conecte-se conosco


Internacional

Novo surto de ebola já registra 11 mortes e 17 casos no Congo

Publicado

República Democrática do Congo ainda sofre surto de sarampo e pandemia de covid-19, que infectou mais de 4.800 e causou 112 mortes no país

A República Democrática do Congo registrou cerca de 17 casos de ebola em um novo surto do vírus mortal na província ocidental de Équateur, e 11 dos infectados morreram, disseram autoridades médicas nesta segunda-feira (15).

As autoridades relataram 12 infecções na semana passada no país, cujo precário sistema de saúde também está combatendo uma epidemia de sarampo que matou mais de 6 mil pessoas e a covid-19, que já infectou mais de 4.800 e matou 112.

O Instituto Nacional de Pesquisa Biomédica informou em seu relatório diário que agora houve 14 casos confirmados de Ebola e três casos prováveis ​​desde que um conjunto de infecções foi confirmado na cidade de Mbandaka em 1º de junho.

Dois casos de ebola foram confirmados em sete zonas de saúde de Équateur, incluindo dois casos em Bolomba, a 300 km a nordeste de Mbandaka, informou a Organização Mundial da Saúde (OMS) em uma atualização.

A OMS afirmou que mais de 2.500 pessoas foram vacinadas em toda a província. A vacinação ajudou a controlar um surto de ebola a 1.000 km de distância no leste do país, que matou mais de 2.200 desde 2018.

O sequenciamento genético mostra que o novo surto do Ebola, um vírus que foi descoberto perto do rio Ebola no norte do Congo em 1976, não está vinculado ao do leste do país.

Leia mais:  El Salvador se torna o primeiro país a adotar bitcoins como moeda oficial
publicidade

Internacional

‘Variante de preocupação’, declara OMS sobre a nova cepa da covid-19

Publicado

Relatada pela primeira vez em Botsuana, sul da África, variante B.1.1.529 foi nomeada de Omicron pela Organização Mundial da Saúde

A Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou nesta sexta-feira (26/11) como “variante de preocupação” (VOC, na sigla em inglês) a mutação B.1.1.529 do novo coronavírus identificada na África, decidindo chamá-la de Omicron.

A divulgação do nome técnico foi feita após uma reunião de urgência na sede da entidade em Genebra, na Suíça, convocada pelo grupo de trabalho sobre a covid-19 da OMS. Classificar a nova mutação como uma VOC é uma medida de alerta sobre os possíveis efeitos que a cepa pode ter sobre o curso da pandemia.

Registros indicam que a B.1.1.529 foi relatada pela primeira vez em Botsuana, no sul da África, na quarta-feira (24/11). “Esta variante tem um grande número de mutações, algumas das quais preocupantes”, disse a OMS em comunicado.

De acordo com a entidade sanitária, de forma preliminar, a variante apresenta um risco maior de reinfecção, em comparação com outros VOCs. 

Em resposta a nova detecção, a União Europeia está pedindo a suspensão imediata de todo o tráfego aéreo para países do sul da África. No Brasil, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) recomendou restrições de voos e de viajantes vindos de nações do continente africano, incluindo África do Sul, Botsuana, Lesoto, Namíbia e Zimbábue.

No entanto, a OMS desaconselhou a suspensão de viagens, afirmando que recomenda cautela e medidas de restrição “baseadas em riscos e em estudos científicos”. 

Além disso, a organização informou que “apenas 27% dos trabalhadores de saúde da África, ou um entre quatro, estão completamente vacinados contra o coronavírus” e que “a maioria dos profissionais do continente africano na linha de frente do combate à doença continuam desprotegidos”. 

Atualmente, são consideradas variantes de preocupação a Alfa (B.1.1.7), do Reino Unido, a Beta (B.1.351), da África do Sul, a Delta (B.1.617.2), da Índia, a Gama (P.1), do Brasil, e a B.1.1.529, de Botsuana.

Leia mais:  Blogueira finge o próprio sequestro para pegar dinheiro de resgate do namorado milionário
Continue lendo

Internacional

Mulher em coma por Covid desperta no dia em que aparelhos seriam desligados nos EUA

Publicado

Família já havia providenciado caixão e funeral. A família fez os preparativos para o funeral, escolheu seu caixão e lápide, enquanto se preparava para se despedir

Bettina Lerman passou semanas em um respirador após adoecer com Covid-19 e não respondeu aos esforços dos médicos para acordá-la do coma, quando sua família tomou a difícil decisão de retirar o suporte vital.

A família fez os preparativos para o funeral, escolheu seu caixão e lápide, enquanto se preparava para se despedir, disse seu filho Andrew Lerman.

No dia em que planejaram retirá-la do suporte de vida, Lerman disse, ele recebeu um telefonema de um de seus médicos no Maine Medical Center, em Portland.

“Ele disse ‘bem, preciso que você venha aqui imediatamente’. Eu disse, ‘Ok, o que foi?’”, Disse Lerman. “Ele disse: ‘Bem, está tudo bem. Sua mãe acordou.’” Lerman disse que deixou cair o telefone quando recebeu a notícia.

Mais de 768 mil pessoas morreram de Covid-19 nos Estados Unidos desde o início da pandemia, de acordo com a Universidade Johns Hopkins. Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) afirmam que 58,9% da população do país está totalmente vacinada.

Lerman disse que sua mãe, que fará 70 anos em fevereiro, teve vários problemas de saúde, incluindo diabetes, e teve um ataque cardíaco e uma cirurgia quádrupla de ponte de safena alguns anos atrás.

Ela não havia se vacinado

Ela começou a apresentar sintomas de Covid-19 no início de setembro, foi diagnosticada quando ela foi internada no hospital em 12 de setembro e foi ligada ao ventilador em 21 de setembro, disse ela. Ela não foi vacinada, mas planejava se vacinar quando adoeceu, disse ela. Sua condição piorou e os médicos disseram à família que não esperavam que ela se recuperasse.

“Tivemos uma reunião de família com o hospital porque minha mãe não estava acordando. Não importa o que eles fizessem, eles não podiam fazê-la acordar”, disse Lerman. “Disseram que os pulmões dela foram completamente destruídos. Há danos irreversíveis, mas isso não vai acontecer.”

Já se passaram cerca de três semanas desde que Bettina acordou, em 29 de outubro, e uma porta-voz do hospital disse que ela está em estado grave. O hospital não conseguiu divulgar informações adicionais devido às leis de privacidade.

Lerman disse que sua mãe não sofreu falência de órgãos e ninguém realmente entende como ela está bem.

“Minha mãe é muito religiosa e também muitos de seus amigos, a igreja e tudo mais, e todos eles têm orado por ela”, disse ela. “Então eles não podem explicar do ponto de vista médico. Talvez seja do ponto de vista religioso. Não sou tão religioso, mas estou começando a acreditar que há algo que a ajudou.”

Lerman disse que conversou por horas com a mãe na quarta-feira (18) e que pode mover as mãos e os braços e respirar sozinha por algumas horas com um pouco de oxigênio, em vez do respirador.

“Ela sabe onde está, quem ela é, ela é tão perspicaz”, disse Lerman. “Normalmente, quando alguém sai de um coma assim, eles dizem que os pacientes têm delírios e ficam muito confusos. Desde o primeiro dia, ela não experimentou nada disso.”

Ele disse que a mãe ainda não está fora de perigo, e ainda pode haver contratempos, mas a equipe médica está tentando colocá-la em uma lista de reabilitação para ajudá-la a recuperar sua amplitude de movimento.

Ela já está recebendo fisioterapia para ajudar a reconstruir a força muscular que perdeu durante a internação.

Lerman e sua mãe moram na Flórida, mas ambos iam muito para o estado do Maine para cuidar de seu pai, que tem câncer em estágio 4. O pai de Lerman adoeceu com Covid-19 na mesma época que sua mãe, mas ele se recuperou.

Leia mais:  Pesquisadores alemães detectam coronavírus no leite materno
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana