conecte-se conosco


Internacional

Sonda da Nasa busca vida extraterrestre nas luas de Júpiter

Publicado

Ambiente remoto e violento das luas de Júpiter é provavelmente o melhor lugar para se encontrar vida alienígena no sistema solar

Há poucos dias, a sonda Juno, da Nasa, sobrevoou Ganimedes, a maior lua do sistema solar, que orbita Júpiter e tem seu próprio campo magnético alimentado por um núcleo de metal fundido escondido sob uma camada de gelo permanente de 800 km de espessura.

A sonda fez o mais próximo sobrevoo deste gigante gelado nos últimos 21 anos e tirou algumas das imagens de maior resolução já feitas deste satélite, incluindo seu lado mais distante. Este ambiente remoto e violento das luas de Júpiter é provavelmente o melhor lugar para se encontrar vida alienígena no sistema solar.

“Se tomarmos as decisões corretas, poderemos confirmar a existência de vida em uma dessas luas em cerca de 20 anos”, diz Lucas Paganini, engenheiro argentino nascido em Mendoza há 41 anos e líder na exploração do Sistema Solar na Nasa e cientista do programa para a missão Juno.

Esta missão explora um dos lugares mais perigosos de nossa vizinhança cósmica. Júpiter é o maior planeta orbitando o Sol. Suas camadas internas agem como um dínamo enorme, gerando grande radiação de partículas carregadas que atingem constantemente a armadura de titânio da nave. 

Leia mais:  EUA vão liberar em novembro entrada de brasileiros vacinados

Paganini lembra que o objetivo principal da missão era focar no estudo de Júpiter e voar pela primeira vez sobre seus pólos. Concluída sua missão “oficial”, a Nasa aprovou uma extensão de suas operações até setembro de 2025, se é que a veterana sonda será capaz de aguentar até lá. 

“É muito interessante ver como essa radiação começa a afetar os instrumentos de bordo”, destaca Paganini. “Pode significar a perda de alguns deles, mas é um conhecimento essencial para desenhar nossas próximas missões”, acrescenta. 

A espaçonave planeja voar sobre Ganimedes em 21 de julho e, na sequência, direcionar suas câmeras para Europa, outro satélite de Júpiter ainda mais propício para a busca de vida. A primeira vez que a humanidade viu Europa de perto foi graças à espaçonave Voyager, que há 40 anos exibia sua superfície gelada coberta com listras avermelhadas.

Muitos anos depois, a equipe de Paganini usou um dos maiores telescópios ópticos da Terra, localizado no topo de um vulcão havaiano, para analisar os gases presentes naquela lua. Em um estudo histórico, eles confirmaram que havia vapor de água e que poderia vir do oceano salino escondido atrás de uma espessa camada de gelo com vários quilômetros de espessura. 

Na Europa, o oceano subterrâneo pode reunir todas as condições para os seres vivos habitarem: água em contato com rochas, energia, compostos essenciais para a vida e o tempo. Júpiter foi o primeiro planeta a se formar após o nascimento do Sol, cerca de 5 bilhões de anos atrás. Europa e Ganimedes apareceram logo depois dos escombros que cercam o planeta gigante.

Leia mais:  Loja no Canadá paga R$ 160 por hora para experimentar doces

“Na verdade, sabemos muito pouco sobre a história de como Europa e o resto das luas de Júpiter se formaram”, disse Scott Bolton, o cientista-chefe de Juno, ao El País. “O que sabemos é que este ambiente é como um sistema solar em miniatura, onde a força gravitacional de Júpiter faz com que Europa se deforme, e isso gera calor em seu interior. Também existe a possibilidade de que no interior do oceano existam fontes hidrotermais, lugares que na Terra estão cheios de micróbios apesar de estarem em total escuridão”, destaca.  

A espaçonave americana planeja sobrevoar Europa em 2022 a apenas 320 km da superfície. A última vez que uma espaçonave passou tão perto desta lua foi há 21 anos, durante a missão Galileo. Juno planeja mapear a superfície congelada para comparar suas imagens muito mais detalhadas com as de seu antecessor e descobrir se houve mudanças que possam indicar processos hidrológicos.

publicidade

Internacional

Homem é enterrado vivo após beber e desmaiar durante festival na Bolívia

Publicado

Victor Alvarez, de 30 anos, conseguiu escapar do caixão, que estava a 80 km de distância da festa; linha de apuração aponta para ritual

Um jovem de 30 anos afirmou que foi enterrado vivo depois de consumir bebidas alcoólicas com um amigo e ficar bêbado durante um tradicional festival em homenagem à Mãe Terra em El Alto, na Bolívia. 

Victor Hugo Mica Alvarez conseguiu escapar do caixão em que foi colocado, em Achacachi, a cerca de 80 km de distância do local do evento.

As autoridades investigam a possibilidade de o rapaz ter sido vítima de um ritual. O caso ocorreu na última sexta-feira (5), de acordo com o jornal britânico Daily Mail. 

“Ontem à noite foi a pré-entrada [da Villa Victoria], fomos dançar, sou guia, e não lembro mais. A única coisa que lembro é que pensei que estava na minha cama e me levantei para ir ao banheiro, mas não conseguia mais me mexer. Foi quando empurrei o caixão, que tinha um vidro, que se quebrou. A terra começou a entrar pelo vidro, e então eu consegui sair. Eles me enterraram”, declarou o rapaz ao diário Página Siete, de La Paz, capital boliviana.

Leia mais:  Rússia planeja lançar sua 2ª vacina contra covid-19 até outubro

O Festival Madre Tierra conta com oferendas para Pachamama, a deusa da terra e da fertilidade na cultura dos povos indígenas dos Andes Centrais. Os bolivianos indígenas acreditam que a divindade “abre a boca” em agosto. Por isso, há quem ofereça a ela desde animais até doces. Existe a suspeita na região de que anciãos ainda oferecem seres humanos em segredo.

O jovem afirmou que havia uma estrutura montada no local em que foi enterrado. Assim que escapou, ele pediu ajuda a outro rapaz, que o levou a uma delegacia de polícia. No entanto, os agentes não acreditaram na versão de Álvarez, que procurou o jornal boliviano para fazer a denúncia e pedir ajuda com a investigação.

Continue lendo

Internacional

Piloto faz ‘o pouso mais baixo de todos os tempos’ em ilha grega

Publicado

O aeroporto da ilha de Skiathos (Grécia) é conhecido pela pista cuja cabeceira fica bem próxima ao mar, o que faz com que os aviões passem a poucos metros dos banhistas e curiosos que se reúnem ali para registrar as aterrissagens incomuns.

Só que um registro na semana passada em Skiathos capturou a aterrissagem mais radical já vista na ilha mediterrânea grega. O caso está sendo chamado de “o pouso mais baixo de todos os tempos”. Alguns chegaram a dizer que a passagem baixa do Airbus A321neo da Wizz Air desarrumou os cabelos das testemunhas.

“Quantos espectadores você acha que precisavam de calças novas?”, perguntou uma pessoa após assistir ao vídeo da aterrissagem mpostado no YouTube pela GreatFlyer.

Assista:

Devido à geografia da ilha, o aeroporto de Skiathos tem uma pista particularmente curta, o que significa que os pilotos precisam se aproximar mais baixo do que fariam em pistas mais longas.

Os observadores de aviões gostam particularmente desse local, pois lhes dá uma visão de perto dos jatos. Situação semelhante é verificada no aeroporto de Saint Martin, ilha francesa no Caribe.

Leia mais:  EUA: congressistas vão retomar sessão interrompida após invasão à Casa Branca

“As companhias aéreas de baixo custo (como a Wizz Air) operam com tempos de resposta curtos, se você superaquecer os freios você atrapalha o cronograma do avião”, afirmou um internauta.

Para outro, o piloto pode ter pregado uma peça nas pessoas que se reuniam no local, apesar dos alertas de perigo:

“Vamos apenas dizer que não sabemos por que o avião acabou tão assustadoramente baixo em uma abordagem bastante rotineira.”

Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana