, com apenas cerca de 100 casos documentados em humanos. Pessoas com a doença podem viver sem complicações, além da pigmentação alterada, e várias dessas pessoas só ficam sabendo de sua condição após exames de sangue.

Em pacientes quiméricos, a maioria das células geralmente acaba vindo de um conjunto de DNA, de acordo com a Live Science. Em alguns casos, a pessoa pode desenvolver genitália ambígua, se os embriões de gêmeos a partir dos quais foi desenvolvida contiverem cromossomos diferentes (ou seja, se um dos gêmeos for masculino e o outro for feminino).

No entanto, nenhum desses sinais estava presente em Keegan ou Fairchild, mas depois que amostras de todo o Keegan foram coletadas, descobriu-se que o quimerismo tetragamético era a causa. No caso de Keegan, a equipe que a estudou foi capaz de descobrir grupos de genes ligando seus filhos a seus próprios pais. “Devido à aparente raridade do quimerismo tetragamético e à importância do uso de técnicas moleculares para confirmar sua presença, essa condição pode ser subdiagnosticada”, escreveu a equipe em seu estudo.

“Além disso, se uma única linha celular predomina no sangue, o estado quimérico pode não ser detectado a menos que estudos familiares sejam realizados. Mesmo assim, os resultados podem ser mal interpretados como excluindo maternidade ou paternidade.”

Com esse conhecimento, ela foi capaz de lutar contra as alegações de que ela não era a mãe de seus filhos, enquanto ela buscava mais testes. Um outro teste acabou comprovando que ela tinha dois conjuntos distintos de DNA, algo que ela provavelmente nunca teria conhecimento até se envolver nos problemas jurídicos contra o governo.

Leia mais:  Antiviral oral contra covid avança para fase final de testes nos EUA
publicidade

Internacional

Reino Unido e Dinamarca registram alta de casos de Ômicron

Publicado

Ambas as nações são amplamente vistas como líderes em sequenciamento e testes genômicos, o que lhes dá uma vantagem no rastreamento da disseminação do vírus e de suas mutações

O Serviço Nacional de Saúde do Reino Unido (NHS, na sigla em inglês) confirmou 86 novos casos da Ômicron neste domingo, dia 5, elevando o total para 246. Já na Dinamarca, as autoridades relataram 183 infecções pela cepa ante 18 contabilizadas na sexta-feira. 

Ambas as nações são amplamente vistas como líderes em sequenciamento e testes genômicos, o que lhes dá uma vantagem no rastreamento da disseminação do vírus e de suas mutações, publicou o The New York Times. Ainda de acordo com o jornal americano, a mutação da covid-19 já foi identificada em 45 países.

Mais cedo, em entrevista à CNN americana, o conselheiro da Casa Branca para infectologia, Anthony Fauci, informou que cerca de um terço dos Estados americanos já registraram infecções pela Ômicron. 

No entanto, disse que os primeiros sinais sobre a gravidade da variante, vindos da África do Sul, são “um tanto encorajadores”. 

“Até agora a cepa não parece ter um grande grau de severidade”, afirmou, mas acrescentou que é muito cedo para tirar conclusões definitivas e que mais estudos são necessários.

Henrik Ullum, diretor do Statens Serum Institut, centro de referência para doenças infecciosas na Dinamarca, vê com cautela o avanço da variante.

“Estamos vendo um aumento preocupante no número de infectados com Ômicron na Dinamarca. Agora existem cadeias de infecção em andamento, onde a transmissão é observada entre pessoas que não viajaram ou têm ligações com viajantes”, disse. (Com agências internacionais).

Leia mais:  Em caso raríssimo, mulher dá à luz 9 bebês
Continue lendo

Internacional

Ladrões roubam joalheria vestidos de criaturas de ‘Harry Potter’

Publicado

Assaltantes confessaram culpa à Corte Superior de Edimburgo, capital da Escócia, dois anos depois do crime

A Justiça da Escócia prendeu na última terça-feira (30) três homens que confessaram o roubo a uma joalheria da cidade de Dundee, em setembro de 2019. Os assaltantes entraram no estabelecimento fantasiados de dementadores, seres malvados do universo de Harry Potter.

O trio invadiu a joalheria com um martelo, uma marreta e um machado e levou dois relógios de luxo, avaliados em 17.850 euros (aproximadamente R$ 114 mil, na cotação atual).

Durante o assalto, um dos clientes da loja tentou reagir, mas foi atingido na cabeça com a marreta e precisou ser hospitalizado. O trio fugiu da joalheria após os funcionários acionarem um alarme contra roubo, de acordo com o portal britânico Mirror.

Segundo a procuradora Jennifer Harrower, os assaltantes são de Manchester, na Inglaterra, e viajaram até a Escócia para realizar os crimes, que ela classificou de “violentos”.

“Esses homens viajaram para a Escócia, se armaram e fizeram assaltos violentos em plena luz do dia”, contou Harrower. “É graças ao trabalho de investigação exaustivo e à cooperação com as forças policiais em outras partes do Reino Unido que esses três homens foram levados à Justiça.”

O trio também realizou outro assalto na Escócia cerca de um mês antes do roubo à joalheria de Dundee, no qual uma pessoa também ficou ferida. Se condenados, os três receberão uma pena somada de 32 anos.

Leia mais:  Estados Unidos avaliam que ainda é cedo para considerar lockdowns
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana