conecte-se conosco


Medicina e Saúde

Sesa inicia migração de leitos exclusivos da Covid-19 para outras especialidades médicas

Publicado

A partir desta segunda-feira (27), a Secretaria da Saúde (Sesa) vai começar a reverter o perfil de alguns leitos hospitalares disponibilizados para paciente com a Covid-19, para atender pacientes de outras especialidades médicas. A medida vale para leitos de enfermaria e leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

Inicialmente, 14 leitos de UTI do Hospital Estadual Dório Silva, na Serra, deixarão de ser utilizados exclusivamente por pacientes Covid-19. Com isso, a unidade passará a ter 16 leitos de UTI para pacientes Covid-19. Ainda esta semana, outro hospital que terá mudanças na oferta de leitos para Covid-19 será o Antônio Bezerra de Farias, em Vila Velha.

Atualmente, a ocupação de leitos de enfermaria está em 57,62% e a Sesa pretende deixar entre 70 e 75%. O mesmo vale para UTIs. A marca de 70% sempre será um indicador para a migração de leitos para outros perfis, conforme explica o secretário de Estado da Saúde, Nésio Fernandes.

“Vamos ajustar o tamanho da rede hospitalar, de acordo com o comportamento da pandemia no Estado. Na medida em que migrarmos leitos para outros perfis clínicos, a ocupação obrigatoriamente subirá para entre 70 e 75%, que será a faixa de segurança para as decisões quanto à reversão do perfil dos hospitais. Na medida em que a ocupação for reduzindo de maneira sustentada, que consigamos voltar a reverter o perfil dos hospitais, somente uma nova onda de casos que possa elevar a pressão por serviços hospitalares será capaz de nos fazer rever novamente o perfil das unidades”, afirma o secretário.

Leia mais:  Vacinação de crianças de 5 a 11 anos não será obrigatória

A contratação dos hospitais privados será poderá ser prorrogada por 30 dias. A contratualização com os hospitais filantrópicos não terá alteração.

publicidade

Medicina e Saúde

Novos exames de sangue ajudam a confirmar diagnóstico de Alzheimer

Publicado

Apesar da corrida por detecção precoce, médicos alertam que o diagnóstico do Alzheimer é complexo e continua a ser majoritariamente clínico

Desde que a mãe recebeu o diagnóstico de Alzheimer, há 13 anos, a fotógrafa e laboratorista Rosangela Andrade lida com a situação com um ponto de vista moldado pelo ofício. Para ela, quem não registra as coisas não pode ter memória. Por isso, decidiu ensinar Therezinha Motta Andrade, de 87 anos, a fotografar. 

“A ideia foi criar uma espécie de jogo da memória com as fotos reveladas. Não basta encontrar a mesma imagem sobre a mesa cheia de cenas; pedia para ela falar quem eram as pessoas. Foi uma tentativa de manter minha mãe mais tempo entre nós.”

Encontrar formas de sustentar a memória viva e funcional é o desafio que move milhares de cientistas, médicos e familiares de pacientes com Alzheimer. Assim como desenvolver métodos de detecção precoce da doença degenerativa que, se estima, afeta 1,2 milhão de pessoas no Brasil (a maior parte sem diagnóstico), segundo o Ministério da Saúde. E novos exames de sangue, mais baratos que os recursos atuais, surgem como alternativa para auxiliar o diagnóstico.

Neste mês, a FDA (órgão similar à Anvisa nos EUA) aprovou um teste para estimar os níveis de placas amiloides que se acumulam, em grandes quantidades, no cérebro de quem tem a doença. O exame é da Fujirebio. 

No Brasil, a Dasa acaba de lançar produto semelhante, que procura identificar dois tipos da proteína beta-amiloide. Um dos principais atrativos é evitar a realização da punção lombar para coleta do liquor. Além de ser menos invasivo, o exame de sangue custa cerca de R$ 1,5 mil, um terço dos métodos de confirmação disponíveis hoje.

Leia mais:  Mundo vegano: por que mais pessoas, em todo o planeta, estão dizendo adeus às carnes?

ALERTA. Apesar da corrida por detecção precoce, médicos alertam que o diagnóstico do Alzheimer é complexo e continua a ser majoritariamente clínico. 

“Em 80% dos casos, é feito a partir de exame físico completo, análise do histórico do paciente, de exames de sangue para descartar outros problemas e da avaliação neuropsicológica, que serve para quantificar as queixas de memória”, diz o neurologista Ivan Okamoto, do Núcleo de Excelência em Memória do Hospital Israelita Albert Einstein.

“Não é correto dar a ideia de que o diagnóstico só pode ser feito com exames subsidiários e inacessíveis à maioria”, afirma Okamoto. “Exames adicionais, como uma biópsia do liquor ou um exame de imagem (PET amiloide) para avaliar a formação de placas amiloides no cérebro, só são necessários quando restam dúvidas ou se a pessoa quer ter uma confirmação do diagnóstico por outro método”, diz o neurologista.

E há a questão do acesso. Até o início do mês, o Instituto de Radiologia do Hospital das Clínicas (InRad) era o único a fornecer o exame PET amiloide em São Paulo. 

Além da rede pública, o InRad recebe pacientes de particulares, como Einstein e Vila Nova Star, e cobra cerca de R$ 4,5 mil. Segundo os especialistas, não faz sentido correr aos laboratórios em busca dos exames na tentativa de descobrir características da doença uma ou duas décadas antes do aparecimento dos sintomas. E nem todo positivo indica que se terá a doença.

Leia mais:  Venda de remédios para dormir cresce no país durante pandemia

O Alzheimer é provocado pelo acúmulo da substância amiloide. Ela é produzida diariamente e, durante o sono, eliminada pelo sistema glinfático (formado pela glia, o conjunto de células responsáveis pelo suporte e nutrição dos neurônios, entre outras funções). 

“Como essa limpeza é durante o sono, os estudos sugerem que o risco de Alzheimer é mais elevado em pessoas que dormem pouco ou mal”, diz Álvaro Pentagna, coordenador do departamento de neurologia do Hospital Vila Nova Star e do laboratório do sono do Hospital das Clínicas. Como prevenção da doença, os médicos recomendam sono de qualidade, exercício físico, alimentação saudável e atividade intelectual prazerosa.

Estudos recentes ainda adicionaram novas peças ao grande quebra-cabeça. No ano passado, o grupo liderado pela cientista Heidi Jacobs, da Universidade Harvard, relacionou a má preservação de uma pequena estrutura no tronco cerebral ao desenvolvimento da doença. Neste mês, cientistas da Universidade da Califórnia, em San Diego, detectaram a enzima chamada PHGDH, relacionada ao Alzheimer, por meio de um exame de sangue.

DÉFICIT NEURONAL. A perda de uma parcela dos neurônios faz parte do envelhecimento. Além do Alzheimer, existem dezenas de outros tipos de demência. Os sintomas são similares, mas podem variar de acordo com o indivíduo. Não há cura, mas existem alguns remédios. Os pacientes de Alzheimer são tratados principalmente com medicamentos como donepezila, galantamina, rivastigmina e memantina, disponíveis no SUS. O objetivo é controlar os sintomas e reduzir a progressão da doença.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Continue lendo

Medicina e Saúde

Norovírus: surto em Salvador deixa todo mundo preocupado e virologista faz alerta

Publicado

Esse é um vírus altamente contagioso e pode se proliferar de forma rápida, por isso é preciso tomar muito cuidado

A UFBA – Universidade Federal da Bahia, descobriu através de um estudo recente que o número de casos de norovírus em Salvador está crescendo rapidamente. Das 35 amostras analisadas, 15 testaram positivo para o vírus.

Esse é um vírus altamente contagioso e com apenas algumas dezenas de partículas já consegue infectar uma pessoa.

O médico Diogo Umann explicou que esse vírus é muito resistente e transmitido de uma pessoa para outra com extrema facilidade.

Como a evolução por mutação desse vírus vem acontecendo de forma rápida, até o momento não foi possível criar uma vacina que possa oferecer proteção.

Entre os principais sintomas, estão: diarreia forte, vômitos e também náuseas, além de dor de cabeça, febre e dores pelo corpo.

Outra preocupação dos especialistas é que a transmissão esse vírus é maior durante o outono e o inverno, o que pode complicar ainda mais a situação, já que estamos no mês de maio e o frio está só começando no Brasil.

Leia mais:  Cães podem detectar covid-19 com precisão de até 94%, indica estudo

O virologista Gúbio Soares, do Instituto de Ciências da Saúde da UFBA vem tentando alertar a todos e disse que nos hospitais já têm pacientes com o norovírus.

Ele não é um vírus comum de aparecer, nem que está sempre presente na população. Quando ele aparece a tendência é aumentar e causar um grande surto“, explicou Gúbio.

Para os especialistas, as pessoas estão ficando aglomeradas e, com isso, facilita a transmissão desse vírus, por isso é importante evitar qualquer tipo de contato com alguém que esteja apresentando os sintomas.

Para impedir o avanço do norovírus seria preciso adotar alguns cuidados, mas os estados e municípios brasileiros ainda não anunciaram nenhuma medida para impedir que o surto se espalhe.

Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana