conecte-se conosco


Medicina e Saúde

‘Nós iremos passar o mês de abril como um período crítico’, diz secretário de Saúde do ES

Publicado

Estado superou, nesta quinta-feira (8), a triste marca de 8 mil mortes provocadas pelo novo coronavírus

O secretário de Estado da Saúde, Nésio Fernandes, e o subsecretário em Vigilância de Saúde, Luiz Carlos Reblin, concedem, nesta sexta-feira (09), uma coletiva de imprensa para atualizar informações sobre o enfrentamento à Covid-19 no Espírito Santo.

De acordo com o secretário, o estado vive, neste momento, uma estabilização dos casos observados. No entanto, o patamar ainda está alto. “Dentro dos critérios de testagem, observamos, desde o dia 25 do mês passado, um comportamento de estabilização de média móvel de casos, que passa a representar uma repercussão na pressão dos leitos de enfermaria e pode passar a repercutir na pressão dos leitos de UTI e dos óbitos”, disse.

Ele afirmou que as medidas adotadas de fechamento total contribuiram para reduzir os casos possíveis no Espírito Santo, atendendo as expectativas da redução da pressão assistencial, enquanto aumentava a quantidade de leitos, que já está próximo a passar de 2 mil, somados enfermaria e UTI.

Reblin esclareceu que o número atual de internações se deve à quantidade de pessoas contaminadas antes das medidas mais rígidas e do fechamento total decretado no Espírito Santo. Ele ainda lembrou que as pessoas não devem naturalizar os sintomas, por mais leve que seja. A orientação é procurar uma unidade de saúde para que seja realizado o teste de antígeno. Segundo ele, nesta semana, mais 190 mil testes chegam ao Espírito Santo para que seja agilizada o resultado.

O secretário reforçou os sinais de estabilização dos casos e há a perspectiva de que, ao longo das próximas semanas, haja um período de redução dos casos de coronavírus no Espírito Santo. Lembrando, ainda, que o mês de abril já era esperado de ser um período mais intenso.

Mortes

Nésio Fernandes: “Alcançamos 8 mil óbitos no Espírito Santo. Somos um governo com sensibilidade humana, que não esconde seus mortos e não tem teoria conspiratória sobre um trabalho realizado por médicos e enfermeiros, que constituíram no estado um dos melhores trabalhos de investigação de óbitos do país. Usar os óbitos para construir teorias conspiratórias não é adequado para qualquer líder político. É duro perder qualquer pessoa para uma doença, que sabemos que pode ser evitada”.

Momento crítico

Nésio Fernandes: “Reconhecemos que o Espírito Santo adotou medidas que conciliava estratégias de luta contra a pandemia, sendo realizadas análises e não erramos. Previmos a primeira, a segunda e a terceira expansão. A cada cenário, estratégias foram adotadas de maneira precoce  e oportuna para que não faltasse remédios. Vivemos um momento crítico, mas não como vivem outros estados do país. Entendemos que o Espírito Santo caminha para ter um momento exitoso dentro do contexto que o país vive. Acreditamos que todos os líderes políticos, independente da orientação ideológica, deveriam estar unidos e estar sendo convocadas diariamente a um alto grau de coesão”.

Ocupação de leitos na rede privada

Nésio Fernandes: “A partir da tarde de hoje (sexta), vamos divulgar o painel de ocupação de leitos da rede particular do Espírito Santo para dar mais transparência. Vamos divulgar o censo com a totalidade de hospitais que informaram a sua real situação e vamos informar quais hospitais não enviaram dados para o censo”.

Fornecimento de medicamentos

Nésio Fernandes: “Os hospitais estatais geridos pela gestão pública direta do Espírito Santo, assim como a rede privada e filantrópica passa por dificuldade na aquisição de medicamentos, principalmente naqueles de intubação. No entanto, a rede pública tem uma situação melhor, pois nos antecipamos nas compras e temos contratos vigentes. As decisões que tomamos em fevereiro e março, não puderam ser atendidas pelos fornecedores por conta da crise de abastecimento. Desde a semana passada, diversos fornecedores estão apresentando uma possibilidade de um suprimento parcial das quantidades solicitadas pelo estado, de maneira que a gente tem uma autonomia de medicamentos fornecida para 10 a 15 dias. Na rede privada há uma dificuldade maior, pois os contratos são estabelecidos em outro marco jurídico. Temos a expectativa que haja um desabastecimento pleno na capacidade de suprir as UTIs”.

Coletiva furas-filas

“Na próxima quarta-feira (14), teremos uma coletiva específica para tratar dos furas-filas. Iríamos apresentar no dia de hoje, mas os dados exigem uma coletiva de pelo menos uma hora para apresentar. São denúncias das ouvidorias. Sobre o assunto, destaco a preocupação de todos os gestores públicos da rede de saúde com a autorização para que os setores privados comprem vacinas. Essa autorização levará a novas dificuldades para aquisição de vacinas por parte do poder público. Não é adequado que numa pandemia o poder público tenha que competir com a rede privada. Isso irá estabelecer uma corrida pelas vacinas, levando a uma inflação no preço das vacinas do mercado”

Compra de vacinas

Nésio Fernandes: “Nós não iremos fazer nenhum tipo de anúncio indevido e inapropriado que não estamos fazendo a cada neciação e a cada etapa do processo de negociação. Diferente de outros estados e municípios, conseguimos preservar discrição nas negociações, pois são complexas, com questões de análises jurídicas, negociação de preço, checagem de fornecedor. Não faremos anúncios cotidianos a cada etapa de negociação com qualquer fornecedor. Queremos tranquilizar a população de que o governo segue negociações para viabilizar a compra de vacinas. No entanto, quando isso ocorrer, o próprio governador vai anunciar. A população precisa receber informações concretas. Não estamos em campanha eleitoral. Estamos enfrentando uma pandemia”.

Registro de doses

O subsecretário Reblin afirmou que há dificuldade de registro das doses aplicadas em alguns municípios, mas que tudo será colocado em dia. Ele ainda lembrou que o Espírito Santo está recebendo, semanalmente, doses das vacinas. Sobre as forças de segurança, ele afirmou que os agentes serão vacinados em seus municípios de residência.

Oxigênio

Nésio Fernandes: “Nós reunimos os fornecedores de gases medicinais desde o ano passado, em reuniões dcumentadas com atas de presenca e registros e estabelecemos uma pactuação com esses fornecedores e conseguimos garantir um apoio adicional aos fornecedores que possuem uma base produtora no Espírito Santo, como a Arcelor, para garantir o fornecimento de gases. Ocorreu um aumento importante no consumo, mas a preparação tem permitido que o estado não sofra com a falta de oxigênio”

Insumos

Reblin: “O Espírito Santo está totalmente abastecido. Ontem houve uma nova informação de que os insumos não faltariam e que a produção continua.  Vacinação da gripe começa dia 12, procure ver com seu município, fique atento ao intervalo entre a vacina da covid e a da gripe. Os grupos que não estão se vacinando contra a vacina da covid se vacinem contra a gripe”

Leitos

Nésio Fernandes: “75% consegue ser atendido em menos de 24h. Temos 100 pacientes por turno, em atendimento pelo Samu, a pressão pelas UTIs é muito grande, dentro da rede pública estadual. Os critérios de definição dos leitos é definido por protocolo, que será submetido”

Variante de Minas Gerais

Nésio Fernandes afirmou que ao longo da pandemia, tem estabelecido contato direto com diversos secretários da saúde do país. O secretário de Minas Gerais informou uma situação muito crítica em atender a alta pressão assistencial, nos municípios mineiros na fronteira com o Espírito Santo. “Informei que nao seria possivel fazer qualquer tipo de pactuação para atender os pacientes de Minas”

“Estudo feitos pela universidade de Minas apontam a circulação da variante P1, como a predominante nos municípios mineiros. Nós não temos a variante P1 em circulação, mas estamos em risco com a circulação nacional de outros variantes. Por conta da ausência de uma coordenação de fronteiras é possível que o estado também sofra com outras variantes. Precisamos entender que a variante brasileira, do Amazonas, possui um comportamento ainda mais crítico na população jovem e adulta, inclusive em relação à variante inglesa”

Mapa de risco

Municípios que estão em um determinado risco, podem mudar para um risco maior ou menor. Se subir de risco, permanecerá por mais 14 dias.

Casos no Espírito Santo

O Espírito Santo superou, nesta quinta-feira (8), a triste marca de 8 mil mortes provocadas pelo novo coronavírus. De acordo com informações do Painel Covid-19, da Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), em 24 horas foram registradas mais 69 mortes em decorrência da covid-19. Com isso, o total de óbitos causados pela doença no Estado, desde o início da pandemia, chegou a 8.016.

Além disso, 2.626 novos casos da doença foram contabilizados no mesmo período, elevando o total de infectados para 398.573 no Espírito Santo. O Painel Covid-19 aponta, ainda, que 369.225 pessoas já conseguiram vencer o coronavírus no Estado.

Leia mais:  Passageiro será avisado por SMS se viajou com infectado por covid-19 no ES, diz secretário
publicidade

Medicina e Saúde

ES espera aval da Anvisa para vacinar crianças a partir de 3 anos contra covid-19

Publicado

O secretário de Saúde do Espírito Santo afirmou que a expectativa do governo do Estado é que a Sinovac e a Pfizer apresentem a documentação necessária para liberação da vacinação das crianças contra covid-19 até dezembro

A Secretaria de Saúde do Espírito Santo acredita que a vacinação de crianças de 3 a 11 anos contra a covid-19 possa ser autorizada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) até o fim deste ano. 

A declaração foi feita pelo secretário de Estado de Saúde, Nésio Fernandes, durante uma coletiva de imprensa, na tarde desta segunda-feira (20).

Nésio afirmou que acredita que os laboratórios Sinovac e Pfizer podem entregar  toda a documentação necessária para avaliação da inclusão do novo público na campanha de imunização contra a covid-19 até dezembro. 

“Nós temos a expectativa de que até o final do ano, a Anvisa libere tanto a vacina produzida pela Sinovac, a Coronavac, quando a da Pfizer para idades pediátricas. Acreditamos que até dezembro seja possível que tanto a Pfizer quanto a Sinovac apresentem toda a documentação necessária para a autorização do uso dessas vacinas em crianças”, disse.

O secretário destacou que, caso a Anvisa libere o uso dos imunizantes para o novo público, a vacinação das crianças poderá ser iniciada logo após a liberação da agência. “Ela poderá ser incluída nos momentos próximos na vacinação no Brasil”, afirmou.  

Adultos devem ser vacinados com primeira dose até inicio de outubro 

Ainda de acordo com Nésio, a expectativa é vacinar, com ao menos a primeira dose, todo o público com mais de 18 anos até o início de outubro. 

“A expectativa do governo do Estado é alcançar 100% da população adulta com 18 anos coberta com a primeira dose da vacina até o inicio de outubro. Iremos completar, nesta semana, a disponibilidade de doses para alcançar 100% dos adolescentes com mais de 12 anos que tenham alguma comorbidade”, disse.

Segundo Nésio, cerca de 80% dos adolescentes sem comorbidades também devem ser vacinados neste período. “Ainda vamos alcançar a meta de disponibilizar doses para vacinar 80% dos adolescentes com mais de 12 anos que não apresentem comorbidades”, disse.

O secretário de Saúde do Espírito Santo destacou ainda que, com a compra das doses da vacina Coronavac realizadas pelo governo do Estado, foi possível antecipar a aplicação da dose de reforço, além de ampliar o público para pessoas a partir de 60 anos.  

“Nós também conseguimos, com a compra das vacinas do Butantan, otimizar as vacinas que vieram do Ministério da Saúde, principalmente da Pfizer, para ampliar a idade para vacinação das doses de reforço. Ampliamos para a partir dos 60 anos. Além disso, reduzimos o intervalo entre a segunda dose e a dose de reforço”, disse.

Nésio lembrou que o critério do Ministério de Saúde inclui somente idosos com mais de 70 anos e que alcancem o prazo de seis meses entre a segunda dose e a dose de reforço.

Leia mais:  Inquérito Sorológico vai testar 32 mil capixabas para identificar contato com Coronavírus
Continue lendo

Medicina e Saúde

Vacina da Pfizer é segura e protege entre 5 e 11 anos, aponta fabricante

Publicado

Resposta imune foi semelhante à faixa etária de 16 a 25 anos, e a segurança, a de idades mais elevadas, segundo farmacêutica

A Pfizer e a BioNTech afirmaram nesta segunda-feira (20) que a vacina contra covid-19 ,que desenvolveram em parceria, induz uma resposta imune robusta em crianças de entre 5 e 11 anos de idade e ambas planejam pedir autorização para que a vacina seja aplicada nesta faixa etária às autoridades dos Estados Unidos, da Europa e de outros locais o mais rápido possível.

As empresas dizem que a vacina gerou resposta imune nas crianças de 5 a 11 anos em seu ensaio clínico de Fases 2 e 3 e os resultados se equivalem ao que observaram anteriormente entre pessoas de 16 a 25 anos de idade. O perfil de segurança também foi, no geral, comparável ao da faixa etária mais elevada, afirmaram.

“Desde julho, casos pediátricos de covid-19 aumentaram em cerca de 240% nos Estados Unidos – enfatizando a necessidade de saúde pública de vacinação”, disse o presidente-executivo da Pfizer, Albert Bourla, em comunicado à imprensa.

“Os resultados desse teste fornecem uma fundação sólida para buscar autorização de nossa vacina para crianças de entre 5 e 11 anos, e planejamos entregar o pedido à FDA (agência reguladora dos EUA) e outros reguladores com urgência.”

Autoridades de saúde de alto escalão dos Estados Unidos acreditam que os órgãos reguladores podem tomar uma decisão sobre se a vacina é segura e eficaz em crianças mais novas três semanas após a entrega pelos laboratórios dos pedidos de autorização, disseram duas fontes à Reuters neste mês.

As internações e mortes por covid-19 saltaram nos Estados Unidos nos últimos meses devido à variante Delta do coronavírus, altamente contagiosa. Casos pediátricos da doença também estão em alta, particularmente porque crianças com menos de 12 anos não estão sendo vacinadas, mas não há nenhuma indicação de que, além de ser mais transmissível, a Delta seja mais perigosa para crianças.

Uma autorização rápida ajudaria a mitigar um potencial aumento de casos no outono do Hemisfério Norte, especialmente com as escolas já abertas em todo os EUA.

A vacina Pfizer/BioNTech já está autorizada para aplicação em crianças a partir de 12 anos em vários países, incluindo os Estados Unidos.

No ensaio clínico, as crianças de entre 5 e 11 anos receberam uma dose de 10 microgramas da vacina, um terço da dose dada a pessoas com mais de 12 anos. As empresas disseram esperar os dados sobre como a vacina atua em crianças de entre 2 e 5 anos e em bebês de 6 meses a 2 anos até o quarto trimestre deste ano.

Leia mais:  Qual tipo de máscara é mais eficaz contra variante da covid-19?
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana