conecte-se conosco


Internacional

Protesto leva milhares de pessoas às ruas na França

Publicado

Franceses foram às ruas neste sábado contra projeto de lei que tem como cláusula mais relevante a proibição de cidadãos filmarem ações policiais

A Promotoria de Paris informa que ao menos 27 pessoas foram presas na capital francesa durante um protesto, neste sábado (28) contra um projeto de lei que prevê que cidadãos não possam filmar ações policiais, informa a emissora de TV parisiense BFMTV.

Em todo o país, organizadores estimam que 500 mil pessoas foram às ruas para criticar a chamada “lei S”, de segurança global. Já o Ministério do Interior afirma que foram 133 mil manifestantes.

Ao mesmo tempo, o chefe de Estado pediu a seu governo que fizesse propostas rapidamente para reafirmar o vínculo de confiança que naturalmente deveria existir entre o povo francês e aqueles responsáveis por protegê-lo

O projeto de lei, que foi aprovado em primeira leitura pela assembleia nacional nesta semana antes de ir ao senado, o que deve acontecer em janeiro, focaliza o artigo 24, que pune a divulgação de imagens de agentes com a intenção de prejudicá-los com até um ano de prisão e uma multa de 45 mil euros, cerca de R$ 287 mil.

A manifestação deste sábado coincidiu com a data em que comerciantes foram autorizados a reabrir as portas, após um lockdown de duas semanas determinado pelo governo.

A polêmica lei que visa limitar a disseminação de imagens das forças da ordem na França foi alvo neste sábado (28) de mais um grande protesto, que denunciou um cerceamento da liberdade e terminou com incidentes

A líder da extrema-direita francesa, Marine Le Pen, aproveitou a ocasião para criticar os protestos.

“Como eu esperava, o dia da reabertura dos nossos pequenos comerciantes é desperdiçado, em Paris, pelas milícias de extrema esquerda. Os franceses estão fartos dessas imagens de saques permanentes”, escreveu no Twitter.

Os incidentes aconteceram na capital quando chegaram à Bastilha, com algumas pessoas encapuzadas destruindo material urbano e a polícia jogando gás lacrimogêneo para tentar contê-los

O principal foco de manifestações na capital da França foi na praça da Bastilha, onde houve atos de vandalismo. Grupos colocaram fogo em uma banca de jornal e uma cervejaria.

Por volta das 20h30 (16h30 no horário de Brasília), os manifestantes já haviam se dispersado, de acordo com a BFMTV.

Leia mais:  Veneza sofre pior inundação em 50 anos e água chega a quase 2 metros
publicidade

Internacional

Terremoto na Indonésia deixa mortos e dezenas de feridos

Publicado

Milhares tiveram de deixar suas casas. Agência meteorológica do país alertou para risco de tremores secundários, fortes o suficiente para produzirem um tsunami.

Um terremoto de magnitude 6,2 atingiu nesta sexta-feira (15) a ilha de Sulawesi, na Indonésia. Ao menos 35 pessoas morreram e outras dezenas ficaram feridas, segundo o governo local.

Milhares de pessoas tiveram de deixar suas casas após o tremor.

O governo indonésio diz que dezenas de casas, dois hotéis e um prédio público que abriga o escritório do governador ficaram severamente danificados pelos tremores.

A agência meteorológica do país alertou para o risco de tremores secundários, fortes o suficiente para produzirem um tsunami.

O epicentro do tremor ocorreu a 18,4 km de profundidade e a 6 km da cidade de Majene, de acordo com o Serviço Geológico dos Estados Unidos (USGS), que monitora a atividade sísmica pelo mundo.

MAPA: Terremoto na Indonésia — Foto: G1 Mundo

Círculo de Fogo do Pacífico

A Indonésia fica na região conhecida como Círculo de Fogo do Pacífico, com intensa atividade sísmica devido ao encontro entre placas tectônicas. Terremotos e vulcões são comuns na área, e frequentemente países com litoral no Pacífico sofrem com os efeitos de fenômenos do tipo.

Leia mais:  Kim Jong-Un chora e pede desculpas ao povo da Coreia do Norte
Continue lendo

Internacional

Pence descarta invocar 25ª Emenda para destituir Trump

Publicado

Emenda alega que presidente não tem condição de comandar o país. Presidente diz que há ‘risco zero’ de sair até semana que vem

O vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, descartou na noite de terça-feira (12) que invocará a 25ª emenda à Constituição do país para destituir o presidente em fim de mandato, Donald Trump, uma manobra defendida por congressistas do Partido Democrata, em especial a presidente da Câmara dos Representantes, Nancy Pelosi.

“Não acredito que tal curso de ação seja do melhor interesse de nossa nação ou seja consistente com nossa Constituição”, disse Pence em carta enviada a Pelosi.

A Câmara está se preparando para votar uma resolução para cobrá-lo a ativar esse procedimento. Isso porque, sob a seção quatro dessa emenda, o vice-presidente e uma maioria do gabinete de governo podem declarar o presidente sem condições de liderar o país.

Se o presidente se opusesse e não houvesse um acordo, o Congresso resolveria a disputa.

“Na semana passada, não cedi a pressões para exercer além de minha autoridade constitucional para determinar o resultado da eleição, e não cederei agora aos esforços da Câmara dos Representantes para jogar jogos políticos em um momento tão sério na vida de nossa nação”, declarou Pence.

O vice-presidente fez uma alusão tácita à pressão de Trump para que ele interferisse na sessão única das duas casas do Congresso que foi convocada na semana passada para ratificar a vitória de Joe Biden na eleição presidencial de novembro do ano passado.

Pence advertiu que o uso desta emenda, criada após o assassinato do presidente John F. Kennedy em 1963 e em meio à Guerra Fria para proteger o governo em casos de doença súbita do presidente, “abriria um precedente terrível”.

“Peço a você e a todos os membros do Congresso para que evitem ações que dividiriam e inflamariam ainda mais as paixões do momento”, acrescentou o vice.

“Prometo que continuarei a fazer minha parte para trabalhar de boa fé com a administração entrante para garantir uma transição ordenada de poder”, concluiu.

Horas antes, em um discurso durante sua visita ao muro na fronteira com o México, Trump disse que há “risco zero” de ser destituído sob o processo estabelecido pela 25ª emenda.

Após a invasão do Capitólio ocorrida no último dia 6 e que deixou cinco pessoas mortas, incluindo um policial, Washington será reforçada com mais de 10 mil membros da Guarda Nacional antes da cerimônia de posse de Biden, na quarta-feira da semana que vem.

 

Leia mais:  Cachorro que nasceu com rabo extra na testa é adotado nos EUA

Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana