conecte-se conosco


Segurança

Plano Estadual de Segurança Pública é entregue durante reunião do Programa Estado Presente

Publicado

O documento de apresentação do Plano Estadual de Segurança Pública e Defesa Social 2019-2022 foi entregue, oficialmente, ao governador Renato Casagrande, durante a reunião de alinhamento do programa Estado Presente em Defesa da Vida, realizada na manhã desta terça-feira (14), no Palácio da Fonte Grande, em Vitória.

Dentro do plano estão todas as ações previstas do Governo do Estado na área da Segurança Pública nos quatro anos. O documento foi elaborado em conjunto por representantes das Polícias Civil e Militar, do Corpo de Bombeiros e Detran|ES, com apoio técnico da Secretaria de Economia e Planejamento (SEP) e do Instituto Jones dos Santos Neves (IJSN).

O governador lembrou que o Plano é uma exigência para o recebimento de recursos do Fundo Nacional de Segurança Pública, que serão utilizados no trabalho que o Governo do Estado vem realizando na retirada de homicidas da sociedade.

“Ter o Plano Estadual é importante para o alinhamento das ações e para que possamos continuar a pôr em prática as estratégicas que estão dando certo na redução dos crimes no Espírito Santo. Temos um longo caminho a percorrer pela frente, mas os números nos mostram que estamos seguindo o caminho certo”, apontou Casagrande.

O secretário de Estado da Segurança Pública e Defesa Social, Roberto Sá, lembrou que o Espírito Santo cumpre, antes mesmo do prazo determinado pelo Governo Federal, mais uma condição para o recebimento da verba do Fundo Nacional da Segurança Pública. O Conselho Estadual já havia sido criado oficialmente em dezembro, também durante a reunião do Estado Presente.

Leia mais:  Policial que faz segurança de senador é espancado em Vitória

“Esse Plano vai ser um norte nas ações de Segurança Pública do Espírito Santo. Nós conseguimos finalizar o documento, que já está disponível no site da Sesp para acesso público. Essa é mais uma ação que mostra todo o planejamento que temos para combate à violência no Estado” afirmou Sá.

O secretário de Estado de Economia e Planejamento, Álvaro Duboc, destacou a importância de se planejar as ações, antes da execução, principalmente em uma área fundamental, como a Segurança Pública.

“O planejamento é essencial para que a gestão governamental produza resultados em prol da sociedade. Nesse contexto, parabenizo a Sesp pela elaboração do Plano Estadual de Segurança Pública e Defesa Social. Uma ferramenta de gestão construída a muitas mãos, que traz uma sólida base de conhecimentos adquiridos, estratégias e metodologias experimentadas no âmbito do Programa Estado Presente”, ressaltou Duboc.

Estado Presente

Na primeira reunião de avaliação e monitoramento do Programa Estado Presente no ano de 2020, o governador Casagrande agradeceu às forças policiais e demais instituições do sistema de Segurança e Justiça pelo trabalho que resultou na redução histórica do número de homicídios dolosos, em 2019, quando o Estado registrou menos de mil casos. Além disso, conclamou a equipe a continuar na caminhada pela obtenção de resultados ainda melhores neste novo ano.

Leia mais:  Sargento da PM é baleado durante tentativa de assalto

Para o secretário Álvaro Duboc, apesar do grande desafio do enfrentamento do fenômeno da violência, que é multicausal, algumas estratégicas do Programa Estado Presente se mostram eficientes. Duboc cita o enfrentamento à impunidade, a transversalidade da política pública, o envolvimento compartilhado de responsabilidade das agências policiais e, principalmente, a liderança do governador. “Com isso, nosso governo entregou à sociedade capixaba, em 2019, o menor índice de homicídios dos últimos 27 anos”, disse.

“Essa é uma conquista da sociedade, se lembrarmos que em 2009 tivemos 2.034 homicídios, enquanto que em 2019 o número foi de 978, o que significa que em um ano conseguimos preservar quase mil vidas.  Em 2020, continuamos empenhados em avançar ainda mais com o programa de enfrentamento à violência letal no Espírito Santo”, acrescentou Duboc.

O secretário Roberto Sá destacou ainda que os números são históricos, mas ainda há um desafio muito grande pela frente para que essa redução seja cada vez maior. “Em 2019 só temos a agradecer às nossas forças policiais pelo empenho e dedicação, fazendo mais com menos efetivo. O desafio será grande para 2020, de pelo menos manter essa curva de redução e cada vez perdermos menos vidas”, afirmou.

publicidade

Segurança

PMs presos em operação são suspeitos de fazer parte de grupo de extermínio no ES

Publicado

Ministério Público apresentou denúncia contra cinco suspeitos presos na semana passada, entre eles os três PMs. Eles teriam participado do assassinato de um rapaz, em fevereiro deste ano, como forma de vingar a morte do sargento Romania

As cinco pessoas presas em uma operação do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), na última sexta-feira (13), são investigadas por integrarem um suposto grupo de extermínio que atua no bairro Itararé, em Vitória.

Os suspeitos foram denunciadas pelo Ministério Público do Espírito Santo (MPES) pelo assassinato de Felipe Antônio Alves Chaves, de 18 anos, morto no dia 21 de fevereiro deste ano, na região. Entre os investigados, três são policiais militares.

Segundo o Ministério Público, os policiais investigados são Ronniery Vieira Peruggia, José Moreno Valle da Silva e Welquerson Cunha de Moraes. Já os outros dois suspeitos são Walace Luiz dos Santos Souza e Glaydson Alvarenga Soares.

A denúncia do MPES aponta que os investigados teriam assassinado Felipe com 15 tiros, como forma de vingança pela morte do sargento Marco Antônio Romania, que havia sido morto poucos dias antes, em Joana D’Arc, também na Capital.

Os anexos do documento mostram que, no dia da morte de Felipe, câmeras de segurança da Prefeitura de Vitória flagraram quatro pessoas em um carro, modelo Honda Civic, e outras duas em uma moto. O garupa da motocicleta usava um colete à prova de balas da Polícia Militar.

Segundo a denúncia, a placa do carro usado no dia do crime era fria. O dono do veículo foi procurado pelos investigadores e informou que vendeu o automóvel, em setembro de 2020, para o policial Ronniery.

Leia mais:  Operação da Sefaz apreende mais de R$ 1 milhão em bebidas sem notas fiscais

Com base nas investigações, o Gaeco chegou à conclusão que o piloto da moto bloqueou a rua no dia do crime. Ele estaria acompanhado de Glaydson, apontado pelo Gaeco como o possível carona no momento do homicídio de Felipe.

Ainda segundo o MPES, Glaydson também é responsável pelo perfil nas redes sociais do suposto grupo de extermínio. Após análises das provas, o Gaeco chegou à conclusão de que os cinco homens são os executores do assassinato de Felipe.

“No horário do homicídio, que foi durante a madrugada do dia 21, ele estava em sua residência, com esposa e filhos. Ele saiu do trabalho por volta de meia-noite, 1h, e foi direto para a residência — pelo menos no que consta no relato dele —, onde permaneceu até o dia seguinte, quando voltou ao trabalho”, disse o advogado.

A defesa afirma ainda que existe uma contradição na denúncia do Gaeco. “Na representação, ora o meu cliente está no banco do carona, em um veículo, ora ele está no carona da motocicleta. Está uma coisa tão fantasiosa contra o Glaydson que sequer sabem onde ele estava — ou no veículo ou na motocicleta”, alegou.

O advogado também nega a participação do cliente em um suposto grupo de extermínio. “É um grupo de WhatsApp. Não de grupo de extermínio, mas de pessoas que trabalham na segurança pública e privada, outras pessoas que são admiradoras também. Mas ali não quer dizer que seja um grupo de extermínio. Da mesma forma que, com certeza, existem grupos de WhatsApp de promotores, de advogados, de jornalistas, de todas as profissões”, afirmou.

Leia mais:  Sargento da PM é baleado durante tentativa de assalto

A defesa garante a inocência de Glaydson e alega que a prisão é injusta. “Teve uma delação de um dos acusados, onde delatou o nome de alguns supostos participantes. As imagens não mostram nitidamente esses participantes. São suposições baseadas numa delação. E o delator, em momento algum, cita o nome do Glaydson”, ressaltou Martins.

Já a defesa de Walace Luiz dos Santos Souza informou que, neste momento, não vai se pronunciar. A reportagem ainda não conseguiu contato com a defesa dos três policiais militares.

De acordo com a Secretaria de Estado da Justiça (Sejus), Glaydson e Walace estão presos na Penitenciária de Segurança Média 1, em Viana.

O que dizem a Polícia Militar e o Ministério Público

Por meio de nota, a Polícia Militar do Espírito Santo informou que prestou apoio em uma operação policial decorrente de investigação conduzida pela 14ª Promotoria de Justiça Criminal de Vitória, com apoio do Gaeco-MPES, no cumprimento de mandados de prisão e de busca e apreensão. 

No entanto, disse que o fato está sob sigilo judicial decretado e que não há detalhes que possam ser divulgados.

A produção da TV Vitória também pediu uma entrevista ao Ministério Público, sobre a acusação. No entanto, a assessoria de comunicação do órgão respondeu que ninguém pode falar sobre o caso porque o processo está sob sigilo.

Continue lendo

Segurança

PCES participará de desfile cívico em comemoração à Colonização do Solo Espírito-santense

Publicado

A Polícia Civil do Espírito Santo (PCES) participará do desfile cívico em comemoração à Colonização do Solo Espírito-santense, em Vila Velha, na próxima segunda-feira (23).  A solenidade contará com a presença integrantes Marinha, Exército, Corpo de Bombeiros Militar do Espírito Santo (CBMES), Polícias Militar do Espírito Santo (PMES) e Civil do Espírito Santo (PCES), Guardas Municipais, escolas de samba e 78 escolas municipais, entre outros.

O Desfile acontecerá na Avenida Jerônimo Monteiro, a partir das 8h, em Vila Velha, e marca ainda a celebração do aniversário dos 487 anos do município. Representando a PCES, participarão do evento os policiais da Coordenadoria de Operações e Recursos Especiais (Core), além da Delegacia Regional de Guarapari (SPRM), Departamento de Identificação (DEI), Divisão Especializada em Atendimento à Mulher (DEAM) – Projeto Homem que é homem, Delegacia móvel e a especializada Delegacia de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP), Delegacia Especializada em Investigações Criminais (DEIC), DFRV e Gabinete do Delegado-Geral.

O delegado-geral da PCES, José Darcy Arruda, ressalta que essa é uma data muito importante, que possibilita o agradecimento. “Sou um colono tardio, e só tenho a agradecer a essa terra e povo que me receberam com tanto carinho. É uma honra viver no Espírito Santo. Convido a todos para celebrar a data e, por que não, refletir sobre como podemos contribuir para tornar nosso Estado cada vez mais próspero e seguro”, conta.

Leia mais:  Policial que faz segurança de senador é espancado em Vitória

Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana