conecte-se conosco


Internacional

Trump afirma que vacina contra covid-19 pode chegar ‘em semanas’

Publicado

Uma iniciativa do governo americano deve acelerar a pesquisa de uma cura contra o novo coronavírus, anunciou o presidente dos EUA

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou nesta terça-feira (15) que poderia aprovar uma vacina contra a covid-19 “em questão de semanas”, apesar dos alertas sobre o perigo de acelerar o processo em um assunto como este.

“Não estou fazendo isso por razões políticas, quero a vacina rapidamente”, disse Trump, em entrevista à emissora de televisão “Fox”, em referência às eleições de 3 de novembro onde concorre à reeleição.

Sem a operação “Warp Speed” (velocidade da luz), iniciativa do governo americano para acelerar a pesquisa de uma cura contra o novo coronavírus, “não se teria uma vacina durante anos”, disse o presidente.

“Acelerei o processo com a Agência Federal do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA (FDA, na sigla em inglês). Teremos uma vacina em questão de semanas, pode ser quatro semanas, pode ser oito semanas. Temos muitas empresas excelentes”, afirmou Trump.

Seu adversário nas eleições, o democrata Joe Biden e sua candidata à vice, Kamala Harris, alertaram para o perigo da segurança sanitária representado pelo processo acelerado e pela pressão política de Trump para obter uma vacina.

“Eu não confiaria apenas na palavra de Trump”, disse Kamala Harris em uma declaração no início do mês sobre uma vacina que seria aprovada antes das eleições, enquanto Biden garantiu que antes de ser vacinado gostaria de ouvir “o que o cientistas têm a dizer”.

O principal alergista do país, dr. Anthony Fauci, diretor do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas, insistiu que até o final do ano ou início de 2021, uma vacina segura e eficaz contra a covid-19 poderá estar disponível.

Durante a entrevista, Trump garantiu que os EUA agora estão em uma posição melhor em relação ao coronavírus do que no início, e garantiu que o país “está revertendo a pandemia”.

Os Estados Unidos, país mais atingido pela pandemia, ultrapassou 6,5 milhões de infecções confirmadas de Covid-19, com uma taxa de aumento de cerca de 35 mil novos casos diários, e as mortes chegam a 194.547, de acordo com a contagem independente da Universidade Johns Hopkins.

Trump, mais uma vez, se defendeu por ter rejeitado publicamente a gravidade do coronavírus em uma série de entrevistas com o jornalista Bob Woodward, quando ele já sabia do enorme perigo representado pela doença.

“Não quero criar pânico”, insistiu Trump.

Leia mais:  Revelação de ex-conselheiro aumenta pressão contra Trump no Senado
publicidade

Internacional

Após vencerem eleições, agora democratas ficam contra lockdown

Publicado

Andrew Cuomo propõe relaxar o fechamento de Nova York: “Não teremos mais nada para abrir”

Sinal de esgotamento ou oportunismo, governadores e prefeitos estão mostrando pouca vontade de impor novas restrições às empresas e à economia

Após a posse de Joe Biden, importantes políticos democratas estão dando sinais de que um alicerce do discurso que os levou à presidência da República não se sustenta. Não são poucos os analistas que consideram decisivos para a derrota de Trump os efeitos maléficos da pandemia na sociedade americana – e o contraponto de seus opositores ao defender ferrenhamente uma política de responsabilidade com duras restrições e isolamento social. Parece que a história mudou.

Agora, garantido o retorno à Casa Branca, a defesa intransigente de lockdown está dando lugar a um conveniente abrandamento das restrições – ainda mais se considerarmos que os EUA passam pela fase mais letal da pandemia que já matou 400 mil americanos.  Sinal de esgotamento ou oportunismo, o fato é que governadores como o de Nova York, o democrata Andrew Cuomo, estão mostrando pouca vontade de impor novas restrições às empresas e à economia.

Cuomo promoveu uma dura paralisação já no primeiro semestre de 2020, quando o estado se tornou o epicentro do surto americano. Em maio, na sétima semana de fechamento, o governador foi categórico: “Feche tudo, feche a economia, se tranque em casa”. Agora, afirma, singelo: “Simplesmente não podemos ficar fechados até que a vacina atinja a massa crítica. O custo é muito alto. Não teremos mais nada para abrir.”

A prefeita de Chicago, Lori Lightfoot , foi outra voz a impor um duro confinamento. Em outubro passado, veio dela a ordem do toque de recolher às 22h nos bares, restaurantes e negócios não essenciais da cidade. “Este é um aviso”, disse Lightfoot, à época. “Não hesitarei em impor restrições”, completou, em tom de ameaça.

Já esta semana, a prefeita “avisou” em entrevista coletiva que planeja falar com o governador de Illinois, JB Pritzker, sobre as maneiras de reverter as restrições do COVID-19 a restaurantes e bares para permitir que reabram “o mais rápido possível”. Foi duramente criticada pela evidente contradição.

Os republicanos se referem a essa mudança de postura como “hipocrisia democrática”. Seja o que for, para continuar sendo a maior potência do planeta, os EUA precisam apontar para o mundo que caminho a economia americana tomará em 2021. E como pretendem enfrentar a pandemia que já põe de joelhos seus (até agora há pouco) combatentes mais empedernidos.

Leia mais:  Explosões no porto de Beirute, Líbano, causam grande destruição
Continue lendo

Internacional

Incêndio em fabricante de vacinas na Índia deixa pelo menos 5 mortos

Publicado

De acordo com o Portal Uol, a direção da instituição afirmou que as vacinas contra a covid-19 não foram atingidos durante o incêndio

O incêndio no Instituto Serum, fabricante da vacina contra covid-19 desenvolvida pela Oxford e pela AstraZeneca, na Índia, deixou pelo menos 5 mortos, segundo informações do jornal local Times of India.

Segundo a publicação, ainda não se sabe o que causou o fogo que atingiu o prédio. As chamas atingiram dois andares, mas não os locais onde é fabricada a vacina.

De acordo com o Portal Uol, a direção da instituição afirmou que as vacinas contra a covid-19 não foram atingidos durante o incêndio.

As vítimas ainda não tiveram suas identidades confirmadas, mas acredita-se que são pessoas estavam trabalhando em uma obra no local e não funcionários do Instituto Serum.

O CEO da Serum, Adar Poonawalla, lamentou o acidente e prestou homenagem aos mortos em um tweet.

“Nós recebemos notícias tristes. Depois de mais investigações, descobrimos que infelizmente houveram mortes durante o incidente. Estamos profundamente tristes e oferecemos as nossas sinceras condolências aos familiares daqueles que partiram”, postou Poonawalla.

Recentemente, o Brasil anunciou que compraria 2 milhões de doses da vacina de Oxford/AstraZeneca produzidas pela empresa indiana, mas a exportação ainda não foi autorizada pelo governo do país asiático.

Leia mais:  Funcionário de hospital danifica propositalmente 500 doses de vacina nos EUA
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana