conecte-se conosco


Política e Governo

O mercado de trabalho e os efeitos da pandemia

Publicado

Desemprego e informalidade devem aumentar em escala inédita quando forem retomadas as atividades econômicas no Brasil, segundo especialista

Os dados recentes do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE) dão conta da existência de aproximadamente 40% de trabalhadores informais numa força de trabalho que chega a 106 milhões de pessoas. Onze milhões estão desempregadas. Outros 6,8 milhões exercem a subocupação. Pode-se afirmar que, no total, cerca de 50 milhões de brasileiros se encontram em completa situação de vulnerabilidade social, agravada com a crise da Covid-19.

Esta pandemia que grassa o Planeta em pleno século 21 tem como característica em sua expansão global a sinergia com o estado das tecnologias contemporâneas, que acelera a velocidade da circulação das informações, das mercadorias e das pessoas. E como hospedeiro delas o coronavírus. Quais são seus efeitos na economia e, em particular, neste mercado de trabalho descrito acima? Uma economista responde a esta e outras questões. 

Conversamos com a especialista em Economia do Trabalho, doutora em Desenvolvimento Econômico pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), docente integrante do Grupo de Estudos e Pesquisas em Conjuntura Econômica da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) e pesquisadora da Rede de Estudos e Monitoramento da Reforma Trabalhista (Remi), professora Ana Paula Fregnani Colombi.

Neste trecho que destacamos hoje (1º de maio), Dia Internacional do Trabalho, de uma longa entrevista/conversa sobre mercado de trabalho e economia, a entrevistada situa a pandemia no contexto da crise econômica por que passa o mundo capitalista, a situação do mercado de trabalho no Brasil e os efeitos das medidas governamentais recentes; passa pelas consequências das novas tecnologias na reconfiguração do trabalho, emprego e renda e as perspectivas econômicas e sociais para o período pós-pandemia no País.

Ana Paula Fregnani Colombi é especialista em Economia do Trabalho.

Em médio prazo, qual seria o comportamento da economia com a pandemia?

ANA PAULA COLOMBI – A expectativa é de que, com a manutenção das políticas de austeridade fiscal, nosso processo de recuperação seja lento. Essa dimensão que é a capacidade de consumo das famílias, que sempre foi um aspecto muito importante para o nosso crescimento, é o que está mais comprometido a partir de agora. 

Com as medidas que estão sendo tomadas, deve ocorrer uma queda da massa salarial que vai retardar o processo de recuperação do crescimento econômico. A expectativa de recuperação da economia pós-pandemia é que esse processo será muito lento e difícil, justamente pelas medidas que o governo está adotando hoje. 

Quais setores da economia brasileira vêm sendo mais afetadas?

APC – Ao que parece, o setor de serviços é o mais afetado neste momento. Sobretudo as atividades relativas ao setor hoteleiro, de turismo, alimentação fora do lar, transporte. 

Outra questão é que tipo de empresa vai sofrer mais com a crise. Há um dado interessante de um relatório do Sebrae, do início de abril, revelando que 600 mil micro e pequenas empresas já fecharam no Brasil. E é justamente na micro e pequena empresa que é gerada a maior quantidade de empregos. 

Os trabalhadores das pequenas empresas são os primeiros que estão perdendo seus empregos. Isto traz consequências para as famílias de baixa renda, justamente em decorrência dessa crise nos pequenos negócios. 

A grande empresa tem mais condições de se manter num momento de crise. Apesar das medidas que o governo anunciou, o crédito está demorando muito pra chegar para a micro e pequena empresa que, por isso, está enfrentando mais dificuldades nesse processo. 

Quais medidas do governo que podem ou poderiam beneficiar os trabalhadores e o mercado de trabalho?

APC – Quando a gente fala das medidas governamentais que beneficiam a renda e o trabalho, podemos falar em três medidas pontuais. Uma delas é a do auxílio emergencial de R$ 600 (Lei 13. 982/2020). Mulheres que são chefes de família têm direito de R$ 1.200. De qualquer forma, esse valor é muito pequeno. É um dos indícios de que vai haver uma diminuição da massa salarial. Pelos dados da Pnad Contínua , um trabalhador do setor privado, sem carteira, tinha renda média em 2019 de R$ 1,440 mensais. Agora, ele vai passar três meses ganhando R$ 600 reais ao mês. Esse valor não é suficiente para atender as necessidades de sua sobrevivência. Esse é o primeiro indício de que essa medida é insuficiente. 

A medida também mostra que temos um contingente muito grande de trabalhadores que passam por uma situação de necessidade. Até agora, quase 90 milhões de pessoas se inscreveram pra receber o auxílio. A Caixa Econômica Federal aprovou algo em torno de 48 milhões de pessoas que se enquadram nos critérios para receber os benefícios. Quem são eles? Os trabalhadores informais, os desempregados, os microempreendedores individuais, esse universo de pessoas que vão passar os próximos três meses sobrevivendo com R$ 600.

Qual é a outra iniciativa do governo?

APC – A segunda iniciativa do governo é  Medida Provisória 936/2020, que  está sendo chamada de medida do arrocho salarial. Ela determina que os contratos de trabalho sejam suspensos por 60 dias ou a jornada pode ser reduzida com redução dos salários na proporção de 25%, 50% ou 70%. A lógica dessa MP é que em qualquer situação em que o trabalhador se enquadre ele vai ganhar menos que o salário que ele ganha usualmente. A não ser que seu salário seja somente o salário mínimo, pois a MP determina que o valor do benefício não pode ser menor que um salário mínimo. 

Proporcionalmente, ele vai ganhar menos, pois o cálculo do novo salário com redução de jornada é calculado proporcionalmente com base no seguro-desemprego (pago pelo governo), que é mais baixo, e um percentual do salário atual do trabalhador (pago pela empresa). 

Estamos falando de duas medidas governamentais que estão muito aquém de atender as necessidades do trabalhador brasileiro. Estamos falando de redução da renda, de arrocho salarial, da redução da massa salarial, o que vai comprometer nossa capacidade de crescimento pós-pandemia. Afinal, como disse, um dos componentes mais importantes do crescimento da economia é justamente o gasto das famílias.

Como se situa o microempreendedor individual na crise da Covid-19?

APC – Sempre se vendeu a ideia de que uma forma de trabalho, sendo mais flexível, daria mais autonomia ao trabalhador. Esse seria o caso do microempreendedor individual (MEI), entendido como um empresário, um empreendedor, com condições de gerenciar o seu capital, o seu tempo. Por trás dessa ideia sempre esteve a noção de que o MEI pode trabalhar a hora que ele quiser, pode gerenciar seu trabalho, não tem patrão, enfim, esses falsos argumentos que estavam muito em voga na sociedade. 

Com a crise do coronavírus, é como se esse véu que não permitia ver a realidade tal como ela é tivesse caído diante dos próprios olhos. Aí, a gente consegue entender que o microempreendedor individual, na grande maioria das vezes, é um trabalhador precário. Ele não é um empreendedor. É um trabalhador que não tem uma renda suficiente no final do mês. Ele não tem uma renda fixa, garantida, suficiente para prover as necessidades dele e da família. Não tem nenhum tipo de controle de jornada, não tem auxílio no caso de acidente de trabalho, férias, descanso semanal. Está amplamente desprotegido.

Por isso, um dos aspectos que surgem como consequência da crise da pandemia é fazer com que a gente passe a enxergar a precariedade dos trabalhadores brasileiros tal qual ela é. Sem fantasiar com o falso debate do empreendedorismo. O MEI é, em essência, um trabalhador precarizado que está lutando diariamente pela sobrevivência. Nosso maior exemplo nesse momento são os trabalhadores de aplicativo. Esses trabalhadores são aqueles que diante da dificuldade de encontrar um trabalho formal, com carteira assinada, acabaram indo para esse tipo de ocupação que é extremamente precária.

E com relação ao teletrabalho?

APC – O teletrabalho, nesse momento, se mostrou uma saída de fácil ajuste. Por conta do avanço tecnológico, é muito fácil transferir um trabalho que acontece dentro de uma empresa para o trabalho dentro de sua casa. Essa transferência, do ponto de vista tecnológico, é muito fácil de ser feita. 
Mas existe toda uma literatura crítica sobre o estudo do teletrabalho que mostra que ele significa uma intensificação do tempo de trabalho, porque as pessoas em casa estão conectadas. Até a separação dos intervalos que antes existiam ou era mais nítidos como o tempo do horário de almoço, o deslocamento para casa, esses intervalos vão sendo diluídos dentro de seu dia. Você almoça mexendo no computador, você faz duas coisas ao mesmo tempo o que tende a intensificar sua jornada de trabalho. 

Isso tem acontecido com os professores. De repente, tiveram que migrar todo seu trabalho de sala de aula para a tecnologia de ensino a distância, mudando totalmente a lógica de dar aula e de se relacionar com seus alunos. Isso tem resultado em muito mais tempo de trabalho porque tem de preparar sua aula, repensar como vai dar uma aula pelo computador, que é completamente diferente de uma aula dada presencialmente, repensar a maneira como vai avaliar o aluno. Repensar todo o processo de ensino para dialogar com a plataforma, que é uma coisa que você não tinha pensado antes. 

E o mercado de trabalho no Espírito Santo, seria diferente?

Leia mais:  Assembleia economiza R$ 1,2 mi em abril e maio

APC – Pelo seu tardio processo de industrialização, o estado tem um alto índice de informalidade, num patamar parecido com a média nacional. De acordo com dados do último trimestre de 2019, temos algo em torno de 40% da força de trabalho capixaba na informalidade e uma taxa de desemprego de 10,3%. 

Assim como o país, o Espírito Santo vai ter muitas dificuldades de enfrentar as consequências da crise, tanto por causa da alta taxa de informalidade como pela alta taxa de desemprego. São pessoas que já vinham passando por situação de vulnerabilidade social e essa situação se aprofunda neste momento de crise. 

Além disso, o setor de turismo e hotelaria já está sofrendo e vai ser um dos que mais vai sofrer com a crise e esse setor é uma atividade muito importante para o estado.

Qual o futuro do mercado de trabalho?

APC – Quando a economia começar a esboçar uma recuperação, os movimentos do ponto de vista do mercado de trabalho não vão ocorrer por meio do emprego, mas da ocupação. O que significa isso? Que diante do desemprego, a informalidade vai continuar sendo a saída. Pra não ficar sem trabalho, qualquer tipo de ocupação serve, por mais precária que ela seja. A saída tende a ser por aí. 

Leia mais:  Governo do Estado entrega rodovia e equipamentos agrícolas em Colatina

É como se, daqui pra frente, todos nós vislumbrássemos a possibilidade de nos tornarmos trabalhadores de aplicativo. As pessoas que precisarem sobreviver diante da impossibilidade de alcançar uma relação de emprego de melhor qualidade, elas se viram. Na luta pelo processo de sobrevivência, o brasileiro se vira sem garantia de direitos, renda e proteção. 

O que eu vejo daqui pra frente é um processo muito rápido e perverso de desestruturação do mercado de trabalho. 

Se a gente considerar que tem 106 milhões de trabalhadores dentro da força de trabalho no Brasil, destes 40% estão na informalidade. A gente está trabalhando com mais de 40 milhões de pessoas na informalidade. Onze milhões de pessoas desempregadas. Mais quatro milhões de pessoas desalentadas, aquelas que cansaram de procurar emprego, desistiram, estão desempregadas mas não procuram mais emprego. E tem a subocupação, que são 6,8 milhões de trabalhadores que trabalham menos de 40 horas por semanas, mas se pudessem trabalhariam mais. São cerca de 50 milhões de pessoas em completa situação de vulnerabilidade social.

As pessoas vão ficar mais solidárias com o trabalhador precarizado?

APC – Tem várias formas de violência na sociedade brasileira que estão muito naturalizadas. É muito normal pra gente enquanto sociedade conviver com pessoas morando nas ruas. A gente, enquanto sociedade, vai se acostumando com um contingente de mais de dez milhões de desempregados. A gente vai se acostumando com essa desigualdade que sempre teve no Brasil. 

Trabalhadores que ganham 10 salários mínimos e trabalhadores que nem mesmo conseguem um emprego com carteira assinada e não sabem o quanto vão conseguir ganhar naquele mês. Isso pra ficarmos só na renda do trabalho, pois se falarmos na distribuição de riqueza, a desigualdade de nosso país é ainda mais brutal. Outra violência que também está muito naturalizada, é a diferença salarial entre homens e mulheres, entre brancos e negros. São contradições e violências que a gente naturalizou.

A crise traz todos esses trabalhadores invisibilizados e essas violências naturalizadas para o primeiro plano da realidade, tudo ao mesmo tempo. De repente, a gente começa ver essa violência de maneira escancarada: estamos vendo que as mulheres tendem a sofrer mais no isolamento social que os homens. Porque elas têm que lidar com o trabalho produtivo, com o trabalho reprodutivo. Vemos que os negros são mais vitimados pelo coronavírus do que os brancos. 

A gente começa a ver que tem trabalhador que pode ficar em casa recebendo salário e, portanto, tem o direito garantido à vida, e trabalhador que não pode ficar em casa porque, se ficar, não vai ter o suficiente para sobreviver. Portanto, ele não pode escolher o direito à vida ou trabalhar. Somente aqueles que têm emprego com garantias de direito é que conseguem, nessa situação, juntar o direito à vida ao direito ao trabalho.  

Há algo que se possa considerar positivo nesse cenário? O que?

APC – A crise faz com a gente consiga repensar, enquanto sociedade, esse processo de naturalização da violência, esse processo de invisibilizar essas pessoas que convivem todos os dias em nosso lado e nós enquanto sociedade não percebemos que eles estão ali. A crise pode trazer a oportunidade de a gente repensar a sociedade que vivemos. Estou sendo bem otimista, pois, infelizmente, não é nessa direção que os movimentos políticos e econômicos do nosso país apontam.

 

publicidade

Política e Governo

Governo amplia mais 30 leitos para atendimento à Covid-19 no sul do Estado

Publicado

O governador do Espírito Santo, Renato Casagrande, anunciou, nesta sexta-feira (22), a disponibilização de mais 30 leitos adultos exclusivos ao atendimento de pacientes com o novo Coronavírus (Covid-19) no Hospital Materno Infantil Fernando de Assis (HIFA), em Cachoeiro de Itapemirim, na região sul do Estado. Serão disponibilizados como leitos contratualizados pela Secretaria da Saúde (Sesa) dez leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e 20 de enfermaria.

Durante a transmissão ao vivo pelas redes sociais, o governador também anunciou um novo processo seletivo com mais de 300 vagas para profissionais da saúde:

“São duas grandes notícias para a saúde. Estamos abrindo mais leitos Covid-19 no prédio do Aquidaban, em Cachoeiro de Itapemirim, e abrindo vagas para a formação dos profissionais da Atenção Primária. Estamos com muitas atividades na área da saúde. Nesta madrugada, recebemos os pacientes vindos de Manaus. Nossa estrutura está dando suporte para que possamos ajudar nossos irmãos do Amazonas. Nós, capixabas, somos solidários e estamos recebendo esses pacientes que grande parte deles está na UTI”, afirmou.

Casagrande prosseguiu: “Para que a gente continue dando conta, precisamos estar sempre melhorando nosso sistema de saúde. Em julho, abrimos 60 leitos no Aquidaban, hospital que estava desativado. Agora vamos abrir mais dez leitos de UTI, passando para 30 e abrindo mais 20 leitos de enfermaria, passando de 40 para 60, totalizando 90 leitos. Já anunciamos a abertura de 387 vagas para formação dos profissionais de saúde que irão se especializar em Saúde da Família, atendendo lá na ponta, quem mais necessita e sendo resolutivo.”

O subsecretário de Estado de Regulação, Controle e Avaliação em Saúde, Gleikson Barbosa, lembrou que esta é a segunda fase de expansão de leitos, “Regionalizando o acesso para que a população possa ser assistida mais próxima a sua residência”, completou.

Processo seletivo

Leia mais:  Governo do Estado inaugura dez leitos de UTI no Hospital Silvio Avidos para combate da Covid-19

Ainda durante a transmissão, o governador Renato Casagrande divulgou o novo edital do Instituto Capixaba de Ensino, Pesquisa e Inovação em Saúde (ICEPi), a respeito do processo seletivo simplificado com 387 vagas para profissionais médicos, cirurgiões-dentistas e enfermeiros participarem do componente de provimento e fixação ao Programa Estadual de Qualificação da Atenção Primária à Saúde, o Qualifica-APS.

O processo está em sua terceira edição e já conta com 621 profissionais atuando na Atenção Primária em 60 municípios capixabas. As inscrições tiveram início nessa quinta-feira (21) e vão até as 16h do dia 29 de janeiro, observando o fuso-horário de Brasília (DF), e serão realizadas de forma on-line, em formulário eletrônico disponível no site www.selecao.es.gov.br. Além disso, o envio dos documentos será realizado por formulário eletrônico no mesmo período das inscrições.

Para mais informações, acesse o site

Continue lendo

Política e Governo

Novo Terminal de Itaparica é entregue à população nesta sexta-feira (22)

Publicado

O Governo do Estado entregou à população, nesta sexta-feira (22), o novo Terminal Urbano de Itaparica, em Vila Velha. Foram investidos R$ 12,2 milhões na reconstrução do espaço, que estava fechado desde julho de 2018 por conta de problemas na estrutura do telhado. O Novo Terminal Itaparica volta a funcionar totalmente remodelado, com design e materiais modernos. A operação do terminal começa nesta segunda-feira (25), com 39 linhas de ônibus que vão atender a 40 bairros do município.


A inauguração do Novo Terminal Itaparica teve a presença do governador Renato Casagrande, além de autoridades e lideranças comunitárias da região de abrangência do terminal.


“Essa é uma obra esperada há muito tempo pelos usuários. Assumimos o Governo já com esse problema para resolver, pois o terminal foi desmontado no meio de 2018. Mas se recebemos um problema, resolvemos. Esse terminal é importante que atende a Região V e que causou muito transtorno para muita gente ao ficar esse tempo fechado. Ele começa a operar nesta segunda-feira e nos enche de orgulho por ser um terminal moderno e com uma arquitetura linda. Essa obra mostra que uma de nossas prioridades é o transporte público da Região Metropolitana”, afirmou Casagrande.


O processo de reconstrução contou com a instalação de membranas tensionadas na cobertura da nave principal e em duas marquises para proteção dos usuários que irão utilizar o embarque dos coletivos. Esta nova cobertura apresenta maiores dimensões, com tecnologia inovadora, proporcionando uma estrutura mais leve e integrada à paisagem urbana.


A tecnologia utilizada na nova cobertura é mesma aplicada em obras de grande porte em todo o mundo, como a cobertura do Estádio Maracanã, no Rio de Janeiro, no novo paddock do Circuito de Interlagos, em São Paulo, além da Estação de metrô de Frankfurt, Estação de Berlim e em vários terminais rodoviários na Europa.


A cobertura conta ainda com chapéus de proteção e pontos de luz em baixo da membrana. Foram instaladas ainda fitas conhecidas como “rabo de peixe”, também de membrana tensionada, de quase 7 metros para abrigo de passageiros nas duas entradas de acesso. Além de bonito e moderno, o material da cobertura é uma tecnologia confortável, já que suporta muito peso, não pega fogo e absorve até 92% de raios UV em altas temperaturas, o que mantém o clima estável e constante, trazendo conforto ao usuário.

A estrutura está totalmente repaginada com novas bilheterias, guaritas, revisão de todas as instalações elétricas, hidráulicas, combate a incêndio e descarga atmosférica. Foram instalados novos bicicletários, bebedouros, lixeiras, bancos em pontos estratégicos e implantada uma iluminação cênica moderna em LED.

Os dois acessos para entrada e saída de pedestres e os portões contam agora com fechamento em tela nylofor, foi feito um segundo polimento em todo o piso da plataforma incluindo ladrilhos em atenção ao programa de acessibilidade. Foram feitas melhorias nos módulos comerciais padronizando todos os pontos em pastilhas azuis, uniformizando a estrutura, trazendo modernidade arquitetônica e um novo conceito com estrutura metálica.

Para retomar as operações e cumprir com o compromisso com a região de Vila Velha e Cariacica, o Terminal conta com 37 novas baias por onde devem circular 32 linhas. A estimativa é de que, diariamente, aproximadamente 55 mil passageiros devam transitar pelo local.

O diretor-presidente do Departamento de Edificações e de Rodovias do Espírito Santo (DER-ES), Luiz Cesar Maretto Coura, falou da importância da celeridade nas obras mesmo durante o período de pandemia. Ele comemorou ainda a entrega da obra antes do fim do contrato, que acabaria no final de março.

“No primeiro dia de trabalho, entendemos que a conclusão do Terminal de Itaparica seria nossa prioridade máxima e assim o fizemos. A empresa contratada começou as atividades em março do ano passado e nos empenhamos para entregar as obras o mais rápido possível. Mesmo em situação de pandemia, aumentamos não só maquinário e pessoal, mas também a carga horária de trabalho, as equipes trabalharam inclusive aos fins de semana. O DER acompanhou diariamente o desenvolvimento das obras. O novo Terminal Urbano de Itaparica já é uma realidade com impacto direto de melhoria na mobilidade da Grande Vitória, principalmente para o povo vilavelhense”, disse Maretto.

Início das operações

Leia mais:  Assembleia economiza R$ 1,2 mi em abril e maio

O Novo Terminal Itaparica retoma suas operações nesta segunda-feira (25), com 39 linhas de ônibus que vão atender a 40 bairros do município de Vila Velha, em especial, a Região V com 25 bairros atendidos. São 13 baias troncais e 21 baias alimentadoras em uma área total de 39.658,82 metros quadrados, sendo 28.780,62 metros quadrados de área pavimentada. A instalação tem quatro blocos de banheiros públicos masculinos e quatro femininos – com banheiros adaptados –, além de oito lojas.

Com o retorno do funcionamento do Terminal Itaparica também está sendo criada uma linha, a 552 –  T. CAMPO GRANDE/T. ITAPARICA VIA ROD. LESTE OESTE, que fará o percurso pela Rodovia Leste-Oeste, diminuindo o tempo de integração entre os dois terminais. A linha já começa a operar nesta segunda-feira. Também as linhas 581, 582, 585 e 593 passarão a fazer itinerário pela Rodovia Leste Oeste. Todas as linhas que retornam para Itaparica foram reprogramadas para ajustar horários aos itinerários e, assim, manter a frequência de partidas, tanto dos terminais quanto nos bairros.

Também integrarão no T. Itaparica, linhas procedentes de bairros de Cariacica, da região que compreende Campo Grande, Castelo Branco, Jardim Botânico, Padre Gabriel, entre outros. A nova linha 552 vai do T. Campo Grande para o T. Itaparica, e iniciará com uma frota operante de quatro ônibus, programados para realizarem 40 viagens em dias úteis, significando uma capacidade de atendimento estimada de 1.300 passageiros, que terão um deslocamento mais rápido entre os municípios de Cariacica e Vila Velha, com integração entre os Terminais de Campo Grande e Itaparica.

Quando a operação precisou ser transferida para o T. Vila Velha, três linhas foram suspensas (já existiam linhas em Vila Velha com o mesmo itinerário). Agora, as linhas 611, 656 e 661 voltam a operar no novo T. Itaparica. Também as linhas que hoje fazem ponto final ao lado do Boulevard Shopping, voltam a parar no terminal.

Ao longo da semana, agentes da Companhia Estadual de Transportes Coletivos de Passageiros do Estado do Espírito Santo (Ceturb-ES) vão monitorar a operação e fazer os ajustes que eventualmente necessitem ser aplicados.

Bairros atendidos: Araçás, Ulisses Guimarães, João Goulart, Vale Encantado, Nomília, Barra do Jucu, Balneário Ponta da Fruta, 23 de Maio, Ponta da Fruta, Parque Residencial Terra Vermelha, Interlagos, Itaparica, Cidade da Barra, Praia das Garças, Jóquei de Itaparica, Riviera da Barra, São Conrado, Aeroclube, Santa Paula I, Santa Paula II, Retiro do Congo, Darly Santos, Pontal das Garças, Recanto da Sereia, Praia dos Recifes, Guaranhuns, Morada da Barra, Nova Itaparica, Barramares, Jabaeté, Praia da Costa, Itapoã, Divino Espírito Santo, Ibes, Brisamar, Jardim Colorado, Novo México, Praia das Conchas, Recanto dos Pássaros, Vila Nova, Morada do Sol e Praia do Sol.

Linhas em operação

501 – T. JACARAIPE / T. ITAPARICA VIA T. CARAPINA/3ª PONTE
508 – T. LARANJEIRAS / T. ITAPARICA VIA 3ª PONTE/CAMBURI 
532 – T. ITAPARICA / PRAÇA EUCALIPTO  – CIRCULAR 
551 – T. JACARAIPE / T. ITAPARICA VIA T. CARAPINA / 3ª PONTE
552 – T. CAMPO GRANDE/T. ITAPARICA VIA ROD. LESTE OESTE
557 – T. ITAPARICA / VIA D.SANTOS/AV / VITÓRIA/3ª PONTE – CIRCULAR
558 – T. VILA VELHA/ VIA 3ª PONTE/AV / VITÓRIA / DARLY SANTOS
560 – T. VILA VELHA/ VIA 3ª PONTE/AV / VITÓRIA / DARLY SANTOS
581 – T. ITAPARICA / BELA VISTA VIA C.BRANCO / LESTE-OESTE –CIRCULAR
582 – PADRE GABRIEL / T. ITAPARICA VIA C. BRANCO / LESTE-OESTE
585 – JARDIM BOTÂNICO / T. VILA VELHA VIA LESTE-OESTE
588 – T.CAMPO GRANDE / T.ITAPARICA VIA ITAPEMIRIM / VALE ENCANTADO
593 – VISTA LINDA / T. VILA VELHA, VIA BAIRRO LIBERDADE
600 – T. IBES / T. ITAPARICA VIA ARAÇAS                                        
603 – T. IBES / T. ITAPARICA VIA COLORADO                        
609 – T. ITAPARICA / BARRA DO JUCU – CIRCULAR
610 – T. VILA VELHA / T. ITAPARICA VIA JÓQUEI DE ITAPARICA
611 – T. ITAPARICA / PRAIA DA COSTA VIA ITAPOÃ/CREFES – CIRCULAR
612 –  PARQUE R. TERRA VERMELHA / T. ITAPARICA VIA ULISSES GUIMARÃES
613 – PONTA DA FRUTA / T. ITAPARICA VIA ROD. DO SOL
614 – T.J.AMÉRICA/T.ITAPARICA VIA COBILÂNDIA/J.MARILÂNDIA/RIO MARINHO / V. GAMA    
616 – T. ITAPARICA / MORADA DA BARRA VIA BARRAMARES – CIRCULAR
617 – T. ITAPARICA / JOÃO GOULART VIA  AV. CALIFÓRNIA – CIRCULAR
618 – T.ITAPARICA / SÃO CONRADO VIA ROD. DO SOL – CIRCULAR
619 – T. ITAPARICA / BALNEÁRIO DE PONTA DA FRUTA – CIRCULAR
624 – T. SÃO TORQUATO / T. ITAPARICA VIA RIO MARINHO / COBILÂNDIA
626 – T. IBES/ T. SÃO TROQUATO, VIA VALE ENCANTADO / JARDIM MARILÂNDIA
636 -T. VILA VELHA / T. ITAPARICA VIA S. MONICA/SOTECO                      
652 – T. ITAPARICA / PONTAL DAS GARÇAS – CIRCULAR  
653 – BAIRRO NORMILIA / T. VILA VELHA, VIA ULISSES GUIMARÃES           
654 – LAGOA JABAETÉ / T. ITAPARICA VIA AV. AMARAL PEIXOTO
655 – T. ITAPARICA / SANTA PAULA – CIRCULAR                                          
656 – T. VILA VELHA / T. ITAPARICA VIA ROD. DO SOL
657 – XURI / T. ITAPARICA VIA BARRAMARES 
659 – T. VILA VELHA / RETIRO DO CONGO                                      
660 – T. SÃO TORQUATO / T. ITAPARICA VIA VILA GARRIDO            
661 – T. ITAPARICA / PRAÇA VILA VELHA – CIRCULAR                 
669 – VILLAGE DO SOL / T. ITAPARICA VIA ROD. DO SOL
672 – TREVO DE SETIBA / T. ITAPARICA VIA ROD. DO SOL

Dados técnicos

Leia mais:  Marcos Guerra continua favorito para vencer eleições de prefeito de Jaguaré

Nome: Juiz Alexandre Martins Filho
Localização: Rodovia Darly Santos – Bairro Itaparica – Vila Velha
Ano Início da Obra: 2007
Data de Inauguração: 25/04/2009
Entrada em Operação: 26/04/2009
Área do Terreno: 39.658,82 m²
Área Construída das Edificações: 9.430,84m²
Nº de Baias Troncais: 13
Nº de Baias Alimentadoras: 21
Latitude: 20°23’30.48″S
Longitude: 40°19’17.07″O
Área do terreno – 39.658,82 m²
Área de plataforma – 6.322,55 m²
Área pavimentada – 28.780,62 m²
Área verde – 4.364,90 m²
Área de banheiro – 235,25 m²
Área administrativa – 230,67 m²

Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana