conecte-se conosco


Rumos da Política

Rumos da Política – 1ª Quinzena de Maio

Publicado

Por Paulo Borges

A oposição em São Mateus sonha “o sonho sonhado” da situação

Em qualquer sistema político a oposição tem um papel importante. Na democracia sem oposição não existe justiça e nem bom senso, pois o governante nunca terá os balizamentos e limites necessários para dimensionar o seu governo no que tange a ações que nem sempre têm a totalidade da retidão. A oposição pode dar esse limite e apresentar alternativas que nem sempre foram pensadas por quem está no comando do executivo. Estamos falando de uma oposição propositiva, que tem o interesse maior de colaborar com o desenvolvimento do seu país, do seu estado ou do seu município. O que se vê no Brasil é uma oposição burra, antipatriótica que se veste de cordeiro, mas é um verdadeiro lobo mau, cujo objetivo é derrubar o presidente, eleito democraticamente nas últimas eleições nacionais. Como timoneiro dessa nau sem propósito para o bem do Brasil está um ex-prisioneiro que saqueou a Nação e o sonho do povo brasileiro. Lula, com certeza e seu fiel escudeiro José Dirceu foram os algozes do Brasil produtivo, que decidiu votar contra tudo que havia existido nas últimas décadas, exigindo mudanças e a punição para a camarilha comandado pelo ex-prisioneiro e amigo do STF.

Em São Mateus, durante a campanha eleitoral aparecem vários partidos e candidatos se intitulando de oposição. Brigam, discutem, se agridem e, ao final do pleito se recolhem à sua insignificância ou aderem ao vencedor, como se isso fosse mérito. Ainda tem aqueles que afirmam que todos têm que se unir em prol do progresso do município. O problema é que se unem para tudo, até para, num ato de oportunismo, tentarem levar alguma vantagem com o vencedor das eleições, demonstrando que o negócio não é fazer uma oposição séria, consistente, mas apenas buscarem um espaço para, no futuro, conseguirem o seu quinhão de poder, emprego, uma boquinha. Compromisso com aqueles princípios defendidos durante a campanha, logo são esquecidos e a máscara cai com uma rapidez supersônica. O caso do PSL é emblemático. Tinha até candidato a prefeito como ferrenho crítico do – hoje reeleito – Daniel Santana (à época no PSDB). Dizem as boas e más línguas, que o presidente do partido já estava de namoro com o adversário. A ‘verdade verdadeira”, foi que ao final das eleições o presidente já estava se aboletando na equipe de governo do seu “antes” adversário. Na Câmara de Vereadores, toda renovada, mas com princípios pouco republicanos (como sempre) só tinham dois “adversários”. Um virou presidente e outro virou virando…. Sozinho não teria como atuar. Se atuar é fazer o que, quase todos os parlamentares fazem, realmente é preciso estar sob as botas do Executivo. Os parlamentares fingem não saber do seu potencial, da força do legislativo, das suas atribuições, daí a discutível necessidade de ser situação. Sendo assim, o que se deduz é que o sonho da oposição política de São Mateus sempre foi ser situação. Com isso, dizem, sela a paz entre os poderes. Nada mais cínico, pois se houvesse uma oposição de verdade e séria, não precisaria ser tão submissa como a gente costuma ver em todas as épocas. O despreparo, a ideia de que ser vereador é emprego, é possibilidade de usufruir do poder em benefícios somente dos seus, levam a isso.

As últimas eleições municipais em São Mateus foram as mais fraudulentas dos últimos pleitos. A compra de voto com cestas básicas e outros ilícitos foram explícitos para todos, menos para a “justiça” eleitoral. Nada se fez para coibir o abuso descaradamente explícito. Dizem até que de Linhares para cima tem dono poderoso e por isso não é bom mexer em nada, deixa ser terra sem lei. Pelo jeito até o jogo do bicho é mais sério do que certas instituições. Pelo menos no jogo vale o que está escrito. Até para os “sinistros” do STF não vale o que está escrito na Constituição. Por essas e outras é que a população brasileira não acredita nessas camarilhas que ascendem ao poder da Nação, não por méritos, mas por compadrios. Confio mais no bicheiro que, mesmo num ato de contravenção, paga religiosamente o que está escrito na pulha do jogador. O Brasil que trabalha, que colabora para a riqueza da Nação não respeita esse Brasil que a maioria dos políticos teimam em construir à nossa revelia.

Ainda sobre a questão da oposição em São Mateus, depois das eleições e dos seus resultados, os que foram derrotados somem, não se posicionam sobre nada e só voltam dois ou quatro anos depois com a mesma cantilena e soluções mirabolantes e críticas fingidas com o objetivo de aparentar sinceridade e enganar, mais uma vez, o eleitor distraído, alienado que não sabe, não viu, não ouviu e não lhe interessa as demandas municipais e muito menos o que o seu eleito está fazendo. O mau político é fruto do mau eleitor. Tudo farinha do mesmo saco.

Em tempo: a farinha vendida no Mercado Municipal de São Mateus é melhor, tem credibilidade e dá um pirão saboroso. A dá política dá náusea. Haja sal de frutas.

***

Em 2022 acontecem as eleições para o eleitor escolher o seu representante para as assembleias legislativas, Congresso Nacional e Presidência da República. O município de São Mateus poderá estar bem representado pelos nomes que estão aparecendo. São pré-candidatos a deputado estadual Carlos Alberto (PSB) e Carlinhos Lyrio (Podemos). Em nível federal aparece Freitas (PSB) e Eliezer (PRTB). Outros aparecerão, mas o que se sabe até aqui são esses dois. Mais nomes estarão na lista, mas tudo vai depender dos caciques que se dizem donos das legendas no município. Uma definição deles possibilita a definição de outros que têm vontade de entrar na disputa. É o caso do Solidariedade. Ferreira Júnior só poderá definir sua pré-candidatura depois que Jorge Silva disser se vem para federal ou estadual.

As novidades são quase nenhuma e a política fica restrita aos mesmos. Os partidos deveriam fazer um trabalho de renovação, trabalharem na formação de seus quadros que possam oferecer melhores opções ao eleitorado. O problema é que os partidos não merecem a confiança do eleitor e seus dirigentes não se interessam em renovar nada. Querem ser eternos, nas campanhas e no repasse de recursos do fundo partidário.

Na Câmara Municipal o nome que se destacaria seria o do presidente Paulo Fundão (PP). Mas, até onde se sabe não existe intenção de uma candidatura em 2022 e sim em 2026, para prefeito. Ele nega, mas eu especulo.

E Daniel, vai tentar algo no legislativo? A dificuldade está no vice, Ailton Cafeu. Nada contra o moço, apenas por uma questão de capacidade administrativa. Aliás, nesse critério estão “quase” empatados.

***

No universo estadual para o cargo majoritário, o que se percebe no eleitor capixaba é a necessidade de sair desse círculo vicioso “Hartung-Casagrande-Hartung-Casagrande”. No norte do Espírito Santo existe o maior gestor público que se apresentou para o executivo. É o prefeito de Linhares, Guerino Zanon (MDB). Sua capacidade e competência de gestor está mais do que comprovada. Uma prefeitura é pouco para um gestor com a sua capacidade e inteligência. Portanto, o Norte tem um nome. O MDB tem um nome. É mais um pré-candidato a ser escalado para o jogo político-eleitoral de 2022.

***

E por falar em MDB, segue a sua saga de coadjuvante. Uma legenda importante no cenário político sendo alvo de disputas internas intermináveis e protagonizando um papel vexatório. O ex-deputado Lelo Coimbra recuperou o comando da legenda e sentou-se em cima. Está sendo um “empata f…”. A senadora Rose de Freitas veio para o partido com a função de conciliar interesses e, ao que parece, ainda não deu início a sua árdua missão.

***

Os cínicos sempre diziam que, apesar de tudo, as instituições estão funcionando. É risível! Funcionando a serviço de quem? Hoje já se sabe. O STF é um partido político e não uma Alta Corte. Lula só não se torna ministro do STF porque não tem quem o indique quando abrir uma vaga. Mas, por enquanto isso não é problema, pois tem muitos parças lá dentro.

***

Estava lembrando do tempo em que o prefeito de plantão do município de São Mateus, por ocasião da eleição do presidente da Mesa Diretora da Câmara, patrocinava uma viagem para grande parte dos vereadores para uma espécie de esconderijo. Era a forma de impedi-los de debandarem para o lado do adversário. Falava-se até que levavam algum cascalho. Ao voltarem do passeio e mostrarem a cara pós esconderijo, votavam no candidato já definido pelo prefeito. Isso nos leva a outra reflexão. Os poderes são independentes e harmônicos entre si. OK. Mas por que o legislativo costuma ser subserviente ao executivo? Ora, ali está a verdadeira representação da sociedade (deveria, pelo menos), a força do eleitor. Tem prefeito que, com um chicote nas mãos, bate na ponta da botina e puxa tudo para o seu quintal. Nesse caso, o povo, em sua maioria, se sente traído por todos os lados. Do primeiro ao quinto.

***

Atualmente a estratégia para eleger o preferido ou não do prefeito é outra. As negociações e compromissos acontecem nos gabinetes sem qualquer pudor. No final é tudo a mesma coisa, mudam os atores, o picadeiro costuma ser o mesmo. Com raríssimas exceções.

***

Mas, nada está perdido. Os mandatos estão quase zero e, com o desenrolar do veículo e o avanço no percurso político, a gente vai vendo quem tem mais potência para chegar com dignidade ao final da estrada. Mas, convenhamos, tem muito condutor barbeiro…

***

Voltando a questão das eleições majoritárias para o governo do estado, Ricardo Ferraço vem se articulando sem chamar muito a atenção. Não quer ser traído como da sua última tentativa. Mas o time é grande na disputa pelo Palácio Anchieta. Temos Audifax Barcelos, Pasolini, Helder Salomão, Manato, Guerino Zanon. Sergio Meneghelli o time é grande. Quanto ao atual governador, a gente tem que aguardar se vai disputar o Senado ou a reeleição. Hartung deve sair ao Senado, mas é sempre um mistério o seu próximo lance. Ainda para o senado temos o Magno Malta, que, aliás, está fazendo falta no Congresso Nacional diante do cenário que lá se apresenta.

***

Com relação a operação policial na favela do Jacarezinho, no Rio de Janeiro, em que alguns veículos de comunicação (Globo) procuram insinuar a culpabilidade da Polícia Civil e Militar do Rio nesse evento, vale ressaltar também a posição do PT e do PSOL. Foram solidários somente com as famílias dos mortos daquela favela. Anos atrás o Lula dizia que bandido a polícia não pode enfrentar com flores… Seria interessante que o ministro Edson Fachin, Marcelo Freixo, Gleysi, Lula e sua turma fizessem uma visita a essas famílias indo até lá. Dos gabinetes refrigerados tudo fica mais fácil. É uma turma de cínicos!

Leia mais:  Rumos da Política - 1ª Quinzena de Março
publicidade

Rumos da Política

Rumos da Política – 1ª quinzena de junho

Publicado

Por Paulo Borges

Sem rumo

O município de São Mateus padece de bons políticos. Parece que as melhores cabeças estão de fora do processo do desenvolvimento do município. Por omissão, desinteresse ou mesmo por opção do eleitorado que vem apostando em candidatos que mais aparecem na mídia do que mostram em capacidade e serviço prestado ao município.

Não vemos nenhum projeto de desenvolvimento, nenhuma ação empreendedora, de transformação em prol do progresso, da geração de emprego. Não há um terreno fértil preparado para abrigar projetos desenvolvimentista que tragam investimentos. O que se vê são projetos cobra d’água, solicitação de calçamento de ruas, de uma coisa aqui, outra acolá. Tudo que uma prefeitura tem obrigação de fazer. É o mesmo do mesmo. O que o município necessita é algo muito maior e nisso temos sidos menores. Não aparece ninguém para pensar a cidade, o município como um todo. Quando aparece, não consegue sensibilizar o eleitorado e, com isso, perdemos a oportunidade de avançarmos na busca da mudança, do progresso.

Somado a isso, temos os covardes, os que se escondem esperando alguém fazer por ele para depois aparecerem como o paladino da sabedoria, do conhecimento e que vai resolver todos os nossos problemas. Passa todo o tempo atrás da bomba. Como forjar um líder de verdade? Todas as nossas esperanças se esvaíram.

Ainda somado a isso, o papel das igrejas, algumas, evidentemente, vendem moralidade, pregam a justiça a postura ética e cristã e, no entanto, acabam por se juntar àquele que pode lhe oferecer vantagens. Normalmente vantagens aos seus líderes e não aos fiéis. Vimos algumas dessas designações “cantarem em louvores” que não se envolvem em política e, no entanto, apoiaram candidaturas que não podemos dizer que são sérias. Infelizmente.

E os poderes constituídos? Isso não vale quando se fala em fazer a coisa séria. Costumam estar no mesmo balaio do oportunismo, da omissão, da bajulação.

No próximo ano teremos eleições. Vamos assistir muita coisa que não desejamos. Cabe uma mobilização para evitar o pior. A fraude está na pauta… Voto impresso já é um dos antídotos.

***

A vacinação em São Mateus tem sido organizada. Os problemas são pontuais, mas existe uma organização e bom atendimento. Os esforços são louváveis.

***

Ainda nessa linha, temos a afirmar que os servidores municipais da Prefeitura de São Mateus são gentis, prestativos e sempre procuram atender e resolver as demandas que chegam e que estão ao seu alcance. A questão política fica na cúpula. O corpo que faz a municipalidade funcionar não tem coloração política. Tem serviço a prestar a sociedade.

***

Vale a pena lembrar aos “nobres” vereadores que ser aliado não é o mesmo que ser submisso. A Câmara é um poder independente e o seu presidente tem o mesmo status de importância do chefe do Executivo. Aliás, tem até mais. Prefeito não cassa vereador, mas o inverso é fato.

***

Com relação a esse clamor da população para que se apure o que fizeram com grande parte dos recursos repassados pelo Governo Federal as prefeituras e estados, não se deve levar a sério a

CPI instalada no Senado, uma vez que o objetivo é apenas culpar o presidente. É inacreditável um Omar Aziz e Renan Calheiros inquirindo os depoentes. Deveria se apurar nos estados, através das assembleias legislativas e nos municípios já suspeitos de irregularidades, às câmaras municipais.

***

Ouvi dizer que não se deve votar em candidato de fora. Mas isso não é de hoje. Sou de opinião que só justifica votar em marciano quando este demonstra ter feito algo relevante para o município. Se isso não é fato, o de fora tem que ficar de fora. Em São Mateus temos bons nomes, basta o eleitor consciente buscar que vai encontrar. É procurar uma agulha no palheiro, mas acaba achando. Mesmo não sendo uma Brastemp.

***

O presidente da Câmara Municipal, vereador Paulo Fundão (PP), proferiu discurso alfinetando o ex-prefeito Amadeu Boroto e o ex-presidente do Legislativo, Carlos Alberto (PSB). Do ex-prefeito falou que ele mentiu ao dizer que ficaria quatro anos e acabou por ficar oito no mandato. Quanto ao ex-presidente, a denúncia foi que ele estava realizando reuniões políticas e definindo parceria para o próximo pleito. Nos dois casos não existe nenhuma irregularidade. Faz parte do universo político brasileiro. Onde todos mentem e muitos roubam usando o cargo como pano de fundo. De qualquer maneira, o atual presidente da Câmara vem procurando estabelecer diálogo com o Executivo e algumas realizações estão acontecendo, coisa que durante quatro anos o prefeito nada fez. Hoje existe uma unidade no Legislativo mateense, mas é preciso ter em conta que o sagrado dever de fiscalizar e legislar não encerra com essa unidade e apoio ao prefeito.

***

E por falar em fiscalizar, não seria o caso de o Legislativo levantar os gastos e aplicação dos recursos vindos da União para o combate ao coronavirus?

***

Caso aconteça mesmo a visita do presidente Bolsonaro a São Mateus, o cavalo do Laurinho Barbosa já está escovado, lustrado e, dizem, envernizado para conduzir o presidente por alguns metros. A ansiedade é grande. Do cavalo e da população.

***

O ex-senador Magno Malta, tem procurado sensibilizar o pastor Nilis Castberg (PL) a sair candidato a deputado federal nas eleições do próximo ano. Sem as coligações, é importante o fortalecimento das agremiações partidárias com a participação dos candidatos com alguma densidade eleitoral para que se faça legenda.

***

Quem também está buscando seu espaço para uma possível candidatura é o ex-vereador Carlos Alberto. Por enquanto ele está no PSB, mas já está fazendo as malas para mudar de partido. No PSB ele não está satisfeito faz muito tempo. Além disso, o partido tem no deputado estadual Freitas, um pré-candidato a federal, o mesmo interesse que tem Carlos Alberto. Para o ex-vereador, existe muito pré-candidato a estadual daí o seu desejo de tentar uma cadeira na Câmara dos Deputados e isso só pode ser feito em outra agremiação partidária. Pelo menos é o que ele acredita.

***

A fila de pré-candidatos a deputado estadual em São Mateus é extensa. Tem representante de todos os matizes e ideologias. Aliás, falar em ideologia em São Mateus é muito difícil. Não existe essa coloração muito definida. O que existe é um arco-íris. Tem pré-candidato de todas as cores.

***

O antigo Clube Ouro Negro, localizado no centro da cidade de São Mateus, está abandonado. A Justiça não decide o seu destino e as denúncias improbidades em diretorias passadas é grande. Algum tempo atrás levantei dados junto ao João Cabecinha, falecido recentemente, informações importantes sobre a situação do antigo clube e, com dados convincentes ele falou das barbaridades que foram feitas por pessoas que estiveram à frente daquela antiga instituição socioeducativa.

Leia mais:  Rumos da Política – 2ª Quinzena de Março
Continue lendo

Rumos da Política

Rumos da Política – 2ª Quinzena de Maio

Publicado

Por Paulo Borges

O circo armado no Senado

A CPI da Covid é o que chamamos de coisa inútil, palco para alguns malandros da política aparecerem em mídia nacional mostrando uma seriedade que não têm. Tudo comandado pelo cangaceiro Renan Calheiros (MDB-AL). Para quem tem a paciência de assistir as sessões da CPI, é preciso ter ao lado um arsenal de sal de frutas para combater a azia. Ouvir senadores inquirindo os depoentes apenas com intuito de humilhá-los e incriminar o presidente chega às raias da insanidade. Acho que o problema e o alvo das investigações deveriam pautar governadores e prefeitos para se explicarem o que fizeram com os repasses substanciais para o combate ao Covid-19.

A CPI nos deu a oportunidade de reencontrar velhos corruptos como Renan e Humberto Costa (PT-PE), além dos cínicos Randolfe Rodrigues (Rede-AP), Omar Aziz (PSD-AM) e Rogério Carvalho (PT-SE). Também apareceram para nos assustar, as múmias como Tasso Jereissati (PSDB-CE) e Otto Alencar (PSD-BA). E ainda tem um dos nossos senadores, o Contarato, que no café da manhã era situação e, ao se eleger virou oposição, enganando a maioria dos seus eleitores capixabas.

Mas nem tudo está perdido. Temos senadores como o Marcelo Rogério (DEM-RO), Eduardo Girão (Podemos-CE), Luiz Carlos Heinze (PP-RS) e Ciro Nogueira (PP-PI).

***

Impossível

Alguém em sã consciência pode respeitar um ex-presidente que comandou um dos maiores assaltos aos cofres públicos de todo o mundo? Um homem que mente descaradamente, é arrogante e ainda posa de bom moço enganando trouxas e a classe humilde? Lugar de bandido é na cadeia e é justamente lá que o Lula deveria sentar praça.

***

Inventário

Para todos aqueles que defendem o comunismo deveriam assumir de vez essa ideologia que não deu certo em lugar algum e só nivelou por baixo a sociedade, exceto seus líderes, que vivem nababescamente. No Brasil existem apenas os “comunistas gourmet”.

Curiosidade

Fala-se tanto nos filhos do presidente e o filho ajudante de zoológico do Lula que ficou bilionário, por onde anda? O STF nunca teve interesse em saber dele?

E por falar em STF, vale destacar que essa instituição importante, porém, composta por uma turma desqualificada, rasga a Constituição em vez de ser o seu guardião. Em atos monocráticos e inconstitucional, mantem dois jornalistas e um deputado preso por cometerem crimes que não há tipicidade constitucional. No entanto, mantem solto o Lula, condenado e um dos maiores chefes de um roubo monumental contra a Nação brasileira. E o Zé Dirceu e tantos outros? O Brasil não tem Suprema e nem Alta Corte com uma turma dessa como membros. Temos um baixa corte, de corte e costura política que se tornou cúmplice de malandros e bandidos já condenados e, por sua obra e desgraça estão livres, leves e soltos.

Leia mais:  Rumos da Política – 2ª Quinzena de Março
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana