conecte-se conosco


Medicina e Saúde

Nova cepa está disseminando mais em jovens com menos de 20 anos, diz virologista

Publicado

Pesquisadores do laboratório Dasa anunciaram na última quinta (31) a identificação da nova variante da Covid-19 em São Paulo. A cepa B117 do vírus já foi detectada na Inglaterra e em mais de 30 países, como Portugal, Dinamarca, Austrália, Índia, Coreia do Sul e Canadá. Segundo o laboratório, a descoberta já foi informada ao Instituto Adolfo Lutz e à Vigilância Sanitária.

O virologista e professor da Universidade Feevale no Rio Grande do Sul Fernando Spilki comentou sobre a facilidade de transmissão dessa nova cepa e destacou que a faixa etária que agora está mais se infectando com essa variante do vírus são jovens com menos de 20 anos. 

“No Reino Unido eles estão comparando as taxas anteriores de transmissão dessa nova variante com a taxa de transmissão agora. O resultado é que antes era um pouco abaixo de 1 e agora estão com taxa de 1.3 e 1.7. Essa variação acima, onde mais gente está se infectando a partir de um único caso, é o que traz essa ideia que temos vistos em artigos – no Reino Unido o aumento de casos está entre 50 a 60%. Se lá atrás havia alguma dúvida de que essa nova cepa é mais transmissível, isso parece bastante claro agora”, afirmou o virologista, que coordena o trabalho de 50 pesquisadores em 12 universidades e centros de pesquisa brasileiros para o sequenciamento de variantes no Brasil. 

Spilki também ressalta que o relaxamento do comportamento social dos mais jovens está abrindo espaço para que o vírus da Covid-19 se evolua e exponha novas classes.

“Os mais jovens não necessariamente são mais suscetíveis a essa variação do vírus, todos na verdade são, mas acaba de sair agora à tarde um artigo da Universidade de Oxford que afirma que todas as faixas etárias são suscetíveis, mas impressiona no primeiro momento que em pessoas abaixo de 20 anos houve um registro importante de casos em uma faixa etária que antes era menos atingida pelo vírus. Isso revela dois alertas: isso não significa que os mais velhos não estão suscetíveis e parece que essa nova cepa se espalha melhor nos mais jovens, o que impactará certamente o retorno das aulas e a campanha de vacinação. O fato é que nós estamos dando espaço, campo livre, para que o vírus fique livre e evolua. Os surtos dessa variante estão relacionados ao relaxamento do comportamento social dos mais jovens. A própria variante da África do Sul parece ter sido muito beneficiada devido às festas de jovens e adultos. Isso é muito preocupante, estamos dando muita chance para que essa transmissão ocorra”, destacou o virologista. 

Questionado se essa nova cepa identificada em São Paulo pode ganhar espaço no resto do país, ele alerta: “Conhecendo o histórico de como as diferentes linhagens se disseminam no país, esse tráfego aéreo é a origem das linhagens que estão ganhando espaço no Brasil. Estamos investigando a geração de novas variações no Brasil também, mas será mais difícil que conseguir conter essa linhagem em São Paulo. O histórico mostra que as linhagens acabam se espalhando pelo país a partir desses polos de importação de pessoas que chegam infectadas”.

Leia mais:  Gordura abdominal aumenta risco de demência, afirma estudo
publicidade

Medicina e Saúde

Por que pessoas com duas doses da vacina da Covid-19 ainda podem contrair a doença?

Publicado

Especialistas alertam que não há vacina 100% eficaz e que imunizantes protegem contra formas graves da doença

Estudante do 5º ano de veterinária na cidade de Matão (SP), Giovanni Reggi Bortolani, de 22 anos, tomou a segunda dose da vacina CoronaVac no dia 4 de março. Um mês depois, após um jantar em família em que todos presentes acabariam contraindo a Covid-19 , ele também saiu infectado. Casos como esse — de pessoas que contraíram a doença mesmo após as duas doses da vacina — vêm causando dúvidas acerca da efetividade dos imunizantes contra o novo coronavírus.

Médicos e especialistas alertam que é sim possível contrair e transmitir a doença, mesmo após 14 dias da aplicação da segunda dose, quando se completa o ciclo de imunização. Isso ocorre porque as vacinas atualmente disponíveis protegem principalmente contra o desenvolvimento de formas graves da doença, como explica Rosana Richtmann, infectologista do Hospital Emílio Ribas e do comitê de imunização da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI).

— Quando falamos da importância da vacinação não é que a pessoa vai estar totalmente livre de pegar a doença. Mas a chance dela ser internada, intubada e ter complicações cai expressivamente e assim combatemos a pandemia — aponta Richtmann.

A especialista ressalta que nenhuma vacina é 100% eficaz. Ela explica que, apesar das diferenças de eficácia das vacinas, todas disponíveis para vacinação atualmente possuem uma proteção para prevenção de casos moderados e graves entre 75-80% com as duas doses.

Um estudo sobre a CoronaVac, por exemplo, feito pelo Ministério da Saúde do Chile, apontou que ela é 67% efetiva na prevenção da infecção sintomática pela doença; 85% para prevenir internações e de 80% na prevenção de mortes pela Covid-19. Já duas doses da vacina Oxford/AstraZeneca contra a Covid-19 podem ter cerca de 85% a 90% de efetividade contra o desenvolvimento da doença, segundo a Public Health England (PHE).

Além do tipo do imunizante, especialistas explicam que o principal fator que irá determinar o nível de proteção é o próprio organismo do paciente — ou seja, varia de pessoa para pessoa. Segundo a infectologista da Unicamp e consultora da SBI Raquel Stucchi, basicamente, há três grupos de reações às vacinas: quem desenvolve uma boa formação da imunidade celular e não adoece; aqueles que criam resposta parcial e podem ter casos leves;  e uma minoria que desenvolve poucas células de defesa e pode ter casos moderados e graves.

— Os pacientes que não desenvolvem imunidade a partir da vacina são na maioria idosos (devido ao processo de envelhecimento natural do sistema imunológico), imunodeprimidos e pessoas com comorbidades como obesidade e diabetes — diz Stucchi.

Faz parte desse grupo, por exemplo, a funcionária do setor de saúde de Franca, no interior de São Paulo, Cacilda Vendramini Ferreira, de 68 anos, que é diabética e hipertensa. Ela havia tomado a segunda dose em 2 de março e começou a se sentir mal em 10 de abril.  Ficou oito dias internada, cinco deles na UTI, mas não precisou ser intubada.

— Se eu não tivesse tomado a vacina poderia ter sido muito pior — afirma Ferreira.

— O vírus não é uma entidade estática. Ele se multiplica, tem seus próprios mecanismos de defesa e vai usar de tudo para continuar se replicando. É uma “corrida armamentista”, e onde tiver menos resistência pode surgir a doença — define Mansur.

Por conta dessa capacidade do vírus de infectar mesmo após a vacinação, a infectologista Raquel Stucchi ressalta que a imunização é também importante para proteger outras pessoas e o próprio sistema de saúde.

— A gente insiste que a vacinação não é um ato individual, mas coletivo. Com muita gente vacinada diminui as internações e tende a diminuir a circulação do vírus. Assim a chance dessas pessoas cujo sistema imunológico não respondeu à vacina adoecerem diminui muito — analisa Stucchi.

Os especialistas alertam ainda para a importância de tomar as duas doses e completar o ciclo de imunização. Atualmente, apenas 11,11% da população brasileira recebeu as duas doses da vacina. Além disso, destaca Rosana Richtmann, se a pessoa se expõe muito a locais aglomerados, a chance dela se infectar mesmo imunizada também será maior.

— No hospital vejo muitas pessoas que, após 4 ou 5 dias da primeira dose já relaxam e acabam se contaminando e desenvolvendo a doença. Por isso é importante completar a imunização com a segunda dose e seguir usando máscara para proteger a si mesmo e aos outros — recomenda a infectologista.

Leia mais:  Moderna anuncia início de vacinas testes e Sanofi interrompe uso de cloroquina
Continue lendo

Medicina e Saúde

ICEPi realiza 1º Fórum de Medicina Hospitalista para compartilhar vivências e resultados

Publicado

Acontece na próxima quinta-feira (17), a partir das 14 horas, o 1º Fórum de Medicina Hospitalista do Instituto Capixaba de Ensino, Pesquisa e Inovação em Saúde (ICEPi). O fórum tem como objetivo discutir as vivências dos participantes do projeto e os resultados alcançados nos últimos seis meses.

O evento, realizado pela Coordenação do Projeto de Qualificação da Rede Hospitalar do ICEPi, ocorrerá no auditório do Hospital da Polícia Militar (HPM), em Vitória. O Fórum será destinado aos profissionais dos hospitais participantes do projeto e contará com os cuidados devidos para a organização diante da pandemia da Covid-19.   

O 1º Fórum de Medicina Hospitalista faz parte do Projeto de Qualificação da Rede Hospitalar, realizado em parceria com a Sociedade Brasileira de Medicina Hospitalar (Sobramh), que visa a qualificação e o desenvolvimento de ações de aperfeiçoamento da gestão da clínica no âmbito hospitalar, melhorando o atendimento à população, além de reforçar as abordagens em educação, pesquisa e liderança. 

Atualmente, o projeto conta com 21 médicos, três supervisores médicos e 13 enfermeiros atuando nas unidades do Hospital Maternidade Sílvio Ávidos, Hospital Estadual Dório Silva, Hospital Estadual Infantil Nossa Senhora da Glória (HINSG) e Hospital Estadual de Vila Velha (HESVV). 

Leia mais:  Gordura abdominal aumenta risco de demência, afirma estudo
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana