conecte-se conosco


Segurança

Mulher morre após ser atropelada em Viana, mas polícia investiga se caso foi acidente ou assassinato

Publicado

Testemunhas relataram que, após a vítima cair da moto, o condutor teria passado com o veículo várias por cima dela

A Polícia Civil investiga um atropelamento, que pode ter sido um caso de feminicídio, registrado no município de Viana. Tudo aconteceu neste final de semana. Várias testemunhas, inclusive a filha da vítima, contaram para a polícia que o marido da mulher teria passado com uma moto por cima do corpo dela. Tudo teria acontecido após uma discussão.

O fato foi registrado na manhã deste domingo (10). Uma mulher de 40 anos foi encontrada morta em uma estrada do bairro Santa Rita, região rural do município. Para a polícia, testemunhas contaram que a vítima estava na garupa da moto do companheiro, quando caiu e foi atropelada. As autoridades policiais tentam descobrir se o caso foi um acidente ou um assassinato.

A dúvida surgiu após o depoimento de algumas testemunhas, incluindo a filha da vítima. Essas pessoas disseram que o casal teria passado a noite em um rancho. No local, aconteceu uma festa. Quase na hora de ir embora, o casal teria discutido na frente de várias pessoas e o homem decidiu ir embora. A mulher subiu na moto e a briga continuou.

Os dois estavam sem capacete e continuaram a discussão. Moradores contaram para a polícia que a mulher caiu da garupa no chão. Foi nesta hora que as testemunhas teriam visto o suspeito passando várias vezes com a moto sobre o corpo da vítima.

A Polícia Civil foi ao local e encontrou a mulher já sem vida. Uma jovem, que seria a filha do casal, teria relatado para os moradores que o atropelamento da vítima foi intencional e provocado pelo próprio pai. O veículo que teria sido usado pelo homem não foi encontrado. Segundo a polícia, ele também não prestou socorro e nem estava no local.

Na tarde deste domingo, investigadores voltaram ao bairro para conversar com testemunhas e descobrir outras informações sobre o caso.

A Polícia Civil informou que o caso foi registrado, inicialmente, como colisão com vítima fatal e que, segundo os levantamentos iniciais, a vítima estava na garupa de uma motocicleta, que tombou. Um carro vinha logo atrás e não conseguiu desviar, atingindo a mulher.

Uma testemunha foi encaminhada ao plantão do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), prestou depoimento e foi liberada. O condutor do carro não foi localizado. O caso será encaminhado para a Delegacia Especializada de Delitos de Trânsito (DDT), que dará prosseguimento às investigações.

O corpo da vítima foi encaminhado para o Departamento Médico Legal (DML) de Vitória, para ser identificado e para ser feito o exame cadavérico. 

Leia mais:  Crédito ou débito? Qual a forma mais segura de pagar no carnaval
publicidade

Segurança

Batalhão da PM em Barra de São Francisco recebe novo cão farejador para reativação da unidade K9

Publicado

A solenidade de entrega do novo cão farejador que passará a atuar no 11º Batalhão da PM em Barra de São Francisco foi realizada na sede da Companhia Independente de Operações com Cães (Cioc) na manhã desta quinta-feira (15), com a presença do comandante do CPO-E, coronel Pimenta, o comandante da CIOC, major Cardoso e o comandante-geral da PMES, coronel Caus.

Os condutores de cão farejador, subtenente Edi Carlos e o cabo Martins, acompanhados do major Jefeson subcomandante do 11º Batalhão receberam a cadela Kira. Hoje ela é uma das cadelas da PM-ES mais experientes em detecção de faro de drogas e armas e passará a integrar à unidade k9 do 11º Batalhão em substituição ao cão Jason, baixado por problemas de saúde no final do ano passado.

O Programa K9 consiste em uma estratégia de policiamento voltada ao uso do cão policial em operações para detecção de drogas e armas; atualmente 12 unidades operacionais da PM em todo o estado contam com os binômios treinados e especializados.

Leia mais:  Crédito ou débito? Qual a forma mais segura de pagar no carnaval
Continue lendo

Segurança

Pescador sai para catar caranguejo e é encontrado morto em Vitória

Publicado

José Mário de Araújo era um dos pescadores mais antigos do bairro Maria Ortiz, na capital

Morreu, aos 70 anos, um dos pescadores mais antigos do bairro Maria Ortiz, em Vitória. O senhor José Mário de Araújo saiu de casa, nesta quinta-feira (16), bem cedo para catar caranguejo. Era uma prática que ele realizava desde os sete anos de idade. Como não retornou cedo, os parentes ficaram preocupados. O corpo do pescador foi encontrado por volta das 19h, pelo Corpo de Bombeiros, em uma área do mangue que fica a cerca de 30 minutos da margem.

A família contou que José Mário tinha o hábito de sair para catar caranguejo e sempre voltava para o almoço. Por volta das nove horas da manhã, uma das filhas do aposentado ligou para saber se estava tudo bem. Esse foi o último contato da família com o pescador.

A família ficou preocupada com o sumiço do idoso, o neto da vítima contou que um tio, que também é pescador, foi ao manguezal para procurá-lo. “Ele saiu à procura e nada de encontrar. Encontrou o barquinho dele a meia hora de remo e a bolsinha boiando, só que a maré estava cheia, já estava entardecendo e ele estava sem lanterna. Meu tio voltou e acionamos os Bombeiros e 19h acharam o meu avô sem vida”, contou Pablo Fernandes dos Santos.

A família contou que o idoso era acostumado com o mangue. Começou na cata do caranguejo ainda menino e era um dos pescadores mais antigos da região. “Meu avô desde os sete anos de idade faz a prática da cata do caranguejo. Era o mais antigo da cidade, 63 anos na cata do caranguejo”, disse o neto.

Os familiares não sabem o que aconteceu com o idoso, mas acreditam que ele pode ter passado mal no barco. O pescador tinha completado 70 anos no início deste mês. No último domingo, a família se reuniu para celebrar a vida de José Mário. Na ocasião, o neto aproveitou para homenagear o avô.

“Ele fez aniversário no dia 05 de abril e fizemos um bolinho para família no domingo, sem nada de aglomeração. Eu fiz uma homenagem para o meu avô, agradecendo pelo homem que foi e a criação que ele deu para a família”, disse Pablo.

José Mário era pai, avô e bisavô. Sempre tirou o sustento da cata do caranguejo. Para a família, agora fica a admiração e a saudade. “O que vale é o legado que ele deixou para nós. Toda criação, honestidade. Então é isso que a gente tem que levar para a vida. É um sentimento de tristeza, mas a gente fica feliz pela forma que ele nos criou. Foi um homem de verdade”, declarou o neto.

Leia mais:  Inspetora penitenciária representa o Espírito Santo em Congresso Brasileiro sobre Mulheres na Polícia
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana