conecte-se conosco


Brasil

Sai Luiza Trajano, entra Luciano Hang na lista dos 10 mais ricos do país

Publicado

Fortuna pessoal do empresário de Santa Catarina aumentou 77% em 2021, já a da dona do Magazine Luiza caiu 73%

A lista dos bilionários divulgada pela Revista Forbes na terça-feira (5) apresentou novidades no Top 10. A primeira delas é Luciano Hang, dono da rede varejista Havan. Com fortuna estimada em R$ 22,5 bilhões (US$ 4,8 bilhões), o empresário volta a figurar na décima posição do ranking nacional depois de três anos (em 2019 ele era o oitavo).

A outra é a ausência de Luiza Trajano, dona do Magazine Luiza, que havia ficado na oitava posição em 2021 e agora aparece na 50ª, com R$ 6,5 bilhões (US$ 1,4 bilhão).

Financial Times: Luiza Trajano é uma das 25 mulheres mais influentes

A empresária Luiza Trajano.

 No segundo semestre de 2021, as ações dos grandes varejistas despencaram. A Magalu, por exemplo, registrou queda de 67,6% no último ano. As ações, cotadas a R$ 23,90 em julho, hoje (7) são comercializadas a R$ 6,60.

Outro exemplo é a Via Varejo (Casas Bahia, Extra, Ponto Frio), que caiu 65,8% desde agosto de 2021. Essa tendência tem relação direta com a taxa de juros praticada em solo nacional, que aumentou consideravelmente de 2021 para 2022. Isso dificulta o acesso ao crédito para o consumidor e desestimula as compras.

A taxa Selic no país atualmente é de 11,75% ao ano. Em janeiro de 2021 estava em apenas 2%.

Leia mais:  Moro autoriza Força Nacional a combater desmatamento ilegal

inflação alta também prejudicou o poder de compra dos brasileiros. O IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), foi de 10,06% no ano passado.

Apesar de o comércio ter fechado 2021 em alta de 5,5%, o fim do ano foi ruim para o setor, com quedas no faturamento de todo o varejo.

Além disso, em razão da pandemia de Covid-19, a base de comparação com 2020 é baixa, o que faz com que os números de 2021 pareçam mais altos do que realmente são. 

A presença de Hang na lista dos dez mais ricos do Brasil, portanto, surpreende, já que ele atua justamente no ramo do varejo. Ainda que 2021 tenha registrado o maior faturamento da história da empresa (R$ 12,6 bilhões, 19,3% mais que no ano anterior), sua fortuna pessoal aumentou 77%, de US$ 2,7 bilhões para US$ 4,8 bilhões no mesmo período.

A trajetória de Luiza Trajano, por sua vez, foi mais próxima à dos resultados do setor, já que ela viu sua fortuna despencar cerca de 73% no ano passado, de US$ 5,3 bilhões para US$ 1,4 bilhão.

Série histórica do faturamento da Magazine Luiza

A análise da série começa em 2019, quando a empresa registrou faturamento de R$ 27,3 bilhões, valor ancorado pelas vendas por ecommerce, que responderam por 45% do total. 

Leia mais:  Performance financeira do Bandes contribui para agência de rating classificar banco com nota AA

No ano seguinte, a Magalu faturou R$ 43,5 bilhões, cerca de 60% mais que no anterior. O ecommerce também cresceu (121%) e foi responsável por 64% do total.

Já em 2021, apesar do faturamento recorde, de R$ 56 bilhões, o crescimento foi bem menor (28%) e a empresa chegou a registrar prejuízo de R$ 79 milhões no último quadrimestre.

Série histórica do faturamento da Havan

Em 2019, a Havan registrou faturamento de R$ 10 bilhões, número que se repetiu em 2020, ainda que o lucro da companhia tenha aumentado 30% no mesmo período.

Os resultados de 2020 foram comemorados por Luciano Hang que, com otimismo, disse que tinha planos grandiosos para o ano seguinte.

Em 2021, a empresa de fato cresceu bastante. O faturamento aumentou 19,6% e fechou em R$ 12,6 bilhões, com lucro líquido de R$ 1,3 bilhão.

Importante ressaltar que, diferentemente do Magazine Luiza, a Havan não é uma empresa de capital aberto, isto é, não está listada na Bolsa de Valores. O gigante do ramo do varejo chegou a entrar com pedido para abrir seu capital em maio de 2021, mas foi indeferido pela CVM (Comissão de Valores Mobiliários). Depois disso, a marca desistiu da ideia.

publicidade

Brasil

Preço médio da gasolina cai 3,5% nos postos com efeito do ICMS

Publicado

Segundo a ANP, litro do combustível foi de R$ 7,390 para R$ 7,127; já o diesel tele leve queda, de R$ 7,568 para R$ 7,554

Os preços dos combustíveis registraram queda nos postos na semana, segundo levantamento da ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás e Biocombustíveis), divulgado nesta sexta-feira (1º). Os valores já refletem a redução de tributos do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) nos estados.

O valor médio da gasolina caiu 3,5%, de R$ 7,390 para R$ 7,127. O etanol recuou 3,07%, passando de R$ 4,873 para R$ 4,723. Já o preço médio do diesel teve leve queda, de R$ 7,568 para R$ 7,554 (0,18%). 

Na semana anterior, os combustíveis havia registrado aumento, com o diesel superando o preço da gasolina pela primeira vez, após reajuste nas refinarias, de 5,2% na gasolina e de 14,2% no diesel, no último o dia 17. 

Numa tentativa de abaixar os preços nos posto, os impostos federais foram zerados, e o ICMS (tributo estadual) passou a ser limitado a 18%. Lei sancionada no dia 23 de junho pelo presidente Jair Bolsonaro fixou um teto para a cobrança do imposto sobre combustíveis, energia elétrica, telecomunicações e transporte urbano. 

Leia mais:  Arrecadação de impostos tem melhor novembro em 6 anos

Alguns estados constestaram, alegando que a lei federal prejudica o orçamento estadual, dada a importância do ICMS para a arrecadação, e por isso esperam reverter a determinação no STF. Outros já anunciaram a redução, como São Paulo, Goiás, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Minas Gerais e Rio de Janeiro.

Continue lendo

Brasil

Suzano Bens de Consumo lança ação para fomentar o ciclo de produção sustentável de seus produtos

Publicado

Como parte da iniciativa, a companhia disponibilizará ao mercado uma nova versão do papel higiênico Mimmo Folha Dupla com embalagem feita de papel

A Suzano Bens de Consumo, unidade de negócios da Suzanolança a partir deste mês uma ação que visa ressaltar o ciclo de produção sustentável de seus produtos de higiene e limpeza. Além de renovar a identidade visual das embalagens de todos os produtos do segmento, a companhia desenvolveu uma nova versão da embalagem do papel higiênico Mimmo Folha Dupla 12 rolos feita com papel produzido a partir de matéria-prima de fontes renováveis, em substituição ao plástico.

Uma das etapas para a construção do projeto foi a realização de uma pesquisa de mercado qualitativa feita com mulheres, mães, da classe C, para entender a melhor forma de comunicar sustentabilidade para a consumidora média brasileira. A escuta ativa identificou que elas são conscientes da temática, já praticam algumas ações sustentáveis no dia a dia, mas entendem que a conscientização ainda é um caminho a ser percorrido e buscam informações claras e simples por parte das empresas.

O resultado contribuiu para a Suzano Bens de Consumo renovar as embalagens de seus produtos de higiene e limpeza com uma identidade visual mais aderente às necessidades dos consumidores e consumidoras e alinhada ao conceito da inovabilidade, que é a inovação a favor da sustentabilidade, presente em todos os processos e produtos da companhia. No final de 2021, a Suzano Bens de Consumo alcançou um market share de 11,4% no mercado de papel higiênico do Brasil, segundo a Nielsen, consolidando-se como a 3ª maior empresa do segmento a nível nacional.

Leia mais:  Portocel realiza o primeiro embarque de ferro gusa

“A sustentabilidade é intrínseca ao nosso negócio nesses quase 100 anos de história. A partir desse novo projeto, queremos que os consumidores se identifiquem com o nosso compromisso com o meio ambiente e tenham a consciência de estarem adquirindo produtos de fontes renováveis, feitos a partir da árvore plantada”, afirma Débora Pinto Bertolozzi, gerente executiva de Marketing da Unidade de Bens de Consumo da Suzano. A companhia completou 98 anos em 2022.

As novas embalagens contêm a assinatura “Juntos, nós plantamos o futuro” para reforçar que a Suzano acredita que o consumidor faz parte desse ciclo sustentável, o selo “Árvores que Renovam” com dados sobre o ciclo produtivo dos produtos Suzano, além de um QR Code que leva o consumidor à aba de Sustentabilidade no site da companhia.

Além da renovação visual das embalagens, uma das novidades do projeto é o lançamento do Mimmo Eco Pack, nova embalagem do papel higiênico Mimmo Folha Dupla, com 12 rolos, feita de papel e produzida na unidade de Cachoeiro do Itapemirim (ES). A inovação é fruto de um desenvolvimento conjunto com a Unidade de Papel e Embalagens da Suzano e utiliza o Greenpack®, papel feito especialmente para embalagens flexíveis.

Leia mais:  INSS: veja o que muda nas regras para pedir a aposentadoria em 2021

A nova linha de produtos Greenpack® é uma solução versátil e sustentável para donos de marca que querem substituir o plástico de suas embalagens. Tratam-se de papéis mais resistentes e que possuem barreiras biodegradáveis, contribuindo para agregar diferentes funcionalidades ao papel. Para a nova embalagem do Mimmo, foi utilizado o papel Greenpack® S da Suzano, uma versão termoselável. Além disso, a Suzano contou com a tecnologia de conversão e impressão da Inapel Embalagens Ltda.

A iniciativa está alinhada a um dos “Compromissos para Renovar a Vida” da Suzano, um conjunto de 15 metas de longo prazo da companhia. Entre eles está o objetivo de disponibilizar 10 milhões de toneladas de produtos de origem renovável que podem substituir plásticos e derivados do petróleo até 2030.

Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana