conecte-se conosco


Medicina e Saúde

Ônibus de Coleta Externa do Hemoes percorre municípios do Estado durante pandemia

Publicado

Durante o isolamento social enfrentado no Espírito Santo, devido à pandemia do novo Coronavírus (Covid-19), muitas pessoas que desejam realizar a doação de sangue não conseguem ir até uma unidade de atendimento. O Ônibus de Coleta Externa do Centro Estadual de Hemoterapia e Hematologia Marcos Daniel Santos (Hemoes) é uma solução para esse problema.

A unidade móvel percorre diversos municípios do Estado, realizando a coleta de sangue e o cadastro para doação de medula óssea. O serviço pode ser solicitado por qualquer cidadão pelo e-mail [email protected], e o local deve cumprir alguns requisitos, como o mínimo de 50 doadores e o máximo de 70.

A solicitação do ônibus deve ser realizada com antecedência. Após realizado o pedido, o solicitante recebe um formulário com as condições de atendimento e uma equipe da unidade realiza uma visita técnica de avaliação do local e, se favorável, será agendado o dia da ação.

A enfermeira do Hemoes, Isabela Saiter, ressalta que no período da pandemia as ações estão sendo realizadas em condomínios e empresas. “O ônibus aproxima o Hemoes do público e facilita o acesso à doação, principalmente na pandemia, quando a unidade fica estacionada em condomínios ou empresas”, informou.

Leia mais:  Alimentos populares que fazem muito mal à saúde, evite-os

Programação da unidade móvel no mês de junho

Durante o mês de junho, o ônibus do Hemoes percorrerá dois municípios, Vila Velha e Serra. O atendimento tem início às 8h30 e permanece durante todo o dia.

Em Vila Velha, no próximo dia 09, a unidade estará no bairro Coqueiral de Itaparica, e, no dia 16, será em Praia das Gaivotas. No município da Serra, a campanha será realizada no dia 19, em Manguinhos.

Quem pode doar

Podem doar sangue as pessoas com idade entre 16 e 69 anos, sendo que a primeira doação deve ser feita obrigatoriamente até os 60 anos. Menores de 18 anos só podem doar com a autorização dos responsáveis legais. Todo doador deve apresentar um documento original com foto.

Se o voluntário tiver almoçado, o procedimento deve ser feito três horas depois. E, se for um doador frequente, ele deve obedecer ao intervalo para a doação, que deve ser de dois em dois meses para homens e de três em três meses para mulheres.

Leia mais:  Gestantes e a Covid-19: quais os fatores de risco na gravidez?

publicidade

Medicina e Saúde

Sobe para 7 no ES o número de infectados pela varíola dos macacos

Publicado

Segundo a secretaria de Estado da Saúde (SESA), outros 52 estão em investigação. Até agora, o Espírito Santo tem 82 casos notificados da doença

A secretaria de Estado da Saúde (Sesa) atualizou nesta quinta-feira (11), os números da varíola dos macacos no Espírito Santo. Segundo o boletim epidemiológico, referente a SE 32 (semana epidemiológica), outros dois novos casos da doença foram confirmados, subindo para sete o total de testes positivos.

Até agora, o Estado soma 82 notificações da monkeypox, 35 a mais que os computados não semana anterior. Desse total, 52 estão em investigação e outros 25 foram descartados. De acordo com o boletim, os pacientes são todos do sexo masculino: quatro têm entre 30 e 39 anos de idade, um tem entre 20 e 29 anos, um entre 40 e 49 anos e outro entre 60 e 69 anos. São moradores de Guarapari (2), Vila Velha (2) e Vitória (3).

A Sesa divulgou que até agora nenhum caso autóctone foi registrado no Estado. Isso significa que a doença não foi adquirida na área da residência do enfermo, ou seja, as infecções aconteceram fora do território capixaba.

Leia mais:  Câncer: diagnóstico precoce amplia possibilidade de cura em 95%

Principais sintomas apresentados pelos pacientes do ES infectados pelo vírus

Entre os sintomas da doença, alguns se apresentaram em maior quantidade no sete pacientes capixabas: erupção cutânea, febre súbita, cefaléia, adenomegalia (crescimento dos linfonodos, também conhecido por “íngua”), astenia (fraqueza), suor/calafrios e dor de garganta. 

Saiba como prevenir a doença

Além do isolamento tanto para casos leves, feito em casa, quanto para casos mais graves (hospitalar), outras medidas são necessárias:

– Evitar contato próximo com casos suspeitos e/ou confirmados, como toques e beijos, especialmente daqueles que estejam com sintomas visíveis;

– Manter superfícies limpas;

– Higienização constante das mãos;

– Uso de máscara caso for preciso estar próximo de casos suspeitos e/ou confirmados, como utilizar o mesmo cômodo;

Continue lendo

Medicina e Saúde

China identifica novo vírus que passa de animal para humanos e relata 35 infectados

Publicado

Patógeno, detectado pela primeira vez em dezembro de 2018, causa febre e outros sintomas semelhantes aos de uma gripe

Cientistas reportaram na revista The New England Journal of Medicine 35 pessoas infectadas na China pelo vírus Langya, parente dos vírus Hendra e Nipah.

No artigo, eles acrescentam que a descoberta se deu por meio de vigilância-sentinela de pacientes febris e exposição animal no leste da China.

“Um henipavírus filogeneticamente distinto, denominado Langya henipavirus (LayV), foi identificado em uma amostra de swab de garganta de um paciente por meio de análise metagenômica e vírus subsequente isolamento. […] Investigações subsequentes identificaram 35 pacientes com infecção aguda por LayV nas províncias de Shandong e Henan da China, entre os quais 26 foram infectados apenas com LayV (nenhum outro patógeno estava presente)”, descrevem.

Todos os 26 pacientes que tinham apenas um vírus apresentaram febre. Outros sintomas observados foram: cansaço (54%), tosse (50%), perda de apetite (50%), dor muscular (46%), náusea (38%), dor de cabeça (35%) e vômitos (35%), acompanhados por anormalidades de baixo nível de plaquetas (35%), baixo número de glóbulos brancos (54%) e redução da função hepática (35%) e renal (8%).

Leia mais:  Moderna anuncia início de vacinas testes e Sanofi interrompe uso de cloroquina

O vírus foi identificado pela primeira vez em 2018, nas mesmas duas províncias chinesas. Não há até o momento relato de mortos.

Os autores também tentaram buscar os possíveis animais que teriam transmitido o vírus às pessoas, já que não se trata de um patógeno que circula entre humanos. 

Eles encontraram o material genético do vírus em 3 de 168 (2%) das cabras analisadas e em 4 de 79 (5%) dos cães. 

Ao expandirem a análise para pequenos animais selvagens, os autores acharam o material genético do vírus Langya em 71 de 262 (27%) musaranhos, “um achado que sugere que o musaranho pode ser um reservatório natural” desse agente, afirmam eles. 

O grupo de pesquisadores também diz que não há transmissão entre humanos relatada para o vírus Nipah, da mesma família, e minimiza essa possibilidade para o Langya.

“Não houve contato próximo ou histórico de exposição comum entre os pacientes, o que sugere que a infecção na população humana pode ser esporádica. O rastreamento de 9 pacientes com 15 familiares de contato próximo não revelou transmissão de LayV de contato próximo, mas nosso tamanho de amostra era muito pequeno para determinar o status da transmissão de humano para humano para LayV.”

Leia mais:  Câncer: diagnóstico precoce amplia possibilidade de cura em 95%

Em Taiwan, o vice-diretor-geral do Centro de Controle de Doenças, Chuang Jen-hsiang, afirmou ao jornal Taipei Times que, apesar de não haver indícios da transmissão entre pessoas, o território vai trabalhar no desenvolvimento de um teste de material genético para detectar o vírus.

Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana