conecte-se conosco


Medicina e Saúde

Vacina produzida na Suíça pode começar a ser usada em outubro

Publicado

De acordo com pesquisador da Universidade de Berna, medicamento, que passa por testes de segurança, não precisará ser aplicado anualmente

Uma vacina contra o coronavírus da Suíça pode estar pronta para uso em outubro, afirmam cientistas do país que desenvolvem o medicamento no Hospital Universitário de Berna.

“Esta será a primeira ou uma das primeiras vacinas” a conter a pandemia da covid-19, disse o chefe do Departamento de Imunologia do hospital, Martin Bachmann, que lidera o trabalho de pesquisa.

A vacina está agora na estágio de testes de eficácia e segurança.

O especialista garantiu que existem “possibilidades reais” para iniciar uma vacinação em massa da população suíça em outubro, período muito mais curto que o de doze a dezoito meses, com base no qual especialistas e empresas do setor farmacêutico trabalham.

Bachmann afirmou que a pesquisa conta com a colaboração de instituições científicas do Reino Unido, Letônia e China, bem como da Universidade de Zurique.

A tecnologia escolhida aumenta a imunidade, o que a torna ideal para idosos, não possui contraindicações para quem sofre de doenças crônicas e é de fácil manipulação: com uma pequena quantidade de vacina podem ser produzidas milhões de doses.

Sobre a segurança da vacina, Bachmann afirmou: “Estamos fazendo tudo de acordo com os padrões, mas de maneira acelerada”, acrescentando que são seguidas as diretrizes da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Além disso, o especialista afirmou que a vacina contra o coronavírus provavelmente oferece proteção a longo prazo e não é necessário renová-la a cada ano, como no caso da gripe.

Isso ocorre porque o Sars-Cov2 é um vírus “estável” e não foram encontrados motivos para pensar que ele seja suscetível a mutações de curto prazo.

A equipe de Bachmann trabalha com a Saiba, uma empresa de biotecnologia especializada em vacinas e que lida com questões regulatórias e de financiamento desse projeto, que seria realizado em parte por uma fundação da Universidade de Zurique.

No processo de pesquisa e desenvolvimento, o diretor de operações da Saiba, Gary Jennings, disse que há conversas com os farmacêuticos suíços Novartis e Lonza sobre a futura produção da vacina.

O executivo e médico em bioquímica explicou que espera chegar a um acordo com as agências reguladoras e as autoridades suíças para realizar uma vacinação em massa.

“Acreditamos que podemos chegar a um acordo com o governo suíço para tornar a vacina uma realidade rapidamente”, disse ele.

Ele também garantiu que a equipe que trabalha no projeto está disposta a facilitar a transferência de tecnologia para que a vacina possa ser produzida em outros países a preços muito acessíveis.

Leia mais:  Julho é declarado o mês internacional da prevenção à Síndrome do Olho Seco
publicidade

Medicina e Saúde

Estadual de Urgência e Emergência ‘São Lucas’ realiza primeira captação de coração da unidade em 2021

Publicado

Na última quinta-feira (21), o Hospital Estadual de Urgência e Emergência ‘São Lucas’, em Vitória, realizou a primeira captação de um coração, que foi destinado para um paciente da fila de transplantes do Espírito Santo.

Além do coração, o mesmo doador ainda pode ajudar a salvar a vida de mais pacientes, já que foram doados as duas córneas e os rins, que ficaram no Estado, e o fígado, que foi enviado a um paciente compatível em Minas Gerais.

A enfermeira da Comissão Intra-Hospitalar para Doação de Órgãos e Tecidos para Transplantes (CIHDOTT), Karla Coelho, explica que as doações só podem ser realizadas com o consentimento da família, por isso, é de extrema importância que as pessoas manifestem em vida o desejo de serem doadoras.

Quem também reforça a importância de conversar sobre o assunto é a diretora geral do hospital, Cynthia Milanez. “É difícil falar de morte, especialmente quando estamos saudáveis, mas é importante conversar sobre a doação de órgãos e evitar que o tema seja um tabu, afinal de contas, por mais doloroso que seja, a morte é inevitável. Entretanto, a doação é uma forma de transformar dor e sofrimento em esperança e amor para outras famílias”, disse.

Dados sobre transplantes
Segundo dados da Central Estadual de Transplantes do Espírito Santo (CET-ES), até esta segunda-feira (25), a Central contabilizou 1.489 pacientes aguardando por um órgão no Estado, sendo 1.024 para rim, 448 para córneas, 14 para fígado e três à espera de um coração.

Leia mais:  Julho é declarado o mês internacional da prevenção à Síndrome do Olho Seco
Continue lendo

Medicina e Saúde

Veja 5 alimentos que ajudam no processo de aprendizagem das crianças

Publicado

Estudo afirma que alimentos mais leves e saudáveis proporcionam mais disposição e melhor funcionamento do cérebro infantil

Um estudo realizado com 60 pessoas, pela Universidade de Illinois, nos Estados Unidos, aponta que quem consome uma quantidade maior de luteína, presente em verduras e frutas como mamão, laranja, pêssego e milho, possui uma memória e raciocínio mais afiados

Alimentos integrais e ricos em fibras proporcionam digestão mais lenta, mais saciedade e energia prolongada. Tanto profissionais, quanto autoridades de saúde afirmam que não é indicado oferecer opções ultraprocessadas para crianças e que a alimentação saudável deve ser uma realidade dentro e fora de casa. 

Para a nutricionista, Dayanna Miranda Camizão, é indispensável que os pais e responsáveis estejam sempre atentos ao que seus filhos consomem e sempre busquem novas maneiras de introduzir bons alimentos na dieta das crianças. 

“Infelizmente, tem se tornado cada vez mais comum o consumo de refeições industrializadas por parte das crianças. Alimentos naturais, como as famosas hortaliças verdes, contém um mix de substâncias que auxiliam no sistema nervoso e consequentemente no rendimento da criança. O espinafre fornece bastante luteína, por isso, deve estar presente no prato dos pequenos. Além dele, o brócolis, a rúcula e a couve também são reconhecidos por atuarem em prol do DNA das células cerebrais. É importante ter consciência que uma alimentação não adequada nessa fase pode causar diversos problemas, como anemia, emagrecimento ou até obesidade”, ressalta a nutricionista.

Veja quais são os alimentos que podem proporcionar melhor memória, aprendizado e concentração para a criança:

Arroz Integral – contém vitaminas do complexo B, essenciais para o bom funcionamento do cérebro. As fibras presentes nos carboidratos integrais liberam glicose no organismo aos poucos;

Castanhas – ajudam na liberação da serotonina, neurotransmissor que atua de forma positiva sobre o humor da criança, além de manter as artérias cerebrais saudáveis;

Banana – a fruta é rica em potássio e triptofano, substâncias que ajudam a relaxar e acalmar as atividades cerebrais. Desse modo, a criança terá uma boa noite de sono e se sentirá mais disposta no dia seguinte;

Frutas vermelhas – contém flavonóides, compostos bioativos com propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias que são benéficos ao aprendizado e memória, devido a sua capacidade de proteger os neurônios e reverter déficits de memória;

Ovos – são fontes diretas de colina, nutriente ligado à função cerebral que, participa da formação de neurônios, repara as células avariadas e produz acetilcolina, neurotransmissor fundamental para memória e aprendizado

Leia mais:  Estado recebe 48.200 novas doses para vacinação contra a Covid-19
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana