conecte-se conosco


Medicina e Saúde

Tenho alergia a álcool gel, o que posso usar para higienizar as mãos?

Publicado

Dermatologistas dão opções para quem não pode utilizar um dos produto mais procurados desde o início da pandemia do novo coronavírus

Durante o período da pandemia do novo coronavírus uma das principais recomendações dos médicos e especialista é lavar as mãos para evitar que o vírus seja levado para as mucosas da boca, do nariz ou dos olhos. 

Quando não é possível usar água e sabão, o ideal é fazer uso do álcool 70% em gel, espalhando o produto pelos dedos, palmas e costas da mãos.

Mas, se você for alérgico a este produto e não tiver próximo de uma torneira, o que fazer?

Apesar de ser uma condição bem rara, segundo Paulo Criado, coordenador do departamento de medicina interna da SBD (Sociedade Brasileira de Dermatologia), quando há alergia ao álcool, existem poucas alternativas para fazer a substituição.

“Uma delas é a aplicação, por ao menos um minuto ,da chamada solução de polvidine tópica, que tem como base o iodo e é encontrada com facilidade em farmácias”, orienta o médico.

Leia mais:  Vacinação contra a gripe é ampliada para toda população capixaba

O incoveniente deste método é que ele deixa as mãos com um tom marrom amarelado até que elas sejam lavadas com água em abundancia.

“Esta é apenas uma questão estética, já que a solução é efetiva para inativar o vírus”, explica.

Já a dermatologista Natasha Crepaldi cita como um substituto ao álcool a clorexidina em solução aquosa, também vendida em farmácias, ou, em último caso, diluir água sanitária. A médica orienta que, em caso de alergia ao álcool gel, o melhor é carregar uma uma garrafinha de água e sabão.

publicidade

Medicina e Saúde

China identifica novo vírus que passa de animal para humanos e relata 35 infectados

Publicado

Patógeno, detectado pela primeira vez em dezembro de 2018, causa febre e outros sintomas semelhantes aos de uma gripe

Cientistas reportaram na revista The New England Journal of Medicine 35 pessoas infectadas na China pelo vírus Langya, parente dos vírus Hendra e Nipah.

No artigo, eles acrescentam que a descoberta se deu por meio de vigilância-sentinela de pacientes febris e exposição animal no leste da China.

“Um henipavírus filogeneticamente distinto, denominado Langya henipavirus (LayV), foi identificado em uma amostra de swab de garganta de um paciente por meio de análise metagenômica e vírus subsequente isolamento. […] Investigações subsequentes identificaram 35 pacientes com infecção aguda por LayV nas províncias de Shandong e Henan da China, entre os quais 26 foram infectados apenas com LayV (nenhum outro patógeno estava presente)”, descrevem.

Todos os 26 pacientes que tinham apenas um vírus apresentaram febre. Outros sintomas observados foram: cansaço (54%), tosse (50%), perda de apetite (50%), dor muscular (46%), náusea (38%), dor de cabeça (35%) e vômitos (35%), acompanhados por anormalidades de baixo nível de plaquetas (35%), baixo número de glóbulos brancos (54%) e redução da função hepática (35%) e renal (8%).

Leia mais:  Vacinação contra a gripe é ampliada para toda população capixaba

O vírus foi identificado pela primeira vez em 2018, nas mesmas duas províncias chinesas. Não há até o momento relato de mortos.

Os autores também tentaram buscar os possíveis animais que teriam transmitido o vírus às pessoas, já que não se trata de um patógeno que circula entre humanos. 

Eles encontraram o material genético do vírus em 3 de 168 (2%) das cabras analisadas e em 4 de 79 (5%) dos cães. 

Ao expandirem a análise para pequenos animais selvagens, os autores acharam o material genético do vírus Langya em 71 de 262 (27%) musaranhos, “um achado que sugere que o musaranho pode ser um reservatório natural” desse agente, afirmam eles. 

O grupo de pesquisadores também diz que não há transmissão entre humanos relatada para o vírus Nipah, da mesma família, e minimiza essa possibilidade para o Langya.

“Não houve contato próximo ou histórico de exposição comum entre os pacientes, o que sugere que a infecção na população humana pode ser esporádica. O rastreamento de 9 pacientes com 15 familiares de contato próximo não revelou transmissão de LayV de contato próximo, mas nosso tamanho de amostra era muito pequeno para determinar o status da transmissão de humano para humano para LayV.”

Leia mais:  O que as suas unhas revelam sobre a saúde

Em Taiwan, o vice-diretor-geral do Centro de Controle de Doenças, Chuang Jen-hsiang, afirmou ao jornal Taipei Times que, apesar de não haver indícios da transmissão entre pessoas, o território vai trabalhar no desenvolvimento de um teste de material genético para detectar o vírus.

Continue lendo

Medicina e Saúde

Estudantes da rede pública vão receber consulta oftalmológica de graça no ES; saiba como

Publicado

Serão contemplados alunos do ensino fundamental matriculados na rede pública de educação. Ao todo, sete municípios serão contemplados pela ação

A partir desta segunda-feira (8), até o próximo dia 19 de agosto, alunos da rede pública de ensino de seis municípios da Região Metropolitana (Vitória, Vila Velha, Serra, Cariacica, Fundão, Viana e Guarapari) e Aracruz, na Região Norte do Estado, poderão passar por consultas gratuitas com oftalmologistas. 

O programa, chamado “De Olho no Futuro – Dr. Ubirajara Moulin de Moraes”, começou em 2003 e desde então já atendeu mais de 14 mil estudantes com dificuldades visuais. A meta para este ano é atender mais 3.500 alunos

As consultas são realizadas dentro de um ônibus itinerante equipado para fazer os exames. Segundo a coordenadora socioambiental do instituto responsável pelo desenvolvimento do programa, Milene Mello, no mesmo dia do atendimento a criança escolhe a armação dos óculos e são tiradas as medidas necessárias. 

“O material é enviado para o laboratório, que confecciona as lentes adequadas de acordo com a prescrição médica”, disse. Os estudantes recebem os óculos em até 30 dias.

O principal objetivo da ação é melhorar o rendimento escolar e diminuir a evasão, causada muitas vezes por problemas relacionados à visão que não foram diagnosticados. Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), apontam que cerca de 10% das crianças em idade escolar apresentam algum tipo de deficiência visual e muitas vezes, esse problema acaba passando despercebido pela família e também pela instituição de ensino.

Leia mais:  Médica alerta para uso de chá emagrecedor após caso de mulher que perdeu o fígado

Acompanhamento

Após passar por todas a etapas, o De Olho no Futuro segue acompanhando o desempenho desses alunos por meio da psicopedagoga do programa. A equipe que faz o cadastro e a triagem dos alunos é voluntária. Ainda de com acordo Milene, à frente da coordenação do Instituto Unimed, idealizador do programa, grande parte das patologias da visão podem ser corrigidas por meio do uso dos óculos. 

“As ações do programa se encaixam nesse contexto para apoiar a redução do número de crianças e adolescentes com problemas de visão e contribuir, dessa forma, para a redução das dificuldades de aprendizado geradas por essas situações”, concluiu. 

Veja os locais e horários de atendimento

Os atendimentos acontecerão de 8 a 19 deste mês, das 7h às 17h, nos municípios de  Aracruz, Cariacica, Guarapari, Serra, Viana, Vila Velha e Vitória. Confira o cronograma:

8 de agosto/segunda-feira: 
Aracruz: EMEF Paulo Freire Rua Margarida, 32. São Marcos – Aracruz – ES. CEP 29190757
9 de agosto/terça-feira: 
Cariacica: EMEF Celestino De Almeida R. Blumenau, s/n – Bela Vista, Cariacica – ES, 29142-296

10 de agosto/quarta-feira:
Cariacica: EMEF Joana Maria Da Silva R. Joana Maria da Silva, S/N – Castelo Branco, Cariacica – ES, 29140-844

11 de agosto/quinta-feira: 
Viana: EMEF Padre Antunes Siqueira Rua Paris, SN – Nova Viana, Viana – ES, 29135-000

12 de agosto/sexta-feira:
Vila Velha: UMEF João De Medeiros Calmon Rua Sebastião Silveira, SN – Praia das Gaivotas, Vila Velha – ES, 29102-571

15 de agosto/segunda-feira:
Guarapari: EMEIEF Constantino José Vieira R. Projetada – Adalberto Simao Nader, Guarapari – ES, 29214-230

16 de agosto/terça-feira:
Serra: EMEF Altair Siqueira Costa R. Nelcy Lopes Vieira, 804 – Jardim Limoeiro, Serra – ES, 29164-018

17 de agosto/quarta-feira:
Serra: EMEF Aureníria Correa Pimentel R. Inhambu, S/N – Novo Horizonte, Serra – ES, 29163-323

18 de agosto/quinta-feira:
Vitória: EMEF Maria José Costa Moraes Rodovia Serafim Derenzi, 4600 – São José, Vitória – ES, 29030-600

19 de agosto/sexta-feira: 
Vitória: EMEF Ceciliano Abel de Almeida R. Dr. Arlíndo Sodré – Itararé, Vitória – ES, 29047-500

Leia mais:  Brasil registra 16 casos suspeitos de coronavírus, aponta ministério
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana