conecte-se conosco


Segurança

Pinheiros: Suspeito de participar de mega esquema de lavagem dinheiro é preso

Publicado

O indivíduo, de 66 anos, teria movimentado mais de R$ 7 milhões, por meio de uma empresa fictícia, dentro do esquema descoberto durante a operação Piànjú

Mais um suspeito de integrar a organização criminosa desarticulada durante a operação Piànjù, deflagrada há um mês pela Polícia Civil e Ministério Público Estadual (MPES), foi preso na quarta-feira (13). O indivíduo, que, de acordo com as investigações, teria movimentado mais de R$ 7 milhões, por meio de uma empresa fictícia, foi detido no município de Pinheiros, no norte do estado.

De acordo com o MPES, o suspeito, de 66 anos, era considerado foragido. Contra ele, havia quatro mandados de prisão preventiva em aberto. O homem foi detido no bairro Jundiá e não resistiu à prisão.

Ainda segundo as investigações, o suspeito possui pelo menos dez carteiras de identidade falsas, o que constitui crime de falsidade ideológica. Segundo o MPES, os documentos eram materialmente verdadeiros e foram emitidos pela própria Superintendência de Polícia Técnico-Científica (SPTC) da Polícia Civil. No entanto, os dados contidos nos documentos eram falsos.

Após ser preso, o suspeito foi encaminhado para a Divisão Especializada de Furtos e Roubos de Veículos (DFRV) e, depois de passar pelos procedimentos de praxe, foi encaminhado ao Centro de Triagem de Viana (CTV). A prisão foi efetuada por policiais civis da DFRV, em conjunto com agentes do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), e contou com o apoio da Delegacia de Polícia de Pinheiros e do serviço reservado da PM.

Operação Piànjú

A operação Piànjú foi deflagrada no último dia 15 de dezembro e desarticulou uma organização criminosa, com atuação interestadual e internacional. Dez empresários foram detidos na ocasião — quatro no Espírito Santo, cinco em São Paulo e um no Ceará.

A operação ocorreu de forma simultânea em quatro estados. No Espírito Santo, foram cumpridos mandados de prisão e de busca e apreensão nos municípios de Vitória, Vila Velha, Serra e Cariacica. Em São Paulo a operação foi realizada na capital, em Santos e em Jaguariúna. Também foram cumpridos mandados em Fortaleza (CE) e em Maceió (AL).

 

Leia mais:  Homem promete vaga de emprego para estuprar candidatas em SP

Investigações

A operação Piànjù é fruto de uma investigação conduzida por dois anos que encontrou uma célula de uma organização criminosa que atuava no Espírito Santo. Essa associação, segundo as investigações, era composta por dois grandes empresários capixabas e diversos outros membros, que agiam como “prestadoras de serviços” de lavagem de capitais para outras organizações criminosas.

De acordo com a PCES e o MPES, o grupo criminoso desarticulado atuava de forma estruturada com a finalidade de praticar diversos crimes, entre eles: organização criminosa, lavagem de dinheiro, falsificação de documentos públicos e particulares, inserção de dados falsos em sistemas informatizados, falsidade ideológica, estelionato e falsa comunicação de crime.

O esquema criminoso foi descoberto a partir de um falso comunicado de roubo de um caminhão. Foi verificado que o caminhão não existia fisicamente e que só constava no banco de dados do Detran e do Renavan. Esses caminhões “fantasmas”, segundo as investigações, serviam de patrimônio para empresas, para que pudessem enviar dinheiro para a China e para os Estados Unidos.

Na primeira fase da investigação, identificou-se que o dinheiro era enviado por determinadas empresas envolvidas em outros crimes. Agora, está em apuração se esses recursos pertenciam às companhias do Espírito Santo e de quais atividades eram provenientes. De acordo com as investigações, os empresários capixabas ficavam com uma parte do dinheiro e enviavam o restante para fora do país, pagando impostos para fugir das fiscalizações dos órgãos de controle.

Leia mais:  Preso suspeito de golpes virtuais contra médicos e seus familiares
publicidade

Segurança

VÍDEO | Suspeito rouba celular e é atropelado por namorado da vítima em Vila Velha

Publicado

Um homem flagrou o momento exato em que a namorada teve o celular roubado e avançou com o carro para cima do suspeito, que estava de bicicleta, no bairro Itapoã, em Vila Velha. Ao ser atropelado, ele ainda tentou fugir, mas acabou sendo agredido por pessoas que passavam pela região.

Nas imagens, é possível ver toda a ação.  A mulher estava em uma calçada, mexendo no celular, quando o homem passa, se aproxima dela e, de repente, puxa o aparelho das mãos da vítima. O motorista que seguia pela rua flagrou a ação e então foi com o veículo na direção do criminoso. O suspeito chegou a cair, levantou-se em seguida e conseguiu correr.

O motorista do veículo é namorado da jovem assaltada. Ele contou que viu o suspeito se aproximando e não pensou duas vezes antes de agir. “Por coincidência, sorte, no momento em que eu estava chegando,  vi o assalto. Ele estava portando uma arma, que a gente não sabe se era de verdade. Eu tentei fechar ele com o carro para evitar que ele fugisse. Só que ele caiu da bicicleta e continuou correndo a pé. Eu fui atrás e ele poderia ter sido pego antes, mas não foi porque a arma assustou os demais”, afirmou o condutor, que não quis ser identificado.

A ação do criminoso foi rápida, mas ele não conseguiu ir muito longe, pois foi alcançado por populares e agredido com chutes e socos. O crime aconteceu na tarde de quarta-feira (24), e de acordo com a Guarda Municipal, a arma, que supostamente foi usada pelo criminoso durante o assalto, teria sido levada por alguém que passava pelo local antes da chegada dos agentes. Essa pessoa não foi identificada. 

Antes de dar entrada na Delegacia Regional de Vila Velha, o suspeito foi levado ao ´Pronto-Atendimento. 

Leia mais:  Família usava animais maltratados para arrecadar dinheiro para uso próprio, diz polícia
Continue lendo

Segurança

Família usava animais maltratados para arrecadar dinheiro para uso próprio, diz polícia

Publicado

Pai, mãe e filha foram indiciados pela Polícia Civil por estelionato e maus-tratos a animais. Em janeiro, 11 animais foram encontrados mortos em um apartamento

Os três membros de uma mesma família, envolvidos no caso dos animais que foram encontrados mortos e em situação de maus-tratos, em um apartamento de Vila Velha, em janeiro deste ano, foram indiciados por maus-tratos a animais e por estelionato. Além disso, a Polícia Civil solicitou a prisão dos suspeitos.

O inquérito que apurou o caso foi concluído pela Delegacia Especializada de Proteção ao Meio Ambiente (DPMA), da Polícia Civil. De acordo com o titular da DPMA, delegado Eduardo Passamani, além de cometerem o crime de maus-tratos, pai, mãe e filha são suspeitos de utilizarem o dinheiro arrecadado com doações para os animais para uso próprio. 

Segundo o delegado, os envolvidos postavam, nas redes sociais, fotos dos animais mais debilitados, justamente para sensibilizarem as pessoas a realizarem doações de valores maiores. No entanto, de acordo com as investigações, as doações não eram revertidas em melhorias para os animais, que eram abandonados no apartamento no centro de Vila Velha.

Segundo Passamani, uma das testemunhas que prestou depoimento ao longo do inquérito disse que doou uma quantia a um animal que estava morto há cerca de dois anos. Além disso, o dono de um terreno que os suspeitos estariam pleiteando para construírem a sede do abrigo para animais abandonados disse à polícia que não recebeu qualquer dinheiro da família para a compra do bem. Segundo a polícia, eles chegaram a arrecadar, com doações pedidas pela internet, cerca de R$ 25 mil para adquirirem esse terreno.

O delegado revelou ainda que algumas testemunhas afirmaram ter sido ameaçadas pelo pai da família. Segundo Passamani, o homem chegou a postar fotos, nas redes sociais, em que estava armado.

O inquérito finalizado pela Polícia Civil agora será encaminhado para a apreciação do Ministério Público Estadual (MPES). As investigações foram conduzidas em conjunto com a CPI dos Maus Tratos, da Assembleia Legislativa do Espírito Santo (Ales).

Depoimento

Pai, mãe e filha haviam sido convocados para prestar depoimento, nesta quarta-feira (24), na CPI dos Maus-Tratos da Ales. No entanto, eles não estiveram na sede do Legislativo capixaba. Durante a tarde, um grupo de manifestantes se reuniu na porta da Assembleia para protestar contra os três suspeitos.

“Essa era uma oportunidade deles esclarecerem os fatos e se defenderem. Essa ausência só mostra a falta de compromisso dos três com a causa animal. Nós já estávamos de posse dos depoimentos que eles prestaram à Polícia Civil e por tudo que ouvimos aqui hoje das testemunhas temos provas de que eles exploravam os animais resgatados para arrecadar dinheiro, por meio de vaquinhas virtuais em redes sociais. Vamos pedir imediata prisão dos envolvidos”, declarou a deputada Janete de Sá, presidente da CPI.

Relembre o caso

O caso veio à tona no dia 8 de janeiro deste ano, quando a Guarda Municipal de Vila Velha encontrou um apartamento, no centro da cidade, cheio de animais vivendo em situação precária. A sujeira e o mau cheiro tomavam conta de todo o apartamento. Além de fezes e urina, os agentes encontraram 11 animais mortos no local — seis cães e cinco gatos. 

Outros quatro cachorros foram encontrados vivos. No entanto, imagens registradas por agentes da Guarda mostraram o estado de desnutrição dos animais, que viviam praticamente sem água e comida. 

A corporação foi acionada por moradores do prédio. Como a moradora do apartamento não estava no local, no momento da abordagem, e nem foi encontrada, o síndico precisou chamar um chaveiro para que a porta fosse aberta. Segundo informações obtidas pela Guarda na ocasião, havia mais de 15 dias que a moradora não aparecia no local.

Uma equipe da Secretaria Municipal de Meio Ambiente esteve no local, com a presença de uma agente veterinária, para avaliar a situação dos animais. Os animais vivos foram levados para um rancho.

No decorrer das investigações, um abrigo mantido pela mesma família foi interditado na Serra, no dia 20 de janeiro. Durante a ação, realizada pela Delegacia Especializada de Proteção ao Meio Ambiente (DPMA), CPI dos Maus Tratos da Assembleia Legislativa e Conselho Regional de Medicina Veterinária (CRMV), foram resgatados 34 animais. 

Segundo os responsáveis pela operação, o local onde os animais estavam aparentava pouca salubridade. Apesar disso, os fiscais do CRMV informaram que os cães não apresentavam sinais de maus-tratos.

Leia mais:  Visitas sociais serão retomadas nos presídios do Estado no dia 10 de agosto
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana