conecte-se conosco


Internacional

‘Sei como se sentem, mas vão para casa’, diz Trump em vídeo

Publicado

Presidente americano postou vídeo em que diz que as eleições foram ‘roubadas’, mas pede para apoiadores deixarem congresso

Poucos minutos após o apelo de Joe Biden, o presidente americano, Donald Trump, divugou um vídeo nas redes sociais em que pede para os apoiadores que invadiram o congresso americano irem embora. Na publicação, ele diz que as eleições dos Estados Unidos foram roubadas, chama os manifestantes de “especiais”, diz que os ama, mas que é preciso ter “lei e ordem”.

“Tivemos uma eleição que foi roubada de nós. Nós ganhamos de lavada e todo mundo sabe disso, especialmente o outro lado. Sei como se sentem, mas vão para a casa agora”, disse Trump em vídeo publicado no Twitter.

A rede social bloqueou o compartilhamento e respostas ao tuíte, afirmando que ele contém informações inverídicas e incitação à violência.

Mais cedo, enquanto seus apoiadores invadiam o Congresso, Trump também usou o Twitter para criticar o vice-presidente Mike Pence por não apoiá-lo na tentativa de anular os resultados da eleição presidencial.

“Mike Pence não teve a coragem de fazer o que teria de ser feito para proteger nosso país e nossa Constituição, dando aos Estados uma chance de certificar um conjunto corrigido de fatos”, escreveu Trump, em mais uma mensagem marcado como imprecisa pela rede social por afirmar que haveria fraude na eleição.

Pouco depois, na única manifestação que ele fez sobre a invasão ao Congresso, Trump pediu que seus apoiadores “apoiem a polícia do Capitólio” e “mantenham a paz”.

Leia mais:  Delegação da OMS vai à China esta semana para investigar origem do coronavírus
publicidade

Internacional

Índia dá início ao mais ambicioso esquema de vacinação do mundo

Publicado

A Índia iniciou seu programa de vacinação contra Covid-19 neste sábado (16). O país, que tem uma população de 1,35 bilhão de pessoas e mais de 10 milhões de casos do novo coronavírus, tem pela frente o desafio de organizar a “maior campanha de vacinação do mundo”, dizem as autoridades indianas.

Neste primeiro dia, cerca de 100 pessoas serão vacinadas voluntariamente em cada um dos 3.006 centros do país.

O país não faz uma operação de saúde em grande escala há quase 20 anos, quando lançou a campanha contra a poliomielite para vacinar cerca de 100 milhões de crianças menores de três anos em um dia.

O governo do primeiro-ministro indiano Narendra Modi identificou 300 milhões de pessoas que compõem o “grupo prioritário” para receber o imunizante contra o coronavírus.

Esse grupo é formado por 30 milhões de profissionais de saúde, policiais, soldados e voluntários e 270 milhões de pessoas mais vulneráveis ao vírus: a maioria, cidadãos com mais de 50 anos e mais 10 milhões de pessoas com comorbidades graves.

Imunizantes usados

Duas vacinas já foram aprovadas para uso emergencial nesta primeira fase de imunização: a da Universidade Britânica de Oxford, com farmacêutica sueco-britânica AstraZeneca, e a Covaxin, a fórmula desenvolvida pelo laboratório Bharat Biotech em parceria com o Conselho Indiano de Pesquisa Médica (ICMR).

O Serum Institute of India (SII), maior fabricante mundial de vacinas em volume, é responsável pela produção de Covishield e já entregou cerca de 11 milhões de doses ao governo no início da campanha, enquanto Bharat A Biotech confirmou a compra de 5,5 milhões de vacinas a mais.

Distribuição 

A logística para o fornecimento das vacinas começa com a previsão da transferência das doses para os quatro principais pontos escolhidos para abastecimento no país: Karmal (norte), Bombaim (oeste), Calcutá (leste) e Chennai (sul).  

Mais 29 mil pontos no país serão percorridos por terra. Esses locais funcionam como uma rede para entrega de imunizantes aos postos de atendimento, onde ocorrerá a aplicação das vacinas. 

Outro fator também que precisou ser observado é a temperatura para conservação dos imunizantes (2 a 8 graus).

Principalmente em estruturas mais precárias, como próximo a comunidades indígenas ou zonas rurais, que apresentam problemas no serviço de eletricidade. E com a chegada do verão, as temperaturas no país podem passar de 40°.

O governo indiano comprou 70 câmaras de congelamento, 240 câmaras frias, 45.000 geladeiras forradas a gelo, 41.000 freezers, 300 geladeiras de carga solar e cerca de 200.000 banheiros treinados para essa tarefa.

“Nosso desafio é maior e mais complexo do que o de mais de 50 países onde a vacinação já começou, por isso devemos estar mais preparados”, disse o secretário de Saúde Rajesh Bhushan.

Registro e comunicação

Com o objetivo de vacinar 300 milhões de pessoas, a Índia também criou um plano arrojado de comunicação e registro das pessoas que serão imunizadas.

O governo indiano lançou o “Co Win”, um aplicativo que enviará as informações de temperatura de todos os locais onde as vacinas serão armazenadas, para a sede em Nova Délhi. 

Além disso, a plataforma digital também permitirá o envio de uma mensagem informando onde e quando você receberá a vacina, identificando também qual dose do imunizante foi ministrado durante a vacinação.

Índia x Brasil

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Índia, Anurag Srivastava, disse na quinta-feira (14) que “é muito cedo” para dar respostas sobre exportações das vacinas produzidas no país, uma vez que a campanha nacional de imunização ainda está só começando.

O Brasil é um dos países que está na fila para buscar 2 milhões de doses da vacina de Oxford.

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse na sexta-feira (15) que o avião responsável por buscar as vacinas na Índia partirá em “dois ou três dias, no máximo”. Inicialmente, a aeronave deveria ter partido na quinta (14).

“Já temos tudo acertado para disponibilizar 2 milhões de doses. Hoje está começando a vacinação na Índia, então resolveu-se atrasar em um ou dois dias até que o povo lá comece a ser vacinado. Daqui a dois, três dias no máximo o nosso avião vai partir e vai trazer esses dois milhões de doses para cá”, disse Bolsonaro em entrevista ao programa Brasil Urgente, da TV Bandeirantes.

Leia mais:  Fechada por covid-19, Disney doará comida a restaurantes populares
Continue lendo

Internacional

Terremoto na Indonésia deixa mortos e dezenas de feridos

Publicado

Milhares tiveram de deixar suas casas. Agência meteorológica do país alertou para risco de tremores secundários, fortes o suficiente para produzirem um tsunami.

Um terremoto de magnitude 6,2 atingiu nesta sexta-feira (15) a ilha de Sulawesi, na Indonésia. Ao menos 35 pessoas morreram e outras dezenas ficaram feridas, segundo o governo local.

Milhares de pessoas tiveram de deixar suas casas após o tremor.

O governo indonésio diz que dezenas de casas, dois hotéis e um prédio público que abriga o escritório do governador ficaram severamente danificados pelos tremores.

A agência meteorológica do país alertou para o risco de tremores secundários, fortes o suficiente para produzirem um tsunami.

O epicentro do tremor ocorreu a 18,4 km de profundidade e a 6 km da cidade de Majene, de acordo com o Serviço Geológico dos Estados Unidos (USGS), que monitora a atividade sísmica pelo mundo.

MAPA: Terremoto na Indonésia — Foto: G1 Mundo

Círculo de Fogo do Pacífico

A Indonésia fica na região conhecida como Círculo de Fogo do Pacífico, com intensa atividade sísmica devido ao encontro entre placas tectônicas. Terremotos e vulcões são comuns na área, e frequentemente países com litoral no Pacífico sofrem com os efeitos de fenômenos do tipo.

Leia mais:  Macacos atacam agentes de saúde e pegam amostras de sangue com coronavírus na Índia
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana