conecte-se conosco


Medicina e Saúde

Obsessão por uma dieta saudável pode virar doença

Publicado

Especialista explica como identificar os sintomas da Ortorexia, que aumenta o risco de deficiências nutricionais e abala a qualidade de vida

A obsessão por comer apenas alimentos considerados saudáveis pode ser sinal de um transtorno alimentar chamado ortorexia. Quem sofre com esse distúrbio não se importa tanto com o ganho de peso e as calorias de cada alimento, mas sim com a pureza e a composição de tudo o que consome, além do modo de preparo.

O termo ortorexia foi criado pelo médico americano Steven Bratman, autor do livro Health Food Junkies (em tradução livre: “Viciados em Comida Saudável”). Segundo ele, quem apresenta o problema possui uma fixação por alimentação e chega a gastar horas pensando no assunto.

A doença ainda não é reconhecida oficialmente como uma desordem psiquiátrica, como a anorexia ou a bulimia, mas tem tudo para entrar na lista por conta de seu impacto na qualidade de vida.

De acordo com Isabela Lorizola, consultora em nutrição da Associação Brasileira das Indústrias de Biscoitos, Massas Alimentícias e Pães & Bolos Industrializados (ABIMAPI), essas pessoas ficam preocupadas com a fabricação ou produção dos alimentos e se são usados conservantes artificiais, pesticidas e hormônios, além de ficarem de olho na forma de preparo das refeições.

“Seguir a visão de alimentação saudável mais radical e pelo fato de a dieta ser mais restritiva, pode resultar em perda excessiva de peso e, consequentemente, apresentar sinais de desnutrição, como enfraquecimento dos fios de cabelo, problemas de pele ou interrupção da menstruação, anemia ou alterações na frequência cardíaca”, explica.

Mas como identificar os sintomas? Existe um teste, que foi desenvolvido pelo médico norteamericano Steven Bratman. Confira:

1. O tempo que gasto pensando em alimentação saudável todos os dias interfere de um jeito negativo em diversas outras áreas da minha vida.

2. Condeno os hábitos alimentares dos outros e me sinto ansioso e culpado ao consumir produtos não saudáveis.

3. Minha paz interior, autoestima, segurança, felicidade e prazer estão diretamente ligados ao que eu como.

4. Não deixo de lado a dieta, mesmo quando quero ou em ocasiões especiais (ignore este item se o motivo for recomendação médica).

5. Excluo cada vez mais alimentos do meu cardápio, sendo que as restrições variam de acordo com as teorias nutricionais que acompanho.

6. Minha alimentação fez com que eu ficasse muito abaixo do peso e apresentasse queda de cabelo e outros sinais de desnutrição.

A especialista ressalta que se houver identificação com qualquer afirmação acima, sua relação com a comida demanda cuidados. O tratamento envolve uma equipe geralmente composta por médicos, psicoterapeutas e nutricionistas.

“O desafio é demonstrar para o paciente que os comportamentos são disfuncionais, inadequados e fazer com que ele aceite que está entrando em um processo doentio, já que na maioria dos casos eles preferem negar”, diz Isabela.

O ideal para uma vida saudável é manter o equilíbrio quando se trata de alimentação. Para isso, consumir todos os grupos alimentares (carboidratos, proteínas e gorduras) são importantes para o bom funcionamento do organismo e da mente.

Leia mais:  Campanhas de vacinação contra a poliomielite e multivacinação têm início na segunda-feira (05)
publicidade

Medicina e Saúde

Vacina contra a Covid-19 é aplicada em mais de 20 mil pessoas no Estado

Publicado

Até às 15h desta terça-feira (26), 21.744 mil pessoas do público-alvo foram vacinadas no Estado. Os dados são do Programa Estadual de Imunizações, da Secretaria da Saúde (Sesa). Os municípios da Região Metropolitana de Saúde realizaram, até o momento, a imunização de 9.165 mil pessoas; nos municípios da Região Sul foram 5.352; nos municípios da Região Central foram 5.221 vacinados; e os municípios da Região Norte totalizaram 2.006 pessoas imunizadas.

Quanto aos imunizantes, a população que está sendo vacinada com a CoronaVac deverá receber a segunda dose no intervalo de quatro semanas. Já para a população-alvo imunizada com Oxford-AstraZeneca, a segunda dose será aplicada em um intervalo de 12 semanas, aproximadamente três meses.

Leia mais:  Julho Amarelo: Sesa inicia campanha de conscientização sobre hepatites virais
Continue lendo

Medicina e Saúde

Estado dá transparência aos dados sobre a vacinação contra a Covid-19

Publicado

O Governo do Estado deu mais um passo para garantir a transparência nas informações sobre o novo Coronavírus (Covid-19): os dados sobre vacinas recebidas, distribuídas e aplicadas no Espírito Santo já estão disponíveis no site Coronavírus (www.coronavirus.es.gov.br). Além dos números atualizados diariamente, a página conta com um painel interativo com detalhes sobre a imunização, como o total de doses enviadas para cada município, a distribuição por grupo prioritário e o percentual de cobertura alcançado em cada grupo.

O painel, em formato gráfico e de fácil entendimento, permite a filtragem e o download dos dados e pode ser acessado por qualquer cidadão. A página também reúne informações sobre os grupos prioritários, fases da imunização e critérios observados para a distribuição das doses no Estado.

“Estamos lançando o Vacinômetro no painel Covid-19 ES, que é o mais transparente e completo do País. Lembrando que o site é uma fonte de informação para as instituições que fazem pesquisa, para a população e para a imprensa. No botão ‘Painel de Vacinação’, o internauta pode conferir todas as informações sobre a vacina, como, por exemplo, quantos profissionais de saúde temos em cada município e quantas doses já foram disponibilizadas. É importe destacar ainda que o painel vai ajudar a evitar desvios, garantindo um maior controle e transparência sobre as doses”, afirmou o governador Renato Casagrande.

A ferramenta é fruto do trabalho conjunto das Secretarias de Controle e Transparência (Secont) e da Saúde (Sesa); da Superintendência Estadual de Comunicação Social (Secom); e do Instituto de Tecnologia da Informação e Comunicação do Estado (Prodest). No decorrer do período de vacinação as informações serão complementadas, de acordo com os grupos prioritários a cada fase da imunização.

Controle social

Leia mais:  Endometriose afeta 6,5 milhões de mulheres no Brasil. Entenda

Ao investir na divulgação das informações sobre a vacinação, o Governo do Estado fortalece o controle social, como destaca o secretário de Estado de Controle e Transparência, Edmar Camata: “O Estado maximiza a transparência da vacinação, para permitir o controle social e ajudar firmemente na repressão aos desvios já vistos em outros Estados.”

De acordo com o secretário, o Governo do Estado vem atuando de forma preventiva. Para evitar e coibir a possibilidade de utilização incorreta das vacinas, foi criado regramento próprio, prevendo punições para as más condutas e desvios na imunização contra a Covid-19 por meio da Portaria nº 010-R, da Sesa. 

“O Governo tem realizado grandes entregas, como a de hoje para garantir a transparência. Mostrar às pessoas, sempre com clareza, com uma linguagem simples, que tanto um pesquisador quanto um trabalhador comum, que não é da área, possa entender o dado. Permite também que toda a população tenha acesso às decisões e às informações que motivam as nossas decisões”, destacou o secretário de Estado da Saúde, Nésio Fernandes.

Na avaliação do presidente do Prodest, Tasso Lugon, o Vacinômetro é uma ferramenta muito importante para dar mais transparência ao processo de vacinação no Estado contra a Covid-19. “Durante a pandemia, o Prodest desenvolveu diversas soluções para informar à população sobre as ações do Governo de combate à doença. Isso mostra como a tecnologia é importante para a administração pública prestar um bom serviço à população”, enfatizou.

Com o lançamento do painel, o Espírito Santo reafirma seu compromisso com a transparência, como vem fazendo desde o início da pandemia. Compromisso esse que fez do Estado primeiro lugar, com nota máxima, nos dois rankings nacionais que medem a eficiência do Poder Público em prestar informações sobre a pandemia e os gastos realizados para o enfrentamento à Covid-19.

Leia mais:  É seguro comer pão, queijo e outros alimentos mofados? Saiba os riscos
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana