conecte-se conosco


Segurança

Tráfico perdeu R$ 653,8 mi em 2019, diz Polícia Federal

Publicado

O dado representa aumento de 44% em relação a 2018, e R$ 11,2 milhões abaixo do recorde histórico de 2017, com cerca de R$ 665 milhões

A Polícia Federal bloqueou mais de R$ 653,8 milhões em ações de lavagem de dinheiro do tráfico de drogas em 2019. De acordo com dados divulgados pelo ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, isso representa aumento de cerca de 44% com relação a 2018, e cerca de R$ 11,2 milhões abaixo do recorde histórico de 2017, com aproximadamente R$ 665 milhões.

Por meio de nota, a Polícia Federal afirma que este dinheiro “deixou de financiar ações criminosas em vários países”. “Os números confirmam o empenho da Instituição em promover a descapitalização financeira de organizações criminosas.”

O valor total retirado de circulação nos últimos cinco anos ultrapassa R$ 2 bilhões.

A PF afirma que trabalha na identificação do fluxo de capitais provenientes do tráfico de drogas e realiza o bloqueio de contas bancárias ligadas às organizações criminosas.

“O crime não pode compensar”, escreveu Moro em seu Twitter. “Com a introdução na Lei 13.886 do confisco alargado (confisco amplo do patrimônio de profissionais do crime) os números vão crescer.”

A Lei 13.886, sancionada em 17 de outubro de 2019, estipula que o dinheiro apreendido do tráfico de drogas deverá ser destinado para o Fundo Nacional Antidrogas (Funad), a ser gerido pela Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas, do Ministério da Justiça.

Montantes, em reais, de sequestros de bens e valores solicitados pela PF, entre 2010 e 2019:

2010: R$ 18,9 milhões
2011: R$ 40,4 milhões
2012: R$ 38 milhões
2013: R$ 83,3 milhões
2014: R$ 323,2 milhões
2015: R$ 233,5 milhões
2016: R$ 250 milhões
2017: R$ 665 milhões
2018: R$ 451,5 milhões
2019: R$ 653,9 milhões

Leia mais:  Mulher é convidada para orar e furta R$ 330 mil da casa de deputado
publicidade

Segurança

Homem com peruca e máscara invade centro espírita e deixa 3 baleados no Sul do ES

Publicado

Um dos baleados, que segundo a polícia era o alvo principal, estava foragido da Justiça e usou a identidade do irmão para tentar despistar os militares

Três pessoas foram baleadas durante uma festa em um centro espírita, no bairro Zumbi, em Cachoeiro de Itapemirim. De acordo com a polícia, um homem usando máscara e peruca invadiu o local e atirou contra algumas pessoas.

Testemunhas relataram para a polícia que um outro homem tentou intervir e entrou em luta corporal com o criminoso, mas ele atirou várias vezes.

Além dos dois homens, uma mulher também foi baleada na perna. As vítimas foram encaminhadas ao Hospital Santa Casa de Misericórdia.

Uma das vítimas estava foragida da Justiça

Após serem levados para o hospital, uma das vítimas, que segundo a polícia seria o alvo principal, informou uma identidade diferente das informações passadas por testemunhas.

Um levantamento foi feito e os policiais descobriram que o homem estava foragido da Justiça, e usou a identidade do irmão para tentar despistar a PM.

Buscas foram realizadas, mas o homem que efetuou os disparos não foi localizado até o momento. A ocorrência foi encaminhada à Polícia Civil para investigação.

Em nota, a Polícia Civil informou que o caso seguirá sob investigação da Delegacia Especializada de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) de Cachoeiro de Itapemirim.

 Até o momento, nenhum suspeito foi detido e detalhes da investigação não serão divulgados, por enquanto.

Leia mais:  Mulher abraçou marido para que amante o matasse; crime aconteceu em Castelo
Continue lendo

Segurança

Operação da PF no ES apreende pau-brasil ilegal que renderia até R$ 242 milhões a traficantes

Publicado

20 mandados de busca e apreensão são cumpridos nos municípios de Joao Neiva, Santa Teresa, Aracruz e Linhares

Uma operação policial dedicada a reprimir a ação de uma organização criminosa com ramificação internacional que vinha atuando no norte capixaba e era especializada na exploração comercial ilegal de espécies da flora brasileira ameaçadas de extinção, em especial, o Pau-Brasil, foi deflagrada, na manhã desta terça-feira (30), por Policiais Federais, em conjunto com servidores do Ibama do Espírito Santo.

Estão sendo cumpridos 20 mandados de busca e apreensão expedidos pela 1ª. Vara Federal Criminal de Vitória, nos municípios de Joao Neiva (07), Santa Teresa (02), Aracruz (07) e Linhares (04).

Em razão da grande quantidade de mandados a serem cumpridos, além dos Policiais Federais lotados na Delegacia de Repressão aos Crimes contra o Meio Ambiente (DELEMAPH), a operação contou com a participação de outro 85 (oitenta e cinco) policiais do Espírito Santo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e São Paulo.

O objetivo das ações, além do cumprimento das ordens judiciais, é obter novos elementos de provas úteis para desmantelar o grupo criminoso dedicado ao cometimento de Crimes Contra à Flora, Outros Crimes Ambientais e Contra à Administração Ambiental.

Investigações começaram após ações do Ibama

As investigações se iniciaram após ações fiscalizatórias realizadas pelo Ibama no âmbito da Operação “DÓ RÉ MI” que resultaram em apreensões de mais de 42 mil varetas feitas de Pau-brasil, além de mais de 150 toretes avaliados em mais de dois milhões de reais.

Há fortes indícios que apontam para a atuação de uma organização criminosa estruturada com divisão de funções que envolvem extratores, intermediários, atravessadores, arqueiros e empresas de produção de instrumentos musicais, atuando para beneficiar o Pau-Brasil extraído clandestinamente de Unidades de Conservação Federal, visando a comercialização do produto acabado em formato de arcos de violino/contrabaixo para o exterior, sem qualquer controle das autoridades brasileiras.

O arco é o produto final produzido a partir da vareta. No Brasil as varetas são adquiridas por valores que giram entre R$ 20 e R$ 40 reais, ao passo que os arcos podem ser comercializados no exterior por até U$ 2.600,00 (R$ 14.600,00).

Lucro poderia ultrapassar R$ 240 milhões

Tendo como referência somente as 42 mil unidades de arcos/varetas já apreendidas no curso da investigação e considerando um valor final de mercado médio de US$ 1 mil por cada arco de violino comercializado no exterior, estima-se que esses instrumentos representariam no mercado internacional algo em torno de R$ 232.884.890,00.

Trata-se de uma avaliação módica já que esses instrumentos podem alcançar valores de mercado muito maiores como os verificados em algumas lojas americanas que negociam o produto feito de Pau Brasil por até US$ 2.600,00, ou seja, mais de R$ 14.000,00.

Investigação conta com peritos do Amazonas

Apoiando as investigações, dois Peritos Criminais da PF do Amazonas vieram ao Estado e utilizarão um novo procedimento para determinar a procedência da madeira apreendida ao longo das ações da polícia. Trata-se da técnica conhecida por análise de isótopos estáveis.

De posse de amostras da madeira, é possível aos Peritos determinar de onde realmente foram extraídas, no caso, se vieram de unidades de conservação onde a retirada das árvores é terminantemente proibida.

Agência internacional presta apoio

Buscando o maior alcance possível, a PF no Espírito Santo estabeleceu parceria com a U.S. Fish and Wildlife Service, agência do Governo dos Estados Unidos dedicada à repressão dos crimes envolvendo a pesca, a vida selvagem e os habitats naturais.

Como os arcos produzidos com Pau-Brasil ilegalmente extraído são destinados ao exterior, em grande parte, aos Estados Unidos, a agência foi acionada para apoiar as ações da PF naquele país visando verificar a legalidade das importações e a existência de ramificações do esquema criminoso em território norte-americano.

Uma equipe da FWS se encontra no Espírito Santo acompanhando as ações de hoje e simultaneamente, estão sendo ouvidos várias pessoas nos Estados Unidos que guardam relação de interesse com a investigação brasileira.

Leia mais:  Operação ‘Pedra Bruta 2’ apreende mais de 200 chapas de granito
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana