conecte-se conosco


Política Nacional

“Não haverá populismo para ampliar o Bolsa Família”, diz Guedes

Publicado

Em evento virtual de comércio exterior, ministro da Economia defendeu ampliação do programa assistencial dentro dos limites do teto de gastos 

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse nesta sexta-feira (13) durante o Encontro Nacional do Comércio Exterior (Enaex 2020) que o governo ainda estuda uma forma de ampliar o Bolsa Família após o fim do auxílio emergencial, mas que não fará isso de forma populista.  

“Enquanto essa discussão não estiver reestabelecida, e ela não está, ficamos com o Bolsa Família. No fim do ano, faremos o fading out [retirada gradual] do auxílio emergencial que aterriza no Bolsa Família. E o Renda Brasil, ou Renda Cidadã, está no programa do presidente antes da covid-19 e foi elaborado dentro das melhores práticas. É um produto evolucionário e, se for possível consolidar dentro dos outros programas, ótimo, mas não haverá populismo. O presidente deixou muito claro na última fala dele. E, por outro lado, temos o nosso compromisso com o teto, queremos essa pressão do teto.”

Guedes defendeu o teto de gastos ao longo de toda a sua fala no evento. 

“A ideia de furar teto tem tido apelo político. Historicamente, todos os últimos governos permitiram a expansão descontrolada dos gastos públicos que estão subindo há 40 anos no Brasil e causaram todos esses sintomas de mal funcionamento da economia e até da degeneração da política. O teto de gastos é símbolo, bandeira, e acabou virando barreira contra irresponsabilidade. É símbolo e é importante que lutemos para manter o teto. Não queremos furar o teto para gastar mais e ter que aumentar os impostos. Queremos que a pressão do teto ajude a transformarmos o ambiente fiscal brasileiro, criar um novo regime fiscal”. 

Ao explicar a importância de não furar o teto de gastos ele defedeu conter a participação do governo na economia, o que possibilita a queda de juros e acabou elevando o câmbio com a saída de capital especulativo do país. 

“Não queremos aumento da participação do governo na economia. Quando tínhamos juros altos e dólar baixo, isso desistimulava as exportações. Mudamos os preços críticos ao ter uma política fiscal forte e monetária e, com isso, o juro cai e dólar sobe. Com essa nova combinação que vem do controle dos gastos públicos, o que está acontecendo é que exportações continuam muito fortes. O Brasil está virado para a Ásia e queremos fazer a infraestutura transnacional [para aumentar ainda mais exportações]. Quando tínhamos juros baixos e câmbio mais favorável, dávamos [recursos] para um governo bêbado que bebia crédito, e hoje temos uma crise de abstinência”, finalizou.

Leia mais:  Projeto reivindica auxílio emergencial de R$ 600 até abril
publicidade

Política Nacional

Há 5 dias de deixar presidência da Câmara, futuro incerto aguarda Maia

Publicado

Presidente da Câmara caminha para a oposição sem respaldo de boa parte de seu partido, o Democratas, que prepara traição histórica no processo eleitoral interno. Arthur Lira, do PP, se fortalece na reta final

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM/RJ), desembarca do cargo na segunda-feira, dia 1, data prevista para a eleição para o comando das duas casas legislativas, sem projeto político pessoal claro. A escalada de seu discurso oposicionista ao Planalto, com ataques diretos ao presidente Bolsonaro e ministros, distanciam o parlamentar da possibilidade de liderar o próprio partido, o Democratas, que tem pouca vocação oposicionista. De volta à planície, em caso de derrota de seu candidato, o emedebista Baleia Rossi, Maia estará exposto às mágoas do processo eleitoral, do baixo clero e de insatisfeitos com sua gestão, marcada por posições firmes e por estilo personalista.

Na reta final da disputa, faltando cinco dias para a definição de sua sucessão, o democrata acaba de amargar a traição de pelo menos 11 deputados de seu próprio partido, atraídos pelas ofertas do adversário Arthur Lira, do PP, que, tudo indica, chegará ao plenário, no dia primeiro de fevereiro, como favorito. Como há 9 candidatos em disputa, a expectativa é que haja alguma pulverização dos votos. A depender das negociações dos próximos dias, a eleição pode ser levada para uma decisão em segundo turno.

O presidente do Democratas, ACM Neto, silenciou diante da acusação feita por Maia, de que o DEM estaria se transformando no “partido da boquinha”, isto é, aderido abertamente ao fisiologismo. Entre eleger o emedebista Baleira Rossi na Câmara e um democrata para presidir o Senado, a óbvia escolha da cúpula do DEM é pelo senador Rodrigo Pacheco, que a esta altura lidera a corrida, com as bênçãos de Alcolumbre. O senador do Amapá, hoje desafeto de Maia, tem chances concretas de fazer seu sucessor – cenário que também colabora para o isolamento de Rodrigo Maia. Os próximos aliados do deputado carioca podem estar entre os oposicionistas que antagonizam com Bolsonaro, entre eles, o governador de São Paulo, João Doria.

Leia mais:  Projeto reivindica auxílio emergencial de R$ 600 até abril
Continue lendo

Política Nacional

Em vez de auxílio, Guedes sugere congelar salários do funcionalismo

Publicado

Ministro declarou nesta terça (26) que ‘se ocorrer a segunda onda da covid-19’, governo vai focar na redução de gastos

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta terça-feira (26) que o governo federal pode adotar o “protocolo da crise” caso aumente o número de mortes de covid-19 no país. A medida, esclareceu, representaria a proibição temporária de aumento de salários aos servidores públicos.

“Temos o protocolo da crise aperfeiçoado agora. Se você disser que a pandemia está realmente assolando o Brasil de novo, você vai declarar o estado de guerra, e isso é o seguinte: não tem aumento de salário durante dois anos do funcionalismo, os pisos estão todos bloqueados e acabou esse negócio do piso subir automaticamente.” 

“É a cláusula de calamidade fiscal, um caso agudo de emergência fiscal”, explicou. “Mas tem que pensar dez vezes, é igual apertar o botão nuclear, apertou paga o preço. Não tem só que pegar o dinheiro e sair correndo.”

O titular da Economia observou, no entanto, que não vê motivos para alarde em relação ao avanço das mortes. “Se houver uma segunda onda, o que é preciso ser bastante analisado, é necessária muita responsabilidade da classe política para não apertar o botão vermelho.”

Além da redução nos gastos com o funcionalismo, Guedes disse que não seriam possíveis gastos extras também com outras áreas, como educação e segurança.

Guedes explicou em uma videoconferência do Credid Suisse, da qual participou ao lado do presidente Jair Bolsonaro, que se for necessário o governo pode acelerar as regras defendidas no pacto federativo, que previam o que ele chama sempre de 3D: desindexar, desvincular e desobrigar as despesas, “Nós íamos fazer uma transferencia gradual ao longo de oito anos recuperando o controle dos gastos públicos”, acrescentou.

O ministro usou seu discurso também para afirmar que as críticas a Bolsonaro e os pedidos de impeachmento contra o chefe do Executivo partem de pessoas que não aceitaram a derrota eleitoral em 2018.

Pouco antes ele citou que Rodrigo Maia (DEM-RJ), atual presidente da Câmara, travou as pautas reformistas do governo federal por uma questão ideológica, por ser um representando da centro-esquerda. 

Leia mais:  'Não tem briga nenhuma', diz Ramos sobre relação com Ricardo Salles
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana