conecte-se conosco


Medicina e Saúde

‘Nós iremos passar o mês de abril como um período crítico’, diz secretário de Saúde do ES

Publicado

Estado superou, nesta quinta-feira (8), a triste marca de 8 mil mortes provocadas pelo novo coronavírus

O secretário de Estado da Saúde, Nésio Fernandes, e o subsecretário em Vigilância de Saúde, Luiz Carlos Reblin, concedem, nesta sexta-feira (09), uma coletiva de imprensa para atualizar informações sobre o enfrentamento à Covid-19 no Espírito Santo.

De acordo com o secretário, o estado vive, neste momento, uma estabilização dos casos observados. No entanto, o patamar ainda está alto. “Dentro dos critérios de testagem, observamos, desde o dia 25 do mês passado, um comportamento de estabilização de média móvel de casos, que passa a representar uma repercussão na pressão dos leitos de enfermaria e pode passar a repercutir na pressão dos leitos de UTI e dos óbitos”, disse.

Ele afirmou que as medidas adotadas de fechamento total contribuiram para reduzir os casos possíveis no Espírito Santo, atendendo as expectativas da redução da pressão assistencial, enquanto aumentava a quantidade de leitos, que já está próximo a passar de 2 mil, somados enfermaria e UTI.

Reblin esclareceu que o número atual de internações se deve à quantidade de pessoas contaminadas antes das medidas mais rígidas e do fechamento total decretado no Espírito Santo. Ele ainda lembrou que as pessoas não devem naturalizar os sintomas, por mais leve que seja. A orientação é procurar uma unidade de saúde para que seja realizado o teste de antígeno. Segundo ele, nesta semana, mais 190 mil testes chegam ao Espírito Santo para que seja agilizada o resultado.

O secretário reforçou os sinais de estabilização dos casos e há a perspectiva de que, ao longo das próximas semanas, haja um período de redução dos casos de coronavírus no Espírito Santo. Lembrando, ainda, que o mês de abril já era esperado de ser um período mais intenso.

Mortes

Nésio Fernandes: “Alcançamos 8 mil óbitos no Espírito Santo. Somos um governo com sensibilidade humana, que não esconde seus mortos e não tem teoria conspiratória sobre um trabalho realizado por médicos e enfermeiros, que constituíram no estado um dos melhores trabalhos de investigação de óbitos do país. Usar os óbitos para construir teorias conspiratórias não é adequado para qualquer líder político. É duro perder qualquer pessoa para uma doença, que sabemos que pode ser evitada”.

Momento crítico

Nésio Fernandes: “Reconhecemos que o Espírito Santo adotou medidas que conciliava estratégias de luta contra a pandemia, sendo realizadas análises e não erramos. Previmos a primeira, a segunda e a terceira expansão. A cada cenário, estratégias foram adotadas de maneira precoce  e oportuna para que não faltasse remédios. Vivemos um momento crítico, mas não como vivem outros estados do país. Entendemos que o Espírito Santo caminha para ter um momento exitoso dentro do contexto que o país vive. Acreditamos que todos os líderes políticos, independente da orientação ideológica, deveriam estar unidos e estar sendo convocadas diariamente a um alto grau de coesão”.

Ocupação de leitos na rede privada

Nésio Fernandes: “A partir da tarde de hoje (sexta), vamos divulgar o painel de ocupação de leitos da rede particular do Espírito Santo para dar mais transparência. Vamos divulgar o censo com a totalidade de hospitais que informaram a sua real situação e vamos informar quais hospitais não enviaram dados para o censo”.

Fornecimento de medicamentos

Nésio Fernandes: “Os hospitais estatais geridos pela gestão pública direta do Espírito Santo, assim como a rede privada e filantrópica passa por dificuldade na aquisição de medicamentos, principalmente naqueles de intubação. No entanto, a rede pública tem uma situação melhor, pois nos antecipamos nas compras e temos contratos vigentes. As decisões que tomamos em fevereiro e março, não puderam ser atendidas pelos fornecedores por conta da crise de abastecimento. Desde a semana passada, diversos fornecedores estão apresentando uma possibilidade de um suprimento parcial das quantidades solicitadas pelo estado, de maneira que a gente tem uma autonomia de medicamentos fornecida para 10 a 15 dias. Na rede privada há uma dificuldade maior, pois os contratos são estabelecidos em outro marco jurídico. Temos a expectativa que haja um desabastecimento pleno na capacidade de suprir as UTIs”.

Coletiva furas-filas

“Na próxima quarta-feira (14), teremos uma coletiva específica para tratar dos furas-filas. Iríamos apresentar no dia de hoje, mas os dados exigem uma coletiva de pelo menos uma hora para apresentar. São denúncias das ouvidorias. Sobre o assunto, destaco a preocupação de todos os gestores públicos da rede de saúde com a autorização para que os setores privados comprem vacinas. Essa autorização levará a novas dificuldades para aquisição de vacinas por parte do poder público. Não é adequado que numa pandemia o poder público tenha que competir com a rede privada. Isso irá estabelecer uma corrida pelas vacinas, levando a uma inflação no preço das vacinas do mercado”

Compra de vacinas

Nésio Fernandes: “Nós não iremos fazer nenhum tipo de anúncio indevido e inapropriado que não estamos fazendo a cada neciação e a cada etapa do processo de negociação. Diferente de outros estados e municípios, conseguimos preservar discrição nas negociações, pois são complexas, com questões de análises jurídicas, negociação de preço, checagem de fornecedor. Não faremos anúncios cotidianos a cada etapa de negociação com qualquer fornecedor. Queremos tranquilizar a população de que o governo segue negociações para viabilizar a compra de vacinas. No entanto, quando isso ocorrer, o próprio governador vai anunciar. A população precisa receber informações concretas. Não estamos em campanha eleitoral. Estamos enfrentando uma pandemia”.

Registro de doses

O subsecretário Reblin afirmou que há dificuldade de registro das doses aplicadas em alguns municípios, mas que tudo será colocado em dia. Ele ainda lembrou que o Espírito Santo está recebendo, semanalmente, doses das vacinas. Sobre as forças de segurança, ele afirmou que os agentes serão vacinados em seus municípios de residência.

Oxigênio

Nésio Fernandes: “Nós reunimos os fornecedores de gases medicinais desde o ano passado, em reuniões dcumentadas com atas de presenca e registros e estabelecemos uma pactuação com esses fornecedores e conseguimos garantir um apoio adicional aos fornecedores que possuem uma base produtora no Espírito Santo, como a Arcelor, para garantir o fornecimento de gases. Ocorreu um aumento importante no consumo, mas a preparação tem permitido que o estado não sofra com a falta de oxigênio”

Insumos

Reblin: “O Espírito Santo está totalmente abastecido. Ontem houve uma nova informação de que os insumos não faltariam e que a produção continua.  Vacinação da gripe começa dia 12, procure ver com seu município, fique atento ao intervalo entre a vacina da covid e a da gripe. Os grupos que não estão se vacinando contra a vacina da covid se vacinem contra a gripe”

Leitos

Nésio Fernandes: “75% consegue ser atendido em menos de 24h. Temos 100 pacientes por turno, em atendimento pelo Samu, a pressão pelas UTIs é muito grande, dentro da rede pública estadual. Os critérios de definição dos leitos é definido por protocolo, que será submetido”

Variante de Minas Gerais

Nésio Fernandes afirmou que ao longo da pandemia, tem estabelecido contato direto com diversos secretários da saúde do país. O secretário de Minas Gerais informou uma situação muito crítica em atender a alta pressão assistencial, nos municípios mineiros na fronteira com o Espírito Santo. “Informei que nao seria possivel fazer qualquer tipo de pactuação para atender os pacientes de Minas”

“Estudo feitos pela universidade de Minas apontam a circulação da variante P1, como a predominante nos municípios mineiros. Nós não temos a variante P1 em circulação, mas estamos em risco com a circulação nacional de outros variantes. Por conta da ausência de uma coordenação de fronteiras é possível que o estado também sofra com outras variantes. Precisamos entender que a variante brasileira, do Amazonas, possui um comportamento ainda mais crítico na população jovem e adulta, inclusive em relação à variante inglesa”

Mapa de risco

Municípios que estão em um determinado risco, podem mudar para um risco maior ou menor. Se subir de risco, permanecerá por mais 14 dias.

Casos no Espírito Santo

O Espírito Santo superou, nesta quinta-feira (8), a triste marca de 8 mil mortes provocadas pelo novo coronavírus. De acordo com informações do Painel Covid-19, da Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), em 24 horas foram registradas mais 69 mortes em decorrência da covid-19. Com isso, o total de óbitos causados pela doença no Estado, desde o início da pandemia, chegou a 8.016.

Além disso, 2.626 novos casos da doença foram contabilizados no mesmo período, elevando o total de infectados para 398.573 no Espírito Santo. O Painel Covid-19 aponta, ainda, que 369.225 pessoas já conseguiram vencer o coronavírus no Estado.

Leia mais:  Covid-19: ES tem mais 16 mortes e 1,1 mil novos casos em 24 horas
publicidade

Medicina e Saúde

ES recebe lote a mais da Coronavac e fica perto de zerar fila de espera pela 2ª dose

Publicado

Dois voos, um na madrugada e outro na manhã desta sexta-feira, trouxeram os imunizantes. Mais de 80 mil capixabas ficaram com a segunda dose atrasada

O Espírito Santo recebeu uma nova remessa de vacinas da Coronavac, produzida pelo Instituto Butantan. O ministério da Saúde enviou 65.200 doses do imunizante – quantitativo maior do que o esperado pela Sesa – que deverá ser aplicado no grupo que aguarda a aplicação da segunda dose.

Na madrugada desta sexta-feira, chegaram 43.800 doses. Já durante esta manhã, por volta das 10h15, um novo voo trouxe mais 21.400 doses da Coronavac. Com as duas remessas, o Estado recebeu um total de 65.200 vacinas do Instituto Butantan. 

O quantitativo se aproxima do total de doses necessárias divulgadas pela Secretaria de Saúde para finalizar a vacinação da população que aguarda há mais de 28 dias a aplicação da segunda dose. Na última semana, o Estado também recebeu 20 mil doses da vacina. 

Com a soma dos lotes, o Estado fica perto de zerar a fila de espera pelo imunizantes, já que 87 mil pessoas, dos grupos de 70 a 74 anos, 65 a 69 anos e trabalhadores da saúde, aguardavam para concluir o esquema de vacinação.

Mais doses de Astrazeneca

Na mesma remessa que chegou ao Estado durante a madrugada, o Ministério da Saúde também enviou doses da vacina Covishield (Oxford/Fiocruz). O novo lote, com 52.250 doses, será aplicado na continuidade da vacinação do grupo de forças de segurança e salvamento, dos trabalhadores da educação e do grupo de comorbidades, com exceção da administração deste imunizante em grávidas. 

Leia mais:  O inimigo silencioso. Saiba como quebrar o ciclo vicioso do açúcar
Continue lendo

Medicina e Saúde

Covid-19 pode ser mais grave do que efeitos colaterais da vacina em grávidas

Publicado

Eles recomendam que as gestantes tomem o imunizante, mesmo que, em nenhum deles, a bula recomende o uso nesse grupo

Registros de efeitos adversos levaram Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) a recomendar, nesta terça-feira (11), a suspensão da aplicação da vacina Oxford/AstraZeneca em gestantes. A agência destacou ainda que a bula não recomenda o uso do imunizante durante a gestação.

Com a recomendação da Anvisa, a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) decidiu suspender a vacinação em grávidas com a vacina da AstraZeneca em todas as cidades do Espírito Santo. A Sesa, no entanto, anunciou que esse grupo agora será imunizado com as vacinas da Pfizer, que, a princípio, seriam destinadas apenas para a cidade de Vitória.

Mesmo com a possibilidade de reações adversas causadas pela vacina nas gestantes, especialistas recomendam que essas mulheres devem tomar o imunizante, já que, segundo eles, a covid-19 pode ser mais grave do que os possíveis efeitos colaterais.

“Se nós formos olhar, em nenhuma das vacinas autorizadas no Brasil está escrito em bulas que ela pode ser usada em gestante. Na verdade, agora está sendo testado o uso das vacinas durante a gestação. O benefício de se vacinar a paciente gestante, para que ela não agrave e que não necessite, por exemplo, de um leito de UTI, é muito mais importante frente às coisas que se espera que a vacina poderia provocar numa grávida”, destacou o ginecologista e obstetra Fernando Guedes da Cunha.

O médico ressaltou ainda que algumas reações são esperadas nos dois primeiros dias após a vacinação. “A gestante que já tomou a primeira dose da vacina deve ter um sinal de alerta nas primeiras 48 horas. É comum que essa gestante sinta dor no corpo, que ela tenha febre baixa, de 38 graus. Isso são reações esperadas da vacina. O que a gente deve se preocupar? Às vezes com dor localizada nos membros inferiores, vermelhidão aguda, de uma hora para outra aparece uma vermelhidão. Isso deve ser avisado. Após as 48 horas da vacinação, é provável que os sintomas não apareçam”.

Já a professora da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) e doutora em epidemiologia, Ethel Maciel, afirma que casos graves de reação às vacinas são raros diante da quantidade de pessoas já imunizadas. Ethel também reforça a importância delas para o combate à covid-19, mesmo entre as gestantes.

“Esse é o primeiro evento adverso que nós temos. Então é preciso analisar entre risco e benefício, para a Anvisa liberar novamente para esse grupo. Hoje é muito importante as gestantes tomarem a vacina, porque a gente está sob muito risco. O vírus está circulando de forma muito acelerada”, frisou.

De acordo com o subsecretário de Vigilância em Saúde do Estado, Luiz Carlos Reblin, a Sesa agora aguarda orientações do Ministério da Saúde para saber se as gestantes devem ou não tomar a segunda dose da mesma vacina.

“A maioria delas vai tomar a vacina em julho, não é imediatamente. Até lá, a gente acredita que a própria Anvisa terá finalizado a avaliação dessa situação que ocorreu e nos indicar a continuidade da vacina”, disse Reblin.

Fonte: Folha Vitória.

Leia mais:  Pesquisa aponta presença do Sars-CoV-2 no ES em 2019
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana