conecte-se conosco


Política e Governo

Sedu esclarece dúvidas sobre o Programa EscoLAR

Publicado

No intuito de esclarecer dúvidas do Programa EscoLAr foi que a Secretaria da Educação (Sedu) reuniu uma série de informações. Confira:

As aulas pela TV também valem para alunos da rede municipal?
Sim, se esse for o desejo da respectiva Secretaria Municipal de Educação. Na medida em que o conteúdo vem pela TV aberta, caso algum secretário municipal queira utilizar essa atividade remota, poderá fazê-lo sem nenhum problema.

Já Atualizei os canais e não apareceu o canal 8.2. Qual motivo?
Se apareceram os canais 8.3 e 8.4, possivelmente não é um problema de transmissão. Pode ser algum problema técnico.

Como fazer para copiar as explicações do professor pela TV, sendo que não tem pausa?
Essa forma de transmissão de conteúdo exigirá do aluno uma organização na forma de estudar. De todo modo, as aulas são reprisadas no dia seguinte, nos mesmos horários. As aulas são às segundas, quartas e sextas-feiras, com reprise nas terças, quintas e sábados. Os conteúdos também estarão disponíveis no site www.sedu.es.gov.br/escolar, no menu grade de programação, onde poderão ser consultados.

Utilizei todas as TVs e apenas uma funcionou, porém parte do vídeo estava sem som.
A dificuldade é na TV e não na emissão do sinal. De fato, houve um pequeno problema no canal 8.2, mas que já foi corrigido.

Leia mais:  Propostas de financiamento da linha de crédito emergencial Bandes e Banestes chegam a R$ 282,3 milhões

Como ficarão as aulas para os alunos que não têm acesso a TV e internet?
O EscoLAR é um programa de atividades não presenciais, em que as principais estratégias são a transmissão das aulas pela TV e pela plataforma Google Sala de Aula, que pode ser acessado pelo aplicativo EscoLAR. As escolas que identificarem alunos que não possuem nenhuma das duas alternativas farão, através de sua própria equipe, a estruturação de uma série de outras ações, para que não haja exclusão de nenhum aluno dos conteúdos.

Moro em zona rural onde só pega o canal local da Globo e os demais de São Paulo, e não temos TV aberta. O que fazer?
Infelizmente é um caso que não será atendido pelas duas principais estratégias.

Não tenho TV digital. Vou conseguir acessar?
O conteúdo que está sendo transmitido é digital, por essa razão, essas famílias possam ter a mesma dificuldade.

Mesmo atualizando a TV os canais não aparecem.
É muito importante que as pessoas façam as atualizações novamente para tentar todas as possibilidades técnicas.

Leia mais:  Governador anuncia edital de licitação da PPP para universalização do serviço de esgoto de Cariacica

Quando cliquei na TV para assistir a aula não tinha matéria para a idade da minha filha.
Há uma programação por série/ano. É necessário sintonizar no horário e data, de acordo com a série/ano do aluno. A programação está disponível no site do EscoLAR (www.sedu.es.gov.br/escolar, no menu grade de programação).

As aulas foram pré-disponibilizadas aos professores no Youtube, será sempre assim? Qual a alternativa para os professores que não têm acesso a TV.
Para que os professores ficassem cientes das primeiras aulas, os conteúdos foram disponibilizados no Youtube previamente. Porém, a partir de agora só será disponibilizado após a transmissão pela TV. A alternativa é o acesso ao Google Sala de aula através do aplicativo EscoLAR, que já está disponível no Google Play.

Sou intérprete de libras. As primeiras aulas não contaram com intérprete. Como os alunos surdos irão estudar?
Os primeiros conteúdos vieram sem interprete de Libras. A expectativa é que as próximas aulas sejam transmitidas com interprete.

Essas aulas serão contabilizadas como dias letivos?
Inicialmente as aulas não serão contabilizadas como dia letivo. A proposta é uma alternativa para que os alunos tenham acesso a conteúdos durante o período da pandemia.

publicidade

Política e Governo

Ato simbólico marca início da vacinação das crianças contra Covid-19 no Espírito Santo

Publicado

Em ato simbólico realizado na manhã deste sábado (15), no Palácio Anchieta, em Vitória, teve início a vacinação de crianças entre 05 e 11 anos de idade contra o novo Coronavírus (Covid-19). A imunização desse público é um processo fundamental para o controle da pandemia e segurança de toda população. A ação teve a presença do governador do Estado, Renato Casagrande, e do secretário de Estado da Saúde, Nésio Fernandes. Com autorização e acompanhadas dos seus responsáveis legais, as crianças receberam a primeira dose da Pfizer/BioNTech.

“Nós estamos iniciando a vacinação das crianças pelo Plano Nacional de Imunização, iniciando pelas crianças indígenas, aquelas com deficiência ou comorbidades. Esse é o público dessa primeira fase. Avançamos muito na imunização da população, mas temos que avançar ainda mais. Temos um grande número de pessoas com mais de 12 anos que ainda não receberam a vacina. Pedimos sempre que as pessoas que podem se imunizem contra essa doença. Nosso esforço é para que as pessoas façam o teste. São mais de 480 locais de livre testagem no Espírito Santo. Para assim identificar o contágio e romper a cadeia de transmissão”, afirmou o governador Casagrande.

Para a vacinação desse público, chegaram ao Estado, na tarde desta sexta-feira (14), um total de 24,1 mil doses pediátricas da vacina. O imunizante foi distribuído às regionais de saúde e aos municípios da Região Metropolitana no mesmo dia, sendo realizada a divisão das doses de acordo com a estimativa populacional (público-alvo no local), bem como o quantitativo de doses enviado pelo Ministério da Saúde. A Secretaria da Saúde (Sesa) aguarda o posicionamento do órgão quanto ao envio de novas remessas para ampliar os públicos-alvo.

“A vacinação das crianças deve seguir até o mês de junho para aplicação das duas doses. Queremos vacinar rapidamente todas as crianças para protegê-las o mais rápido possível desse vírus. A vacina traz proteção para as crianças e é um ato de responsabilidade dos pais para com seus filhos”, comentou o secretário da Saúde, Nésio Fernandes.

Também estiveram presentes a vice-governadora do Estado, Jacqueline Moraes; o subsecretário interino de Estado de Vigilância em Saúde, Orlei Cardoso; além de representantes da Vitória Down, Pestalozzi, Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae) e de secretarias municipais de Saúde.

Depoimentos

Leia mais:  Gestores apontam desafios a serem superados para garantir mais eficiência ao Governo

Josias Carvalho Marinho, indígena da aldeia Nova Esperança, em Aracruz, trouxe o filho Arthur, 6 anos, e a sobrinha Lucimar, 9 anos, para receberem a primeira dose da vacina contra a Covid-19. “Hoje é um dia importante para todas as crianças indígenas. Estamos muito felizes por saber que a vacina chegou também para elas”, declarou.

A moradora de Vila Velha, Raiane Gonçalves da Fonseca, estava muito feliz por poder vacinar seu filho Nicolas, 8 anos. “Desde 2020 estávamos na expectativa de que a vacina pudesse chegar para todos e também para as crianças. O Nicolas além de ser autista é também asmático, então sempre tivemos muito cuidado com ele. Agora que a vacinação chegou para ele é um alívio total porque temos a casa toda imunizada”, disse.

Ver a pequena Emanuela, 6 anos, imunizada emocionou Lorena Firmino, moradora da Serra. “Ela tem uma imunidade muito baixa, sempre suscetível a doenças, por isso a vacinação contra o coronavírus representa mais qualidade de vida para minha filha”, observou.

Vacinação das crianças no Estado

Atualmente, o Espírito Santo tem 393.089 pessoas entre 05 e 11 anos aptas para receber a vacinação contra Covid-19. Devido ao número de doses disponibilizadas nesse primeiro momento, o Governo do Estado organizou a imunização por meio de alguns grupos prioritários.

Inicialmente, serão vacinadas as crianças indígenas (que representam 397 pessoas); quilombolas; pessoas com deficiência permanente; comorbidades; e 11 anos de idade (com público de 54.685 cidadãos). Não há uma estimativa de quantas crianças quilombolas; com deficiência permanente ou; com algum tipo de comorbidade habitam o Estado.

Caso o público tenha tomado alguma vacina do Calendário Nacional de Imunização, é necessário aguardar 15 dias para receber a dose da Pfizer contra Covid-19. A segunda dose será aplicada com o intervalo de oito semanas (56 dias). Além disso, as crianças que completam 12 anos de idade entre a primeira e a segunda dose devem permanecer com o esquema de vacinação com a dose pediátrica.

Não será exigida a prescrição médica para imunização desse público no Espírito Santo, porém, os indivíduos que se enquadram no grupo de comorbidade deverão apresentar laudo que comprove a sua situação específica no ato da imunização.

A vacinação das crianças em solo capixaba está prevista para ter início em diversos municípios, ainda neste sábado (15), sendo que a implementação é realizada por cada região, assim como ocorre com os demais grupos da Campanha de Imunização. A imunização das crianças deve ser realizada em ambiente específico e separado da imunização dos adultos, conforme recomendação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Clique aqui e confira a íntegra da Resolução CIB N° 010/2022, publicada no Diário Oficial do Espírito Santo, nesta sexta-feira (14). No texto, é possível conferir os tipos de comorbidades.

Diferença entre as doses para aplicadas em crianças e adultos

Leia mais:  Editorial - Mudar para mudar ou mudar para continuar a mesma coisa?

A Vacinação da Pfizer já é utilizada no esquema vacinal padrão de adolescentes e adultos e na aplicação de dose de reforço. Entretanto, os lotes destinados às crianças apresentam algumas diferenças como nos frascos, dosagem e tempo de armazenamento. Confira as diferenças no quadro (na galeria de imagens).

Continue lendo

Política e Governo

Fase Azul: ES suspende classificação de ‘risco muito baixo’

Publicado

O governo divulgou o mapa de risco da próxima semana. Todos os municípios vão continuar na classificação de “risco baixo” para transmissão da covid-19

O governador do Espírito Santo, Renato Casagrande, fez no final da tarde desta sexta-feira (14) um pronunciamento para falar sobre o enfrentamento da covid-19 no Estado. Durante a transmissão, ele anunciou a suspensão da classificação do “risco muito baixo”, a chamada “fase azul”.

A classificação havia sido anunciada em outubro de 2021. Para ser considerada em risco ‘muito baixo’, todas as cidades das microrregiões deveriam conter ao menos um ponto fixo de testagem para a covid-19 e cumprir metas de vacinação estipuladas pelo governo do Estado:

– 90% de cobertura dos adolescentes com D1;
– 90% de cobertura de reforços nos idosos e imunossuprimidos;
– 80% dos adultos com D2.

Nesta sexta-feira (14), a microrregião Central Serrana foi a primeira a atingir as três metas de vacinação para ser classificada em “risco muito baixo”

A classificação iria suspender a maior parte das regras de restrição social, em especial no comércio, academias e na realizações de eventos. 

Casos de covid-19 em alta no ES

Casagrande iniciou o pronunciamento afirmando que os casos de covid-19 estão em alta no Espírito Santo. Nesta semana, o Estado registrou um novo recorde no número de casos registrados em 24 horas.

“Só para vocês terem uma ideia, na última semana de dezembro nós registramos 2.142 pessoas positivadas. Na primeira semana de janeiro, nós registramos 9.521 contaminados. O número de pessoas com o vírus cresceu muito. Também tivemos no período do último mês, de 13 de dezembro a 13 de janeiro, um aumento na ocupação dos leitos de UTI”, afirmou.

Casagrande destacou, no entanto, que cenário não é semelhante como o vivenciado em 2020 e 2021, quando ainda não havia vacinas contra a doença.

>> Número de pessoas internadas dobra

O número de pessoas internadas dobrou no Espírito Santo. Segundo o governador, em 13 de dezembro, o Estado tinha 130 leitos de UTIs ou enfermarias ocupados por pessoas confirmadas com a covid-19. Um mês depois, o número passou para 262.

Diante do crescimento do contágio, provocado principalmente pela variante Ômicron, o governo do Estado voltou a transformar o Hospital Jayme Santos Neves, na Serra, em um espaço para triagem dos pacientes com casos suspeitos.

“Para confirmar a alta no contágio, a taxa de transmissão da primeira semana de janeiro, ela ainda é provisória porque temos que esperar algumas semanas para confirmar, mas já estamos com a taxa próximo de 3%”, disse. Ou seja, uma única pessoa pode contaminar outras três.

“Fase Azul” é suspensa no ES

O governador destacou que após as festas de fim de ano e com a circulação da variante Ômicron, o Espírito Santo está em uma fase de transmissão alta. Por isso, o governo decidiu suspender a classificação de “risco muito baixo” na matriz de risco.  

“A matriz nos orienta na classificação dos riscos baixo, médio e alto. Tínhamos desenvolvido uma outra variável, que é a microrregião de “risco muito baixo”, mas nós só podemos ter regiões em risco muito baixo com a transmissão em queda. Com a ascensão do contágio, nós estamos suspendendo essa parte da matriz de risco. Não teremos mais o “risco muito baixo” neste momento. É importante que a gente retire essa classificação porque ela não condiz com o que estamos vivendo”, explicou.

Casagrande disse ainda que quando o Estado voltar a registrar queda no número de casos, a classificação de “risco muito baixo” poderá retornar a matriz e, por isso, é importante que os municípios continuem incentivando a população a se vacinar.

“Vacinando a gente consegue manter alguns indicadores sob controle, principalmente, o mais importante dos indicadores, que é o de óbitos”, complementou.

Governador do ES faz apelo para que a população se vacine

O governador fez um apelo para quem ainda não foi vacinado contra a covid-19 ou está com alguma dose atrasada e orientou essas pessoas a buscarem um ponto de vacinação.

“Isso é fundamental para que, mesmo que tenhamos um alto contágio, mantenhamos o número de pessoas que perdem a vida sob controle e para que o índice possa ir caindo até que a gente consiga, de fato, zerar os óbitos no Espírito Santo”.

Vacinação de crianças

O governo do Estado irá realizar, na manhã deste sábado (15), no Palácio Anchieta, um ato simbólico para iniciar a vacinação das crianças de 5 a 11 anos. As primeiras doses pediátricas chegaram aos Estado na tarde desta sexta-feira. Ao todo, mais de 24 mil doses foram desembarcadas no Aeroporto de Vitória e já estão sendo distribuídas para os municípios capixabas, segundo a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa).

Dia D do projeto Viana Vacinada

No domingo (16), também haverá reforço na imunização dos capixabas. A partir das 8h, será realizado o “Dia D” do projeto Viana Vacinada para a aplicação da meia dose de reforço.

 480 pontos de livre testagem no Espírito Santo

Ainda durante sua fala, Casagrande destacou a importância da testagem para identificar e romper a cadeia de transmissão da doença.

“Temos atualmente 480 pontos de livre testagem no Espírito Santo, sendo 21 pontos do governo do Estado nos terminais, hospitais e em outros locais. Testar é fundamental. Quem testa, identifica a doença, se isola e isso quebra a transmissão da doença”, frisou.

Mapa de risco: todas cidades do ES continuam em risco baixo

Nesta sexta-feira (14), o governo do Estado também apresentou o mapa de risco que entrará em vigor na próxima semana, entre os dias 17 (segunda-feira) e 23 de janeiro. 

Pela terceira semana consecutiva, todos os municípios capixabas foram classificados em risco baixo. Não há cidades nos riscos extremo, alto ou moderado.

Leia mais:  Potencialidades do Espírito Santo são apresentadas em evento em Minas Gerais
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana