conecte-se conosco


Camisa 10

Pelé, Pelé, Cafu e Ronaldo são eleitos para ‘Dream Team’ da Bola de Ouro

Publicado

Revista France Football organiza eleição em ano sem premiação tradicional

Idealizadora do prêmio Bola de Ouro — cancelado em 2020 por conta da pandemia do novo coronavírus — , a revista “France Football” veio realizando, nas últimas semanas, a eleição do ‘Dream Team’, um time dos sonhos histórico para compensar a ausência da premiação tradicional. Nesta segunda-feira, a revista revelou os escolhidos. Entre os eleitos, figuram três brasileiros: o rei Pelé, lateral-direito Cafu e o atacante Ronaldo.

O Dream Team tem: Yashin; Cafu, Beckenbauer e Maldini; Lothar Matthaus, Xavi, Maradona e Pelé; Cristiano Ronaldo, Messi e Ronaldo. Dos escolhidos, apenas Messi (Barcelona) e Cristiano Ronaldo (Juventus) ainda estão em atividade: os dois concorrem com Lewandowski ao prêmio de melhor do mundo pela Fifa, o The Best.

A eleição foi realizada nos mesmos moldes da Bola de Ouro: 140 jornalistas convidados ao redor do mundo votaram.

Ronaldo

Artilheiro, autor de dois gols na final e principal jogador da conquista do penta pela seleção brasileira, Ronaldo fecha a lista como centroavante. Eleito três vezes melhor do mundo pela Fifa, foi campeão do mundo com a Amarelinha também em 1994. Revelado pelo Cruzeiro, atuou por PSV, Barcelona, Inter de Milão, Real Madrid, Milan e Corinthians.

Ronaldo é eleito centroavante de time histórico da France Football Foto: Divulgação/France Football

Seus companheiros de ataque na lista são ninguém menos que Messi e Cristiano Ronaldo. Artilheiros e multi-campeões, o argentino e o português ganharam nove das últimas dez Bolas de Ouro e foram os principais nomes do esporte no período.

Pelé

Amplamente considerado como o maior jogador da história, o ‘rei do futebol’ atuou por Santos e New York Cosmos. Tricampeão mundial com a seleção brasileira, foi o mais jovem jogador a ganhar e marcar um gol em finais de Copa do Mundo.

“Vinte candidatos, uma disputa louca entre Michel Platini, Sócrates, Bobby Charlton, Zinédine Zidane, Francesco Totti ou Alfredo Di Stefano por dois lugares. Os 140 votos do júri definiram este lendário time dos sonhos:o Rei Pelé e o falecido Diego Armando Maradona, que havia acabado de completar 60 anos. Imagine esses dois, no auge, no mesmo time”, descreve a publicação.

Pelé é eleito em time da história da France Football Foto: Divulgação/France Football

Eleito como meio-campista, integra lista com Xavi Hernández, principal articulador do Barcelona que impressionou o mundo nos últimos dez anos, além de campeão do mundo pela Espanha em 2010. Morto no último dia 25, o ‘Deus’ argentino Maradona, campeão mundial em 1986, também está entre os escolhidos. Lothar Matthaus, capitão do tricampeonato mundial alemão em 1990 e participante de cinco edições de mundiais, fecha a lista de eleitos.

Cafu

“Capaz de defender de forma sólida, mas também de chegar na frente como um verdadeiro atacante, o jogador, ex-São Paulo, marcou época. Em um período em que se fala cada vez mais do papel ofensivo dos laterais, só conseguimos pensar nas subidas incessantes de Cafu ao ataque”, diz a revista. Revelado no Tricolor Paulista, Cafu passou por Zaragoza, Juventude, Palmeiras, Roma e Milan. Foi bicampeão do mundo pela seleção, capitaneando o time do pentacampeonato em 2002.

Cafu é eleito o melhor lateral-direito da história pela France Football Foto: France Football/Divulgação

O lateral-direito figura ao lado do goleiro Lev Yashin, o ‘aranha negra’, que fez história pela seleção da União Soviética, além do lateral-esquerdo e zagueiro Paolo Maldini, ícone do Milan. Completa a lista o ‘imperador’ Franz Beckenbauer, zagueiro e lenda do futebol alemão, campeão da Copa de 1974.

Segundo e terceiro times com brasileiros

A revista ainda montou duas seleções alternativas, um segundo e um terceiro time entre os jogadores mais votados, mas que não alcançaram as primeiras posições. Cinco brasileiros figuram nessas equipes: Roberto Carlos, Carlos Alberto Torres, Ronaldinho, Garrincha e Didi.

A escalação do ‘time B’ é Buffon; Roberto Carlos, Baresi e Carlos Alberto Torres; Pirlo, Rikjaard, Di Stefano e Zidane; Ronaldinho, Garrincha e Cruyjjf.

Já o ‘time C’ tem Neuer; Breitner, Sergio Ramos e Lahm; Didi, Neeskens, Platini e Iniesta; Henry, George Best e Van Basten.

Confira a lista de indicados

Goleiros: Gordon Banks (Inglaterra), Gianluigi Buffon (Itália), Iker Casillas (Espanha), Sepp Maier (Alemanha), Manuel Neuer (Alemanha), Thomas N’Kono (Camarões), Peter Schmeichel (Dinamarca), Edwin van der Sar (Holanda), Lev Yashin (Rússia) e Dino Zoff (Itália).

Laterais-direitos: Giuseppe Bergomi (Itália), Cafu (Brasil), Carlos Alberto Torres (Brasil), Djalma Santos (Brasil), Claudio Gentile (Itália), Manfred Kaltz (Alemanha), Philipp Lahm (Alemanha), Wim Suurbier (Holanda), Lilian Thuram (França) e Berti Vogts (Alemanha).

Laterais-esquerdos: Andreas Brehme (Alemanha), Paul Breitner (Alemanha), Antonio Cabrini (Itália), Giacinto Facchetti (Itália), Júnior (Brasil), Ruud Krol (Holanda), Paolo Maldini (Itália), Marcelo (Brasil), Nilton Santos (Brasil) e Roberto Carlos (Brasil).

Zagueiros: Bobby Moore (Inglaterra), Franz Beckenbauer (Alemanha), Gaetano Scirea (Itália), Daniel Passarella (Argentina), Franco Baresi (Itália), Ronald Koeman (Holanda), Marcel Desailly (França), Fabio Cannavaro (Itália) e Sergio Ramos (Espanha).

Meio-campistas defensivos: József Bozsik (Hungria), Didi (Brasil), Josef Masopust (República Tcheca), Luis Suárez (Espanha), Gérson (Brasil), Johan Neeskens (Holanda), Marco Tardelli (Itália), Paulo Roberto Falcão (Brasil), Jean Tigana (França), Bernd Schuster (Alemanha), Lothar Matthaus (Alemanha), Frank Rijkaard (Holanda), Fernando Redondo (Argentina), Pep Guardiola (Espanha), Clarence Seedorf (Holanda), Andrea Pirlo (Itália), Xavi Hernández (Espanha), Steven Gerrard (Inglaterra), Xabi Alonso (Espanha) e Sergio Busquets (Espanha).

Meio-campistas ofensivos: Ferenc Puskás (Hungria), Juan Alberto Schiaffino (Uruguai), László Kubala (Hungria), Alfredo Di Stéfano (Espanha), Raymond Kopa (França), Bobby Charlton (Inglaterra), Pelé (Brasil), Gianni Rivera (Itália), Alessandro Mazzola (Itália), Michel Platini (França), Zico (Brasil), Sócrates (Brasil), Diego Maradona (Argentina), Ruud Gullit (Holanda), Enzo Francescoli (Uruguai), Gheorghe Hagi (Romênia), Roberto Baggio (Itália), Zinedine Zidane (França), Francesco Totti (Itália) e Andrés Iniesta (Espanha).

Pontas-esquerdas:  Oleg Blokhin (Ucrânia), Rivaldo (Brasil), Cristiano Ronaldo (Portugal), Rivellino (Brasil), Dragan Džajić (Sérvia), Ronaldinho (Brasil), Ryan Giggs (Inglaterra), Rummenigge (Alemanha), Thierry Henry (França) e Hristo Stoichkov

Pontas-direitas: David Beckham (Inglaterra), Jairzinho (Brasil), George Best (Irlanda do Norte), Kevin Keegan (Inglaterra), Samuel Eto’o (Camarões), Stanley Matthews (Inglaterra), Luis Figo (Portugal), Lionel Messi (Argentina), Garrincha (Brasil) e Arjen Robben (Holanda)

Centroavantes: Dennis Bergkamp (Holanda), Gerd Muller (Alemanha), Johan Cruyjff (Holanda), Romário (Brasil), Kenny Dalglish (Inglaterra), Ronaldo (Brasil), Eusébio (Portugal), Marco van Basten (Holanda), Sándor Kocsis (Hungria) e George Weah (Libéria).

Leia mais:  Gabigol antecipa Flamengo e anuncia acerto: "Fico"
publicidade

Camisa 10

UFC 257 esta noite tem retorno de McGregor e três brasileiros em ação

Publicado

Evento na Ilha da Luta, em Abu Dhabi, contará com um público de duas mil pessoas e uma versão “paz e amor” do polêmico lutador irlandês

Ele está de volta. Um ano depois de aplicar um nocaute relâmpago em Donald Cerrone , Conor McGregor sobe ao octógono para encarar Dustin Poirier na luta principal do UFC 257, que acontece esta noite na Ilha da Luta, em Abu Dhabi. O evento marcará ainda a estreia de Michael Chandler, ex-campeão do Bellator e já cotado como um candidato ao título. Ele terá pela frente Dan Hooker na co-luta principal da noite. Amanda Ribas e Marina Rodriguez fazem um duelo verde e amarelo, e Antônio Cara de Sapato completa o esquadrão brasileiro em ação no show.

Como em todo evento onde está presente, Conor McGregor vem sendo o centro das atenções na semana do UFC 257. O irlandês, porém, deixou pra trás o estilo trash talker e veio numa versão “paz e amor” para encarar Poirier, adversário que ele já derrotou em 2014. O ex-campeão dos penas e dos leves não poupou elogios ao seu oponente deste sábado.

– Tenho uma garrafa de “Proper” para você, adoraria compartilhar. Ele está na direção certa. Acho que todo o seu negócio é bastante impressionante. Depois que ele perdeu para mim, há muitos anos, se ergueu, se tornou campeão e tem dado de volta muita coisa. Estou honrado de dividir o octógono com esse cara. Sei que temos esse fogo de competir que ainda está lá. Não há como negar isso, nós temos um duelo e será um incêndio, mas o respeito é admirável por esse homem na minha frente – disse Conor em entrevista coletiva esta semana, citando o trabalho social que Poirier tem feito.

Clima amistoso entre Poirier e McGregor — Foto: Jeff Bottari/Zuffa LLC

Os lutadores se enfrentaram no peso-pena, em disputa onde o irlandês precisou de apenas 1m46s para nocautear seu adversário. Poirier, que desde então chegou a conquistar o cinturão interino dos leves, garante que muita coisa mudou.

– Eu cresci muito. Nós dois crescemos, esta é uma luta diferente agora e nós temos 25 minutos para provar quem é melhor. Eu acho que minha maturidade traz um fator diferente nesta luta. Eu era um lutador mais jovem na época. Eu estava dando ouvidos aos críticos e às opiniões (dos outros) muito mais do que agora. Eu não me importo mais com o que as pessoas pensam ou dizem agora – contou o lutador.

Se em 2014 os dois tiveram de ser contidos por Dana White para não irem às vias de fato ainda na pesagem, nesta sexta-feira os pesos-leves foram capazes de fazer uma encarada quente e com provocações, mas também com esportividade e até troca de gentilezas. Após se encararem, eles se cumprimentaram e Poirier presenteou McGregor com uma amostra grátis do molho de pimenta que produz e vende nos EUA (ele é natural de Louisiana, onde a iguaria é tradicional). O irlandês já havia pedido uma prova ao adversário na coletiva e abriu um grande sorriso ao receber o presente.

Amanda Ribas e Marina Rodriguez irão se enfrentar na primeira luta do card preliminar. Embalada por quatro vitórias no Ultimate, Amanda garante estar bem preparada para enfrentar sua compatriota.

– Ela é bem ranqueada, isso é muito bom para mim. Lutar com atleta ranqueada, atleta duríssima, tem um muay thai afiadão, cotovelo entra a toda hora, chute entra a toda hora. Então, eu tenho que estar muito bem preparada para isso, e estou, porque estou treinando muito. Fiquei feliz de ter dado certo a minha luta com ela, porque chega um momento que não tem para onde fugir, tem que pegar os melhores para conseguir ser a melhor – reconhece a mineira.

Marina também reconheceu as qualidades de sua adversária, mas garante ter encontrado pontos fracos para explorar durante as análises das lutas de Amanda.

Marina Rodriguez e Amanda Ribas abrem o card principal — Foto: Jeff Bottari/Zuffa LLC

– Ela é uma atleta de MMA completa. Tem jogo em pé, tem jogo agarrado, jiu-jítsu, mas claro que enxergamos as brechas. Foi nisso que trabalhamos nossa estratégia de luta. Em cima das brechas dela e dos meus pontos fortes. A gente coloca em prática em cima do jogo falho dela ali. Ela é uma atleta completa, vem em ascensão na organização, mas enxergamos algumas coisas e vai ser uma luta bem legal. Tem dois caminhos: o primeiro com certeza é fazer minha mão encostar nela primeiro, encostar no lugar certo, na mira, pra nocautear. O segundo caminho é ela achar que não tenho a parte de chão, e eu conseguir colocar uma finalização em jogo.

UFC 257
23 de janeiro de 2021, na Ilha da Luta (Abu Dhabi)

CARD PRINCIPAL (0h, horário de Brasília):
Peso-leve: Dustin Poirier x Conor McGregor

Peso-leve: Dan Hooker x Michael Chandler
Peso-mosca: Jessica Eye x Joanne Calderwood
Peso-médio: Andrew Sanchez x Makhmud Muradov
Peso-palha: Marina Rodriguez x Amanda Ribas
CARD PRELIMINAR (21h, horário de Brasília):
Peso-casado (71,2kg): Matt Frevola x Arman Tsarukyan
Peso-médio: Brad Tavares x Antônio Cara de Sapato
Peso-galo: Julianna Peña x Sara McMann
Peso-meio-pesado: Khalil Rountree Jr. x Marcin Prachnio
Peso-casado (68kg): Nik Lentz x Movsar Evloev
Peso-mosca: Amir Albazi x Zhalgas Zhumagulov

Leia mais:  Cristiano aceita corte salarial e doa respiradores a hospital na Madeira
Continue lendo

Camisa 10

Final da Libertadores: decreto do Governo autoriza até 10% da capacidade do Maracanã

Publicado

O Governo do Estado do Rio de Janeiro publicou decreto, nesta sexta-feira, autorizando a realização da final da Copa Libertadores, marcada para o dia 30, no Maracanã. Entre as regulamentações, o governador Claudio Castro estabeleceu um limite de até 10% da capacidade do estádio para a operação do jogo entre Palmeiras e Santos.

Na partida, que não terá público pagante, estará autorizada a presença de pessoal relacionado a organização, segurança e realização, bem como pessoas ligadas a patrocinadores do evento e aos clubes, no limite determinado.

Vale lembrar que o poder municipal possui autonomia em relação a decisões sobre presença de público ou não nos estádios da cidade. No último dia 13, a Prefeitura chegou a autorizá-la, com capacidade variando entre 10% e 20% do total. A medida acabou revogada no mesmo dia por decreto do prefeito Eduardo Paes.

Santos e Palmeiras receberam 150 convites cada. Entre os convidados do Santos, a divisão será: 45 entre os familiares de jogadores e comissão técnica; 30 para o Comitê de Gestão; 30 para o Conselho Deliberativo; 15 para autoridades e patrocinadores; 25 para sócios; e cinco entre os funcionários do clube.

Uma reunião no fim da manhã desta sexta-feira definiu que o efetivo de policiais militares para a segurança da partida, nos arredores e na parte interna do estádio, ficará em 550, com mais 200 guardas municipais.

Em outras partes da cidade, haverá atenção especial nas proximidades dos hotéis onde ficarão as duas delegações.

Hoje, o Maracanã, tem capacidade para 78.883 pessoas, ou seja, a capacidade autorizada de operação para a partida gira em torno de 7 mil pessoas. A Conmebol, porém, não trabalha com a ideia de um efetivo tão grande.

Fechamento nos arredores

Uma estimativa citada em reunião com órgãos e dirigentes, há cerca de duas semanas, apontou a possibilidade de até quatro mil pessoas (com distanciamento) dentro e no perímetro do estádio, contando delegações e forças de segurança.

— Estamos ajustando todas as áreas para ter o menor número possível de pessoas — disse o diretor de competições de clubes da Conmebol, Fred Nantes.

Em termos de espaço físico, o setor Oeste está à disposição. Isso inclui as arquibancadas do Maracanã Mais, os dois níveis de camarote e a tribuna de imprensa. Nesta semana, a Conmebol montará base no Maracanã para começar a receber serviços de personalização do estádio, instalação de placas de LED e hospitalidade.

A presença de dois times brasileiros, por si só, já demanda um cuidado especial no entorno para evitar aglomerações. O quarteirão do Maracanã será bloqueado, o que envolve trechos da Avenida Maracanã, Radial Oeste e Eurico Rabelo.

Leia mais:  Com dono brasileiro, Orlando City passa a valer R$ 2,2 bilhões
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana