conecte-se conosco


Entretenimento

Tenente da Banda de Música da PM lança livro sobre harpa sinfônica

Publicado

A harpa é um dos instrumentos mais antigos do mundo, tendo existido séculos antes de Cristo. Sua forma triangular inspirada nos arcos de caça dos nossos ancestrais chama atenção pela beleza e por seu som delicado e refinado.

Após quase 10 anos dedicando-se ao estudo deste instrumento musical, com vasta experiência e participação em grupos e orquestras realizadas em vários países, a tenente Glaucia Castilhos, integrante da Banda de Música da Polícia Militar do Espírito Santo lançou recentemente o livro “Ernesto Nazareth & Chiquinha Gonzaga para Harpa Sinfônica”, pela editora norte americana Lyon & Healy – a maior referência mundial para livros de instrumento. 

A obra foi resultado de um trabalho de pesquisa e produção da tenente Glaucia realizado em seu programa de mestrado, na UNIRIO. A ideia de elaboração veio a partir da seleção e adaptação à linguagem arranjada da harpa sinfônica, de músicas compostas por cantores brasileiros que marcaram época e estilo, como Ernesto Nazareth e Chiquinha Gonzaga.

“A proposta aqui elaborada é proporcionar alternativas de variedades de ritmos e estilos de músicas que caracterizam a música brasileira, através de linguagem arranjada e adaptada à harpa sinfônica, explorando novas possibilidades de expansão do vocabulário deste instrumento. O intuito também foi inovar o repertório tradicional de execução, apoiando harpistas que buscam opções de referências à atualidade, devido as constantes mudanças da música e do ser humano”, explicou.

A tenente Gláucia contou que até o lançamento do livro foi um longo caminho percorrido, desde o processo de apresentação, análise até a aprovação da editora para publicação da obra. “Uma equipe de harpistas do mundo inteiro foi responsável pela análise e aprovação do trabalho apresentado”, completou a oficial harpista.

De acordo com a harpista, graças a sua formação musical, integrou, em 1999, o Corpo Musical da PMES e, uma vez inserida na Banda de Música, teve a oportunidade de crescer musicalmente devido ao compartilhamento de conhecimentos e experiências com colegas músicos, desde os executantes, aos arranjadores e maestros. “Essa convivência em meio a grandes profissionais tem contribuído muito para a minha formação e desenvolvimento musical e graças a isso foi possível a concretização da elaboração de um livro com destaque internacional”, ressaltou.

Currículo musical  

Glaucia Castilhos, musicista pertencente ao quadro de Oficiais do Corpo Musical da Polícia Militar do Estado do Espírito Santo, formou-se bacharel em música pela Faculdade de Música do Espírito Santo – FAMES. É mestre pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro – UNIRIO, no programa de Ensino das Práticas Musicais – PROEMUS, e pós-graduada em Arte na Educação pelo Instituto Superior de Afonso Cláudio – CESAP. Como harpista, tem atuado em diversos grupos e orquestras: Orquestra Filarmônica do Espírito Santo, Orquestra do Festival de Poços de Caldas, Banda Sinfônica da FAMES, Orquestra Camerata SESI – ES, Banda de música da Polícia Militar do Estado do Espírito Santo e participação como harpista solista da Orquestra Sinfônica da FAMES. Acumula passagens como educadora musical por diversas instituições no Brasil e no Exterior, dentre as principais: Faculdade de Música do Espírito Santo – FAMES, Projeto Sócio Cultural Banda Júnior da PMES, Universidade Federal do Espírito Santo – UFES e Universidade Javeriana – Bogotá/Colômbia. Foi finalista do Concurso de Harpa Tierra 47 – Madrid/Espanha, sobre uma improvisação sobre tema de origem ibero-americano no ano de 2017. Representante da “Nueva Escuela Argentina de Arpa” no Brasil. Autora do livro “Vamos Tocar Harpa”, lançado no Brasil em 2020.

Leia mais:  Paulinho, vocalista do Roupa Nova, morre no Rio aos 68 anos após contrair Covid-19
publicidade

Entretenimento

Conta Café é a grande vencedora do Espírito Startups, primeiro reality show de inovação da TV capixaba

Publicado

A plataforma para lojistas e compradores de café́ com todo o processo de gestão, compra e venda originado em barter levou R$ 400 mil em prêmios

O Conta Café venceu o Espírito Startups, primeiro reality show de negócios do Espírito Santo. A final da concorrida competição foi realizada sábado, 27, com transmissão pelo YouTube e, além do reconhecimento como a mais competitiva e bem estruturadas a empresa, ganhou R$ 400 mil, sendo R$ 300 mil em investimentos e R$ 100 mil em mídia.

Os jurados da competição foram os empresários Marcus Buaiz, Simone Chieppe, Rogério Salume, Tayana Dantas e Antonio Luiz Toledo. A partir do foco em inovação e tecnologia, em especial, o grupo escolheu o Conta Café, após avaliação de dezenas de concorrentes e duas etapas eliminatórias.

Os diretores do Conta Café Flávio Gianordoli e Eduardo Bortolini, defenderam a empresa no programa e agora, junto com os demais sócios, esperam usar o prêmio para investir na expansão do negócio. “Esta foi uma surpresa muito boa. Vocês terem acreditado na gente, no nosso potencial, no nosso sonho foi o maior prêmio que recebemos. Essa participação no reality Espírito Startup, a mentoria do grupo vai contribuir muito para nosso negócio”, afirmou Flávio Gianordoli.

Segundo Eduardo Bortolini, a partir desta conquista, o grupo vai incrementar o desenvolvimento da oferta de soluções, ponta a ponta, para maximizar o volume de negociações do Conta Café.

Conta Café

Plataforma desenvolvida pelos empresários capixabas Eduardo Bortolini, Flávio Gianordoli e sócios para lojistas do agro e compradores exportadores, o Conta Café conta com processo digital simplificado. A startup opera com o barter, modalidade comercial similar ao escambo, em que produtores de cafés podem trocar sua produção por insumos.

Com funcionamento simples, intuitivo e seguro, atua com o café conilon e assegura preços online atualizados diretamente dos trades compradores. Todo o processo de negociação conta com forte documental, contrato jurídico e Cédula de Produtos Rural (CPR).

Segundo Eduardo Bortolini, sócio-diretor do Conta Café, a robusta relação de parcerias da startup potencializou, de forma segura, a oferta de insumos agrícolas a todos os produtores capixabas.

Leia mais:  Artigo - O que você vale
Continue lendo

Entretenimento

SBT bate recorde e tem maior ibope em 17 anos com final da Libertadores

Publicado

Nem mesmo a crise de audiência vivida pelo SBT foi capaz de frear o interesse dos telespectadores pela final da Copa Libertadores. O triunfo do Palmeiras diante do Flamengo fez com que o canal de Silvio Santos atingisse picos de 30,6 pontos na Grande São Paulo e se tornou responsável pela maior audiência dentre todos os programas veiculados na televisão nesta semana, superando até mesmo o Jornal Nacional e as novelas da Globo. Foi o melhor desempenho da emissora desde 2004, ano em que a rede atravessava uma de suas melhores fases, com ibope alto em vários horários.

De acordo com o levantamento obtido pela reportagem do TV Pop com fontes do mercado, a boa audiência do SBT começou antes mesmo da bola rolar no Estádio Centenário. A emissora cravou média de 8,5 pontos durante a exibição do especial A Grande Final, entre 15h30 e 16h59. A atração comandada por Benjamin Back, que contou com a transmissão de um show da cantora Anitta, ocupou a primeira colocação na principal metrópole do país durante 21 minutos não consecutivos e, em seu último minuto no ar, marcou pico de 17,6 pontos, contra apenas 9,5 da Globo.

Jogador do Palmeiras comemora gol na final da Libertadores

Triunfo do Palmeiras fez SBT ter maior audiência desde 2004 (foto: Divulgação/Palmeiras).

A emissora de Silvio Santos não perdeu a liderança de ibope em momento algum depois do apito inicial do árbitro Néstor Pitana. Enquanto a bola rolava, das 17h às 19h37, o triunfo palmeirense em território uruguaio garantiu média de 26,4 pontos para o SBT, índice que representa a sintonia de cinco milhões e 421 mil telespectadores apenas na Grande São Paulo. A cada 100 televisores ligados na região, 45 estavam acompanhando o desfecho do mais importante torneio futebolístico da América do Sul.

Leia mais:  Renata Banhara luta contra tumor após infecção grave no cérebro

Durante o embate com o desfecho da Libertadores, a Globo caiu para a segunda colocação: o Caldeirão, a novela Nos Tempos do Imperador e o telejornal SP2 deram para a habitual líder média de 9,3 pontos. A Record, com o Cine Aventura e o Cidade Alerta, pontuou 3,4, seguida pelo 1,9 ponto da Band, com o Brasil Urgente, e por 0,7 da Cultura, que transmitia programas infantis e uma edição do programa de entrevistas Cultura Livre, que asseguraram a quinta colocação na faixa horária. Nem mesmo a soma de todas as outras emissoras abertas (16,5) superou o SBT.

Em janeiro, também com a transmissão de outro título do Palmeiras, a emissora de Silvio Santos havia marcado média de 25,2 pontos na Grande São Paulo, com um pico de 32,1. A partida havia sido responsável pela primeira derrota de uma novela das 18h da Globo em dois anos — naquela época, o folhetim em exibição era a edição especial de Flor do Caribe, que perdeu para o jogo por 14,1 a 26,3. Hoje, com Nos Tempos do Imperador, a dramaturgia sofreu uma derrota ainda mais acachapante: de acordo com os dados prévios, a trama pontuou 9,1 contra 27,3 do futebol.

Leia mais:  Pelé desabafa sobre pressão por posicionamento político: 'Não posso mudar a lei'

Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana