conecte-se conosco


Internacional

Sem internações, Laos anuncia vitória sobre a covid-19

Publicado

País asiático deu alta médica ao último dos 19 pacientes hospitalizados pelo novo coronavírus e não registra novos contágios há 59 dias

O governo do Laos anunciou que derrotou a covid-19, após receber o último de seus 19 pacientes hospitalizados pelo novo coronavírus e não ter registrado nenhum novo contágio em 59 dias, informou a imprensa local neste sábado (13).

“O Laos obteve uma grande vitória na primeira campanha contra esse inimigo implacável”, anunciou o primeiro-ministro do Laos, Thongloun Sisoulith, em uma entrevista coletiva na sexta-feira, informou o site local The Laotian Times.

A nação isolada do Laos foi um dos últimos países a detectar os primeiros casos de covid-19 dentro de suas fronteiras, em 24 de março, quando um guia turístico de 36 anos que acompanhara um grupo de europeus foi diagnosticado com o novo coronavírus. Além dele, um homem de 28 anos, que participou de uma conferência em Bangkok, também havia sido infectado.

O atraso ocorreu em grande parte como conseqüência da falta de evidências e, até o momento, 8.926 testes foram feitos no país de pouco mais de 7 milhões de habitantes, onde apenas 19 casos foram confirmados e nenhuma morte ocorreu, segundo dados coletados no site do Comitê Nacional de Prevenção e Controle do covid-19.

Leia mais:  Selfies mortais fizeram 330 vítimas em uma década. Relembre casos

O regime comunista do país impôs medidas estritas para conter a pandemia em 30 de maio, que incluiu a quarentena obrigatória de todos os cidadãos, exceto para comprar bens essenciais ou visitar hospitais, a proibição de viajar para outras províncias e o fechamento total de suas fronteiras, bem como estabelecimentos como bares, restaurantes ou academias.

As medidas foram atenuadas no final de maio, com a abertura de centros educacionais ou a autorização de eventos esportivos, embora sejam espectadores, e também o de cinemas, mas as fronteiras permanecem fechadas, exceto em casos especiais e com autorização expressa.

Além do Laos, já anunciaram a erradicação ou não registaram casos de covid-19 algumas ilhas do Pacífico ou países com regimes ditatoriais. São eles: Vanuatu, Palau, Tuvalu, Nauru, Samoa, Kiribati, Micronésia, Tonga, Ilhas Marshall, Ilhas Salomão, Coreia do Norte e Turcomenistão.

publicidade

Internacional

Suspeito de cometer ataque na região de Chicago estava vestido com ‘roupas femininas’, diz polícia

Publicado

Robert E. Crimo 3º disparou ao menos 70 vezes com arma comprada legalmente; atentado deixou sete mortos e 46 feridos

suspeito de cometer o ataque a tiros durante o desfile de 4 de Julho, em Highland Park, na região de Chicago, estava vestido com roupas femininas para conseguir se disfarçar durante a fuga, afirmou a polícia local nesta terça-feira (5).

Segundo o porta-voz da força tarefa de crimes do condado de Lake, Christopher Covelli, Robert E. Crimo 3º, de 22 anos, tentou se disfarçar ao máximo para não ser identificado. O suspeito possui grandes tatuagens no pescoço, além de traços próximos ao olho esquerdo.

Segundo a prefeita da cidade, Nancy Rotering, Robert comprou a arma do crime legalmente. Os 70 disparos feitos pelo suspeito deixaram sete pessoas mortas e outras 46 feridas no atentado.

Robert teria atirado de um telhado, enquanto o público que assistia o desfile de celebração à independência dos EUA estava reunido na rua. O suspeito ficou foragido por volta de dez horas até ser encontrado por autoridades em uma estrada na região de Chicago.

Leia mais:  Selfies mortais fizeram 330 vítimas em uma década. Relembre casos

Suspeito teria usado escada para subir em telhado e atirar no público que assistia o desfile

No carro de Robert, foi encontrado outro rifle, além de mais armas em sua casa. Covelli afirmou em entrevista coletiva que o suspeito estava planejando este ataque há algumas semanas.

Nas próximas horas, as autoridades dos Estados Unidos devem anunciar as acusações contra o atirador. A polícia do país ainda não determinou qual foi a motivação para o massacre durante o desfile de Highland Park.

Continue lendo

Internacional

Caça escolta avião de passageiros após ameaça de bomba

Publicado

Vídeo mostra F-18 sinalizando para jato comercial segui-lo. Incidente foi causado por trote de um adolescente britânico que estava a bordo. Jovem foi preso pela polícia espanhola

Um voo da easyJet indo de Londres para a ilha de Menorca, na Espanha, neste domingo (3), foi escoltado ao seu destino por um caça espanhol depois que um adolescente britânico a bordo fez uma ameaça de bomba nas redes sociais, informou a polícia nesta segunda-feira (4).

O jovem, de 18 anos, que viajava com cinco amigos, passou a noite na prisão e aguarda uma audiência no tribunal, disse um porta-voz da Guarda Civil da Espanha.

As imagens do incidente mostraram um jato F-18 voando perto das pontas das asas laranja da aeronave A-319 da companhia aérea comercial, que normalmente transporta entre 120 e 150 passageiros.

O caça é visto balançando as asas, um gesto conhecido na aviação como sinal de que o outro piloto deve segui-lo, enquanto passageiros, preocupados, podem ser ouvidos discutindo o que está acontecendo e uma mulher pergunta: “Por que ele está fazendo isso?”.

Leia mais:  Marido de professora vítima em massacre no Texas morre de ataque cardíaco

Aviões militares geralmente interceptam uma aeronave civil quando o controle de tráfego aéreo terrestre perde contato com ela ou há uma ameaça percebida à aeronave ou aos passageiros devido a um aviso de bomba, objeto suspeito ou atividade terrorista temida.

Reportagem da Reuters informa que o voo EZY8303 da easyJet, que saiu do aeroporto de Londres Gatwick às 13h, pousou em segurança no aeroporto de Menorca, nas Ilhas Baleares, com meia hora de atraso, pouco antes das 17h, e foi escoltado para uma área de segurança.

Lá, o adolescente foi preso e, durante um período de duas horas, os passageiros foram desembarcados um a um e solicitados a identificar suas bagagens para verificação por cães farejadores e especialistas em desmonte de bombas, segundo a Guarda Civil.

Outros voos de Menorca foram interrompidos pelo incidente.

Um porta-voz da companhia confirmou que o voo foi escoltado por uma aeronave militar e houve um atraso no desembarque devido a verificações de segurança preventivas, mas não deu detalhes sobre a causa.

Leia mais:  Com clima favorável, nave tripulada parte em direção à Estação Espacial

“A segurança de seus passageiros e tripulantes é sempre a maior prioridade da easyJet e gostaríamos de agradecer aos passageiros pela compreensão”, disse ele.

A reportagem não fornece detalhes da ameaça feita pelo adolescente.

Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana