conecte-se conosco


Medicina e Saúde

Teste genético pode ser capaz de prever se você vai ter Covid grave

Publicado

Grupo de pesquisadores identificou mais de mil genes relacionados ao agravamento do quadro de saúde de pessoas infectadas pelo Sars-CoV-2

Novas pesquisas identificaram mais de mil genes relacionados ao desenvolvimento de infecção grave por Covid-19 e que afetam especialmente a função de certo tipo de glóbulo branco.

Essa é a principal conclusão de um estudo publicado na revista Cell Systems, no qual cientistas das universidades de Sheffield (Grã-Bretanha) e Stanford (Estados Unidos) usaram, entre outros recursos, ferramentas de inteligência artificial.

Johnathan Cooper-Knock, do departamento de neurociência da Universidade de Sheffield e coautor do estudo, afirma em comunicado que, durante a investigação, os cientistas descobriram que esses mil genes “representam três quartos dos impulsores genéticos de Covid-19 grave”.

“Isso é significativo para entender por que algumas pessoas tiveram sintomas mais graves do que outras”, enfatiza o pesquisador.

A equipe usou vários grandes conjuntos de dados para desvendar a genética por trás da gravidade da Covid-19.

O primeiro conjunto de dados continha informações genéticas de tecido pulmonar humano saudável, e os dados ajudaram a identificar a expressão gênica em 19 tipos de célula pulmonar, incluindo as células epiteliais que revestem as vias aéreas e são a primeira defesa contra infecções.

Leia mais:  Novo coronavírus pode sobreviver por até 28 dias em superfícies

Outros dados vieram de um dos maiores estudos genéticos de pacientes com coronavírus em estado crítico.

Eles procuraram pistas genéticas – mutações de DNA – que pudessem indicar se alguém tinha risco aumentado de Covid grave e analisaram se algumas mutações apareciam com mais ou menos frequência em pacientes com doença grave.

Mas as mutações genéticas por si sós podem ser difíceis de interpretar, então a equipe usou outros dados que descrevem quais regiões do genoma são importantes para diferentes tipos de célula no tecido pulmonar.

Os pesquisadores foram capazes de determinar quais genes estavam com defeito e em quais tipos de célula.

Assim, eles descobriram que a Covid grave está amplamente associada a uma resposta enfraquecida de duas células imunes conhecidas: células natural killer (NK) e células T.

De acordo com Cooper-Knock, as células NK, com as quais os humanos nascem, e que constituem a primeira linha de defesa do corpo contra infecções, são conhecidas por sua capacidade de destruir vírus e células cancerígenas.

Leia mais:  Rico em água, fibras e vitaminas, pepino é aliado da dieta e da beleza

“Elas são como generais em guerra, pois mobilizam outras células imunológicas, dizendo-lhes para onde ir e o que fazer. Descobrimos que, em pessoas com infecção grave por coronavírus, os genes críticos das células NK são menos expressos, de modo que há uma resposta imunológica menos robusta. A célula não está fazendo o que deveria fazer.”

Por sua vez, Michael Snyder, de Stanford, afirma que as descobertas lançam as bases para um teste genético que pode prever quem está em maior risco de Covid grave.

“Vamos imaginar que existam mil alterações de DNA relacionadas à Covid grave. Se você tiver 585 dessas alterações, isso o tornará bastante suscetível, e você vai querer tomar todas as precauções necessárias.”

Não é o primeiro estudo a vincular a NK à Covid grave. Já foram propostos medicamentos para reativar essas células em alguns cânceres, e estão em andamento testes para casos graves de Covid.

publicidade

Medicina e Saúde

Covid-19: testes positivos voltam a crescer; registro é o maior dos últimos 4 meses no ES

Publicado

Os testes realizados em junho representam quase 90% do total de testes feitos nos meses de março, abril e maio

Espírito Santo fechou o mês de junho consolidando o aumento do número de casos de covid-19 no Estado. Até essa quarta-feira (29), segundo a secretaria de Estado da Saúde (Sesa), as amostras que foram coletadas ao longo de todo o mês apresentam a maior positividade desde março: 27%.

Após os meses de março e abril apontarem para uma redução de casos da doença com registros positivos de 7,1% e 3,5%, respectivamente, maio já demonstrava um comportamento de subida, com 10,3% dos testes positivos.

O número de testes também chama a atenção. Os realizados em junho representam quase 90% do total de testes feitos nos três meses anteriores. O Estado contabilizou pouco mais de 217 mil testes, entre março e maio. Em 29 dias, foram cerca de 206 mil.

Os testes rápidos, de antígenos, disponibilizados para a população em pontos de testagens estaduais e municipais, também aumentaram. 

Entre março e maio, foram pouco mais de 174 mil testes realizados e uma positividade média de 7,8% das análises durante os três meses. Só em junho, somam mais de 180 mil testes realizados. A positividade é de 28,5% das amostras.

Leia mais:  Hemoes registra baixa no estoque de sangue e precisa de doações

Segunda maior onda de casos de covid no ES em 2022

Os casos positivos registrados no mês passado configuram a segunda maior onda de covid-19 deste ano. A taxa de transmissão cima de 1, ficando atrás apenas do aumento registrado em janeiro e fevereiro. 

O subsecretário de Vigilância em Saúde, Luiz Carlos Reblin, fez um alerta sobre o momento atual vivido pelo Estado. 

“Estamos com uma alta taxa de transmissão no momento e quando temos muitos casos, as pessoas mais vulneráveis e não totalmente vacinadas podem desenvolver a forma mais grave da doença e vir a óbito”, explicou.

Para Reblin, é fundamental que a população reforce a adoção dos cuidados aprendidos desde o início da pandemia, não deixando de lado a vacinação.

“Essas regras de manter distanciamento em locais com muita circulação, usar as máscaras e a higienização das mãos continuam tão importantes quanto era no começo da pandemia. Junto a isso, temos a vacinação contra a Covid-19, com doses disponíveis à população que precisa atualizar os esquemas vacinais com o quantitativo de doses referentes à faixa etária”, disse.

Saiba onde testar

Livre demanda (sem agendamento):

– Rodoviária de Vitória (Vitória): de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h, para a realização de Teste Rápido de Antígeno;

– Ufes (Campus Goiabeiras): de segunda a sexta-feira, das 7h às 15h30 (com intervalo de 12h às 13h), para a realização de Teste Rápido de Antígeno;

Leia mais:  Rico em água, fibras e vitaminas, pepino é aliado da dieta e da beleza

– Ufes (São Mateus): de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h, pra a realização de Teste Rápido Antígeno;

– Terminal de Laranjeiras (Serra): de segunda-feira a sexta-feira, das 8h às 17h, para a realização de Teste Rápido de Antígeno.

Para a testagem por agendamento:

– Aeroporto de Vitória (Vitória), para a realização do exame RT-PCR e de Teste Rápido Antígeno: todos os dias, 24h;

– Hospital Estadual Infantil e Maternidade Alzir Bernardino Alves, o Himaba (Vila Velha), para a realização do exame RT-PCR e de Teste Rápido de Antígeno: segunda a sexta, das 09h às 15h30;

– Hospital Estadual Dr. Jayme Santos Neves, na Serra, para a realização de Teste Rápido de Antígeno: segunda a sexta-feira, das 7h30 às 18h (com intervalo das 11h30 às 13h30);

– Centro de Reabilitação Física do Espírito Santo (Crefes), para a realização de Teste Rápido de Antígeno: segunda a sexta-feira, das 8h às 16h.

Para agendar os testes de RT-PCR a população deve acessar o site Acesso Cidadão. Já o agendamento para o Teste Rápido de Antígeno, deverá ser feito no site Vacina e Confia. Além disso, no Vacina e Confia, a população tem acesso aos pontos de testagens municipais.

Continue lendo

Medicina e Saúde

Tratamento inovador elimina totalmente o câncer de mama em estágio inicial

Publicado

Tumores desapareceram em duas semanas após injeção da substância e sem efeitos colaterais

Um estudo recente publicado recentemente na revista Proceedings of the National Academy of Sciences mostrou que a aplicação de uma imunotoxina nos dutos mamários eliminou totalmente lesões pré-cancerosas visíveis e invisíveis de pacientes. 

A pesquisa foi feita em laboratório e liderada por pesquisadores do Johns Hopkins Kimmel Cancer Center, especializado em câncer de mama em estágio inicial.

O estágio zero da doença, também conhecido como CDIS (carcinoma ductal in situ), é caracterizado pela presença de células pré-cancerosas anormais nos dutos de leite.

De acordo com o autor sênior do estudo, Saraswati Sukumar, diversas mulheres realizam cirurgias de remoção, tratamentos de radiação e, em alguns casos, quimioterapia ou terapias hormonais para eliminar esses cânceres precoces.

“Em nossa pesquisa, propusemos um tratamento alternativo em que a injeção da droga imunotoxina pelo duto poderia resultar na limpeza do CDIS”, disse Sukumar em comunicado.

Metodologias do estudo

Primeiramente, o trabalho avaliou a eficácia da imunotoxina em quatro linhagens celulares de diferentes subtipos de câncer de mama em camundongos. Os resultados evidenciaram que o tratamento induziu à morte as células tumorais em todas elas. 

Leia mais:  Rico em água, fibras e vitaminas, pepino é aliado da dieta e da beleza

Os pesquisadores também administraram o tratamento a cerca de dez camundongos para captar possíveis toxinas circulares no sangue após a intervenção e, de cinco a 30 minutos depois, não encontraram nada.

Em seguida, eles injetaram a imunotoxina diretamente nos dutos mamários de dois grupos de camundongos com CDIS, classificados como MCF7 E SUM225.

No primeiro, foi administrado uma vez por semana durante três semanas e, para viés de comparação de eficácia, aplicaram no corpo de outro conjunto de camundongos.

No final da terapia, descobriram que aqueles que receberam a injeção no corpo tiveram um crescimento tumoral mais lento, mas que retornava após a interrupção.

Já os que receberam diretamente nos dutos tiveram os tumores completamente eliminados dentro de duas semanas após a conclusão do tratamento e a arquitetura da mama era parecida com glândulas mamárias normais. Nenhuma recorrência foi detectada após dois meses. 

O grupo SUM225 suprimiu a doença em apenas duas semanas de tratamento e não demonstrou recorrência até o final do estudo. 

Leia mais:  Vacinação contra Poliomielite e Sarampo tem nova prorrogação

De acordo com os autores, o tratamento foi bem tolerado, sem efeitos colaterais da toxina ou injeção. Eles disseram que a pesquisa fornece uma forte base pré-clínica para a realização de ensaios de viabilidade e segurança em pacientes com câncer de mama em estágio 0. 

Segundo dados divulgados pelo Inca (Instituto Nacional de Câncer), no ano passado, o Brasil totalizou 66,3 mil diagnósticos da doença no público feminino, com 17,8 mil mortes. O câncer de mama é também o mais incidente em mulheres de todas as regiões do país, após o câncer de pele não melanoma.

Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana