conecte-se conosco


Medicina e Saúde

Novo coronavírus pode causar danos aos testículos e provocar infertilidade, aponta estudo

Publicado

Cientistas destacam também que o vírus pode afetar o desenvolvimento dos rins podendo causar lesão e insuficiência renal

Pesquisadores do Departamento de Urologia do Hospital de Nanjing e da Escola de Enfermagem do Suzhou Vocational Health and Technical College (Jiangsu, China) fazem um alerta aos homens sobre o novo coronavírus: a covid-19, além de causar problemas respiratórios, pode afetar os sistemas reprodutivo e urinário masculinos, prejudicando a fertilidade e o desenvolvimento de função renal anormal ou, até mesmo, lesão e insuficiência renal.

Segundo o estudo chinês, tanto a covid-19 como a SARS partilham do mesmo receptor nos humanos, a chamada ACE2 (enzima conversora de angiotensina 2). Tal enzima está presente nos pulmões e em outros órgãos do corpo humano, como coração e intestinos, sendo encontrada em elevada quantidade nos testículos.

É notória a presença da ACE2 nos exames realizados em homens, com alta concentração nas células do trato reprodutivo masculino, tais como as germinativas, dos ductos seminíferos e células de Leydig. O vírus, ao se ligar à enzima receptora, pode lesar tais células.

De acordo com o urologista e especialista em reprodução humana da Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida (SBRA), Renato Fraietta, a ligação direta do novo coronavírus com os receptores ACE2 podem levar à lesão testicular e tecidual renal dos pacientes infectados, o que requer cuidados com os homens acometidos por covid-19.

“Atenção especial deve ser dispensada aos pacientes quanto à avaliação e ao acompanhamento de suas funções renal e reprodutiva, evitando o risco de dano testicular que possa comprometer a fertilidade de pacientes sem prole constituída”, explica Fraietta.

Tendo em vista a potencial patogenicidade do vírus nos tecidos testiculares, os estudos recomendam que os médicos prestem atenção ao risco de lesões em pacientes durante a hospitalização e posterior acompanhamento clínico, principalmente avaliação e intervenção adequadas na fertilidade de pacientes jovens.

Segundo Fraietta, como qualquer doença viral, por exemplo, HIV, hepatite B e caxumba, a covid-19 também pode causar orquite, provocando uma inflamação testicular que, por sua vez, pode levar à atrofia testicular ou infertilidade. Mas, na avaliação do urologista, é cedo para tirar conclusões, tendo em vista que, oficialmente, os especialistas não podem afirmar com toda a certeza que a covid-19 afeta os genitais masculinos a longo prazo.

“De acordo com os estudos, devido ao risco de lesão testicular causada pela doença, é importante avaliar, acompanhar e, se possível, intervir nesses pacientes com desejo de paternidade futura. Indubitavelmente, por se tratar de uma doença nova, acerca da qual tem-se muitas perguntas e poucas respostas, mais estudos são necessários para a sustentação dos resultados desta investigação”, conclui o médico. 

Em nota a SBRA e a Red Latinoamericana de Reproducción Asistida (REDLARA) destacou que seguem acompanhando de perto as informações divulgadas pela Organização Mundial de Saúde (OMS), Ministério da Saúde e comunidade científica internacional para continuar orientando os profissionais da área, seus pacientes e toda a sociedade.

Leia mais:  Maior parte dos estudantes testados foram assintomáticos, aponta Inquérito Escolar
publicidade

Medicina e Saúde

Brasil terá imunidade coletiva ao vacinar 99%

Publicado

Especialistas consideram que a imunidade coletiva é obtida quando entre 60% e 70% da população está imunizada

O Brasil precisará aplicar a Coronavac em praticamente toda a sua população apta a recebê-la (99%) para alcançar a imunidade coletiva – e deter a circulação do novo coronavírus no País. O cálculo é do microbiologista Luiz Gustavo de Almeida, do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo e do Instituto Questão de Ciência. Segundo Almeida, seriam necessários dez meses para que todos recebessem a primeira dose. Ou seja, se tudo der certo, a vacinação só terá detido totalmente o vírus no segundo semestre de 2022.

A eficácia global da vacina produzida pelo Butantã e pelo laboratório chinês Sinovac é de 50,4%, como anunciado na terça-feira. Por isso, para alcançar a imunidade de rebanho, será necessário imunizar 160 milhões de brasileiros (dos 162 milhões que podem receber a vacina). Segundo o IBGE, o País tem 211 milhões de habitantes. No entanto, os menores de 18 anos, inicialmente, não receberão a vacina.

Especialistas consideram que a imunidade coletiva é obtida quando entre 60% e 70% da população está imunizada. O porcentual da população vacinada e o tempo para atingir a meta seriam menores com vacinas de eficácia mais alta.

Almeida calcula ainda que, no caso da vacina da Pfizer/BioNtech, cuja eficácia é de 95%, seria necessário imunizar metade do público, 81 milhões de pessoas, em aproximadamente cinco meses. No caso da vacina de Oxford (produzida no País pela Fiocruz e que também deve estar disponível no Brasil), com uma eficácia de 62,1%, o porcentual teria que chegar a 80%. Seriam 129 milhões vacinados em aproximadamente oito meses.

“Uma campanha de vacinação tem dois objetivos muito claros: gerar a imunidade de rebanho e a proteção individual”, disse Flávio Guimarães, presidente da Sociedade Brasileira de Virologia. “A CoronaVac não consegue cumprir muito bem o primeiro objetivo, mas o segundo objetivo se cumpre muito bem. Diante da emergência e das circunstâncias, é uma ferramenta muito importante.”

Cálculo errado

Cálculos com os dados brutos dos testes da Coronavac apontam uma eficácia de 49,69%, e não de 50,38%, como anunciado esta semana pelo Butantã. Mas o método usado na conta está errado para o caso da Coronavac e não corresponde ao modelo definido pelo Butantã no protocolo de pesquisa para calcular a eficácia da vacina, disse ao Estadão o diretor médico de pesquisa clínica do Butantã, Ricardo Palacios.

Segundo ele, o cálculo que aponta eficácia de 49,69% é inadequado nesse caso por considerar só o total absoluto de infecções em cada grupo do estudo (placebo e vacinado) e deixar de fora outro fator avaliado: o tempo de exposição ao risco de cada participante dos testes até ser infectado.

Em estatística, o método que conta também a variável tempo de exposição ao risco é chamado de análise de sobrevivência e tem como principal medida o hazard ratio (HR). Existe também a análise clássica, que leva em conta só o número de infecções em cada grupo, sem considerar o tempo de exposição. Ela tem como medidas o odds ratio (OR) ou risco relativo (RR). A metodologia deve ficar clara, para não haver desvios dos objetivos iniciais do estudo.

Palacios diz que o Butantã preferiu usar esse método por ser um estudo de curta duração, no qual o tempo de exposição ao risco de infecção de cada voluntário poderia variar muito.

No slide de apresentação dos resultados da Coronavac, além dos números absolutos, consta essa incidência, que seria de 11,74 no grupo vacinado ante 23,64 no grupo placebo.

“Se fosse um estudo em que a análise de eficácia fosse feita após dois anos, por exemplo, não teria tanta diferença porque todos os voluntários ficariam expostos por um tempo similar. Mas nesse caso, consideramos que seria mais adequado atribuir riscos diferentes conforme o tempo porque o risco de um voluntário com duas semanas de exposição após a vacinação é diferente de um que ficou quatro meses exposto”, afirma Palacios.

Ele ressaltou que a escolha do método está no protocolo de pesquisa, de agosto, apresentado à Anvisa para ter aval para a pesquisa e publicado em revista científica revisada por pares. “No protocolo descrevemos com antecedência a forma como a análise será feita justamente para não sermos acusados de mudar a regra do jogo durante a partida”, disse. O documento traz na página 47 a informação de que o método usado seria o do cálculo do hazard ratio. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Leia mais:  Suzano doará 30 respiradores e 80 mil máscaras hospitalares para ajudar ES no combate ao COVID-19
Continue lendo

Medicina e Saúde

ES: Pacientes que testaram positivo para covid-19 em exames de dengue serão reexaminados

Publicado

A afirmação é do secretário de Estado da Saúde, Nésio Fernandes, após apresentar estudo que identificou os anticorpos

As pessoas que testaram positivo para covid-19 em exames de dengue e chikungunya serão reexaminadas. É o que planeja o secretário de Estado da Saúde, Nésio Fernandes, disse na manhã desta quarta-feira (13).

“Nós iremos retestar esses pacientes e convidá-los para participar de um inquérito sorológico com interrogatório para poder identificar relatos e sintomas”, afirma. Esses pacientes fizeram parte de um estudo divulgado pela Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), que identificou a presença de anticorpos IgG específicos para SARS-COV-2 (covid-19), em amostras de infecção por arboviroses, que são a dengue e a chikungunya. 

O que chama a atenção é que essas amostras foram recolhidas em dezembro de 2019, dois meses antes do anúncio oficial do primeiro caso de infecção por coronavírus no Brasil. Assim, a conclusão é que o novo vírus já circulava em território nacional e no Espírito Santo. A investigação descobriu que de 7370 amostras envolvendo casos das doenças transmitidas por mosquito, 210 dessas coletas testaram positivo para covid-19.

“Queremos realizar novos exames laboratoriais que possam neutralizar os anticorpos, tirar dúvidas de falso positivo, pra poder de fato comprovar que se trata realmente do SARS-COV-2 e não de nenhum tipo de reação com outro coronavírus ou reação cruzada com outro tipo de doença”, planeja. 

A nova testagem é uma resposta à recomendação do Ministério da Saúde para que o Laboratório Central do Espírito Santo (Lacen-ES), responsável pelo estudo, que aprofunde as investigações sobre a possível presença de anticorpos. Fernandes, no entanto, defendeu o método e a tecnologia na pesquisa capixaba. A tecnologia utilizada ela é muito sensível e muito precisa.

“A probabilidade que se trate de um resultado falso positivo é muito baixa. Nós temos de fato um estudo que contém muita robustez tanto na quantidade de testes feitos quanto na tecnologia utilizada Já utilizamos algumas testagens pra poder refutar a ideia de que os resultados de que pacientes com dengue e chikungunya poderiam falsear os resultados de anticorpos positivos para sarcov 2”, destacou. 

Relações comerciais

O secretário acredita que a presença de cidadãos da China no Estado pode ser uma explicação para que o vírus já estivesse marcando presença ainda em 2019. “Temos relações comerciais com a China principalmente por causa da rota do mármore tanto com a circulação de chineses na Grande Vitória, em Cachoeiro, em Barra de São Francisco e Colatina”, detalhou. 

Vacina

Sobre a vacinação contra a covid-19, Nésio Fernandes acredita que haverá mais agilidade por parte do Governo Federal. Ele lembrou que o Ministério da Saúde irá definir uma data de in´´ício da imunização ainda no mês de janeiro. Além disso, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) irá divulgar a sua avaliação sobre as vacinas disponíveis no domingo (17).

“Nós acreditamos que, a partir da próxima semana, ficará estabelecido um calendário de distribuição dessas vacinas para todos os Estados brasileiros e no Espírito Santo, em até 48 horas de chegada das doses, nós conseguimos iniciar o processo de distribuição para os municípios”, finalizou. 

Leia mais:  Frio impõe maiores cuidados com vírus de doenças respiratórias
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana