conecte-se conosco


Segurança

Operação da Sefaz apreende mais de R$ 1 milhão em bebidas sem notas fiscais

Publicado

Uma fiscalização da Secretaria da Fazenda (Sefaz) apreendeu pouco mais de R$ 1 milhão em bebidas que estavam sendo comercializadas sem notas fiscais, na Região Metropolitana da Grande Vitória. A operação ocorreu em quatro estabelecimentos: dois em Vila Velha, um em Vitória e outro na Serra.

“O foco da operação foi o comércio realizado em distribuidoras. Um dos alvos da fiscalização sequer tinha inscrição estadual para a comercialização de produtos. Nós chegamos a esses estabelecimentos, por meio de denúncias e também pelo cruzamento de malhas fiscais”, disse o auditor fiscal Antonio Carlos de Oliveira Junior, que participou da ação.

Ao todo, 29 auditores fiscais da Receita Estadual estiveram envolvidos nessa ação fiscalizatória. No total, foram apreendidas 50.691 garrafas de cerveja, 19 barris, 141.076 cervejas em lata e 12.518 garrafas de refrigerantes, avaliados em R$ 1.007.245,72. Segundo Oliveira Junior, por conta da grande quantidade de produtos, as multas ainda estão sendo calculadas, mas devem chegar a cerca de R$ 500 mil.

Leia mais:  MPES faz operação em 8 cidades para investigar fraudes em contratos de limpeza

“Esse trabalho é muito importante porque evitamos a concorrência desleal neste setor. Não podemos deixar que empresas sérias e responsáveis concorram com comerciantes que sonegam impostos e trazem prejuízos para o Estado”, acrescentou o auditor fiscal.

publicidade

Segurança

PMs presos em operação são suspeitos de fazer parte de grupo de extermínio no ES

Publicado

Ministério Público apresentou denúncia contra cinco suspeitos presos na semana passada, entre eles os três PMs. Eles teriam participado do assassinato de um rapaz, em fevereiro deste ano, como forma de vingar a morte do sargento Romania

As cinco pessoas presas em uma operação do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), na última sexta-feira (13), são investigadas por integrarem um suposto grupo de extermínio que atua no bairro Itararé, em Vitória.

Os suspeitos foram denunciadas pelo Ministério Público do Espírito Santo (MPES) pelo assassinato de Felipe Antônio Alves Chaves, de 18 anos, morto no dia 21 de fevereiro deste ano, na região. Entre os investigados, três são policiais militares.

Segundo o Ministério Público, os policiais investigados são Ronniery Vieira Peruggia, José Moreno Valle da Silva e Welquerson Cunha de Moraes. Já os outros dois suspeitos são Walace Luiz dos Santos Souza e Glaydson Alvarenga Soares.

A denúncia do MPES aponta que os investigados teriam assassinado Felipe com 15 tiros, como forma de vingança pela morte do sargento Marco Antônio Romania, que havia sido morto poucos dias antes, em Joana D’Arc, também na Capital.

Os anexos do documento mostram que, no dia da morte de Felipe, câmeras de segurança da Prefeitura de Vitória flagraram quatro pessoas em um carro, modelo Honda Civic, e outras duas em uma moto. O garupa da motocicleta usava um colete à prova de balas da Polícia Militar.

Segundo a denúncia, a placa do carro usado no dia do crime era fria. O dono do veículo foi procurado pelos investigadores e informou que vendeu o automóvel, em setembro de 2020, para o policial Ronniery.

Leia mais:  Sejus prepara concurso com 600 vagas para cargo de inspetor penitenciário efetivo

Com base nas investigações, o Gaeco chegou à conclusão que o piloto da moto bloqueou a rua no dia do crime. Ele estaria acompanhado de Glaydson, apontado pelo Gaeco como o possível carona no momento do homicídio de Felipe.

Ainda segundo o MPES, Glaydson também é responsável pelo perfil nas redes sociais do suposto grupo de extermínio. Após análises das provas, o Gaeco chegou à conclusão de que os cinco homens são os executores do assassinato de Felipe.

“No horário do homicídio, que foi durante a madrugada do dia 21, ele estava em sua residência, com esposa e filhos. Ele saiu do trabalho por volta de meia-noite, 1h, e foi direto para a residência — pelo menos no que consta no relato dele —, onde permaneceu até o dia seguinte, quando voltou ao trabalho”, disse o advogado.

A defesa afirma ainda que existe uma contradição na denúncia do Gaeco. “Na representação, ora o meu cliente está no banco do carona, em um veículo, ora ele está no carona da motocicleta. Está uma coisa tão fantasiosa contra o Glaydson que sequer sabem onde ele estava — ou no veículo ou na motocicleta”, alegou.

O advogado também nega a participação do cliente em um suposto grupo de extermínio. “É um grupo de WhatsApp. Não de grupo de extermínio, mas de pessoas que trabalham na segurança pública e privada, outras pessoas que são admiradoras também. Mas ali não quer dizer que seja um grupo de extermínio. Da mesma forma que, com certeza, existem grupos de WhatsApp de promotores, de advogados, de jornalistas, de todas as profissões”, afirmou.

Leia mais:  Governo do Estado inaugura novo Destacamento Policial Militar da Vila Rubim

A defesa garante a inocência de Glaydson e alega que a prisão é injusta. “Teve uma delação de um dos acusados, onde delatou o nome de alguns supostos participantes. As imagens não mostram nitidamente esses participantes. São suposições baseadas numa delação. E o delator, em momento algum, cita o nome do Glaydson”, ressaltou Martins.

Já a defesa de Walace Luiz dos Santos Souza informou que, neste momento, não vai se pronunciar. A reportagem ainda não conseguiu contato com a defesa dos três policiais militares.

De acordo com a Secretaria de Estado da Justiça (Sejus), Glaydson e Walace estão presos na Penitenciária de Segurança Média 1, em Viana.

O que dizem a Polícia Militar e o Ministério Público

Por meio de nota, a Polícia Militar do Espírito Santo informou que prestou apoio em uma operação policial decorrente de investigação conduzida pela 14ª Promotoria de Justiça Criminal de Vitória, com apoio do Gaeco-MPES, no cumprimento de mandados de prisão e de busca e apreensão. 

No entanto, disse que o fato está sob sigilo judicial decretado e que não há detalhes que possam ser divulgados.

A produção da TV Vitória também pediu uma entrevista ao Ministério Público, sobre a acusação. No entanto, a assessoria de comunicação do órgão respondeu que ninguém pode falar sobre o caso porque o processo está sob sigilo.

Continue lendo

Segurança

PCES participará de desfile cívico em comemoração à Colonização do Solo Espírito-santense

Publicado

A Polícia Civil do Espírito Santo (PCES) participará do desfile cívico em comemoração à Colonização do Solo Espírito-santense, em Vila Velha, na próxima segunda-feira (23).  A solenidade contará com a presença integrantes Marinha, Exército, Corpo de Bombeiros Militar do Espírito Santo (CBMES), Polícias Militar do Espírito Santo (PMES) e Civil do Espírito Santo (PCES), Guardas Municipais, escolas de samba e 78 escolas municipais, entre outros.

O Desfile acontecerá na Avenida Jerônimo Monteiro, a partir das 8h, em Vila Velha, e marca ainda a celebração do aniversário dos 487 anos do município. Representando a PCES, participarão do evento os policiais da Coordenadoria de Operações e Recursos Especiais (Core), além da Delegacia Regional de Guarapari (SPRM), Departamento de Identificação (DEI), Divisão Especializada em Atendimento à Mulher (DEAM) – Projeto Homem que é homem, Delegacia móvel e a especializada Delegacia de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP), Delegacia Especializada em Investigações Criminais (DEIC), DFRV e Gabinete do Delegado-Geral.

O delegado-geral da PCES, José Darcy Arruda, ressalta que essa é uma data muito importante, que possibilita o agradecimento. “Sou um colono tardio, e só tenho a agradecer a essa terra e povo que me receberam com tanto carinho. É uma honra viver no Espírito Santo. Convido a todos para celebrar a data e, por que não, refletir sobre como podemos contribuir para tornar nosso Estado cada vez mais próspero e seguro”, conta.

Leia mais:  Homem morre após cair de tirolesa no Morro do Moreno

Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana