conecte-se conosco


Rumos da Política

Rumos da Política – II Abril/22

Publicado

Os maus brasileiros

Para aqueles que pensam que basta usar uma toga preta que o seu usuário vira um homem probo, incorruptível, defensor do direito, da justiça e tem compromisso verdadeiro com a pátria e o bem-estar do seu povo, ficam decepcionados com várias ações de alguns ministros do “supremo”. É o que temos visto na realidade do dia-a-dia. Ministros do Supremo Tribunal Federal se transformaram em ativistas políticos, fazendo com que o STF se pareça, mais do que nunca, com um partido político de oposição ao presidente da República, que foi legitimamente eleito por mais de 57 milhões de brasileiros. No “supremo” não tem nenhum com essa legitimidade verdadeira. Tem de direito, não por legitimidade, que pressupõe sintonia com o que a população almeja e o Brasil precisa.

Quando alguns deles rasgam a nossa Constituição aqui dentro, lá fora “vendem” uma imaginam falsa de que no Brasil não há liberdade, democracia e tem um presidente genocida. Se gostam de prender os que supostamente divulgam Fake News, então, deveriam emitir ordem de prisão para si mesmos. Fazer o que dizem e fazem, é fake News. Dizer que as urnas eletrônicas são seguras, pelo que se viu, também é fake.

Tudo isso leva o brasileiro comum a imaginar o tamanho do desespero da oposição insana contra o atual governo. O medo paira sobre a cabeça de alguns dos homens da toga surrada e que se faz desacreditada pela população brasileira.

***

Maus brasileiros II

Uma legião desesperada de intelectuais e artistas de ideologia de esquerda, também se coloca contra um governo legítimo e no exterior denigrem a imagem do País, vomitando todo o seu ódio contra o Brasil, agora livre da camarilha ladra do PT e seus asseclas. Como podem defender um ex-presidiário, descondenado pelos amigos do STF, apesar de todas as provas robustas e condenações sofridas pelo cara-de-pau Lula?

Leia mais:  Rumos da Política – I Maio/22

A mamata dessa gente acabou. Bolsonaro é o culpado por isso.

***

Sem adversário

Bolsonaro é o que temos. Não é o suprassumo da competência, mas é o que temos de melhor no cenário político para continuar a obra de limpar o Brasil dos corruptos comandados pelo Lula.

Aliás, não acredito na candidatura do molusco. Lula não será candidato. É algo inimaginável um povo votar em um comprovadamente corrupto, condenado como ladrão da Nação para governar o seu país. Será que um cidadão colocaria um condenado para tomar conta da sua casa, do seu dinheiro, da sua empresa? Por essa linha de pensamento, Lula não é candidato a Presidência da República e sim a membro ilustre do Presídio da Papuda.

Por essa razão, quem vai contrapor a candidatura do atual presidente? Alckmin, Dória, Moro, Ciro? Não dá pedal! Bolsonaro só perde as eleições se forem fraudadas. Por enquanto é quem tem todas as possibilidades, fora esta, para vencer o pleito eleitoral de outubro.

As pesquisas não retratam a realidade. Bolsonaro é aclamado espontaneamente pelo povo em qualquer lugar que vai. Lula nem vai, pode ser surrado de cinto por ter roubado o Brasil e seu povo. Ponto.

***

Uma conta que não fecha

Aqui no Espírito Santo, as eleições majoritárias serão bem disputadas. De um lado o atual governador, Renato Casagrande (PSB). Na oposição, vários pré-candidatos e os maiores expoentes são Manato (PL) e Guerino Zanon (PSD). Erik Musso, apesar de se colocar na oposição, está num partido que se diz aliado do presidente Bolsonaro, mas como Musso é cria hartunguense, fica complicada a sua situação, pois o presidente tem capital político (voto) no Estado e um aliado seu tem boas possibilidades na disputa. Acredita-se, no segundo turno, uma disputa entre Casagrande e Manato.

Leia mais:  Rumos da Política – 1ª quinzena de junho

Mas… o ex-governador pode vir para o jogo. Apesar dessa surrada estratégia de aparecer ao final do jogo, querendo entrar na partida, depois de todos terem feito os melhores lances políticos. Passa a impressão de oportunismo, no que pese toda essa paparicação ao ex-governador pela classe política, típica de província subserviente.

O que prejudica a eleição do governador é uma possível composição com o PT. Ora, justamente com uma turma que pertence ao que existe de mais condenável pela maioria do eleitorado brasileiro? Mas, tem o caso hilário do Alckmin com o Lula. Existe coisa mais ridícula do que ex-governador paulista exaltar o Lula em “comício” para os sindicalistas vermelhos?

***

Jornalistas? Democratas?

É inadmissível um jornalista pedir a censura contra alguém por discordar das suas opiniões. É um absurdo jornalistas militantes aplaudirem ações inconstitucionais de um ministro do STF contra um deputado ou contra outros jornalistas. É hilário pseudos-jornalistas que andam por aí e mal sabe assinarem o nome em vez de escreverem, preferem fazer política. E contra a democracia, a liberdade de expressão.

A velha mídia e o “consórcio jornalístico” abraçam o carrasco quando defende posições autoritárias e inconstitucionais de ministros do STF.

publicidade

Rumos da Política

Rumos da Política – I Maio/22

Publicado

Por Paulo Borges

“Geraldo Alckmin disse que o Lula quer voltar ao local do crime. Agora ele quer ir junto”.

A conta não fecha

As manifestações populares do Primeiro de Maio demonstraram que as pesquisas estão equivocadas. De um lado o líder que não pode sair às ruas e, quando sai fala para meia dúzia de apoiadores, apesar de todo o planejamento dos sindicatos amigos. Nem a cantora petista conseguiu se fazer ouvir. Um fracasso.

Do outro lado, o segundo colocado, que arrasta multidões, é aclamado por onde passa e, mesmo assim, seus apoiadores e manifestantes, são tratados como perigosos para o “estado democrático de direito”. Para a maioria dos ministros do STF, manifestação do povo nas ruas é um ato antidemocrático. O que alguns dos seus membros fazem, através de suas decisões na “Suprema” Corte, que rasgam a Constituição, são atos lícitos. O Brasil desse jeito, virou de ponta-cabeça.

***

Filigranas da insensatez

Quando a cantora baiana/petista foi pegar uma bandeira durante o seu show, pago em favor da candidatura do ex-presidiário e descondenado, Lula, pensávamos que fosse a do Brasil. Ledo engano. Pegou a vermelha do PT com a cara do Lula e pediu voto para ele. Aliás, o próprio se disse candidato e isso é campanha antecipada. Como tem amigos no TSE, nada vai acontecer. Afinal, o ministro Fachin é petista e já se declarou tempos atrás, eleitor da Dilma.

Um outro fato que nos pareceu hilário foi o Lula, Alckmin entoando com todo o fervor o hino da Internacional Socialista. Não seria um ato antidemocrático ou antipatriótico? Não deve ser, pois não foi praticado pelo Bolsonaro e seus seguidores. A oposição tudo pode e até ofender diariamente o presidente legitimamente eleito pela maioria do povo brasileiro.

Leia mais:  Rumos da Política – I Maio/22

***

Nota pé

Para ficar desinformado ou ler e ouvir uma notícia manipulada, cheirando a fake News, basta buscar informação no consórcio da velha imprensa que tem como objetivo derrubar o governo para voltar a nadar na dinheirama de outrora…

***

A título de curiosidade

A justiça vai deixar o prefeito de São Mateus cumprir todo o seu segundo mandato, mesmo com todas as evidências de que assaltou os cofres do município?

***

Procura-se os “home”

Em São Mateus e região existem pré-candidatos que estão se escondendo até hoje para não se posicionarem sobre questões relevantes, principalmente relacionadas a situação caótica por que passa o município de São Mateus. Será covardia ou conveniência? Até aqui somente o deputado Freitas (PSB) tem demonstrado, faz tempo, o seu relevante trabalho de parlamentar e já deixou claro que é pré-candidato a deputado federal.

***

Hipocrisia

As narrativas continuam por parte do PT e seus puxadinhos. Falam em recessão, aumento dos juros e da “tragédia” que é a política econômica do atual governo. Na verdade, o PT causou a maior recessão econômica no Brasil desde 1901.

***

Pimenta na História

Depois da Inconfidência Mineira, nunca mais se ouviu falar em Joaquim José da Silva Xavier, o Tiradentes. Só foi resgatado e declarado como herói com o advento do Golpe Militar contra a Monarquia. Era uma “necessidade” ter o seu herói nacional. Ponto.

Acontece, porém, que essa questão do Tiradentes beira as raias de uma fraude… Existe uma linha de historiadores que defendem a pouca relevância do homem pintado com semelhança supostamente de Jesus Cristo, que foi enforcado e esquartejado pelas forças portuguesas na colônia. Para muitos o enforcado foi o ladrão Isidro de Gouveia. O Tiradentes foi resgatado pela Maçonaria e levado com a sua família para Portugal. Depois foi viver na França e até virou ativista revolucionário. De retorno ao Brasil, morreu no Rio de Janeiro por causas naturais em 1890.

Leia mais:  Rumos da Política – 1ª quinzena de junho

Em tempo: quando do esquartejamento do suposto alferes, sua cabeça nunca foi achada. Se isso acontecesse, a farsa estaria decifrada.

O feriado do dia 21 de abril é um equívoco e malandragem. O feriado mais importante deveria ser o do dia 22 de abril, quando o Brasil foi “achado”.

***

Cláusula Pétrea no futebol

Todo brasileiro tem o seu time de coração. Tenho o meu desde que vim ao mundo. Sou no top da lista torcedor do Fluminense. Depois, bem mais abaixo, vem o Real Madrid e depois, coladinho, o Vitória e por último, na atualidade, a Seleção Brasileira de futebol, mas somente na Copa do Mundo.

Vale registrar que a seleção desses últimos anos não é a mesma que vi jogar e até treinar no Rio de Janeiro. Hoje é uma legião estrangeira e composta de jogadores que a gente nem sabe quem é. Aliás, nem sabem cantar o Hino Nacional, mas sabe de cor e salteado o número da sua conta bancária. Essa seleção é da CBF e dos patrocinadores; nunca foi do Brasil.

Para quem viu Pelé, Tostão, Gérson, Rivelino e os grandes e verdadeiros craques do futebol brasileiro, é um pesadelo assistir e torcer para esse bando de gente que forma um time comum que deram o nome de “seleção”. A mim não me enganam.

Contato para a coluna: [email protected]

Continue lendo

Rumos da Política

Rumos da Política – I Abril/22

Publicado

Por Paulo Borges

No Brasil não existem partidos nacionais

Uma democracia consolidada pressupõe partidos fortes e conectados com as demandas da nação e ideologias claras e programas definidos. Seus membros devem estar alinhados com as diretrizes partidárias e as decisões valem para todo o país.

Sendo assim, não temos uma democracia conquistada e sim consentida. A democracia brasileira mascara em suas entranhas, vícios autoritários que perduram desde o início da República, que aliás, foi implantada a fórceps através de um golpe militar com participação de alguns civis. O povo não participou, estava na labuta do dia-a-dia e nutria simpatia pelo imperador.

Nesse frenesi dos políticos que lutam pela reeleição e os que desejam entrar na seara político partidária, procuram partido para se filiarem somente com intuito de garantir essa possibilidade supostamente de facilidade para serem eleitos. Não se atentam para as questões programáticas da legenda, tido pela maioria como mera formalidade. Agora, mais recentemente, alguns buscam se alojar em partidos que estão polarizados entre esquerda e direita, ou até, de centro (sic).

Mas, essa questão de buscar um partido que tenha alguma afinidade com o interessado em a ele se filiar, fica um pouco perdida na sua essência. Fala mais alto a conveniência do que o alinhamento ideológico. O pragmatismo é o caminho da decisão tomada.

Ainda nessa linha de posição partidária nacional que deveria ser uniforme para todo o filiado é tênue e, na política brasileira é ficção. Podemos citar inúmeros casos para configurar essa situação. Todo mundo fala em combater a corrupção, por exemplo, e se filia a sigla que defende essa pauta. Acontece, porém, que esse mesmo partido, nos estados e municípios, pode estar atrelado ao que se tem de pior na prática política através de seus eleitos. Cito, por exemplo, o caso de São Mateus, aqui pertinho, no Norte capixaba. Existem partidos que têm vereadores que deram carta branca ao atual prefeito de continuar à frente da administração, mesmo sabendo que ele foi preso, acusado de roubar os cofres públicos com provas substanciais levantadas pela Polícia Federal. Em nível federal os partidos a que pertencem se intitulam “paladinos” no combate à corrupção e do “profundo” respeito ao povo, ao País e até a mãe Joana. Tudo hipocrisia. Seus representantes nas câmaras municipais e assembleias contradizem as diretrizes nacionais desses partidos. Isso prova, de maneira incontestável, que não temos partidos nacionais. O PT ainda tinha isso, mas virou comum, é parecidíssimo com todos os outros. Olha o caso Lula-Alkmin; água e óleo até um dia desse. Agora, os químicos desses partidos fizeram o milagre de conseguir essa mistura, que não se sabe se dará certo por muito ou por pouco tempo. É algo antinatural e, se os “químicos” desses dois partidos conseguirem resolver essa situação, vão ser indicados para o Nobel de Química.

Leia mais:  Rumos da Política – 1ª quinzena de junho

Portanto, o brasileiro não tem representatividade nos parlamentos- federal e municipal. Só vota. Só ajuda a construir e manter castas privilegiadas que estão, depois que pegam o gostinho da política, dissociadas da realidade do cidadão que trabalha, que produz e que sustenta toda essa gente e algumas camarilhas alojadas nos parlamentos.

Não querem mudar nada. Aliás, a máxima que se aplica é “mudar para continuar a mesma coisa”. Fala-se muito em reformas de todo tipo. A principal não se vê falar. E não é a reforma política e sim a reforma do Estado brasileiro. Compromisso, o amor ao País e atuação pró ativa em benefício da sociedade, da nação, isso é coisa de sonhador. Coisa de gente séria. E, convenhamos, na política brasileira isso está em falta.

***

Só queria entender…

Como a justiça pode condenar alguém se solta políticos comprovadamente corruptos e que lesaram a Pátria?

Por que a Magistratura não se manifesta contra as ações esdrúxulas e inconstitucionais da “Alta” Corte?

Por que o Senado se acovarda e não consegue enquadrar ministros do STF que rasgam a Constituição?

Leia mais:  Rumos da Política – 2ª Quinzena de Maio

Por que ministros do STF “governam” sem receberem um voto que os autorizem a isso?

Oito anos de mandato para um senador não seria muito?

***

Futuro pode ser construído com antecedência

O Norte do ES poderá ter dois deputados estaduais e um federal representando a região. Lyrio, Jorge e Freitas. O time está se formando. Em 2024 basta se entenderem para “fazer” a prefeitura e retirá-la das mãos de aventureiros.

 

–> Contato e sugestões: [email protected]

Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana