conecte-se conosco


Internacional

Rússia nega acusações britânicas sobre espionagem de vacinas

Publicado

Porta-voz de Putin chama alegações de ‘inaceitáveis’ e representante da embaixada em Londres diz que país já ofereceu cooperação em cibersegurança

O governo da Rússia negou as acusações, feitas nesta quinta-feira (16) por autoridades britânicas do NSCS (Centro Nacional de Segurança Cibernética, na sigla original em inglês), de que hackers russos teriam feito ataques cibernéticos contra instituições nos EUA, Reino Unido e Canadá que realizam pesquisas para desenvolver uma vacina contra o novo coronavírus.

Em uma entrevista à imprensa local, o porta-voz do presidente russo Vladimir Putin, Dmitry Peskov, disse que as acusações do NSCS são “absolutamente inaceitáveis”. Além disso, um representante da embaixada da Rússia em Londres chamou o incidente de “propaganda”.

“As autoridades britânicas sabem da existência de um centro nacional russo criado especialmente para cibersegurança. No entanto, não recebemos nenhum pedido para investigar esses incidentes por canais oficiais. Portanto não estamos diante de preocupação legítima sobre segurança da informação”, disse um representante da embaixada em entrevista à agência estatal russa Sputnik.

Pesquisas russas

O governo Putin alega também que tem pesquisas sobre vacinas contra a covid-19 em estágios mais avançados que os estudos que estão sendo realizados nos EUA, Reino Unido e Canadá e, por esse motivo, não teria motivos para roubar essas informações.

Uma delas deve começar a ser distribuída em pequenas quantidades ainda em agosto, segundo os últimos anúncios.

Leia mais:  Pandemia de Covid-19 não está 'nem perto de acabar', diz diretor da OMS
publicidade

Internacional

Banda usa bolhas para isolar público em shows nos EUA

Publicado

Dois espetáculos em Oklahoma, nos EUA, foram feitos com balões para que o evento pudesse respeitar as medidas de distanciamento social para evitar a propagação do novo coronavírus

Para conseguir se apresentar em meio à pandemia de covid-19, a banda de rock americana Flaming Lips colocou os músicos e o público dentro de bolhas infláveis para que pudessem manter o distanciamento social contra o risco do coronavírus.

Os dois shows do grupo, na sexta-feira (22) e no sábado (23), contaram com 100 balões, cada um com capacidade para até três pessoas. As apresentações aconteceram no Estado de Oklahoma, nos Estados Unidos.

A engenhosa ideia partiu do líder da banda, Wayne Coyne, que já usava bolhas antes da pandemia para “rolar” dentro da cápsula pelo público em muitos de seus shows.

Durante a pandemia, a banda fez testes em apresentações mais curtas no ano passado. Em junho e em setembro, por exemplo, se apresentaram em programas de televisão em bolhas.

Antes de se apresentar nos shows do último fim de semana, Coyne disse que assistir ao show da banda dessa forma seria “mais seguro do que ir a um mercado” em tempos de pandemia.

Antes mesmo da pandemia, Coyne utilizava uma bolha nos shows para "rodar" pelo público Foto: -

Antes mesmo da pandemia, Coyne utilizava uma bolha nos shows para “rodar” pelo público.

Cada bolha foi equipada com um alto-falante suplementar de alta frequência, para evitar distorção do som, além de uma garrafa d’água, ventilador movido a pilha, toalha e uma bandeira que poderia ser usada para indicar necessidades básicas como “tenho que urinar/está calor aqui”, para chamar um atendente.

Os shows estavam planejados originalmente para dezembro, mas tiveram de ser suspensos devido ao aumento de casos do novo coronavírus em Oklahoma durante o fim de 2020.

Considerado um sucesso pelos organizadores, o evento pode incentivar outras bandas a repetirem a experiência, sempre que houver um local adequado. É fundamental também que o público tome as precauções necessárias durante as apresentações (como permanecer em suas bolhas e sair apenas mediante autorização de um atendente, para evitar contato com as outras pessoas).

Leia mais:  Torre Eiffel ficará fechada por causa de coronavírus
Continue lendo

Internacional

Itália bloqueia usuários do TikTok após morte de criança durante desafio

Publicado

O órgão de fiscalização italiano ordenou, na sexta-feira (22), que o aplicativo de vídeo chinês TikTok bloqueie as contas de todos os usuários do país cuja idade não fosse verificada. A ordem foi emitida após a morte de uma menina de 10 anos, moradora de Palermo na Sicília, por asfixia, enquanto realizava um desafio proposto no aplicativo.

O desafio consiste em colocar um cinto em volta do pescoço e prender a respiração.

Em um comunicado, o órgão disse que embora a TikTok tenha se comprometido a proibir o registro de crianças menores de 13 anos, era fácil contornar essa regra.

Como resultado, ele disse que a TikTok teve que bloquear contas de usuários não verificadas até pelo menos 15 de fevereiro, à espera de mais informações.

Uma porta-voz da TikTok na Itália disse que a empresa estava analisando a comunicação recebida da autoridade.

“Privacidade e segurança são prioridades absolutas para a TikTok e estamos constantemente trabalhando para fortalecer nossas políticas, nossos processos e nossas tecnologias para proteger nossa comunidade e os usuários mais jovens em particular”, o aplicativo informou por e-mail.

Propriedade da ByteDance da China, a popularidade do TikTok tem crescido rapidamente em todo o mundo, principalmente entre os adolescentes.

“TikTok era o mundo dela. E o YouTube. É assim que ela passava o tempo”, disse o pai da menina, Angelo Sicomero, ao jornal Corriere della Sera de sábado.

Investigação

Os promotores abriram uma investigação sobre uma possível incitação ao suicídio e estão procurando alguém que tenha convidado a garota para participar do desafio.

“O órgão de fiscalização decidiu intervir com urgência após o terrível caso da menina de 10 anos de Palermo”, disseram as autoridades.

Ele disse que o TikTok foi proibido de “processar dados do usuário para os quais não há certeza absoluta de idade e, consequentemente, de conformidade com as disposições relacionadas ao requisito de idade”.
Um funcionário disse que isso significa que os usuários de contas não verificadas não poderão mais enviar vídeos ou interagir com outras pessoas na plataforma.

A fiscalização disse que levantou outros casos preocupantes relacionados ao TikTok em dezembro sobre o que chamou de uma série de violações, incluindo alegações de que a empresa não protegeu menores.

Leia mais:  Astrônomos descobrem estrela com órbita inusitada e provam previsão de Einstein
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana