conecte-se conosco


Mundo Cristão

Pesquisa: 68% dos cristãos na pandemia buscam na igreja oração e apoio emocional

Publicado

A pandemia do novo coronavírus pegou muitas pessoas de surpresa, visto que alguns não faziam ideia do quanto o mundo inteiro poderia ser afetado por causa de um vírus, ao ponto dos países fecharem suas fronteiras e a economia praticamente parar por longos meses.

O resultado do isolamento social, a chamada quarentena, causou efeitos emocionais em toda a população, o que não foi diferente para os cristãos. Uma pesquisa realizada pelo  Instituto Barna, por exemplo, mostrou como a pandemia fez aumentar a procura por oração e apoio emocional durante esse período.

Segundo os dados obtidos, 68% dos cristãos buscaram ou ainda buscam em suas igrejas oração e apoio emocional; 44% procuram uma mensagem de esperança centrada na Bíblia e 35% querem se conectar à comunidade de fé.

Por causa da pandemia, no entanto, essas buscas são realizadas principalmente online, através da internet. Por outro lado, o estudo também apontou que 1 em cada 3 cristãos pararam de assistir aos cultos online de suas igrejas, ou de outras.

Leia mais:  Evangélicos vão ao STF para derrubar decretos que impedem igrejas de fazer cultos online

Essa realidade foi constatada principalmente entre o público mais jovem, o que chamou atenção dos pesquisadores, visto que supunha-se que a familiaridade com a internet facilitaria à adesão desse público aos cultos online.

“Embora as gerações mais jovens possam estar mais acostumadas às rotinas e inovações digitais, seu relacionamento tênue com as instituições parece persistir durante essa era da igreja digital”, disse o relatório da Barna, segundo informações da CBN News.

Segundo a pesquisa, os números negativos em relação à falta de adesão aos cultos online reforça a necessidade de maior acompanhamento espiritual dos jovens, a fim de que eles se fortaleçam e possam suportar os desafios do mundo atual.

“Essas tendências destacam a importância das igrejas continuarem alcançando e discipulando a próxima geração, especialmente aquelas que aparentemente estão se perdendo durante a pandemia”, dizem os autores.

Por fim, a pesquisa ressaltou ainda que durante a pandemia 50% dos cristãos da geração Y (entre 25 e 40 anos) deixaram de frequentar a igreja; 17% da geração X (entre 40 e 55 anos) frequentam uma nova igreja e 40% dos baby boomers (entre 56 e 74 anos) ficaram na mesma instituição.

Leia mais:  Papa "autoriza" MST a invadir propriedades da Igreja Católica

publicidade

Mundo Cristão

Após 15 dias internada cantora gospel mexe pescoço e abre os olhos

Publicado

Amanda Wanessa sofreu um acidente de carro no dia 4 de janeiro, na PE-60, em Rio Formoso. Ela segue internada na Unidade de Terapia Intensiva do Hospital Português, região central do Recife.

Depois de 15 dias internada, o quadro de saúde da cantora gospel Amanda Wanessa segue evoluindo na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Português, no Centro do Recife, de acordo com informações publicadas pelos familiares dela nas redes sociais. No dia 4 de janeiro, a artista sofreu um acidente de trânsito na PE-60, em Rio Formoso, na Zona da Mata de Pernambuco.

De acordo com os familiares da cantora, ela tem respondido gradativamente aos estímulos. Ela já mexeu o pescoço e abriu os olhos. “Segundo os médicos, sua recuperação é uma questão de tempo”, disse a família, numa postagem no Instagram.

O quadro de saúde é considerado estável e tem evoluído gradativamente, ainda segundo parentes. O hospital não recebeu autorização da família de Amanda para divulgar informações sobre a paciente.

No dia 10, a assessoria da gravadora MK Music divulgou nota informando que após, passar por cirurgias, “mexeu olhos e braço num momento em que o marido, Dobson Santos, estava ao seu lado”.

A filha do casal, Mel, de seis anos, também estava no veículo e foi internada. Ela precisou passar por uma cirurgia no ombro, mas teve alta dois dias depois da colisão.

Após o acidente, fãs de Amanda Wanessa iniciaram uma campanha de doação de sangue para a cantora. Amigos, cantores e familiares também enviaram mensagens de otimismo pelas redes sociais, desejando a recuperação da artista.

Juciara Pimentel, que estava no carro da cantora Amanda Vanessa no momento do acidente, publicou foto para agradecer mensagens de apoio — Foto: Reprodução/Instagram

Juciara Pimentel, que estava no carro da cantora Amanda Vanessa no momento do acidente, publicou foto para agradecer mensagens de apoio.

Também pelas redes sociais, Juciara Pimentel, amiga de Amanda que estava no veículo da cantora no momento do acidente, publicou uma foto para agradecer as mensagens de apoio, depois de receber alta hospitalar em Palmares.

O acidente

O acidente aconteceu no quilômetro 56 da PE-60, no município de Rio Formoso, na Zona da Mata de Pernambuco. A cantora dirigia um carro e estava acompanhada do pai, da filha e da amiga Juciara Pimentel quando o acidente aconteceu. O pai da artista não precisou ser internado.

O cunhado dela, Denilson Santos, relatou que um caminhão de tijolos invadiu a faixa contrária, colidindo com o veículo em que Amanda e as outras três pessoas estavam. Segundo ele, a artista estava de férias no mês de janeiro.

 

Leia mais:  Papa Francisco e Papa emérito Bento XVI são vacinados contra Covid-19

Continue lendo

Mundo Cristão

Diretora da Anvisa: “Porque Ele vive, posso crer no amanhã”

Publicado

A diretoria da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) aprovou neste domingo (17), por unanimidade, o uso emergencial das vacinas Oxford/AstraZeneca e CoronaVac. Com a decisão, as vacinas passarão a ser aplicadas na população brasileira.

A diretora da Anvisa, Meiruze Sousa Freitas, relatora dos pedidos de uso emergencial de vacinas contra a Covid-19, foi a primeira a votar e fez uma declaração de fé ao final de seu discurso.

“Antes de prosseguir, gostaria de declarar: porque Ele vive, eu posso crer no amanhã”, disse Meiruze, em referência ao trecho de uma canção da Harpa Cristã.

Meiruze, que é servidora da Anvisa desde 2007, é responsável pela segunda diretoria da agência, onde ocorrem as análises dos documentos enviados pelos laboratórios.

Dois pedidos foram analisados pela Anvisa. O primeiro foi feito pelo Instituto Butantan, que buscou autorização do uso de 6 milhões de doses da vacina CoronaVac, que foram importadas da China no ano passado, em parceria com a empresa chinesa Sinovac.

Já o segundo foi feito pela Fiocruz, que pediu autorização para o uso de 2 milhões de doses que devem ser importadas da Índia. A fundação mantém uma parceria com a farmacêutica AstraZeneca e a Universidade de Oxford.

“Ressalvadas algumas incertezas pelo estágio das vacinas em desenvolvimento, os benefícios das duas candidatas superam os riscos e ambas atendem os critérios de eficácia e segurança”, afirmou Meiruze.

Segundo a Anvisa, a eficácia geral da vacina de Oxford/AstraZeneca é de 70,42%, considerando mais de uma forma de aplicação e intervalo entre doses. No Brasil, com duas doses, a eficácia ficou em 62%. Já no caso da CoronaVac, a eficácia calculada é de 50,39%.

Apesar da liberação, Meiruze condicionou a autorização da CoronaVac à assinatura de um termo de compromisso, que deve ser enviado até o dia 28 de fevereiro. Com a exigência, o Instituto Butantan deve enviar resultados sobre a imunogenicidade da vacina, esclarecendo sua capacidade de provocar imunidade.

Início da imunização no Brasil

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, disse nesta segunda-feira (18) que a vacinação contra a Covid-19 começará nos estados a partir das 17h em todo o país.

Pazuello reforçou que os primeiros a receber as doses da vacina serão integrantes do grupo prioritário: profissionais da saúde, idosos e indígenas. Serão inicialmente 3 milhões de pessoas a serem vacinadas, com duas doses cada uma, totalizando 6 milhões de doses da CoronaVac.

Concedida ainda em fase de testes ou de análise da documentação, a autorização para uso emergencial se difere da permissão definitiva. Nesse caso, a vacina não pode ser aplicada em toda a população, já que os laboratórios precisam delimitar um público específico no qual as imunizações serão aplicadas.

Os também laboratórios se comprometem a notificar a Anvisa sobre as ocorrências de efeitos adversos da vacina, em um prazo de 24 horas.

Leia mais:  Pastor critica quem chama animais de filhos: “idolatria pet”
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana