conecte-se conosco


Medicina e Saúde

Saiba a importância de os adultos se vacinarem contra sarampo

Publicado

A Campanha Nacional de Vacinação contra o Sarampo, prorrogada até o próximo dia 31 de agosto, tem público-alvo formado por adultos de 20 a 49 anos, faixa etária cujos dados epidemiológicos, em 2019, mostram que é a população que apresenta o maior número casos confirmados.  

Segundo dados do Ministério da Saúde, cerca de 47,8% de casos confirmados de sarampo, em 2019, foram entre a população de 20 a 49 anos. 

A importância da imunização de adultos se dá devido à susceptibilidade ao adoecimento pelo sarampo e também à facilidade que têm em transmitir a doença às pessoas mais vulneráveis, como as crianças e os imunodeprimidos, indivíduos cujos mecanismos normais de defesa contra infecções estão comprometidos, que são os grupos mais propensos a complicações pela doença, podendo deixar sequelas e causar a morte. 

O Brasil permanece em surto de sarampo em todas as regiões, somando 7.212 casos confirmados em 2020. Até o último dia 31 de julho, o Espírito Santo tinha 35 casos notificados, 34 descartados, um caso em investigação e nenhum confirmado. 

A Secretaria da Saúde (Sesa) estima que 1,7 milhão de pessoas nesta faixa etária precisam receber a dose extra da vacina contra o sarampo, ou seja, receber uma dose adicional mesmo que tenham recebido a vacina anteriormente. A população de 20 a 49 anos tem até o dia 31 de agosto para se vacinar. A imunização está ocorrendo nas 493 salas de vacinação dos 78 municípios do Estado.

Leia mais:  Região Norte conta com 119 leitos exclusivos para Covid-19
publicidade

Medicina e Saúde

Jejum intermitente sem acompanhamento pode causar desnutrição

Publicado

Protocolo alimentar pode trazer benefícios à saúde desde que orientado por um especialista; saiba os prós e contras da prática

É comum ouvir falar sobre o jejum intermitente na internet e nas redes sociais. Trata-se de um protocolo alimentar no qual há um horário definido para iniciar e terminar as refeições diárias. 

A cantora Kelly Key, que tem a prática como estilo de vida, e recentemente revelou que fica cerca de 16 a 18 horas sem comer, hábito que a levou a perder 15kg.

Mas, apesar de eficaz como método de emagrecimento, se o jejum intermitente não for orientado e acompanhado por um especialista, a janela alimentar e o tempo de jejum podem se tornar um gatilho para distúrbios alimentares ou para problemas como desnutrição. 

“Muitas pessoas associam que quanto menos comer, mais fácil será de perder o peso, mas isso é muito perigoso. Se a pessoa não tiver uma boa distribuição nutricional, ela não vai atingir as necessidades nutricionais e acaba não tendo os benefícios que ela poderia ter com o jejum intermitente, porque não está com o corpo nutrido, só tem um corpo com restrição calórica”, explica Camila Marques, nutricionista especialista em comportamento alimentar e emagrecimento pela Unifesp.

De que forma o jejum intermitente é feito?

Em uma rápida busca pela internet é possível ver relatos e dicas milagrosas de pessoas que passaram até 24 horas sem comer em busca do corpo ideal e conseguiram perder os quilos indesejados, fazendo apenas uma refeição por dia e arcando com as consequências da restrição.

No entanto, a especialista destaca que o jejum intermitente é implementado de maneira individual, por um especialista que vai levar em consideração o histórico médico e alimentar do paciente, sua rotina, as dietas que ele já tentou e qual sua condição emocional para lidar com o protocolo, além de não servir apenas para fins estéticos de emagrecimento.

“São indicações diferentes para o que queremos do corpo enquanto metabolismo e não enquanto estética. O que será priorizado durante o jejum vai depender se a busca é por uma resposta mais específica de emagrecimento, por um controle de glicemia, por uma redução da resposta inflamatória do organismo, ou se é um tratamento específico de saúde, para pacientes oncológicos, por exemplo”, afirma Camila.

A forma como o organismo reage ao jejum também precisa ser observada, mesmo que a perda de peso ocorra ou que a pessoa se adapte aos horários de refeição, há alguns sinais que podem indicar que o corpo não está indo na mesma direção.

“É preciso estar atento porque às vezes o paciente consegue fazer o jejum, ele diz que se sente bem mentalmente e está perdendo peso, mas o intestino parou de funcionar. Ou a pessoa passa um período em jejum, tranquila, mas na hora de comer não consegue ter consciência sobre isso e come exacerbadamente, o que pode desenvolver alguns transtornos alimentares”, explica a nutricionista.

Neste sentido, o tipo de alimento ingerido durante a janela alimentar também conta para que o jejum seja feito de maneira saudável.

“Não é só o período que a pessoa vai ficar sem comer, mas o que ela vai priorizar quando for se alimentar, quais nutrientes ela precisa fornecer para o corpo, qual vai ser o comportamento dela durante essas refeições e qual o nível de consciência para fazer essas escolhas”, afirma a nutricionista.

Camila ressalta que o jejum intermitente, apesar de ser um estilo de vida para algumas pessoas, também pode ser usado de forma transitória, alternado com outros protocolos alimentares, e não de maneira rotineira.

“Isso é importante para ver como o corpo fica, se a pessoa vai conseguir controlar a fome. Trabalho com protocolos de 8 a 14 horas, 18 no máximo para casos específicos. Mas 12 horas de jejum é interessante para a maioria das pessoas, com um jantar às 20h e a primeira refeição às 08h, que é naturalmente o que muita gente faz”, explica.

Quais são os prós e contras do jejum intermitente?

Se realizado de forma correta e com acompanhamento especializado, além de auxiliar na perda de peso, o jejum intermitente pode trazer benefícios à saúde e contribuir para melhorar o relacionamento com a comida, segundo Camila Marques.

“Alguns estudos associam o jejum a uma melhor capacidade de concentração e, na prática, vejo muito que os pacientes relatam menos ansiedade por comer e isso de uma forma indireta já ajuda muito no processo de emagrecimento. A pessoa não fica pensando em comida o tempo todo e aí podemos trabalhar a questão da consciência alimentar, sobre a pessoa saber se está com fome, se quer comer e como está a composição do prato”, explica a nutricionista.

Por outro lado, se feito de forma errada, o jejum intermitente pode causar sérios danos à saúde, como:

– desnutrição

– problemas hormonais e intestinais

– impactos na qualidade do sono

– queda de cabelo 

– enfraquecimento das unhas

– problemas gastrointestinais 

– baixa imunidade.

“Quando se fala em desnutrição, as pessoas pensam em uma pessoa raquítica, com a aparência de doente, e não é assim, a desnutrição está presente tanto em obesos como em pessoas com excesso de peso. No jejum intermitente se faz menos refeições ao longo do dia, então é muito comum ocorrer essa deficiência nutricional que resulta em todos esses problemas”, explica Camila.

Além disso, o jejum intermitente pode causar um efeito contrário do desejado.

“A perda de peso ocorre porque o metabolismo vai utilizar o estoque de gordura durante o período em que a pessoa não está comendo. Mas nem sempre o jejum intermitente vai funcionar assim, em alguns casos o organismo vai entender que ele precisa retirar essa gordura da parte muscular, então a pessoa acaba perdendo massa magra”, ressalta a especialista.

A nutricionista destaca que nem todas as pessoas podem aderir ao jejum como protocolo alimentar, sobretudo quando há alguma alteração de saúde que não esteja controlada, como diabetes e hipertensão.

“Em pacientes com diabetes tipo um, por exemplo, que fazem uso de insulina, é necessário respeitar o índice glicêmico e manter uma estabilidade de glicemia, para não ocorrer picos e cair de uma vez. Então se a pessoa faz jejum por muito tempo, ela pode ficar descompensada”, explica.

Leia mais:  Mais de 295 mil capixabas já tiveram contato com o novo coronavírus
Continue lendo

Medicina e Saúde

Suco de uva integral: Benefícios para baixar o colesterol entre outros; Veja como preparar

Publicado

Todos nós já ouvimos falar dos benefícios que a uva e o vinho podem trazer para a saúde, mas nem todo mundo sabe que o suco de uva integral tem as mesmas propriedades nutricionais.

Isso acontece porque existe uma ideia de que os sucos em geral são carregados de açúcares e podem contribuir para o aparecimento de doenças. Mas, se consumidos com moderação, eles podem ser tão benéficos quanto as frutas in natura.

Então, vamos conhecer os benefícios do suco de uva para a saúde e aprender a preparar uma receita de suco de uva integral.

Isso acontece porque existe uma ideia de que os sucos em geral são carregados de açúcares e podem contribuir para o aparecimento de doenças. Mas, se consumidos com moderação, eles podem ser tão benéficos quanto as frutas in natura.

Então, vamos conhecer os benefícios do suco de uva para a saúde e aprender a preparar uma receita de suco de uva integral.

Benefícios do suco de uva

O suco de uva é rico em diversos nutrientes, e, assim como a uva in natura, pode trazer muitos benefícios para a saúde.

Veja abaixo a composição de macronutrientes por porção de 100 g de suco de uva integral.

Componente Valor por 100 g
Calorias 61 kcal
Carboidratos 14,8 g
Proteína 0,37 g
Gorduras 0,13 g
Fibra alimentar 0,2 g

. É rico em antioxidantes

O principal antioxidante presente nas uvas, e consequentemente no suco, é o resveratrol.

Esse composto é responsável por diversos benefícios à saúde, uma vez que combate os danos causados pelos radicais livres, ajudando a prevenir uma série de problemas de saúde, como:

  • Degeneração macular: Assim como a pele, os olhos também sofrem bastante com a ação dos radicais livres, e o consumo de alimentos ricos em antioxidantes é essencial para a manutenção da saúde ocular. Um desses problemas é a degeneração macular, doença que atinge principalmente idosos, e pode levar à cegueira;
  • Envelhecimento precoce da pele: A pele é um dos órgãos mais sensíveis à ação dos radicais livres e da radiação solar. Assim, o consumo regular de antioxidantes como o resveratrol é uma ótima forma de evitar os danos à pele, e mantê-la com aparência jovem por mais tempo;
  • Inflamações: Esse efeito se deve à ação dos antioxidantes na regulação do sistema imunológico, contribuindo assim para a prevenção de doenças inflamatórias e autoimunes;
  • Doenças neurodegenerativas: Embora esse efeito ainda esteja sendo estudado, os pesquisadores acreditam que o resveratrol pode ajudar a reduzir a neuro-inflamação e o declínio das funções cognitivas de pacientes com Alzheimer.
  • Veja também: 11 poderosos antioxidantes para pele

2. Redução da pressão arterial

Os antioxidantes presentes no suco de uva contribuem também para a redução da pressão arterial, assim como a presença de potássio.

Em conjunto esses nutrientes ajudam manter a pressão arterial em níveis saudáveis, reduzindo assim o risco de hipertensão e outras doenças cardiovasculares.

3. Ajuda a proteger o coração

O suco de uva, da mesma forma que a uva in natura e o vinho, contribuem para a manutenção da saúde cardiovascular.

O suco de uva, da mesma forma que a uva in natura e o vinho, contribuem para a manutenção da saúde cardiovascular.

Receita de suco de uva integral 

Ingredientes: 

  • 350 g de uvas vermelhas ou verdes sem caroços;
  • Açúcar ou adoçante a gosto (opcional);
  • 2 a 3 colheres de sopa de suco de limão natural e fresco;
  • 1 pitada de sal;
  • ½ xícara de água gelada;
  • Cubos de gelo.

Modo de preparo:

  • Lave as uvas com água corrente;
  • Então, bata as uvas no liquidificador juntamente com o açúcar ou adoçante e a água gelada até adquirir uma consistência uniforme;
  • Depois, adicione a pitada de sal, o gelo e o suco de limão e misture.

Atenção: é importante tomar o suco natural de uva imediatamente depois do seu preparo, uma vez que a bebida logo perde as suas propriedades nutricionais e, portanto, os seus benefícios. Fonte: mundoboaforma)

Tabela nutricional

Porção de 100 g de suco de uva integral.

Componente Valor por 100 g
Calorias 61 kcal
Carboidratos 14,8 g
Proteína 0,37 g
Gorduras 0,13 g
Fibra alimentar 0,2 g
Gorduras saturadas 0,03 g
Gorduras poli-insaturadas 0,02 g
Cálcio 11 mg
Ferro 0,25 mg
Sódio 5 mg
Magnésio 10 mg
Fósforo 14 mg
Potássio 104 mg
Zinco 0,07 mg
Cobre 0,02 mg
Tiamina 0,02 mg
Riboflavina 0,02 mg
Niacina 0,13 mg
Vitamina B6 0,03 mg
Vitamina C 25 mg
Fonte: Tabela Brasileira de Composição de Alimentos (TACO)

Leia mais:  Inquérito Sorológico vai testar 32 mil capixabas para identificar contato com Coronavírus
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana