conecte-se conosco


Internacional

Trump anuncia plano para ter uma vacina contra o coronavírus “no final do ano”’

Publicado

Donald Trump anunciou na sexta-feira um plano público-privado para acelerar a criação de uma vacina contra o coronavírus. O presidente norte-americano afirmou em um pronunciamento nos jardins da Casa Branca que o Governo federal investirá na produção das vacinas mais promissoras e que já existem 14 candidatas. “Estamos tentando obtê-la até o final do ano, talvez antes”, afirmou o mandatário, em contradição ao prognóstico dos especialistas de saúde, que calculam que sua produção irá demorar de um ano a 18 meses. De qualquer modo, Trump defendeu que “com ou sem vacina” o país “está de volta”.

O médico Moncef Slaoui, nomeado para liderar a operação, também se mostrou otimista. O executivo farmacêutico afirmou em entrevista coletiva que recentemente viu dados animadores de um teste clínico não publicado de uma das possíveis vacinas e que os resultados o fizeram sentir-se “ainda mais seguro” de que é possível fornecer “centenas de milhões de doses de vacina no final de 2020”. O objetivo é ter disponíveis 300 milhões de doses em janeiro do próximo ano, um número suficiente para proteger praticamente toda a população norte-americana. Slaoui será o principal assessor do plano e o general Gustave F. Perna será o principal oficial de operações.

Leia mais:  Itália registrou mais mortes em 2020 desde a 2ª Guerra Mundial

O plano foi batizado como Operação Warp Speed, que pode ser traduzido como “incrivelmente rápido”, e sem dúvida essa é a ideia de um projeto que desafia os prazos da ciência: nunca uma vacina esteve disponível ao público de maneira generalizada em um período tão curto como o proposto.

O anúncio chega quando as mortes pela pandemia superam as 300.000 no mundo e os pesquisadores lutam para desenvolver uma vacina contra o vírus. “Não quero que as pessoas pensem que tudo depende de uma vacina”, afirmou Trump, e, citando casos anteriores, se arriscou a dizer que mesmo que não encontrem uma vacina em breve, o vírus “desaparecerá em algum momento, desaparecerá”. O epidemiologista Anthony Fauci, que esteve pela primeira vez com máscara na entrevista coletiva do mandatário, não falou. Mas disse várias vezes que pela eficácia do vírus em se propagar de um ser humano a outro, não acha que exista a opção de que a covid-19 “simplesmente desapareça”.

O otimismo para desenvolver uma vacina em apenas poucos meses também não bate com as projeções de Rick Bright, especialista em doenças infecciosas do Governo norte-americano, demitido em abril. “O otimismo gira ao redor de um prazo de tempo de 12 a 18 meses, se tudo der certo”, afirmou Bright na quinta-feira em um pronunciamento no Congresso. “Nunca vimos nada que deu totalmente certo. Minha preocupação é que se tivermos muita pressa, e saltarmos passos críticos, pode ser que não tenhamos uma avaliação correta da segurança da vacina”, acrescentou.

Leia mais:  Zelensky pede reunião com Putin para 'pôr fim à guerra'

Os Estados Unidos enfrentarão o “inverno mais desolador da história moderna” se seus líderes não coordenarem uma resposta a um esperado novo surto do coronavírus no final do ano, também alertou Bright. A projeção de um panorama sombrio chega quando Trump está pressionando os Estados para que reabram e a economia volte a ser ativada, enquanto as autoridades científicas erguem uma bandeira vermelha ao levantamento precipitado das medidas restritivas. O doutor Fauci já alertou que apressar o processo pode provocar mortes e sofrimentos que podem ser evitados. “Não vamos fechar o país por cinco anos”, afirmou Trump na tarde de sexta-feira.

publicidade

Internacional

Escola é construída em semanas a partir de impressora 3D na África

Publicado

Projetos sem fins lucrativos se juntaram para criar colégio na ilha de Madagascar que pode receber até 30 alunos

Um projeto feito na ilha de Madagascar, no continente da África, construiu a primeira escola com auxílio de uma impressora 3D no país, na cidade de Fianarantsoa.

Uma parceria entre a organização sem fins lucrativos Thinking Huts, a Ecole de Management et d’Innovation Technologique e a universidade local de Fianarantsoa busca mudar a realidade dos jovens da ilha, na África subsaariana.

Com o nome de Bougainvillea, a escola, antes da chegada das entidades, passava por uma construção que já durava sete anos. Com a ajuda desses parceiros, as paredes do colégio foram impressas em 18 horas e três semanas depois a estrutura do local estava finalizada.

O espaço, de 65 m², foi projetado para acomodar até 30 estudantes ao mesmo tempo. A escola receberá desde alunos do primário até estudantes do ensino médio.

As portas, o teto e a janela da escola foram fabricados com materiais locais, e as paredes, construídas com cimento, com auxílio da tecnologia 3D. Além disso, a estrutura do colégio tem formato de uma colmeia de abelha, simbolizando a união.

Leia mais:  Universidade de Oxford vai testar vacina contra Covid-19 aplicada como spray nasal; voluntários receberão até R$ 3,2 mil

Impressora 3D auxilia na construção das paredes do colégio

“Nós nos inspiramos na colmeia, que simboliza a reunião de pessoas para formar uma comunidade que só vai prosperar se todos trabalharem para uma missão compartilhada”, afirma Maggie Grout, empreendedora que criou a Thinking Huts. “A impressão 3D permite reduzir o desperdício e o tempo de construção”, completa.

Segundo estimativa da Unesco, para melhorar os índices educacionais em Madagascar, seria necessária a criação de cerca de 22 mil escolas no país.

Com os números atuais, uma em cada três crianças na ilha não completou sequer o primário e 97% das crianças de até 10 anos não conseguem ler uma frase com poucas sentenças.

A iniciativa pode ser uma virada de chave para melhorar o sistema educacional e afetaria positivamente outros tantos setores do país, que atualmente ocupa a 164ª posição no IDH (Índice de Desenvolvimento Humano), com pontuação de apenas 0,528 em um índice que vai até 1.

Continue lendo

Internacional

Homem é enterrado vivo após beber e desmaiar durante festival na Bolívia

Publicado

Victor Alvarez, de 30 anos, conseguiu escapar do caixão, que estava a 80 km de distância da festa; linha de apuração aponta para ritual

Um jovem de 30 anos afirmou que foi enterrado vivo depois de consumir bebidas alcoólicas com um amigo e ficar bêbado durante um tradicional festival em homenagem à Mãe Terra em El Alto, na Bolívia. 

Victor Hugo Mica Alvarez conseguiu escapar do caixão em que foi colocado, em Achacachi, a cerca de 80 km de distância do local do evento.

As autoridades investigam a possibilidade de o rapaz ter sido vítima de um ritual. O caso ocorreu na última sexta-feira (5), de acordo com o jornal britânico Daily Mail. 

“Ontem à noite foi a pré-entrada [da Villa Victoria], fomos dançar, sou guia, e não lembro mais. A única coisa que lembro é que pensei que estava na minha cama e me levantei para ir ao banheiro, mas não conseguia mais me mexer. Foi quando empurrei o caixão, que tinha um vidro, que se quebrou. A terra começou a entrar pelo vidro, e então eu consegui sair. Eles me enterraram”, declarou o rapaz ao diário Página Siete, de La Paz, capital boliviana.

Leia mais:  Universidade de Oxford vai testar vacina contra Covid-19 aplicada como spray nasal; voluntários receberão até R$ 3,2 mil

O Festival Madre Tierra conta com oferendas para Pachamama, a deusa da terra e da fertilidade na cultura dos povos indígenas dos Andes Centrais. Os bolivianos indígenas acreditam que a divindade “abre a boca” em agosto. Por isso, há quem ofereça a ela desde animais até doces. Existe a suspeita na região de que anciãos ainda oferecem seres humanos em segredo.

O jovem afirmou que havia uma estrutura montada no local em que foi enterrado. Assim que escapou, ele pediu ajuda a outro rapaz, que o levou a uma delegacia de polícia. No entanto, os agentes não acreditaram na versão de Álvarez, que procurou o jornal boliviano para fazer a denúncia e pedir ajuda com a investigação.

Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana