conecte-se conosco


Medicina e Saúde

Pesquisa inédita revela que índices de amamentação cresceram no Brasil

Publicado

Estudo do Ministério da Saúde aponta que mais da metade (53%) das crianças brasileiras continua sendo amamentada no primeiro ano de vida, e mais de 45% das menores de seis meses recebem leite materno exclusivo

Os índices de aleitamento materno estão aumentando no Brasil, de acordo com resultados preliminares do Estudo Nacional de Alimentação e Nutrição Infantil (Enani) do Ministério da Saúde. Foram avaliadas 14.505 crianças menores de cinco anos entre fevereiro de 2019 e março de 2020. Mais da metade (53%) das crianças brasileiras continua sendo amamentada no primeiro ano de vida. Entre as menores de seis meses o índice de amamentação exclusiva é de 45,7%. Já nas menores de quatro meses, de 60%. Para marcar a Semana Mundial do Aleitamento Materno 2020 (SMAM), o Ministério da Saúde lançou, na tarde desta terça-feira (04), a campanha publicitária “Apoie a amamentação: proteger o futuro é um papel de todos”.

Ao comparar os dados do Enani com inquéritos nacionais anteriores, com base em indicadores de amamentação propostos pela Organização Mundial da Saúde (OMS), todos os indicadores melhoraram no Brasil. O último dado de 2006 da Pesquisa Nacional de Demografia e Saúde da Criança e da Mulher (PNDS), em comparação com o Enani, aponta para aumento de 15 vezes na prevalência de aleitamento materno exclusivo entre as crianças menores de 4 meses, e de 8,6 vezes entre crianças menores de 6 meses.

Já na comparação com os últimos 34 anos, houve aumento de quase 13 vezes no índice de amamentação exclusiva em crianças menores de 4 meses e de cerca de 16 vezes entre crianças menores de 6 meses. Em relação ao indicador de aleitamento materno continuado, ou seja, até 24 meses da criança, o aumento registrado foi de 22,7 vezes no primeiro ano de vida e de 23,5 em menores de dois anos, em comparação com os dados da Pesquisa Nacional de Demografia e Saúde (PNDS) de 1986.

O Enani é um estudo inédito e foi encomendado pelo Ministério da Saúde, com apoio do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e coordenação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ); da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ); da Universidade Federal Fluminense (UFF) e da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). O inquérito nacional de alimentação e nutrição infantil foi aplicado por meio de questionários, além da avaliação antropométrica e da coleta de sangue de crianças menores de cinco anos para a avaliação do estado nutricional e deficiências nutricionais.

Os dados de aleitamento materno são preliminares. O estudo, com o restante dos resultados, está em fase final de consolidação. O objetivo é atualizar os indicadores nacionais referentes ao estado nutricional, consumo alimentar e carências nutricionais infantis; além de subsidiar as políticas públicas desenvolvidas pelo Ministério da Saúde, por meio da Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança e da Política Nacional de Alimentação e Nutrição, para esse público.

AMAMENTAÇÃO NA PANDEMIA

O Ministério da Saúde recomenda a manutenção da amamentação. A orientação leva em consideração os benefícios para a saúde da criança e da mulher; a ausência de constatações científicas significativas sobre a transmissão do coronavírus por meio do leite materno; e por não ter recomendação para a suspensão do aleitamento materno na transmissão de outros vírus respiratórios. Nestes casos, a amamentação deve ocorrer desde que a mãe deseje e esteja em condições clínicas adequadas para fazê-lo.

No caso das mães que tenham confirmação ou estejam com suspeita de Covid-19 que não puderem ou não quiserem amamentar, devem ser orientadas por profissionais de saúde a realizarem a extração do leite materno manualmente ou por bomba. O leite materno retirado deve ser ofertado à criança de preferência usando um copo e/ou colher limpos (pela facilidade na limpeza) pela própria mãe, se assim ela desejar e tiver condições clínicas para isso ou por uma pessoa que não tenha sinais ou sintomas de doença e com quem o bebê se sinta confortável.

Antes de qualquer decisão, a mulher deve procurar profissionais de saúde para obter orientações sobre os cuidados necessários para manter a amamentação no período da infecção pelo vírus.

Campanha de Amamentação

Assista ao lançamento da Campanha de Amamentação 2020. A ação do Ministério da Saúde marca a Semana Mundial de Aleitamento Materno 2020 (SMAM) no Brasil.

Posted by Ministério da Saúde on Tuesday, August 4, 2020

NOVA CAMPANHA

O Ministério da Saúde também lançou, nesta terça-feira (4), campanha de incentivo à amamentação. A medida marca o início do Agosto Dourado e a Semana Mundial do Aleitamento Materno 2020 (SMAM), que ocorre na primeira semana de agosto, em mais de 150 países. Com o mote “Apoie a amamentação: proteger o futuro é um papel de todos”, a campanha objetiva mostrar que os benefícios da amamentação alcançam não só a mãe e o bebê, mas a sociedade e todo o planeta. A campanha terá filme, cartaz, folder e peças digitais e será veiculada a partir de hoje (4) até 17/08.

A campanha brasileira está alinhada com o tema da WABA (World Alliance for Breaseeding Action – Aliança Mundial para Ação em Aleitamento Materno), idealizadora da semana e que definiu como linha de conscientização para este ano “Apoie o Aleitamento Materno. Por um planeta saudável”.

Os benefícios da amamentação extrapolam a relação mãe e filho e beneficiam todo planeta. A amamentação é capaz de reduzir até 13% a mortalidade por causas evitáveis em crianças menores de 5 anos e, a cada ano que a mulher amamenta, o risco de desenvolver câncer de mama reduz em 6%. A amamentação também diminui os custos com tratamentos nos sistemas de saúde e ajuda a combater a fome e a desnutrição em todas as suas formas, bem como garante a segurança alimentar de crianças por todo o mundo.

O leite materno é o “padrão ouro” da alimentação, é o alimento mais completo para o bebê e tem tudo que ele precisa para se desenvolver de forma saudável até os seis meses de vida. A partir dos seis meses, a orientação é para que o bebê continue mamando até os dois anos ou mais e seja introduzida a alimentação complementar saudável.

Crianças amamentadas têm menos alergias, infecções, diarreias, doenças respiratórias e otites, além de menores chances de desenvolver obesidades e diabetes tipo 2; assim como possuem melhor desempenho em testes de inteligência e se transformam em adultos mais saudáveis e produtivos.

Para mais informações sobre o tema, o Ministério da Saúde possui o Guia Alimentar para crianças brasileiras menores de 2 anos, que é a diretriz oficial para a população brasileira sobre amamentação e alimentação complementar saudável.

Leia mais:  Segunda dose contra a Covid-19 já pode ser feita a partir de 70 dias no Estado
publicidade

Medicina e Saúde

Preenchimento labial: especialista desmistifica os segredos da técnica

Publicado

Larissa Lima, expert em Harmonização Orofacial, explica que abordagem pode remodelar, volumizar ou corrigir assimetrias

As irmãs americanas Kardashians popularizaram os lábios carnudos conquistados por meio de preenchimento labial. No Brasil, a técnica também tem adeptas famosas como Luísa Sonza, Anitta, Bruna Marquezine e Mc Mirella. De acordo último levantamento divulgado pela Associação Internacional de Cirurgia Plástica Estética (ISAPS, em inglês), foram realizados quase 400 mil procedimentos estéticos com ácido hialurônico no Brasil, substância utilizada no preenchimento de lábios.

A especialista em Harmonização Orofacial Larissa Lima explica que a técnica pode ser utilizada para remodelar, dar volume ou corrigir assimetrias. “O ácido hialurônico também age estimulando a produção de colágeno no local da aplicação. Não é necessário repouso após realizar o preenchimento, mas o paciente deve evitar esforços físicos e exposição ao sol” conta Larissa.

Entre os anos de 2015 e 2019, o uso estético de ácido hialurônico aumentou mais de 50%, de acordo com a ISAPS. Larissa avalia que, com a pandemia, essa busca pode ser ainda maior.  “A internet facilitou a busca por procedimentos estéticos e, com o isolamento e o aumento das reuniões online e uso de telas, as pessoas passaram a se olhar mais e buscar maneiras de se sentirem melhor com o espelho”, disse.

A necessidade de manutenção do procedimento varia de acordo com cada pessoa, explica Larissa. “A reaplicação do ácido deve ocorrer de acordo com a capacidade de absorção de cada um, ela sempre deve ser feita antes que ele saia completamente ou só depois que a absorção seja concluída” observou.

Leia mais:  Dormir mal ou por poucas horas pode levar ao aumento de peso
Continue lendo

Medicina e Saúde

Verão e saúde ocular, uma relação que demanda alguns cuidados

Publicado

O verão se aproxima e os capixabas já começam a se preparar para aproveitar a estação mais desejada do ano. Esta é a época em que crianças, jovens, adultos e idosos programam muitas atividades recreativas outdoor.

Sinônimo de férias e diversão, a ensolarada estação também demanda atenção especial com os olhos, especialmente, nesses tempos em que a pandemia dá sinais de redução e as atividades ao ar livre estão entre as mais recomendadas pelo baixo potencial de contágio da doença.

A oftalmologista Liliana Nóbrega reforça que a exposição excessiva ao sol forte pode comprometer a saúde dos olhos. Importante, portanto, que os capixabas estejam atentos às recomendações médicas e sigam os procedimentos necessários para que seus olhos se mantenham saudáveis por todo o festejado verão.

“Por ser composta por raios ultravioletas, que aumentam eventuais danos aos olhos, a luz solar pode gerar problemas nas pálpebras (fotodermatite), na conjuntiva (fotoconjuntivite) e na córnea (fotoceratite), além de lesões que levam ao envelhecimento da pele das pálpebras (fotoenvelhecimento). O sol intenso também provoca o pterígio e afeta o cristalino (catarata) e a retina (degeneração da mácula relacionada à idade)”, afirmou a especialista.

Diante deste cenário, a oftalmologista elaborou algumas dicas para proteção dos olhos no verão.

Confiram a seguir:

• Óculos escuros.

Os tenha sempre por perto. Eles são fundamentais para a proteção dos olhos, pois filtram a radiação emitida pelo sol. E ao comprar seus óculos, veja se têm proteção UV.

• Sombra e água fresca.

Utilize bonés e chapéus e busque áreas com sombras. Eles também ajudam na proteção dos raios solares.

• Areia.

Não só o sol, mas também a areia pode entrar nos olhos e arranhar a córnea, portanto, atenção também a este aspecto.

• Conjuntivite.

Evite se contaminar com essa doença comum de verão. Lave sempre as mãos, evite ambientes fechados e coçar os olhos.

• Idosos.

Os olhos dos idosos merecem atenção especial no verão. Além de todos os cuidados acima, também é recomendado o uso de um colírio lubrificante, já que nessa idade o olho seco é mais comum.

Xô celular.

E já que é verão e os dias quase sempre são muito agradáveis, desconecte-se um pouco. Nesta época, é importante que crianças e adultos, deixem de lado os celulares, tablets e TVs e, com os devidos, cuidados, busquem o lazer externo. E para aqueles que preferem ficar em casa, vale lembrar que é preciso descansar os olhos por 10 minutos a cada uma hora conectado.

Leia mais:  Avanço do sarampo em estados vizinhos alerta para manutenção da imunização
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana