conecte-se conosco


Internacional

Trump é absolvido em processo de impeachment no Senado dos EUA

Publicado

Em resultado que já era previsto, 52 senadores do Partido Republicano votaram para absolver o presidente dos EUA no processo de impeachment

Senado absolveu Donald Trump em processo de impeachment

O presidente dos EUA, Donald Trump, vai permanecer no cargo até o fim deste mandato, pelo menos. Em uma votação cujo resultado era previsível por diversas questões partidárias, o processo de impeachment contra ele foi encerrado nesta quarta-feira (5).

Com 52 votos entre os 53 senadores republicanos, Trump foi absolvido das acusações de abuso de poder. Um total de 48 senadores — 45 democratas, dois independentes e um republicano, Mitt Romney, o primeiro a votar contra o próprio partido na história dos EUA — votaram para condenar Trump. Romney votou a favor do presidente na segunda acusação, de obstrução de Justiça.

Para que ele fosse definitivamente afastado do cargo, era necessário que pelo menos 20 senadores do Partido Republicano votassem contra ele, já que são necessários dois terços dos 100 senadores.

Fim do processo

O impeachment de Trump dominou a política norte-americana desde o ano passado. Em dezembro, o processo foi aprovado pela Câmara dos Representantes com uma margem confortável, graças à predominância do Partido Democrata na casa.

Trump era acusado de violar as prerrogativas de seu cargo por pressionar o presidente da Ucrânia, Volodynyr Zelynskiy, a investigar negócios de Hunter Biden, filho do ex-vice-presidente Joe Biden, no país. Ele chegou a suspender o pagamento de uma ajuda militar de US$ 400 bilhões (cerca de R$ 1,7 bilhão), como forma de pressão.

O resultado já era esperado porque os senadores republicanos se recusaram, durante todo o julgamento, a ouvir testemunhas, como o ex-conselheiro de Segurança Nacional, John Bolton, e incluir novas provas no processo.

Leia mais:  Rússia proíbe desenho da Disney com personagem gay
publicidade

Internacional

Professora é presa suspeita de dar balas de maconha a alunos com boas notas

Publicado

A escola informou, por meio de nota, que “a segurança dos alunos é a maior prioridade” e que a professora foi demitida

Uma professora do ensino fundamental foi presa após oferecer uma caixa de balas de maconha a alunos como recompensa por bom comportamento. Victoria Farish Weiss, de 27 anos, entregou-se à polícia na última sexta-feira (15), em Lexington, no estado da Carolina do Sul (EUA), após receber um mandado de prisão.

O caso ocorreu em 23 de setembro na Escola Primária Rocky Creek e estava sendo investigado pela polícia local.

O xerife Jay Koon disse ao ABC News que a mulher misturou as balas de maconha em uma caixa com outros doces sem querer.

Apesar de a professora ter o costume de dar as balas como recompensa aos alunos que tirassem notas altas, nenhum estudante chegou a consumir os doces com a droga.

“Os detetives confirmaram durante as entrevistas que um aluno pegou um pacote de comestíveis ilegais, mas que Weiss pediu para ele trocar por outro”, afirmou o xerife.

No dia seguinte à denúncia anônima, os policiais foram até a casa da educadora e encontraram pacotes da bala com cannabis, iguais aos que foram escolhidos pelos alunos na sala de aula.

“Comestíveis de maconha são produtos alimentícios à base de cannabis. Eles vêm em várias formas, mas os itens neste caso eram doces”, acrescentou Koon.

A escola informou, por meio de nota, que “a segurança dos alunos é a maior prioridade” e que a professora foi demitida.

Weiss está presa por posse de droga no Centro de Detenção do Condado de Lexington.

Leia mais:  Ex-chefe de segurança espacial de Israel diz que ETs existem e Trump sabe disso
Continue lendo

Internacional

Ex-general diz que Venezuela mandou dinheiro para Lula

Publicado

Partidos da esquerda na América Latina e também na Europa teriam sido financiados ilegalmente por Chávez e Maduro

O ex-chefe do Serviço Secreto da Venezuela, general Hugo Armando Carvajal, conhecido como Pollo Carvajal, enviou uma carta de sete páginas para o juíz espanhol Manuel García-Castellón relatando detalhes de um esquema de financiamento de partidos de esquerda na América Latina e na Europa pelos governos de Hugo Chávez e de Nicolás Maduro. Entre os beneficiados estaria o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. As informações foram divulgadas pelo site espanhol Okdiario nesta semana.

“O governo venezuelano financia ilegalmente movimentos políticos de esquerda no mundo há pelo menos 15 anos, incluindo o financiamento da criação do partido político espanhol Podemos”, diz Carvajal. “Enquanto eu era diretor de Inteligência Militar e Contrainteligência da Venezuela, recebi muitos relatórios apontando que esse financiamento internacional estava acontecendo”.

Carvajal  cita como exemplos “concretos” de beneficiados pelo esquema de financiamento: o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva; Néstor Kirchner, na Argentina; Evo Morales, na Bolívia; Fernando Lugo no Paraguai; Ollanta Humala, no Peru; Zelaya em Honduras; Gustavo Petro na Colômbia; Movimento Cinco Estrelas na Itália e o partido Podemos na Espanha.

No documento de sete páginas endereçado à justiça espanhola, ele relata em detalhes como era o envio de dinheiro para a Espanha durante a criação do partido de esquerda Podemos. Segundo Carvajal, os valores foram transportados para a Europa por meio de malas diplomáticas, um sistema oficial de correspondência entre governos e o corpo diplomático no exterior e que não podem ser violadas.

Ele conta que o dinheiro era levado por um homem de confiança do governo venezuelano da embaixada de Cuba, em Caracas, para o Ministérios das Relações Exteriores, onde era recebido por Williams Amaro, secretário de Maduro.

Amaro seria o responsável por enviar as quantias para a embaixada do país na Espanha por meio de malas diplomáticas. Já em território espanhol, o dinheiro era recebido por Ramón Gordils, vice-ministro de Cooperação Econômica da Venezuela e presidente do Bancoex de Comércio Exterior, e entregue para Juan Carlos Monedero, um dos fundadores do Podemos.

Carvajal conta na carta que a última vez que soube desse tipo de operação foi em 7 julho de 2017, quando Ramón Gordils retornou a Caracas em um voo da Iberia.

Ele afirma ter como provar a existência do esquema de financiamento de partidos de esquerda pelo governo da Venezuela. “Tenho informantes que testemunharam diferentes estágios dessa rede. Pedi aos meus advogados que os contatassem enquanto eu estava na prisão para perguntar se eles estariam dispostos a atestar meu testemunho e alguns responderam sim para concordar em testemunhar perante um juiz.” 

Capturado na Espanha

Caravajal foi preso na Espanha em setembro acusado de envolvimento no tráfico de drogas. Ele estava foragido desde novembro de 2019, quando vivia em Madri, um dia antes de sua extradição para os Estados Unidos ser autorizada.

“Estou há dois anos trancado em apartamentos. Mudava a cada três meses, menos nesta ocasião, em que fiquei oito meses no mesmo apartamento”, disse aos policiais no momento em que estava sendo algemado.

A agência antidrogas dos Estados Unidos chegou a oferecer uma recompensa equivalente a R$ 50 milhões por informações que levasse à prisão do ex-chefe do Serviço Secreto da Venezuela.

Leia mais:  EUA: Variante do Reino Unido deve dominar casos a partir de março
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana