conecte-se conosco


Internacional

Quarteto isolado desde fevereiro descobre agora o que é a Covid-19

Publicado

Quatro pessoas podem estar entre as últimas do mundo a serem afetadas pela pandemia.

Uma equipe de quatro pesquisadores viajou para Kure, um atol remoto no Oceano Pacífico que fica a mais de 2.100 quilômetros de Honolulu, Havaí, em fevereiro.

Quando retornaram ao Havaí, o mundo era um lugar diferente. É agora um mundo devastado por um vírus que dizimou empresas, sobrecarregou os sistemas de saúde e impôs novas regras sobre distanciamento social e máscaras faciais.

Durante os oito meses que o grupo passou no atol, não houve acesso à TV, serviço de celular e o acesso à internet em bem limitado. O quarteto dependia de e-mails ocasionais de amigos e familiares para se manter atualizado com o mundo exterior.

“Eu já tinha ouvido algumas coisas sobre isso”, contou Matthew Butschek II, 26 anos, um dos quatro pesquisadores, à CNN. “Mas, depois de ver outras doenças como a SARS e a gripe suína, pensei: ‘É só mais uma. Nada grande’. Eu realmente pensei que isso já teria passado quando a gente voltasse para casa”.

Ele estava errado.

Com quase dez quilômetros de extensão, o atol de Kure fica na orla das ilhas desabitadas do noroeste do Havaí. É um santuário de vida selvagem administrado pelo Departamento de Terras e Recursos Naturais do estado do Havaí, lar de centenas de aves marinhas e focas ameaçadas de extinção. E nenhum humano.

A cada ano, duas equipes são enviadas para o Atol de Kure pelo estado em um cronograma rotativo para conduzir pesquisas no ecossistema da ilha.

Elas ajudam a manter o santuário da vida selvagem, limpando escombros, cuidando das numerosas espécies de pássaros ameaçados que vivem na área e removendo uma planta invasora conhecida como barba de coroa dourada, que está causando estragos no atol.

Matthew Saunter, 35 anos, o líder do acampamento mais recente no atol, já esteve na ilha nove vezes. Ele disse que os pesquisadores voluntários são atraídos pela promessa de isolamento completo.

“É como um pontinho no meio do oceano”, contou Saunter. “Podemos receber mensagens do mundo exterior duas ou três vezes por dia. Esse certamente é o grande apelo da ilha”. O único acesso ao mundo exterior se dava por um endereço de email compartilhado.

Contato com o mundo apenas por e-mail

O quarteto estava programado para partir para o atol de Kure em março para substituir com a equipe anterior, mas acabou indo mais cedo, em fevereiro. Além disso, o grupo ficou um mês além do programado originalmente, fazendo a troca no final de outubro.

Em vez de receber mensagens em seus emails pessoais, a equipe compartilhou um endereço de e-mail comum com o qual amigos e familiares podiam contatá-los. Era o único acesso à internet que eles tinham.

“Realmente ficamos bem distantes”, disse Charlie Thomas, de 18 anos, um dos quatro membros, à CNN. “Eu só tinha visto algumas coisas no noticiário. Lembro-me de voar para Honolulu (em fevereiro) ao mesmo tempo que um voo do Japão chegava. Todo mundo naquele avião estava usando máscaras”.

Com as mensagens que receberam de amigos e familiares, os quatro souberam o que estava acontecendo no mundo. Mas ouvir sobre uma pandemia é muito diferente de vivê-la em primeira mão.

Portanto, ao voltar, eles não tinham ideia do que os esperava.

Distanciamento social atrapalhou o retorno

Agora, o jovem Thomas, o único membro da tripulação que não é dos Estados Unidos, já está de volta com a família na área de Auckland, Nova Zelândia, após uma quarentena de 14 dias em um hotel. Saunter e o quarto membro da tripulação, Naomi Worcester, permaneceram no Havaí enquanto Butschek está com a família no Texas, que se tornou o primeiro estado norte-americano a atingir a marca de um milhão de casos de coronavírus no mês passado.

“Sinto que ainda estou aprendendo os detalhes de tudo”, contou Butschek. “Mas, felizmente, ninguém que eu conheço, nenhum dos meus amigos, foi diagnosticado com Covid-19”.

O distanciamento social e as medidas de quarentena estragaram a alegria do retorno o grupo.

“Tem sido muito estranho”, disse Worcester, 43 anos, a única mulher do grupo. “Acabou aquilo de ter as pessoas esperando no aeroporto. Estou feliz com toda a volta de boa comida, com alimentos não perecíveis, que temos para comer agora. Mas eu não dei um abraço em ninguém desde que voltei”.

Embora a tripulação tenha acabado de se instalar em um mundo que enfrenta uma crise global de saúde, as pesquisas na ilha devem continuar.

“Iniciar o processo de planejamento para a missão tem sido muito desafiador”, disse Saunter. “Mas estamos atualmente em busca de nossa próxima equipe”.

Leia mais:  Irã: comandante diz que ataque com mísseis foi início de uma série
publicidade

Internacional

‘Homem-Aranha’ invade supermercado e briga com clientes e funcionários

Publicado

O homem fantasiado nocauteou uma mulher e causou tumulto no estabelecimento em Londres

Um homem fantasiado de Homem-Aranha invadiu um supermercado em Londres e partiu para cima de clientes e funcionários. O covarde agressor nocauteou uma mulher, que imediatamente caiu no chão. Seis pessoas ficaram feridas e cinco foram presas depois de causarem o tumulto em cenas inacreditáveis e lamentáveis.

Atenção: imagens fortes!

As imagens, que viralizaram na internet, mostram a confusão que aconteceu na noite de quinta-feira (22) em Londres, na Inglaterra. Assustadas, algumas pessoas filmam as cenas de violência, enquanto outras tentam apartar a confusão. Gritos e xingamentos são ouvidos. Veja abaixo um trecho (e um outro momento clicando aqui):

Cinco pessoas foram presas por causa da briga. Segundo o The Sun, duas meninas, de 17 e 18 anos, e três homens, de 31, 35 e 37 anos, foram detidos pela polícia. Uma mulher de 20 anos foi levada ao hospital com ferimentos leves; outras cinco receberam atendimento médico no local.

Homem-Aranha invade supermercado e agride funcionários e clientes (Foto: Reprodução/Twitter)

“A polícia foi chamada às 22:40hrs de quinta-feira, 22 de julho, por causa de um grupo de pessoas envolvidas em um tumulto em um supermercado em Lavender Hill, SW11. Os oficiais compareceram junto ao Serviço de Ambulâncias de Londres. Uma mulher de 20 anos foi levada ao hospital com ferimentos leves. Outras cinco pessoas foram atendidas no local”, disse o porta-voz da polícia ao site Metro.

Não está claro o motivo que teria iniciado a confusão. Nas redes sociais, as pessoas condenaram os agressores que atacaram mulheres e idosos, além de criticarem o fato de ninguém apartar de fato a briga: “Nenhum dos homens ao redor se preocupa em intervir”, criticou uma usuária. “Mundo enlouquecido”, comentou outro.

Leia mais:  Biden envia carta a Bolsonaro e promete parceria para frear covid
Continue lendo

Internacional

Menino de 3 anos morre após ir ao dentista para tratar cáries e receber anestesia

Publicado

A família da criança ainda está aguardando os resultados da autópsia do hospital

EUA – Para a maioria das pessoas, ir ao dentista é um verdadeiro incômodo. Mas no caso da criança que você conhecerá nesta história, o momento foi mais difícil do que o esperado, pois o paciente acabou perdendo a vida após a ida ao profissional de saúde bucal. O caso vem comovendo nas redes sociais.

O pequeno Abiel tinha apenas três anos de idade quando foi levado ao dentista. Por estar apresentando cáries, sua mãe, identificada apenas pelo nome de Nancy, o levou ao consultório para tratar do problema, mas a mulher nem imaginava que iria ver o filho com vida pela última vez.

Dentro da sala do dentista, indicado por amigos de Nancy, Abiel recebeu a anestesia para realizar o procedimento adequado para seu problema. Tudo estava correndo bem, até que, cerca de meia hora depois, a bochecha da criança começou a inchar de maneira anormal, o que preocupou o médico. 

Além do inchaço, os batimentos de Abiel começaram a cair. A mãe do menino estava do lado de fora do consultório esperando sua sessão terminar.

Ela não acreditou quando viu chegar uma ambulância para o filho. “Tudo vai ficar bem“, foram as últimas palavras da genitora, tentando acalmar o menino.

Os médicos do hospital de uma cidade do Kansas, nos Estados Unidos, chegaram a tentar reanimar o garoto, mas infelizmente não tiveram sucesso no procedimento.

Depois que a morte de Abiel foi confirmada, o corpo foi levado para a autópsia para descobrir o que provocou a morte da vítima. Os resultados do exame ainda estão sendo aguardados pela família.

Leia mais:  Asteroide gigante vai passar “perto” da Terra neste fim de semana
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana