conecte-se conosco


Moda e Beleza

Saiba como higienizar e cuidar corretamente dos seus tênis

Publicado

Para conservar seus pares de tênis favoritos, cuidados na hora da limpeza e do armazenamento são essenciais

Para quem tem uma baita coleção de tênis e os trata como xodós, ou para quem apenas quer conservar os pares como novos por mais tempo, as dicas a seguir são imperdíveis. Confira os métodos de limpeza e armazenamento que ajudam nessa tarefa.

Faça uso de suportes internosSabe aqueles vincos ou amassados? Evite-os fazendo uso de inserções de espuma macia que podem ser acomodadas dentro da biqueira dos seus sneakers para mantê-los lisos e sem dobras. O item é discreto e muito indicado para calçados que possuem a parte dobrável em couro

Faça uso de suportes internos

Sabe aqueles vincos ou amassados? Evite-os fazendo uso de inserções de espuma macia que podem ser acomodadas dentro da biqueira dos seus sneakers para mantê-los lisos e sem dobras. O item é discreto e muito indicado para calçados que possuem a parte dobrável em couro.

Higienize-os com produtos específicos

Ao invés de limpar seus tênis com produtos comuns de limpeza, invista nas opções específicas para esse fim. Atualmente, existem diversos kits profissionais no mercado, feitos a partir de ingredientes naturais, que protegem das manchas e são de uso muito simples.

Evite o mofo e a hidrólise

Investir em sachês de sílica gel é a solução. Isso porque ambos os problemas são causados pela ação da umidade nas mais diversas superfícies, como a dos calçados que ficam guardados sem o devido cuidado.

O mofo deriva dos fungos, mas a redução da umidade ajuda na diminuição de sua reprodução, que destrói os tecidos e espumas dos calçados e que pode atingir a pele dos pés, causando frieiras, ou as unhas, acarretando micoses, por exemplo. Esses micro-organismos geralmente se proliferam em temperaturas acima de 25ºC e umidade relativa do ar acima de 50% e preferem lugares escuros - ou seja: os seus tênis podem ser o lar perfeito para eles

O mofo deriva dos fungos, mas a redução da umidade ajuda na diminuição de sua reprodução, que destrói os tecidos e espumas dos calçados e que pode atingir a pele dos pés, causando frieiras, ou as unhas, acarretando micoses, por exemplo. Esses micro-organismos geralmente se proliferam em temperaturas acima de 25ºC e umidade relativa do ar acima de 50% e preferem lugares escuros – ou seja: os seus tênis podem ser o lar perfeito para eles.

Já a hidrólise é o processo de destruição das macromoléculas de polímeros pela reação com água na forma líquida e gasosa. O polímero que mais sofre com esta ação são os poliuretanos, usados em entressolas, amortecedores e detalhes de praticamente todos os tênis. Resultado: o material se esfarela quando hidrolisado. Acima de 50% de umidade e 20ºC de temperatura, a hidrólise é acelerada. Ou seja, seus sneakers representam, mais uma vez, o ambiente ideal para esse tipo de ocorrência que pode ser bem aborrecedora.

Para ajudar nessa empreitada contra os danos à sua coleção, a Bodout tem uma opção de produto que remove a umidade dos tênis. Os sachês absorvem a umidade e mudam de cor ao ficarem saturados, revelando assim quando devem ser levados ao micro-ondas para voltar ao seu estado original e serem usados novamente dentro dos calçados

Para ajudar nessa empreitada contra os danos à sua coleção, a Bodout tem uma opção de produto que remove a umidade dos tênis. Os sachês absorvem a umidade e mudam de cor ao ficarem saturados, revelando assim quando devem ser levados ao micro-ondas para voltar ao seu estado original e serem usados novamente dentro dos calçados.

Aposte em estantes, armários e caixas empilháveis

Opte por estantes arejadas ou um armário bem ventilado para acomodar seus tênis. Além de prevenir a umidade, essa organização proporciona facilidade para encontrar um item específico. A única desvantagem é que os calçados podem ficar expostos à luz e ao tempo.

Se optar pelas caixas de sapato empilháveis, projetadas para esse fim, leve em consideração alguns fatos: esses organizadores têm o acabamento em plástico transparente, facilitando uma visualização mais prática; a desvantagem é que eles não são esteticamente agradáveis. Neste caso, para proteger ainda mais os itens armazenados, vale colocar um sachê de sílica gel em cada calçado.

Leia mais:  Confira looks com blazer a tendência das mulheres de negócio
publicidade

Moda e Beleza

Trança é destaque nos penteados das atletas de Tóquio, inspire-se

Publicado

Representantes de diferentes esportes e países usaram os cabelos presos e trançados de diversas maneiras

As atletas que participam das Olimpíadas de Tóquio 2020 precisam estar com os cabelos sempre presos para que os fios não atrapalhem seus desempenhos durante as competições. Muitas delas, além de prendê-los, usam tranças – seja para dar mais firmeza ou charme ao penteado. Confira exemplos e inspire-se.

A norte-americana Sunisa Lee prendeu os cabelos em um coque e usou uma trança na horizontal para enfeitar o penteado na última quinta-feira (29), quando ganhou a medalha de ouro na prova individual geral da ginástica artística

A norte-americana Sunisa Lee prendeu os cabelos em um coque e usou uma trança na horizontal para enfeitar o penteado na última quinta-feira (29), quando ganhou a medalha de ouro na prova individual geral da ginástica artística.

De outro ângulo, é possível ver mais detalhes de seu penteado

De outro ângulo, é possível ver mais detalhes de seu penteado.

Jade Carey, que também integra a seleção feminina de ginástica artística do Estados Unidos, usou tranças presas de lado e um laço para incrementar o tradicional rabo de cavalo

Jade Carey, que também integra a seleção feminina de ginástica artística do Estados Unidos, usou tranças presas de lado e um laço para incrementar o tradicional rabo de cavalo.

Entre as atletas do handebol, também já houve muitos exemplos de tranças. Ana Paula Belo, do Brasil, usou a do tipo raiz - também chamada de nagô - ao entrar em campo contra a Hungria na terça-feira (27). Essas são as mais tradicionais tranças africanas. Rentes ao couro cabeludo, elas se caracterizam por formar desenhos no topo e na lateral da cabeça

Entre as atletas do handebol, também já houve muitos exemplos de tranças. Ana Paula Belo, do Brasil, usou a do tipo raiz – também chamada de nagô – ao entrar em campo contra a Hungria na terça-feira (27). Essas são as mais tradicionais tranças africanas. Rentes ao couro cabeludo, elas se caracterizam por formar desenhos no topo e na lateral da cabeça.

Larissa Araujo mostrou carisma e deixou as tranças em evidência nesta foto registrada enquanto ela comemorava um gol feito na partida contra a Hungria

Larissa Araujo mostrou carisma e deixou as tranças em evidência nesta foto registrada enquanto ela comemorava um gol feito na partida contra a Hungria.

Tamires Araujo, também da seleção feminina de handebol do Brasil, combinou tranças e coque para amarrar os cabelos durante o jogo

Tamires Araujo, também da seleção feminina de handebol do Brasil, combinou tranças e coque para amarrar os cabelos durante o jogo.

Bruna Paula, outra representante do Brasil no handebol, estava com o cabelo todo trançado e preso em um coque durante o jogo com a Espanha na quinta-feira (29), no qual ela marcou gol

Bruna Paula, outra representante do Brasil no handebol, estava com o cabelo todo trançado e preso em um coque durante o jogo com a Espanha na quinta-feira (29), no qual ela marcou gol.

Tina Graudina, da Letônia, também estava de tranças na quarta-feira (28), quando venceu a dupla brasileira no vôlei de praia

Tina Graudina, da Letônia, também estava de tranças na quarta-feira (28), quando venceu a dupla brasileira no vôlei de praia.

Leia mais:  Tendências de moda para cabelos inspirados nas celebridades
Continue lendo

Moda e Beleza

Pandemia e home office dão impulso a moda casual

Publicado

Conforto e descontração no vestuário devem se manter depois do isolamento social, inclusive nas ruas e no trabalho

Ficar mais tempo dentro de casa proporcionou o surgimento de um paradigma na cabeça de muitas pessoas: eu me visto para mim mesma ou para estar de acordo com as expectativas dos outros? Com a reabertura gradual dos espaços de lazer e o fim do home office para alguns, pode-se começar a projetar qual o impacto ocasionado pelo período de pandemia na maneira de se vestir não só dentro de casa mas, principalmente, fora dela.

Para esquadrinhar esse cenário, Louise Estaniecki, graduada em moda e sócia da Louth Shoes,  faz uma análise do momento.

“Você não precisa estar elegante dentro de casa, mas precisa estar apresentável e confortável para trabalhar o dia inteiro. No entanto, se arrumar aumenta a produtividade e o rendimento, quebrando um pouco a esfera do conforto extremo do lar, dando a sensação do local de trabalho”, comenta. 

A nova noção sobre como gastar o tempo também influencia as decisões ao comprar roupas. Agora, o que não faltam são conjuntos de peças que combinam entre si, uma coordenação prática que evita a perda de tempo demasiada na elaboração do look. 

A expert aponta que a indústria se adaptou muito rapidamente às novas demandas, algo facilmente identificável pelo novo nicho de roupas e sapatos confortáveis com um toque de cuidado e sofisticação. “Atualmente, tanto o formato do sapato, quanto o material, se inspiram nas pantufas. O tecido fofinho estilo carneirinho ou ursinho de pelúcia, que também aparece em casacos, está forte nos pés”, aponta ela.

Tudo isso vem combinado em modelagens amplas e abertas, como mules e flatforms, trazendo versatilidade inclusive para combinar os calçados com meias e usá-los em todas as estações do ano.

O novo-velho normal

Apesar de tudo isso, cada tipo de ofício demanda um código específico de vestimenta. E, em diferentes áreas, são diferentes as pressões exercidas em busca de um visual adequado. Com o modo presencial se restabelecendo pouco a pouco, algumas coisas tendem a voltar a ser como antes, mas Louise acredita que certas configurações podem ter sido modificadas. 

“Muitas empresas estão adotando o estilo de funcionamento híbrido. Com esse ‘novo normal’, penso que haverá também a flexibilização do dress code e, com isso, um alívio da imposição de padrões muito bem alinhados. A busca pelo conforto vai se manter, não tem como regredir”, acredita ela.

“Claro que você não vai poder ir de pijama ou do jeito que ficava em casa, mas a aposta será em acessórios e outros itens de vestuário que mesclem o conforto e a elegância”, completa.

O equilíbrio entre o conforto e uma aparência bem cuidada mora nos detalhes. Sapatos, bolsas, cintos, lenços, brincos e colares podem ser encarados como dispensáveis.

Mas Louise garante que esse é o segredo para dar um up no visual de trabalho, para quem optar por vestimentas com caimento mais largo ou tecidos mais esportivos, como o moletom, nessa nova era que se aproxima. 

Leia mais:  Miçangas coloridas: uma tendência retrô divertida
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana