conecte-se conosco


Medicina e Saúde

Vacina e Confia: Sesa tira dúvidas sobre a plataforma de vacinação contra a Covid-19 do Estado

Publicado

Com uma semana de funcionamento, a Plataforma Vacina e Confia do Governo do Espírito Santo em parceria com o Laboratório de Inovação Tecnológica em Saúde (LAIS), da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), já conta com quase dois milhões de pessoas cadastradas.

Para auxiliar da melhor maneira a experiência dos usuários em todas as funcionalidades da plataforma, a Secretaria da Saúde (Sesa) organizou uma série de perguntas e respostas para solucionar as principais dúvidas sobre o novo site.

 

– O que é a Plataforma Vacina e Confia?

A Plataforma Vacina e Confia reúne importantes funcionalidades para a vacinação contra a Covid-19 no Espírito Santo.

A primeira é que se configura no novo Sistema de Informação utilizado por todos os 78 municípios para controle de registro da dose recebida, estoque, distribuição e aplicação dos imunizantes incorporados ao Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19 do Ministério da Saúde.

Além disso, a plataforma é disponibilizada à população vacinável para cadastro de suas informações e, assim, garantindo a opção de agendamento de doses aos municípios que aderiram a esta aplicação; a comunicação sobre período de aplicação da D2 ou doses em atraso.

Para o cidadão que ainda aguarda para iniciar o esquema vacinal, é uma importante ferramenta para auxiliar no dia da vacinação, agilizando o processo. Já para cidadão que completou o esquema vacinal, a Plataforma disponibiliza a declaração do autocadastro e o certificado de vacinação em três línguas (português, inglês e espanhol).

 

– Fiz uma operação errada no momento do cadastro e não consigo desfazer. Como proceder?

Se algo ocorreu errado, o cidadão pode entrar em contato com os números e e-mail disponibilizados na própria Plataforma, na aba “Contatos”.

A interface com o cidadão para quaisquer dúvidas é feita diretamente pelo município de origem.

Outro canal de comunicação é por meio da Ouvidoria SUS, da Secretaria da Saúde, no e-mail [email protected] ou pelo número (27) 3347-5732 e (27) 3347-5733.

 

Leia mais:  Governo do Estado inicia coletas do Inquérito Sorológico Escolar

– Em caso de erros de informações sobre imunizantes e data de aplicação, o que devo fazer?

Neste caso, a possibilidade é que podem ter ocorrido erros de digitação por parte do município ao registrar a dose no Sistema de Informações do Programa Nacional de Imunizações (SI-PNI) e, portanto, este erro refletirá em uma informação incorreta no sistema Vacina e Confia.

Em caso de erros de informação, a orientação é que entre em contato com números disponíveis na Plataforma na aba “Contato” para solicitar alteração dos dados. Como a resposta anterior, a interface com o cidadão para quaisquer dúvidas é feita diretamente pelo município de origem.

Além disso, a Secretaria da Saúde, por meio de sua equipe de Tecnologia da Informação junto ao Lais, tem trabalhado na curadoria dos dados importados do SI-PNI, dando todo suporte aos municípios para que, quando encontrada alguma inconsistência, a mesma seja corrigida.

 

– Fui vacinado, mas o meu cadastro ainda não apareceu, por quê?

Todas as informações são acrescidas por meio do serviço de vacinação do município no qual o cidadão recebeu a dose. A orientação a todos os municípios é que o período de digitação das doses aplicadas seja o mais breve possível, uma vez que é com essas informações que são alimentados também o Painel de Vacinação, com dados sobre aplicação das doses no Estado.

 

Leia mais:  Estado começa imunização de trabalhadores da saúde com doses da Oxford-AstraZeneca

– Por que não consigo cadastrar uma pessoa menor de idade?

O cadastro de adolescentes e crianças passará a ser disponibilizado na Plataforma em breve, e deverá ser realizado pelos pais ou responsáveis legais dos menores de idade em uma aba denominada “Dependentes”.

Outra possibilidade de agendamento desse público será por meio do estabelecimento de saúde de referência de atendimento.

Vale ressaltar que até o momento o Plano Nacional de Imunização contra a Covid-19, do Ministério da Saúde definiu a vacinação para pessoas acima dos 18 anos. No Espírito Santo, por meio do Plano Estadual de Imunização e definido em Comissão Intergestores Bipartite (CIB) pela resolução N° 116/2021, passa a ser grupo prioritário adolescentes de 12 a 17 anos de idade com comorbidades, deficiência permanente, gestantes ou puérperas.

 

– Por que só é possível fazer agendamento para o cadastrado?

Os acessos ao cadastro são pessoais. Toda a experiência da Plataforma é centrada no usuário como, por exemplo, ocorre no ConecteSUS, do Ministério da Saúde. Ou seja, cada cidadão precisa ter o seu cadastro para poder agendar sua vacina e ter acesso a outras informações de interesse pessoal.

Em breve a Plataforma disponibilizará a opção para agendamento a menores de idade, em vacinação definida em estratégia estadual.

Entretanto, a Plataforma não inviabiliza a possibilidade de outra pessoa realizar o agendamento, desde que tenha acesso ao CPF e senha do cadastro do usuário que será vacinado.

publicidade

Medicina e Saúde

Veja 8 vitaminas fundamentais para a saúde dos idosos

Publicado

A ingestão de vitaminas traz inúmeros benefícios para o corpo humano, garantindo o seu equilíbrio

Na terceira idade, a reposição de vitaminas é fundamental para evitar problemas como queda da imunidade e desgaste ósseo, por exemplo. A alimentação balanceada ainda é o fator mais importante, mas a suplementação atua em conjunto, repondo as vitaminas e sais minerais.

“É importante essa reposição para tratar as deficiências nutricionais, garantindo uma melhor qualidade de vida a este público”, explica a farmacêutica Tatiana Martim Rocha. 

A especialista destacou quais são as vitaminas essenciais para o perfeito funcionamento do organismo dos idosos. Confira:

Cálcio: importante para manter os ossos resistentes, além de auxiliar na saúde do cérebro e do coração

É encontrado em alimentos como quinoa, feijão branco e brócolis.

Potássio: responsável por diminuir os níveis de sódio no organismo, também regula a pressão sanguínea e combate a prisão de ventre

Encontrados em alimentos como abacate, banana e peixes.

Vitamina C: além de fortalecer o sistema imunológico, é um ótimo antioxidante.

É encontrada em alimentos como kiwi, laranja e couve.

Vitaminas do complexo B: composto por 8 tipos de vitaminas, são importantes para a saúde do cérebro, além de fortalecerem o sistema imunológico e combaterem problemas como anemia, demência, cansaço e irritabilidade.

Encontradas em alimentos como carne vermelha, ovos e oleaginosas.

Vitamina D: auxilia no funcionamento dos sistemas imunológico e muscular e também na formação de ossos e dentes. Sua deficiência causa problemas como osteoporose e fadiga

A maior parte desta vitamina é produzida pelo corpo através da exposição ao sol.

Ômega 3: melhora a memória e a disposição, além de controlar os níveis de colesterol e prevenir doenças cardiovasculares e cerebrais e até Alzheimer

Está presente em alimentos como peixes de água do mar, nozes e azeite de oliva.

Coenzima Q10: também conhecida como ubiquinona, possui propriedades antioxidantes. E ajuda a prevenir doenças cardiovasculares, envelhecimento precoce, reduz a fadiga, entre outros benefícios. 

Está presente em alimentos como frutas secas, carnes e legumes verdes.

Colágeno tipo II: seu uso melhora a saúde das articulações. Entre seus inúmeros benefícios, estão a melhora das dores articulares e aumento na flexibilidade das cartilagens nas articulações, melhorando os movimentos.

Leia mais:  ES investiga quatro casos de varíola bovina em humanos
Continue lendo

Medicina e Saúde

Covid-19: Este sintoma diminui a libido e vontade de ter relações

Publicado

Um dos três principais sintomas novo coronavirus SARS-CoV-2, causador da Covid-19, pode reduzir a libido e a vontade ter relações sexuais, alerta um novo estudo.

Em maio do ano passado a anosmia– também conhecida como perda do paladar e do olfato – foi listada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como um dos principais sinais de infecção pelo novo coronavírus.

Tal ocorreu, após as autoridades de saúde terem detectado inúmeros casos de doentes com Covid-19 que relataram o sintoma e agora os pesquisadores já associaram o sinal à diminuição do apetite sexual, reporta um artigo publicado no jornal britânico The Sun.

OMS identifica entre os três principais sintomas da Covid-19: uma nova tosse persistente, temperatura elevada e perda de paladar e de olfato ou anosmia.

Se tiver algum desses sintomas, então deve se isolar e contactar o médico. Mas é provável que se você e o seu parceiro estejam em isolamento e a experienciar a falta de olfato, que ocorra uma diminuição da libido.

Investigadores norte-americanos afirmam que o olfato pode desempenhar um papel importante na motivação sexual e ambos estão “intimamente ligados”.

Num artigo publicado no The Journal of Sexual Medicine, os especialistas disseram que a satisfação emocional diminuiu em adultos mais velhos que apresentaram o sintoma.

Para efeitos daquela pesquisa, foram analisados 2.084 adultos com 65 anos ou mais e foi observado como a perda do olfato impactava nos desejos sexuais dos idosos.

De modo a medirem o seu olfato, os investigadores usaram varas de cheiro e associaram esse elemento à frequência de pensamentos sexuais dos indivíduos através de um questionário.

Os cientistas questionaram os voluntários sobre o quão satisfeitos estes haviam ficado com a sua experiência sexual mais recente.

Jesse K. Siegel, líder do estudo e professor na Universidade de Chicago, disse: “a diminuição da função olfativa em idosos nos EUA foi associada à diminuição da motivação sexual e da satisfação emocional com o sexo, mas não à diminuição da frequência de atividade sexual ou prazer físico”.

“A nossa pesquisa revela que um declínio na função olfativa pode afetar o prazer sexual nos adultos mais velhos”, acrescentou.

“Portanto, causas tratáveis de perda sensorial devem ser abordadas por clínicos de forma a melhorar a saúde sexual”.

olfato é a forma como o corpo processa o cheiro. Podendo ajudar a detectar feromônios um tipo de químicos que atuam como hormônios fora do corpo humano.

Segundo os investigadores: “o olfato tem uma forte conexão evolutiva com o sistema límbico, que desempenha um papel crítico no processamento de emoções e motivação sexual”.

Leia mais:  Especialistas orientam sobre necessidade de manter hidratação durante uso de máscaras
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana