conecte-se conosco


Medicina e Saúde

Vacina de Oxford produz resposta imune em idosos acima de 70 anos

Publicado

Estudo divulgado nesta quinta-feira (19) na revista “The Lancet” indica que resultados finais do imunizante contra covid deverão chegar antes do Natal

vacina potencial contra a covid-19, desenvolvida pelo laboratório AstraZeneca em parceria com a Universidade de Oxford, produziu uma forte resposta imune em idosos com mais de 70 anos de idade.

Os dados sobre a segunda fase de estudos clínicos foram publicados na quinta-feira (19) na revista científica “The Lancet”, que é referência mundial na área farmacêutica.

Os pesquisadores testaram a dose, denominada ChAdOx1 nCoV-19, em um experimento com 560 adultos saudáveis, incluindo 240 com mais de 70 anos, para observar seu impacto no sistema imunológico e possíveis efeitos colaterais.

Os “resultados preliminares promissores” indicam que esta vacina SARS-CoV-2 oferece “resultados de segurança e imunogenicidade semelhantes em idosos saudáveis ​​do que naqueles com idade entre 18 e 55 anos”, segundo o texto da Lancet.

Os dados, obtidos no final de outubro, mas publicados na íntegra somente hoje, sugerem que pessoas com mais idade, mais suscetíveis a morerr em decorrência da covid-19, podem desenvolver uma robusta imunidade.

“As respostas robustas de anticorpos e células T vistas em pessoas mais velhas em nosso estudo são encorajadoras”, disse Maheshi Ramasamy, consultor e co-investigador principal do Oxford Vaccine Group.

Dentro de 14 dias após a primeira dose, os pacientes geram uma resposta das células T. Já a geração de anticorpos ocorre 28 dias após a dose de reforço (que atacaria o vírus quando ele circula pelo sangue ou sistema linfático).

“Esperamos que isso signifique que nossa vacina ajude a proteger algumas das pessoas mais vulneráveis ​​da sociedade, mas mais pesquisas serão necessárias antes de termos certeza”, completou.

Entenda os testes

Nos testes da fase 2, os voluntários com mais de 55 anos foram divididos em dois grupos e receberam uma ou duas doses da vacina em um período de 28 dias. Todos foram observados desde o início para detectar efeitos adversos, bem como a resposta imune.

Os autores observam que os efeitos colaterais do imunizante foram “leves” (como dor à injeção, fadiga, dor de cabeça, febre ou dor muscular), embora mais comuns do que com a vacina de controle.

Treze casos graves foram detectados nos seis meses após a primeira dose, mas não são foram considerados relacionados às vacinas.

Os pesquisadores explicam que os efeitos colaterais foram ainda menos comuns em adultos mais velhos do que jovens, e a resposta imunológica foi “semelhante” em todas as faixas etárias após a dose de reforço.

A vacina induziu anticorpos contra a proteína de pico do coronavírus 28 dias após a primeira dose pequena ou quantidade padrão em todas as faixas etárias. Após a vacinação de reforço, o nível de anticorpos aumentou 56 dias após o início do experimento, e o mesmo aconteceu com os anticorpos neutralizantes 42 dias depois.

Por sua vez, a resposta das células T contra a proteína spike do coronavírus culminou 14 dias após a primeira inoculação, independentemente da idade ou da dose.

Testes finais e limitações

undefined

Leia mais:  Alimentos que colaboram com a saúde mental

A pesquisadora Sarah Gilbert diz que este estudo “responde a algumas das questões” levantadas pela OMS (Organização Mundial da Saúde) sobre a necessidade de vacinas contra covid-19 protegerem também os idosos.

No entanto, ressalta que outras “questões sobre a eficácia e a duração da proteção” ainda precisam ser respondidas e a vacina também deve ser testada em idosos com patologias para garantir que proteja aqueles que têm maior risco de evoluir para quadros graves.

Os autores reconhecem que os testes divulgados hoje “têm limitações”. Por exemplo, informaram que as pessoas mais velhas do experimento tinham uma idade média de 73 ou 74 anos e eram saudáveis.

Além disso, acrescentam, a maioria dos voluntários de qualquer idade eram brancos e não fumantes. Por isso, na terceira fase, os testes clínicos se estenderão a pessoas de diferentes origens.

Os testes em estágio final, ou fase 3, estão em andamento para confirmar as descobertas, disseram os pesquisadores. Essa fase também vai testar se a vacina protege contra a infecção com SARS-CoV-2 em uma ampla gama de pessoas, incluindo aquelas com outros problemas de saúde.

Os resultados da fase 3 devem ser definitivamente conhecidos até o Natal, disse o diretor do Oxford Vaccine Group, Andrew Pollard.

Leia mais:  URGENTE: Confirma primeiro caso de coronavírus no Espírito Santo
publicidade

Medicina e Saúde

Vacina contra a Covid-19 é aplicada em mais de 20 mil pessoas no Estado

Publicado

Até às 15h desta terça-feira (26), 21.744 mil pessoas do público-alvo foram vacinadas no Estado. Os dados são do Programa Estadual de Imunizações, da Secretaria da Saúde (Sesa). Os municípios da Região Metropolitana de Saúde realizaram, até o momento, a imunização de 9.165 mil pessoas; nos municípios da Região Sul foram 5.352; nos municípios da Região Central foram 5.221 vacinados; e os municípios da Região Norte totalizaram 2.006 pessoas imunizadas.

Quanto aos imunizantes, a população que está sendo vacinada com a CoronaVac deverá receber a segunda dose no intervalo de quatro semanas. Já para a população-alvo imunizada com Oxford-AstraZeneca, a segunda dose será aplicada em um intervalo de 12 semanas, aproximadamente três meses.

Leia mais:  Câncer de esôfago como o de Bruno Covas costuma ser silencioso
Continue lendo

Medicina e Saúde

Estado dá transparência aos dados sobre a vacinação contra a Covid-19

Publicado

O Governo do Estado deu mais um passo para garantir a transparência nas informações sobre o novo Coronavírus (Covid-19): os dados sobre vacinas recebidas, distribuídas e aplicadas no Espírito Santo já estão disponíveis no site Coronavírus (www.coronavirus.es.gov.br). Além dos números atualizados diariamente, a página conta com um painel interativo com detalhes sobre a imunização, como o total de doses enviadas para cada município, a distribuição por grupo prioritário e o percentual de cobertura alcançado em cada grupo.

O painel, em formato gráfico e de fácil entendimento, permite a filtragem e o download dos dados e pode ser acessado por qualquer cidadão. A página também reúne informações sobre os grupos prioritários, fases da imunização e critérios observados para a distribuição das doses no Estado.

“Estamos lançando o Vacinômetro no painel Covid-19 ES, que é o mais transparente e completo do País. Lembrando que o site é uma fonte de informação para as instituições que fazem pesquisa, para a população e para a imprensa. No botão ‘Painel de Vacinação’, o internauta pode conferir todas as informações sobre a vacina, como, por exemplo, quantos profissionais de saúde temos em cada município e quantas doses já foram disponibilizadas. É importe destacar ainda que o painel vai ajudar a evitar desvios, garantindo um maior controle e transparência sobre as doses”, afirmou o governador Renato Casagrande.

A ferramenta é fruto do trabalho conjunto das Secretarias de Controle e Transparência (Secont) e da Saúde (Sesa); da Superintendência Estadual de Comunicação Social (Secom); e do Instituto de Tecnologia da Informação e Comunicação do Estado (Prodest). No decorrer do período de vacinação as informações serão complementadas, de acordo com os grupos prioritários a cada fase da imunização.

Controle social

Leia mais:  Câncer de esôfago como o de Bruno Covas costuma ser silencioso

Ao investir na divulgação das informações sobre a vacinação, o Governo do Estado fortalece o controle social, como destaca o secretário de Estado de Controle e Transparência, Edmar Camata: “O Estado maximiza a transparência da vacinação, para permitir o controle social e ajudar firmemente na repressão aos desvios já vistos em outros Estados.”

De acordo com o secretário, o Governo do Estado vem atuando de forma preventiva. Para evitar e coibir a possibilidade de utilização incorreta das vacinas, foi criado regramento próprio, prevendo punições para as más condutas e desvios na imunização contra a Covid-19 por meio da Portaria nº 010-R, da Sesa. 

“O Governo tem realizado grandes entregas, como a de hoje para garantir a transparência. Mostrar às pessoas, sempre com clareza, com uma linguagem simples, que tanto um pesquisador quanto um trabalhador comum, que não é da área, possa entender o dado. Permite também que toda a população tenha acesso às decisões e às informações que motivam as nossas decisões”, destacou o secretário de Estado da Saúde, Nésio Fernandes.

Na avaliação do presidente do Prodest, Tasso Lugon, o Vacinômetro é uma ferramenta muito importante para dar mais transparência ao processo de vacinação no Estado contra a Covid-19. “Durante a pandemia, o Prodest desenvolveu diversas soluções para informar à população sobre as ações do Governo de combate à doença. Isso mostra como a tecnologia é importante para a administração pública prestar um bom serviço à população”, enfatizou.

Com o lançamento do painel, o Espírito Santo reafirma seu compromisso com a transparência, como vem fazendo desde o início da pandemia. Compromisso esse que fez do Estado primeiro lugar, com nota máxima, nos dois rankings nacionais que medem a eficiência do Poder Público em prestar informações sobre a pandemia e os gastos realizados para o enfrentamento à Covid-19.

Leia mais:  Alimentos que auxiliam no combate à depressão
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana