conecte-se conosco


Entretenimento

Trabalho realizado com apoio do Funcultura é selecionado para Bienal na Finlândia

Publicado

Uma obra que leva ao espectador, de uma forma poética, a capacidade de tornar visível aquilo que não se pode ver. Essa é a proposta do trabalho da artista Joana Quiroga, selecionada para participar da 8ª Bienal de Arte de Li, na Finlândia, que acontece de junho a julho deste ano. Como o tema da Bienal deste ano é “No ar”, a artista vai apresentar o projeto “Fermento: do ar ao seu redor”, que expôs na Galeria Homero Massena, na Capital Vitória, em 2016.

O projeto foi selecionado pelo Funcultura, no Edital de Ocupação na Galeria Homero Massena, em 2015, e trata da fermentação como uma metáfora sobre a possibilidade de geração de algo extraordinário, a partir de elementos simples. 

  Joana Quiroga disse que o projeto faz parte de uma pesquisa feita a partir do processo de fermentação selvagem para elaborar algumas ideias. “No caso da exposição na Galeria Homero Massena, foquei na noção do invisível”, destacou. Mas caso você não esteja familiarizado com a fermentação selvagem para pão, também conhecida como fermentação natural, a artista explicou que, para criar um fermento selvagem para pão, basicamente é misturar farinha de trigo e água e a deixa descansar.

Leia mais:  Mulher que trocou marido por enteado faz cirurgias para agradá-lo

“Em algum momento, os microrganismos que estão no ambiente e nos materiais que você utilizou vão contaminar essa mistura. E vai começar o que chamamos de apodrecimento. Mas se você der mais farinha e água e encontrar um equilíbrio entre deixá-la perecer e alimentar essa mistura, você obterá uma cultura estável de microrganismos que podem transformar água e farinha em pão para sempre, desde que você continue cuidando disso”, acrescentou Joana Quiroga.

No projeto da Galeria Homero Massena, a artista escolheu diferentes lugares da área urbana ao redor da Galeria para serem o local para a criação de um fermento, escolhendo principalmente locais mais periféricos com os quais ela já se relacionava. “Mais tarde, levei todos esses fermentos para o laboratório. Foi um processo longo e compartilhado, que por si só também trabalha outras ideias elaboradas no projeto. Por exemplo, quão limitado pode ser o que se percebe de algo, a complexidade e a potência que tem até a coisa mais mínima da vida, as sutis transformações que fazem as coisas se tornarem o que são e também como tudo isso é reflexo da forma como cuidamos”, pontuou. 

Leia mais:  Cinegrafista do SBT morre vítima do novo coronavírus

Joana Quiroga, que é filósofa de formação, também vai realizar durante a programação da Bienal de Arte de Li o experimento “Do ar ao seu redor”, em que vai criar com a população local um fermento com o ar do local, como um exercício de atenção, cuidado e discussão, propondo algumas leituras e a pesquisa atual que realiza.

Entre os trabalhos selecionados para a Bienal, a instalação de Joana Quiroga para a Bienal na Finlândia será composta dos vídeos dos microorganismos dos fermentos criados no Banco Comunitário Verde Vida, em Vila Velha, e o Centro de Artesanato da Lagoa do Juara, na Serra, além do experimentos realizados na própria casa da artista, com um relatório microbiológico, feito em parceria com o Laboratório de Biotecnologia da Ufes. 

Você pode saber mais no site aqui: 
Joana Quiroga: Site: https://joanaquiroga.com

Perfil do Instagram: @iamajoq 

Art II Bienal 2022: https://artii.fi

publicidade

Entretenimento

Festa da Polenta e Serenata. Veja datas do tradicional evento italiano que acontece em Venda Nova

Publicado

Público contará com muita música, comida e danças. A Serenata Italiana acontece neste sábado (9)

Mais uma edição da Festa da Polenta foi confirmada! O evento, que acontece em Venda Nova do Imigrante, será realizado nos dias 7 a 9 e de 14 a 16 de outubro, mas antes disso, os capixabas contam com a tradicional Serenata Italiana que acontece no próximo sábado (9).

Trajadas e cheias de empolgação, o evento reúne pessoas de várias cidades. O público sai dos bairros Bananeiras, Providência, Tapera e Lavrinhas cantando músicas italianas aprendidas durante a infância com os nonnos e nonnas. 

Depois de uma caminhada de aproximadamente 3 horas, o grande encontro acontece no Centro de Eventos Padre Cleto Caliman (Polentão) onde haverá show com a banda Toni e Boni, além de comidas e bebidas típicas.

“Desde março a diretoria da Afepol está trabalhando firme para que tudo saia de forma muito organizada e segura para os participantes, assim como aconteceu nas outras edições”, enfatizou Edésio Minet Zavarize, presidente da Associação Festa da Polenta (Afepol).

Para participar do evento é preciso comprar uma pulseira no valor de R$ 20 que dá acesso ao Polentão. A quantidade é limitada e as vendas acontecem na Afepol e em pontos do comércio do município, Castelo, Pedra Azul, Conceição do Castelo, Brejetuba e Vitória, identificados com cartazes da festa. 

Leia mais:  Mulher que trocou marido por enteado faz cirurgias para agradá-lo

No dia da festa, na Afepol, também haverá vendas das pulseiras de acesso, bem como de acessórios típicos como embornal, taças, suspensório, boinas e arquinhos.

“A Serenata é mais um instrumento de fortalecimento de resgate cultural e manutenção das tradições trazidas pelos imigrantes italianos. Para continuar sendo uma festa bonita e segura para as famílias participarem, a Afepol pediu reforço à Polícia Militar, Polícia Rodoviária Federal e ao Corpo de Bombeiros”, conta Edésio.

Regras para participação

Para a segurança do público, a Afepol confeccionou um panfleto com as regras de participação da Serenata Italiana. As normas também estão sendo divulgadas nas redes sociais da Festa da Polenta (@festadapolenta e pelo Facebook: Festa da Polenta).

– Durante a caminhada a recomendação é não levar facas e garfos de metal, bem como copos e garrafas de vidros. O participante deve levar o que for comer já cortado e fatiado, além de dar preferência para utensílios descartáveis.

– A venda de bebida alcóolica é expressamente proibida para menores de 18 anos. A entrada desse público no Polentão somente será permitida com o responsável.

Leia mais:  Portos do Espírito Santo: livro sobre complexo portuário capixaba será lançado no dia 14

– Os tratores e fogões à lenha móveis, que desfilam na Serenata, devem portar placa identificadora cadastrada na Afepol. Não será permitido outro tipo de veículo, muito menos a execução de músicas diversas às oficiais.

– Dentro do Polentão, somente o som do palco funcionará. Não serão permitidos vendedores ambulantes e barraqueiros. Haverá policiamento com bafômetro.

SERENATA ITALIANA

Data: sábado (9)
Horários: saída dos bairros às 19h, chegada no Polentão às 22h e término às 2h
Local: ruas de Venda Nova do Imigrante e Centro de Eventos Padre Cleto Caliman (Polentão)
Pulseiras de acesso ao Polentão LIMITADAS: R$ 20. comércio local e na Associação Festa da Polenta (Afepol).

FESTA DA POLENTA

Data: 7 a 9 e de 14 a 16 de outubro.

Continue lendo

Entretenimento

Patricia Abravanel entrega ‘vício’ de Silvio Santos: ‘Eu acho um problema’

Publicado

Patricia Abravanel revelou que Silvio Santos é viciado em trabalho. A filha do dono do SBT contou que, durante a pandemia da Covid-19, ele fez atividades que nunca havia feito antes e nem sequer falou sobre a emissora, o que para ela foi motivo de orgulho. “Eu acho um problema “, avalio. 

O assunto veio à tona no podcast O Pod É Nosso, exibido no YouTube e comandado por Carlos Alberto de Nóbrega e Renata Domingues. Na atração, ela elogiou o fato do pai, aos 91 anos, permanecer ativo. “Eu admiro muito quando eu vejo ele saindo do carro, aquela postura ereta, forte, eu acho tão legal, é uma vontade de viver, de fazer e de continuar produzindo. Ele sabe que o pessoal sente falta dele”.

Apesar dos elogios, Patricia destacou que não gosta de ver o comunicador trabalhando demais. “Meu pai é muito focado no trabalho. Vocês não aprenderam a ter outros prazeres, eu acho um problema, viu, Carlos Alberto? Vocês não aprenderam a ver felicidade em outras coisas”, analisou ela. 

Leia mais:  Forbes avalia fortuna de Anitta em meio bilhão de reais

“Eu nunca deixei de fazer um programa em 35 anos”, comentou o apresentador do A Praça É Nossa. “Mas vocês não aprenderam a ver felicidade em outras coisas. No ano passado, eu achava que ele não ia voltar, ele estava curtindo outras coisas. Ele foi em aniversário de neto, ele nunca tinha ido. Fez coisas que ele nunca fazia antes”, completou Patricia.

Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana