conecte-se conosco


Medicina e Saúde

Proliferação de festas de verão desafia sistema de saúde em cidades menores

Publicado

Pandemia de coronavírus avança, mas promotores e frequentadores de eventos seguem exercendo pressão por retomada do setor

Apesar de passada a virada do ano, as festas deste período de verão e de férias seguem pressionando os gráficos que registram o avanço do contágio e as mortes pelo coronavírus. Com autorização ou clandestinas, elas se tornaram assunto constante nas redes sociais nas quais são divulgadas – e, em proporções semelhantes, denunciadas.

Essa retomada conturbada do setor de eventos coloca em campos opostos os cientistas, que temem o terreno livre para a contaminação, e os empresários, que alegam não aguentar mais prejuízos após quase um ano de restrições pesadas.

Chama a atenção que parte considerável das festas tem ocorrido em cidades turísticas interioranas, onde não costuma haver uma rede hospitalar complexa, preparada para atender, por exemplo, pacientes graves de Covid-19.

Metrópoles conversou com o administrador de um perfil no Twitter dedicado a denunciar aglomerações festivas, o Brazil Covid Fest, que disse (sem se identificar, porque a divulgação tem lhe rendido ameaças) que o fenômeno é nacional e não há um perfil específico de festeiros que se enquadrem como típicos irresponsáveis, apesar de jovens serem maioria nos eventos. “Aglomeração existe na esquerda, na direita, no centro”, afirma ele, que tem recebido muitas denúncias de festanças promovidas por políticos.

O perfil divulgou, apenas nos primeiros dias de 2021, grandes festas em locais afastados das capitais, em praias como Pipa e São Miguel do Gostoso, no Rio Grande do Norte, ou na Ilha de Javah, em Salinópolis, no Pará, cidade que já registrou 55 mortes pela doença. Além de comemorações da posse de prefeitos nas cidades maranhenses de Riachão e de São José dos Basílios e um megashow de forró em Campo Maior, no interior do Piauí – onde não há leitos de UTI para tratar Covid-19, e os casos graves, como o de um médico da cidade, precisam ser transferidos para Teresina.

Veja exemplos:

A pessoa responsável pelo perfil de denúncia diz acreditar que a ação tem o poder de constranger promotores e participantes desses eventos, e diz que vê mobilizações semelhantes em outras redes, como Instagram e Facebook. “Eu recebo denúncias em comentários e vou no perfil de participantes e artistas para confirmar se o vídeo é atual. Normalmente eles postam, divulgam. Mas quando a gente mostra e pega mal, muita gente apaga o perfil, deixa privado. Teve o caso de um médico que, depois de ser flagrado, foi muito cobrado – ele e o hospital. Então, tem um efeito, sim”, afirma.

Essas aglomerações também têm sido noticiadas por veículos de imprensa em todo o Brasil. As grandes festas de posse dos novos prefeitos foram registradas nesta semana. Na terça (5/1) uma festa, sem nenhuma medida de prevenção ao novo coronavírus, realizada por vereadores da cidade de Monteiro, interior da Paraíba, após eleição da mesa da Câmara local.

Com comida, música e danças, o local foi tomado por parlamentares, correligionários e apoiadores, que pareciam não se preocupar com a possibilidade de contaminação pelo vírus e a disseminação do mau exemplo. Imagens da festa se espalharam nas redes sociais, e o material viralizou.

Os perigos

As festas podem acontecer em cidades paradisíacas do interior, mas atraem um público que vive nos grandes centros, onde o vírus circula mais. “Não há dúvidas de que teremos nos próximos dias e semanas um aumento de casos e mortes relacionados a essas aglomerações. Tanto na população que vive onde acontecem as festas quanto entre quem viaja, além dos familiares dessas pessoas”, avalia o epidemiologista José Cassio de Moraes, consultor da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco).

O especialista ouvido pela reportagem diz que não é completamente contra a reabertura no setor de turismo e lazer, mas avalia que seria importante focar em passeios ao ar livre e evitar festas. “Dá para manter distanciamento social em uma viagem de turismo, mas em uma aglomeração de festa é muito difícil. As pessoas ali bebem, estão sem máscara, falam alto, se abraçam, é um ambiente muito propício para a propagação do coronavírus”, explica o epidemiologista.

Leia mais:  O que é imunidade cruzada e como pode proteger contra a covid-19
publicidade

Medicina e Saúde

Risco de pegar covid-19 tocando superfície contaminada é de 1 em 10.000, diz estudo nos EUA

Publicado

Autoridades sanitárias do país minimizam o risco de contrair a doença através de objetos e afirmam que em situações normais basta limpá-los com sabão

O uso de desinfetantes é desnecessário para combater o coronavírus SARS-CoV2 na maioria das situações cotidianas, embora vendam feito pão quente. Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDCs, na sigla em inglês) dos Estados Unidos reviram todas as informações científicas relacionadas ao contágio de covid-19 através de superfícies e concluíram que basta limpá-las com sabão ou detergente comum, sobretudo porque o contágio pelo toque em uma superfície contaminada é extremamente raro. Os CDCs se atrevem a estimar uma cifra: menos de um contágio a cada 10.000 vezes que se toca um objeto com coronavírus.

Os CDCs já haviam deixado claro meses atrás que o risco de contaminação por essa via é mínimo, mas agora fizeram uma análise específica. “Devido aos muitos fatores que afetam a eficiência da transmissão ambiental, o risco relativo de transmissão do SARS-CoV-2 por fômites é considerado baixo em comparação com o contato direto, a transmissão por gotículas ou a transmissão aérea”, afirmam os especialistas em sua revisão. Fômite é o nome dado a um objeto inanimado capaz de absorver, transportar ou transmitir um agente infeccioso. Os cientistas continuam considerando que, no caso da covid-19, o mais perigoso é o contato direto com uma pessoa contagiada, que ao falar, tossir etc. gera gotículas de diferentes tamanhos que podem ser inaladas por outra pessoa. Os CDCs ressaltam que as máscaras e a limpeza das mãos também são uma boa estratégia contra o possível contágio por superfícies.

O Centro Europeu para a Prevenção e Controle de Doenças (ECDC) também informa em seus manuais que esta via de contágio é a menos provável e destaca que, após milhões de casos de covid-19 em todo o mundo, nunca foi registrada uma transmissão através de fômites. Os CDCs informam ainda que, como acontece com o contágio ao inalar o vírus em suspensão, os ambientes externos também são menos perigosos para a infecção através de superfícies, “devido à diluição e o movimento do ar, assim como as condições ambientais mais difíceis, como a luz solar”.

Todos os organismos e autoridades sanitárias desaconselham a fumigação ou nebulização nos ambientes, e o novo documento dos CDCs reitera a orientação de que isso não é nem útil nem seguro―só recomenda o uso de desinfetantes especiais, além do sabão normal, “em situações nas quais houve um caso suspeito ou confirmado de covid-19 em ambientes internos nas 24 horas anteriores”.

Leia mais:  Mais quatro hospitais no Estado se tornam referência para atendimento a casos suspeitos do Covid-19
Continue lendo

Medicina e Saúde

Infectados devem esperar um mês antes de vacinar contra covid-19

Publicado

Segundo infectologista, intervalo é contado a partir de 14 dias depois do diagnóstico positivo da infecção pelo coronavírus

O Brasil registrou até esta sábado (10) 13.445.006 pessoas infectadas desde o início da pandemia, cerca de 6% da população brasileira. No momento em que a vacinação contra a covid-19 está sendo realizada no país, uma das dúvidas mais comuns é o que muda no caso de quem já teve a doença quando da aplicação da vacina.

Segundo o infectologista Hemerson Luz, quem já teve a covid-19 deve esperar ao menos um mês antes de tomar a vacina contra a doença. Esse intervalo é contado a partir de 14 dias depois do diagnóstico positivo, quando foi convencionado que a pessoa se livra do vírus.

Ele explica que ainda não há publicações e estudos demonstrando efeitos, mas que médicos têm adotado esse tempo mínimo para evitar potenciais efeitos adversos.

Se a pessoa tiver com a doença aguda, com febre e com sintomas da covid-19, ela não deve se vacinar. Antes disso, deve procurar um médico para receber orientações e ter um diagnóstico se está ou não com a covid-19.

“Se tiver com sintomas vou esperar encerrar o meu quadro. Se eu tiver com sintomas, tenho que procurar o médico para verificar o diagnóstico. Se tiver infectado, tem que aguardar até resolver o quadro e aí depois de 30 dias”, explica o infectologista.

Luz lembra que a vacina pode causar efeitos adversos, em geral no local da aplicação, como inchaço, vermelhidão, febre ou indisposição. Mas essas reações não duram mais de 48 horas e podem ser tratadas com remédios como analgésicos e antitérmicos.

O infectologista alerta que quem já foi infectado pode contrair a covid-19 novamente, mas o quadro deve ser brando. “A [vacina] CoronaVac tem eficácia de 50% para pegar a doença, mas é 100% eficaz contra o caso grave. A [vacina] Oxford/AstraZeneca é um pouco mais efetiva, a 70%, mas mesmo assim existe possibilidade de ficar doente”, disse.

O infectologista ressalta a importância da vacinação mesmo para quem já teve a covid-19. E acrescenta que não é preciso ter receio, pois não há chance da vacina causar doenças. Mesmo aquelas que utilizam vírus inativados não têm qualquer possibilidade de replicação do vírus no organismo.

Leia mais:  AO VIVO I Secretário Nésio Fernandes atualiza sobre a pandemia de covid no ES
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana