conecte-se conosco


Medicina e Saúde

Remdesivir, droga para ebola, anima médicos americanos em testes contra COVID-19

Publicado

Um medicamento experimental chamado remdesivir obteve resultados positivos no combate ao novo coronavirus (COVID-19), segundo o portal Stat News, site americano especializado na área de saúde, que obteve um vídeo no qual médicos comentam estudos sobre a droga.

Segundo o Stat News, especialistas da Universidade de Chicago recrutaram 125 pessoas infectadas com o novo coronavírus, sendo 113 delas diagnosticadas com casos graves. Todos eles foram tratados com doses diárias do remdesivir.

Segundo relatos dos responsáveis pelos estudos, a maioria se recuperou em menos de uma semana após enfrentarem problemas respiratórios e febre.

“A melhor notícia é que a maioria dos pacientes já teve alta”, disse Kathleen Mullane, especialista em doenças infecciosas da Universidade de Chicago, que lidera o ensaio clínico. Segundo ela, duas pessoas do grupo morreram, mas a maior parte dos testados teve rápida recuperação, mesmo com a doença em estado grave.

Mullane não respondeu imediatamente a um pedido de entrevista da CNN. A universidade disse que comentará o assunto assim que resultados oficiais do estudo estejam prontos.

Não há, até o momento, um tratamento comprovadamente eficaz para combater a COVID-19, que pode causar pneumonia grave e síndrome do desconforto respiratório agudo em alguns pacientes. Diversas drogas têm sido testadas contra a doença, entre elas o remdesivir.

Leia mais:  Atuação do terapeuta ocupacional proporciona autonomia a pacientes

O medicamento, fabricado pelo laboratório Gilead Sciences, foi testado contra o ebola com pouco sucesso, mas vários estudos em animais mostraram que pode prevenir e tratar os coronavírus relacionados ao COVID-19, incluindo a SARS (Síndrome Respiratória Aguda Grave) e a MERS (Respiratório do Oriente Médio). Síndrome).

Em fevereiro, a Organização Mundial da Saúde disse que o remdesivir mostrou potencial no combate à COVID-19.

O Stat News obteve um vídeo no qual Mullane e sua equipe comentam os resultados dos testes da Universidade de Chicago.

“A maioria de nossos pacientes é grave e sai em seis dias, o que nos indica que a duração do tratamento não precisa ser de dez dias”, afirmou a médica.

No entanto, o estudo não inclui o que é conhecido na área médica como “grupo de controle”, o que impede que se tenha uma certeza se o medicamento está realmente ajudando os pacientes a se recuperarem melhor.

Com um braço de controle, alguns pacientes não recebem o medicamento que está sendo testado, para que os médicos possam determinar se é o remédio que realmente está afetando sua condição.

Leia mais:  Estado da sua língua pode indicar se está faltando vitamina D no corpo

Os testes com o remdesivir também têm sido realizados em dezenas de outros centros clínicos, além dos estudos da Universidade de Chicago.

A Gilead está patrocinando testes da droga em 2.400 pacientes com sintomas graves de COVID-19 em 152 locais de teste em todo o mundo. A empresa afirma também testar a droga em 1.600 pacientes com sintomas moderados em 169 hospitais e clínicas em todo o mundo.

O laboratório afirmou que espera resultados do julgamento até o final do mês.

“Entendemos que há necessidade urgente de um tratamento contra a COVID-19 e logo há interesse em dados sobre o remdesivir”, declarou a Gilead em comunicado à CNN.

“A totalidade dos dados precisa ser analisada para tirar conclusões do estudo. Os relatórios até aqui, embora encorajadores, não fornecem o poder estatístico necessário para determinar o perfil de segurança e eficácia do remdesivir como tratamento para o a COVID-19”, acrescentou a fabricante.

publicidade

Medicina e Saúde

Desidratação é mais grave na terceira idade; saiba os riscos

Publicado

Percepção da sede é diminuída entre idosos; hidratação pode evitar infecções do trato urinário e diminuir chance de câncer 

Podemos sobreviver por vários dias sem comer, mas não sem beber, pois a água é essencial para muitos processos fisiológicos. Por isso, beber bastante água é essencial para qualquer pessoa, mas principalmente para os idosos, já que para eles as consequências da desidratação são mais graves.

Para que o corpo seja saudável é preciso mantê-lo bem hidratado. A água é essencial para a digestão, absorção e metabolismo dos nutrientes, bem como para a manutenção do sistema circulatório, transporte de nutrientes, eliminação de substâncias residuais e regulação da temperatura corporal.

Nesse sentido, a Sociedade Espanhola de Endocrinologia e Nutrição (SEEN) lembra que beber líquidos e se hidratar melhora a função digestiva e previne a constipação; diminui o risco de infecções do trato urinário e cálculos, além de poder ajudar a diminuir o risco de câncer colorretal e de bexiga.

A água em nosso corpo depende da idade. Com o passar dos anos, a quantidade de gordura no corpo aumenta e a porcentagem de massa muscular diminui e, paralelamente, a proporção de água

A água em nosso corpo depende da idade. Com o passar dos anos, a quantidade de gordura no corpo aumenta e a porcentagem de massa muscular diminui e, paralelamente, a proporção de água.

Os especialistas da Sociedade Espanhola de Geriatria e Gerontologia enfatizam que os idosos devem ser estimulados a beber água, mesmo que não tenham vontade, pois a percepção da sede é diminuída para eles. A Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos indica que a ingestão adequada de água para adultos, incluindo idosos, seria de cerca de 2 litros por dia para mulheres e 2,5 litros para homens

Os especialistas da Sociedade Espanhola de Geriatria e Gerontologia enfatizam que os idosos devem ser estimulados a beber água, mesmo que não tenham vontade, pois a percepção da sede é diminuída para eles. A Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos indica que a ingestão adequada de água para adultos, incluindo idosos, seria de cerca de 2 litros por dia para mulheres e 2,5 litros para homens.

 

Leia mais:  Brasil avança no combate à tuberculose

Continue lendo

Medicina e Saúde

Limonada com alho e açafrão: Aumenta a imunidade e previne doenças Share

Publicado

Diariamente estamos expostos a todo e qualquer tipo de doença.

Porém, quando o nosso organismo não está fortalecido, ficamos ainda mais vulneráveis.

Por isso, é essencial dar um “up” ao nosso sistema imunológico, afinal, ele é a linha de defesa do nosso corpo contra vírus, bactérias, fungos e outras ameaças.

Para evitar esse quadro, alguns alimentos naturais auxiliam as defesas do corpo.

Temos como exemplo o alho, o açafrão e o limão, que, quando combinados, formam uma limonada que aumenta a nossa imunidade.

Benefícios do alho

O alho contém propriedades antivirais, bactericidas, antibióticas, antissépticas, vitaminas A, B, C e E.

Por isso, fortalece o sistema imunológico e eleva os sistemas de defesa do corpo, auxiliando no combate e prevenção de gripes e resfriados.

Segundo estudo da Universidade de Edimburgo, no Reino Unido, o alho tem componentes que fazem dele um excelente antibiótico e antiviral.

O alho também é rico em ferro, enxofre, selênio, iodo e zinco, minerais que ajudam o nosso organismo a se manter livre de agentes infecciosos.

Além disso, ajuda a bloquear a atividade das enzimas proteases de cisteína e desidrogenases de álcool.

Estas duas enzimas estão envolvidas no metabolismo de parasitas amebianos, vírus, fungos e bactérias.

Benefícios do açafrão

O açafrão tem ação antioxidante, anti-inflamatória, antiviral, bactericida e antifúngica.

Além disso, contém vitaminas C, E e K, além de minerais como cálcio, cobre, ferro, sódio, potássio, magnésio e zinco.

Todos esses nutrientes, aliados às atividades antioxidantes, ajudam a fortalecer o sistema imunológico.

Com isso, o organismo aumenta as suas defesas contra vírus, bactérias e infecções.

Benefícios do limão

O limão é rico em vitamina C, nutriente que atua diretamente nas células de defesa, protegendo-as dos danos causados pelos radicais livres.

Desse modo, aumenta a produção de glóbulos brancos, que são responsáveis por combater microrganismos.

Além do mais, possui minerais como ferro, cálcio, fósforo, potássio e magnésio, que contribuem para o fortalecimento do sistema imunológico.

Limonada com alho e açafrão

Essa limonada ajuda a aumentar a imunidade, diminui as chances de ficarmos doentes e acelera a recuperação.

Ingredientes:

  • 3 dentes de alho
  • 1 colher (chá) de açafrão/cúrcuma em pó
  • 2 limões
  • 150 ml de água quente

Modo de preparo e consumo:

Descasque o alho, coloque no liquidificador ou mixer, adicione o suco dos limões, a cúrcuma e bata bem.

Adicione a água quente, misture bem e tome logo após o preparo três vezes ao dia, da seguinte maneira:

Pela manhã, em jejum – 30 minutos antes do café da manhã;

Ao meio-dia, 30 minutos antes do almoço;

À noite, meia hora antes de deitar.

Leia mais:  Quanto tempo dura a proteção das vacinas contra a Covid-19?
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana